luizcarlosramos.net
O sagrado se fez gente
Luiz Calor Ramos Não, moço. Não foi uma noite tão feliz. Fazia frio. O vento cortante feria os lábios, ressecava os ossos. Os que vieram recensear-se abrigavam-se como podiam. Não era tanto por mal…