paulowainberg.wordpress.com
Sorvete? Não. Solerte.
Cara! Eu queria escrever um poema, daqueles de cinema ou, no mínimo, que fosse de capa dura, fingindo ser literatura, que o verso fosse candente e a estrofe eloquente, qual um discurso viril, um en…