literaturademetro.blog
Bolsas de energia
A beleza da olheira é a beleza do trabalho A ruína da mesma é o jogar-se no assoalho Sem saber o porquê tudo que faço é falho Não importa o que tente pra eu não ser falho Achei que o dom de dormir …