filosofiaemtransito.wordpress.com
No metrô, o corpo segue sem alma
Mara Rovida* A têmpora brilhosa denuncia a umidade que brota aqui e acolá. Entre a nuca e o coque improvisado, os cabelos se fazem como recém-lavados e evidenciam a caloria de um verão sem preceden…