zonacurva.com.br
O Rio de Tarso de Castro - Zona Curva
Quem é torcedor de futebol conhece aquele sentimento de vergonha do próprio time depois de um vexame. Não é uma vergonha qualquer. É diferente. Torcedor de futebol, em geral, sabe a diferença entre perder e dar vexame. Vexame é vexame. Não é a mesma coisa. Uma goleada de 7 a 1 numa Copa do Mundo em casa, por exemplo. Pois é com este sentimento diferente de vergonha, depois de um vexame, que, nesta temporada paulistana, eu tenho acompanhado ao que vai no Rio. Assisti outro dia ao documentário “A vida extraordinária de Tarso de Castro”, dirigido pelos gaúchos Zeca Brito e Leo Garcia. O filme me arremessou numa viagem no tempo. Fui parar num certo dia de 1985, quando eu era muito jovem e conheci o Tarso, de quem o filme trata. Eu ainda não tinha concluído a faculdade de jornalismo, ganhava, na moeda da época, 500 e alguma coisa por mês como estagiário da “Tribuna da Imprensa” e morava num quarto alugado em Copacabana. Ia trabalhar de ônibus 464, Maracanã-Leblon, bebia cerveja sozinho no botequim do Raimundo, na Rua Bolívar, e me enchia de crença num Rio e num Brasil feitos de sonho nas vezes em que era escalado pra entrevistas coletivas do Leonel Brizola e do professor Darcy Ribeiro. O Rio era o Rio que eu queria que fosse, o Rio que eu quero que seja, o Rio que talvez nunca tenha sido ou não volte a ser – e eu ouvia o barulho do mar no Posto 6, e eu sentia o cheiro da maconha do Posto 9, e eu me supunha importante por estar no meio dos aplausos dedicados ao pôr do sol em Ipanema, e eu comia chuleta com salada de agrião na churrascaria Plataforma uma vez por mês, quando recebia o salário, e eu ficava ali na Plataforma a duas ou três mesas do Tom Jobim, só pra olhar pra ele com seu chapéu panamá, e eu acompanhava os discursos inflamados dos petistas contra os brizolistas (e vice-versa) nas mesas do Lamas, quase sempre sem poder gastar nada, e eu estava ali.