western!de

Ancient Jewelry Replicas on Etsy

In the past, a few people have asked me where they can find ancient jewelry for sale. While auction houses such as Christie’s, Bonhams, and Sotheby’s certainly offer ancient jewelry in their lots, not everyone can afford to buy genuine artifacts, myself included! I’ve thus done quite a bit of online sleuthing, searching for high-quality reproductions, and I thought I’d share what I’ve found with you all. Happy shopping!

Ancient Jewelry

Ancient Coins

  • Golden Artifacts (Greek and Roman coins)
  • Ancient Legends (mostly Roman, Greek, and Byzantine, but some Jewish and Biblical coins too)
  • Antiqua Nova (mostly Greek and Roman, with later European coins too)
  • Vibraa (Greek replica coins turned necklaces)
8

Dendropsophus

click images for descriptions

source-CENBAM Portal and PPBio Western Amazon
INCT CENBAM (Centro de Estudos da Biodiversidade Amazônica) (Centre for Amazonian Biodivesity Studies) was created in 2009 with the principle objective of consolidating outputs based on firm scientific knowledge that start with biodiversity studies and end with information, products and processes that are useful to specific users in the short, medium and long-term. It coordinates a network of Amazonian and extra-Amazonian institutions involved in biodiversity studies.
Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) was created in 2004 with the aims of furthering biodiversity studies in Brazil, decentralizing scientific production from already-developed academic centers, integrating research activities and disseminating results across a variety of purposes, including environmental management and education.

Fun facts about Catalan
  • Catalan is spoken in four states: Spain, Andorra, France and Italy
  • It’s an official language in Spain in the areas where it’s spoken. 
  • It’s not official in the French areas where it’s spoken, but it’s taught at school
  • The Italian dialect is in decay, although efforts are being made to preserve it and promote it
  • It is the only official language in Andorra
  • The main organization that controls the language is l’Institut d’Estudis Catalans
  • Although Spain is part of the EU, Catalan is not an official language (despite having more speakers than Finnish or other European languages). However, many documents from the EU are translated to Catalan
  • Catalan is considered to be one of the most unified languages in medieval Europe
  • Catalan has also one of the first feminist writers in Western Europe, Isabel de Villena (XV century!)
  • Isabel de Villena’s work was a reply to a sexist book that had been published. It included sexist insults in almost each verse (11,000 in total)
  • The first person who stopped writing in Latin for his scientific research was Ramon Llull, back in the 13th century.
  • Catalan and Italian share many grammar rules, some of them are exactly the same.
  • Catalan has two main dialects, the western dialect and the eastern dialect
  • Catalan is called “valencià” in the region of Valencia, which is the dialect of that area (same situation with Dutch in Belgium)
  • There’re more Catalan speakers (8/9 million) than Irish people (we could invade them)
  • Catalan has quite a unique letter: l·l
  • Catalan is quite related to French and Occitanian
  • It has its own Wikipedia articles in the language
  • The domain for websites in catalan is .cat
  • You can change most devices and social media to Catalan, so if it is your target language you know what to do!
Del tamaño del cielo

Eras pequeña, pequeñísima

así como esos pececitos de colores

que nadie sabe como se llaman.

Eras pequeña tan pequeña

que a veces sentía

que podía sacarte a pasear en el bolsillo

pequeña así tanto tantísinmo

que sentía a veces

que podía comerte de un bocado

o guardarte en un zapato

o trazar en tu espalda

con tinta china

apenas una “a”

ligeramente exagerada.

Eras pequeña, diminuta

y tu voz era champurrado

y tus gestos como el aleteo

de los colibríes

se amontonaban y sucedían

rápidos salvajes explosivos

¡boom! Te ríes

y tu risa es un río

que arrastra flores

¡bang! Te deshaces llorando

y humedeces tu falda de lirios

y tus brazos se vuelven mohínos

y susurras una maldición

¡boom! Estás alegre

y te grito “¡pinche loca!”

saltas en la cama y

caes y te extiendes te vuelves inmensa

y dudo poder abarcarte

con mis ciento y tantos kilos

o mis modos de western boy.

Firmas y te reafirmas

como única deidad factible

diosa regente de alguna selva

infinita

mente

húmeda

te afirmas y confirmas

mediante tu sexo jamás

besado por el sol.

Entonces eres inimaginable

como el espacio entre una estrella y otra

inimaginable como un poeta serio

sin algo dedicado a Virginia Woolf

inmensa así

extensa así

como el luto y los martirios

y el pesar

como la gloria y las carcajadas

y el placer

como un océano

de océanos

habitados por pececitos de colores

que nadie sabe como se llaman

como un torbellino

en la garganta del mundo

como la marejada

que se engulló el porvenir.

Crecías

y seguías creciendo

echabas raíces

ya milenarias

apenas nacer

y entonces tus besos

se iban gestando

germinando bajo la piel.

Era yo, un explorador

barbón perdido,

absorbido y oxidado

por tus verdes muslos

tus gruesos muslos

de rubio musgo

que se incendiaban por la fricción.

Y fue entonces nuestro hogar

una esfera de humo rodeando la galaxia

y fue entonces nuestro hogar

cada rincón concurrido

cada baño de Mc Donald’s

cada vista que diera al mar.

Y entonces ardías

desde las puntas de tus cabellos

hasta el suave prado que era tu talón.

De la inmensa extensa espesa infinita selva

que eras

volvías a ser ínfimamente

ínfima

apenas un bonsái

brotando entre las ruinas

de una metrópoli castigada

por Gershwin que rebotaba en la realidad.

Volvías pues, a ser tanto tan pequeña

y tus cenizas eran remedio para curar el dolor

cualquier dolor

y ¡tus manos! eran como semillas de calabaza

entre las mías

y ¡tus manos! eran como un ojo de gato

entre mis dedos.

Te recuerdo así

como condena y salvación

pequeña tan pequeña

como una migaja de coral

como el arrepentimiento de la Piaf.

Eras pues, pequeña y me dolías mucho

como esos pinches cueritos

que se desprenden de los uñeros.

Me dolías basurita de ojo

charalito ansioso

bailarina láser.

Me dueles tanto

mientras me revuelves

la rabia el amor

la euforia el dolor

el presente el pasado

el pasado el presente

nada está definido

nada estará claro

mientras sigas acá…

ardiéndome

matándome.

 

Por lo tanto declaro:

No más tributos de fulgor insoportable a ti severísima diosa de colmillos platinados, no más letanías infinitas de todos los nombres sagrados que existen para el fuego que transpiras.

.

Aunque sea la resaca

grande tan

grande

al fin, podré

sonreírle a la vida

andar ligero de equipaje

ser y solo ser

sin esa pequeña tan

pequeña

molestia a rastras.

(Bothrops asper) Fer-de-lance, terciopelo

Has a large supply of potent mainly hemotoxic venom w/ cytotoxic factors; envenomation can cause systemic internal bleeding & serious local tissue destruction. Causes immediate burning pain, edema, local hemorrhage, discoloration, necrosis, can cause wide-spread hemorrhage (at multiple sites & intracranial), coagulopathy, severe hypotension, renal failure & shock. Causes more human deaths than any other pitviper species in the Western Hemisphere.

3

Hypsiboas punctatus

source-CENBAM Portal and PPBio Western Amazon

INCT CENBAM (Centro de Estudos da Biodiversidade Amazônica) (Centre for Amazonian Biodivesity Studies) was created in 2009 with the principle objective of consolidating outputs based on firm scientific knowledge that start with biodiversity studies and end with information, products and processes that are useful to specific users in the short, medium and long-term. It coordinates a network of Amazonian and extra-Amazonian institutions involved in biodiversity studies.

Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) was created in 2004 with the aims of furthering biodiversity studies in Brazil, decentralizing scientific production from already-developed academic centers, integrating research activities and disseminating results across a variety of purposes, including environmental management and education.

10

Shoot the Sun Down, David Leeds, 1978, EEUU

Western amateur que mezcla de todos lados (de Monte Hellman a El topo pasando por el spaghetti western) mientras un grupo de personajes pintorescos busca un tesoro con desgana. Por accidente aparece alguna composición de cierta gracia, pero en conjunto no solo desconoce los rudimentos del género, si no del medio mismo. Incompetente e incongruente, el montaje es una pesadilla, no se tolera ni por la excéntrica, ensimismada, presencia de Walken.

Merlebleu de l'Ouest femelle / Adult Female Western Bluebird (Sialia mexicana)

Sialia mexicana (Swainson, 1832) :
- Merlebleu de l'Ouest ;
- Western bluebird ;
- Azulejo de garganta azul ;
- Azzurrino occidentale ;
- Blaukehl-Hüttensänger ;
- Blauwkeelsialia ;
- Purppurasinikka ;
- Västsialia ;
- Западная сиалия ;
- Błękitnik meksykański ;
- チャカタルリツグミ ;
-  西蓝鸲

Ordre : Passériformes - Passeriformes ;
Famille : Turdidés - Turdidae ;
Genre : Sialia ;
Espèce  : mexicana / Sous-espèces : +6 ;
Longévité : 4 ans.

Wade Tregaskis / (CC BY-NC 2.0)

¤ ♥   http://mokacahuete.tumblr.com/

In “Beyond Tragedy” (from Love in the Western World), Denise de Rougement writes that faith is always a chance for a sequel. Faith as the way to begin anew post-tragedy.

4

Allobates femoralis

source-CENBAM Portal and PPBio Western Amazon

INCT CENBAM (Centro de Estudos da Biodiversidade Amazônica) (Centre for Amazonian Biodivesity Studies) was created in 2009 with the principle objective of consolidating outputs based on firm scientific knowledge that start with biodiversity studies and end with information, products and processes that are useful to specific users in the short, medium and long-term. It coordinates a network of Amazonian and extra-Amazonian institutions involved in biodiversity studies.

Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) was created in 2004 with the aims of furthering biodiversity studies in Brazil, decentralizing scientific production from already-developed academic centers, integrating research activities and disseminating results across a variety of purposes, including environmental management and education.

anonymous asked:

Thank you for showing support on the anti westernized cinco de mayo! It means a lot! Have a good day ☺️

You don’t need to thank me! I’m literally doing the bare minimum, if that, but I think everyone should be less ignorant and more respectful, especially on days like today when it’s gonna be full of people just being awful, gross and racist only to carry on with their lives tomorrow and not give a shit.

It really doesn’t take much to be a human being and yet some people still fail lmao.

Thank you and I hope you have a wonderful day too 😊 😍 ♡ ♡

¿Alguna vez habías escuchado sobre la zona de Western Addition que rodea el parque? ¿No?

Es conocido como el barrio Alamo Square. Un barrio residencial y parque de San Francisco, California. El parque de Alamo Square se sitúa en la cima de una colina y cuenta con vistas en las que se puede divisar la mayor parte de la ciudad, con un importante número de mansiones arquitectónicas distintivas a lo largo de su perímetro. Es muy característico por su arquitectura victoriana que se ha mantenido prácticamente intacta de los proyectos de renovación urbanísticos y contiene la segunda mayor concentración de grandes casas en San Francisco después del barrio de Pacific Heights.

¿Y es tranquilo? ¿Hay niños corriendo por las calles o parejas caminando por el famoso parque en las noches? Si tú no lo sabes ¿Quién podría? ¿Realmente crees conocer a tus vecinos? A los más amables, o a los más tacaños. A ese anciano solitario que no le gusta que jueguen en su jardín, o a esa adorable mujer que regala galletas a las personas.

En este vecindario aparentemente tranquilo todo puede suceder con un abrir y cerrar de ojos. Desde el problema más común, hasta el más complejo.

Secretos, misterios, ilusiones, amores, engaños, hay una larga lista de dramas que puedes elegir

¡Ven y averígualo!

RP de personajes originales (OC) en Twitter.

Twitter MainAskPlot ReglasLista de FCs.

Tenho me correspondido com Bill Wantling desde os dias da Revolução do Mimeógrafo, desde os dias de Blazek e Ole, quando conheci seu trabalho e trocamos umas cartas. Escrevi tantas cartas a Wantling que ele me colocou como personagem em uma novela usando partes da minha correspondência para compor as minhas falas. Eu era um ator fracassado morando em Hollywood e tomava umas boletas e bebia demais (na verdade eu moro no Hollywood Boulevard com a Western, numa zona de prostituição, mas nunca fui muito de atuar.) Os anos se passaram, as cartas ficaram mais escassas, vivi com diferentes mulheres, mas Bill continuou com sua esposa, Ruthie, que era seu porto seguro, seu amor, sua garantia de sobrevivência. Nós dois finalmente tivemos algum sucesso com nossos textos; eu até comecei a pagar o aluguel com os meus; Bill continuou a trabalhar nas mesmas coisas de antes, e foi descoberto na Inglaterra e na Nova Zelândia – o trabalho dele não tinha a covardia e o lustro que a grande maioria do público consumidor de poesia nos Estados Unidos exige – e as coisas nunca foram fáceis pra ele, por isso ele continuou a escrever bem. Com Ruthie baldeando água, cuidando das vendas e buscando o jantar na zona portuária, Bill acabou indo parar na universidade. O Bill soldado também ajudou. Me assustou pra caralho o fato de Wantling passar por toda essa coisa de universidade, porque ele tinha um jeito enérgico e natural de pôr uma frase no papel e achei que a academia fosse afetar isso. Nem tanto. De qualquer jeito, não foi longe o bastante para adquirir uma cátedra. Então lá estava ele este ano, subitamente promovido a instrutor – contrato de um ano, não renovável. Foi assim que o encontrei. Ele mexeu os pauzinhos no departamento de inglês para me trazer a Illinois State para fazer uma palestra. Conseguiu me arranjar quinhentos dólares e, como os cavalos estavam indo mal, eu fui. No avião, fiquei com medo, digo, pensando no que poderia acontecer. Eu tinha uma política de evitar escritores o máximo possível; eles enfraquecem uns aos outros, indo a festas juntos,fofocando juntos, reclamando juntos. Quase todos os escritores que conheci acreditam ser geniais e subestimados quando o fato é que eles simplesmente escrevem muito mal. A maioria dos escritores não são pessoas agradáveis, e durante a viagem de ida pensei, bem, Jesus, vai ser a mesma coisa de sempre. Vou conhecê-lo, não vou gostar dele, e aí vou começar a não gostar dos seus poemas. Bill sempre disse,analise o escritor, não o homem. Mas sou sentimental e não consigo evitar fazer as duas coisas. E também, pensei, não saberei o que vestir. Não gosto de lojas de roupas. Estava usando um casaco que havia comprado há quinze anos, um par de calças baratas que não me serviam direito, sapatos já sem solas e um sobretudo do meu falecido pai, dois números acima do meu. Além disso, meu cabelo não para no lugar, não costumo cortar o cabelo, fazer penteados, apenas dou a tesoura para uma mulher de vez em quando e digo vá em frente. Quando há uma mulher por perto. Em Chicago tive que pegar um daqueles aviões a hélice nos quais todos os passageiros a bordo fazem piadas durante o voo. Mas você pode beber neles também. E o avião balança e as aeromoças batem em você com os quadris como se prometessem mais. Isso está mal escrito, não está? Bem, fui o último a descer do avião. Uma rajada de vento que veio por trás jogou todo o cabelo na minha cara. Ao me recompor, lá estavam eles, Bill e a Ruthie. Não me lembro exatamente da conversa, da conversa que quebrou o gelo, mas achei os dois muito gentis. Gostei deles de cara. Bill comentou que nunca tinha conhecido ninguém que se vestisse como eu, mas disse isso quase como um elogio. Entramos no carro e pegamos a estrada. – Sua voz é tão suave – disse Ruth. – E você não é de falar muito – disse Bill. Bill tinha as vibrações, boas vibrações, você podia senti-las de cara, ele era cercado por elas, energia, energia pura e abençoada. Paramos num lugar para tomar uma cerveja e seguimos direto para a casa de Ruthie. Eles estavam se separando. Ele havia me escrito: “Estraguei tudo com Ruthie, enfim, ela estava aturando as minhas merdas & vômitos & drogas há nove anos, não aguentou mais”. Tinha um negócio às duas horas na universidade, parte do show. Fui para lá e tive contato com uns estudantes e voltamos. A palestra era às oito. Tomamos mais umas cervejas e percebi que Bill gostava de escutar, não era muito de falar; como eu. Então o negócio foi meio silencioso, mas não foi aquele tipo de silêncio, sabe; era antes um silêncio agradável – sem desconforto, sem pressão, sem tentativas de puxar conversa. Ficamos na casa do Bill durante um tempo. Ele tinha um apartamento de frente na Bloomington Gun, Main Street, Bloomington. Era espaçoso e iluminado. Veio mais cerveja, a pedido meu. O professor encarregado da palestra chegou; ele estava entusiasmado, um pouco infantil mas simpático; efusivo mas sincero. Bill me ofereceu umas pílulas no corredor, mas recusei. – Estômago sensível, cara, esse negócio acaba comigo. O professor me aconselhou a não beber muito mais, e saímos para jantar. Sugeri algum lugar em que pudéssemos tomar mais cerveja. Durante toda a conversa e a preparação para a palestra eu podia sentir a presença de Bill; sentia-o ali o tempo todo, os raios brilhando, os raios bons e sólidos de sua energia, de sua alma, se assim preferir. Ele tinha um jeito simples de dizer as coisas, mas tudo o que ele dizia facilitava o andamento do jogo, fazia a conversa agradavelmente humana. Existem várias maneiras pelas quais um homem pode expressar ressentimentos, preconceitos, insanidades, mesquinharias, inveja; Bill não demonstrou nada disso. Não quero fazê-lo parecer um deus. Era simplesmente um ser humano muito bom e eu gostava dele, muito. Fizemos a leitura, eu li, voltamos para casa. Parte do público acompanhou. Estudantes, uns professores, outros desconhecidos. As bebidas vieram junto. As alunas eram ótimas, todas as armadilhas estavam lá. Sempre me sinto aliviado depois de uma leitura; é um trabalho sujo para mim, é suado. Comecei a beber pesadamente, o alívio tomou conta de mim e comecei a “bater papo”. Era esperado, parte do procedimento, mas a parte mais fácil – eu já tinha pegado meu cheque. Tirei sarro da cena literária… – Ah – eu digo –, você leu Lawrence? Não, não, Josephine, não o cara da Arábia, o cara que ordenhava vacas e mulheres… E continuei. Me poupou de responder perguntas sobre a minha pessoa. Certa hora, no meio da noite, estendi a mão e peguei um punhado do cabelo de Bill: – E esse junkie de merda aqui, para que serve? Todo mundo ficou quieto.– Vocês sabem – eu disse –, tem um poema que Bill escreveu que realmente me deixa arrepiado… Bill, aquele em que a sua menina se oferece para fazer alguns truques para você conseguir uma drogas, e você fica brabo, chora e ela diz, “Não chora, papai, é só mais um jeito de foder com um otário”. Então continuamos a falar sobre as coisas do Bill e todos nos sentimos melhor… De manhã Ruthie tinha que trabalhar, então Bill e eu ficamos sozinhos em casa. Nós dois estávamos de ressaca, Bill mais do que eu. Demos um jeito de engolir uma cerveja quente e então sugeri que a gente tentasse fazer uns ovos cozidos. Bill deixou-os cozinhar demais. Depois que comemos, ele, de súbito, correu para o jardim e disse: – Bukowski… – e então vomitou. Ele estava nas últimas. Por fim, conseguiu comer um pouco de pão molhado no leite. – A gente devia pegar mais leve, cara – eu disse a ele –, meu objetivo é viver até o ano 2000. – Puta, o meu também – ele disse –, sonhei que ia morrer no ano 2000. Ele sabia até a hora e o sminutos do dia. Entrei e tomei um banho; banhos quentes me ajudam quando estou de ressaca. Depois tomei mais uma cerveja. Bill ainda parecia mal; eram as pílulas, aquelas merdas. Foi escurecendo e escurecendo. Ruthie telefonou e disse que um tornado estava a caminho. Parecia que já era meia-noite e o vento soprava, soprava. Tomei mais uma cerveja e cancelamos o voo. Ruthie veio para o almoço, e Billdisse: – Bukowski é resistente, um filho da puta resistente, tem o corpo de um cara de dezenove anos. Dois poetas vieram para a leitura da noite seguinte; uma moça e um cara de uns trinta e poucos anos. Eles começaram a falar, falar sem parar… e não era uma boa conversa. Comecei a apreciar cada vez mais o jeito calmo de Bill. Bill saiu do banheiro. – Bukowski, você se masturbou quando tomou banho? – Não. – Que bom, assim eu não tenho que lavar a banheira. Ruthie voltou para o trabalho. O professor voltou e levou a jovem poeta para algum evento. O cara continuou falando. Bill saiu do banheiro. – Escuta, cara, você não parou de falar desde que chegou aqui. Faz uma hora. – Bem, é melhor do que ficar resmungando. Tudo o que vocês fazem é ficar sentados resmungando. Eu achava que resmungar era bem melhor. Bill tinha que dar aula. O professor e a jovem poeta voltaram. Bill pendurou um negócio nas costas. – Que diabos é isso, Bill? – perguntei.– Carrego meus livros e folhas aqui dentro. Vou de bicicleta para a aula. – Ah, vamos, eu te levo – disse o professor, – tem um tornado se formando lá fora. – Está tudo bem, consigo ir sozinho. Ele veio até mim. – Não sei dizer adeus – ele disse. – Então não diga – respondi. Houve um leve aperto de mãos e ele cruzou a porta em sua bicicleta. Isso foi no dia 3 de abril. Bill Wantling morreu ao meio-dia e quinze do dia 2 de maio de 1974. Eu estava sentado, escrevendo um poema, quando o telefone tocou. Ruthie me deu a notícia. Depois que ela terminou de falar, liguei para a minha garota que trabalhava como atendente num bar. – Wantling morreu – eu disse–, Ruthie acabou de me ligar. Wantling morreu. As lágrimas escorriam dos meus olhos, eu tremia. – Desculpa – eu disse –, já lhe falei o quanto gostava dele. Desliguei. Era verdade. Bill tinha sido um dos poucos homens com quem pude me relacionar. Eu estava acostumado com a morte, conhecia a morte, escrevia sobre a morte. Saí e peguei umas bebidas e enchi a cara. Na manhã seguinte eu estava bem; assunto liquidado; foi o choque inicial que me confundiu. No fim Bill estava concentrado no Estilo. Ele sabia o que era estilo, ele era estilo, ele tinha estilo. Uma vez ele me perguntou numa carta, “O que é estilo?”. Não respondi a pergunta. Eu tinha escrito um poema chamado “Estilo”, mas acho que ele pensou que aquele poema não respondia totalmente à pergunta, e ainda assim eu a ignorei. Agora sei o que é estilo, depois de conhecer Bill. Estilo significa guerrear sem escudo. Estilo significa não ter uma frente de batalha. Estilo significa a mais absoluta naturalidade. Estilo significa um homem sozinho com um bilhão de homens em volta. Chegou a hora de eu dizer adeus a você, Bill.
—  Charles Bukowski.