92° Capítulo.- além da implicância.

Marina. – 05 meses.

– Rodrigo? – Ela não estava realmente acreditando naquilo. – Isso é algum tipo de brincadeira? – Perguntou sentindo seus olhos se encherem.

– Brincadeira nenhuma minha loira. – Sorriu. – Você quer que eu me ajoelhe aqui também? – Ameaçou se levantar, porém foi impedido pela loira.

– Não Rod, para. – Nessa altura, as lágrimas já banhavam todo o rosto de Juliana. Pra ela, aquilo era simplesmente inacreditável.

– Então responde minha loira. Você aceita carregar contigo o meu sobrenome? – Enlaçou os dedos dela, e os levou até seus lábios, depositando ali um beijo suave.

– Meu Deus! É claro que eu aceito moreno, é claro que eu quero ser a Juliana Paiva Simas. – Mais lágrimas escorriam por seu rosto. E antes que Rodrigo pudesse dizer qualquer outra coisa, Juliana o beijou como todo desejo que estava sentindo naquele momento. O beijou sem pudor nenhum, esquecendo–se completamente que estavam rondados pelos familiares. Juliana beijou Rodrigo como se sua vida dependesse daquilo naquele momento.

E foram precisos as palmas e os assovios soarem para que eles se dessem conta de que aquele beijo precisava chegar o fim. E só depois de separarem os lábios, foi que Ju se deu conta de que quase engoliu Rodrigo ali na frente de todos.

– Desculpem! – A loira tinha o rosto vermelho pela vergonha, e precisou esconder–se em Rodrigo, que só conseguia rir da cara dela. – Para amor. – Pediu baixinho, morrendo de vergonha.

– Achei que teríamos que nos retirar. – Bruno disse pra implicar com eles. – Estavam quase se comendo nessa mesa. – Deu risada, assim como Felipe.

– Eu criei dois pervertidos, não é possível! – Ana bateu no braço de Bruno, que estava próximo a ela.

– Ué! To falando alguma mentira?

– E aí Bu, por que você não pega o barco dos seus irmãos? – Beto indagou fazendo o rapaz se engasgar.

– Quê? Oh pai! Não me complica não! – Quase entrou em desespero, e Yanna do seu lado só deu risada.

– Relaxa “Bubuzinho”, eu ainda não quero casar. – Ela fala.

– Você entendeu né “Bubuzinho”. – Rodrigo resolveu implicar com o irmão. – É só por que ela ainda não quer, por que quando ela quiser, não vai ter pra onde correr. – Riu da careta feita pelo irmão.

– Não fala nada que você não tá com moral Rod. Quer que eu relembre a quase transa de minutos atrás? – Bastou ele falar pra Rodrigo lhe proferir um olhar bravo.

– Tá tudo muito bonito, tudo muito emocionante. – Gilmar falou num tom grosso. – Mas até agora eu to esperando que a mão da minha filha me seja pedida, Rodrigo. – Manteve o tom de voz, fazendo todos dar risada, inclusive Rodrigo.

– Vai amor, pedido formal. – Ju riu.

Rodrigo então fez a cena, pediu para que Gilmar lhe concedesse a mão de Juliana, e o homem fez um doce, fazendo todos gargalharem muito com a cena. Tudo não passou de uma brincadeira, Gilmar achava que homem melhor para Juliana não poderia a ver, e teve certeza disso há tempos, quando ele o ajudou a conhecê–la.

O jantar correu maravilhosamente bem, após os pedidos, eles enfim puderam jantar, e a comida feita por Mariana foi muito bem elogiada. As crianças deram um sossego, todas já estavam capotadas na cama do casal. O dia seguinte seria uma segunda–feira, mas ninguém pareceu se importar com aquele fato, pois após o jantar, a noite ainda rendeu um pouco mais.

O relógio já apontava quase meia noite, e os mais velhos foram todos embora. Restando apenas os casais, Juliana e Rodrigo, Mariana e Felipe, Yanna e Bruno. Os irmãos de Rodrigo tomavam vinho, e o moreno permanecia sóbrio, já que ele quem conduziria o carro até em casa, Juliana não podia beber por que estava amamentando, e as amigas lhe fizeram companhia no suco de uva.

– Vocês vão casar juntos?! – Ya perguntou. Ju e Mari se entreolharam, e antes que elas pudessem responder, Rodrigo falou.

– Acho que não, né? – Olhou pra Ju. – Ainda tá muito cedo, nós vamos esperar Marina crescer um pouco mais. – Disse a loira concordou com a cabeça.

– Quero minha princesa entrando na igreja com as alianças, toda linda, maravilhosa. – Fechou brevemente os olhos, imaginando a cena.

– Nós podemos casar dentro de alguns meses, né Fi?! – Mari cutucou o namorado, que estava quase cochilando.

– Quando você quiser minha linda. – Ele respondeu e deu mais uma golada em seu vinho.

– O Joca já tá grandinho, e pode muito bem levar as nossas alianças. – Disse. – E claro, quero vocês no altar comigo. – Falou.

– Ih! Vai rolar o convite os padrinhos já? – Bruno cutucou Felipe que novamente estava quase cochilando.

– O que? – O rapaz perguntou os fazendo rir.

– Os padrinhos Fi. – Mari disse.

– Ah sim. Não estão aqui na nossa frente? – Perguntou. – Basta decidir quem vai ser de quem.

– Isso menos importa. – O moreno falou.

– Ya e Bu podem ser os seus, amor. E a Ju e o Rod os meus. – Mari disse e ele apenas concordou.

– Aí gente, a noite pra mim termina aqui. – Fi falou. – Eu preciso ir dormir. – Levantou–se do sofá.

– Caraca, vai dar uma da manhã. – Rod disse. – Acho que tá na nossa hora também, hein Ju? – Beijou o pescoço da loira.

– Claro. Amanhã tem consulta da Marina cedinho. – Ela lembrou.

E aquela foi à deixa, despediram–se e mais uma vez se parabenizaram pelos casamentos. Rodrigo apanhou Marina no quarto do irmão, e com a pequena nos braços, rumaram para o carro.

(…)

– Xi! Não acende a luz senão ela acorda. – Ju sussurrou, impedindo o moreno de clarear o apartamento. – Se ela acordar, nós não dormimos. – Disse.

– E quem disse que meus planos é dormir? – Sua mão escorregou da cintura da loira até sua bunda, onde foi dado um apertão.

– Rodrigo! – Ela teve de repreendê-lo, mas não prendeu o riso. – Vou por ela no berço, não faça barulho. – Pediu e caminhou pro quarto da filha.

A loira precisou de muita cautela pra conseguir trocar a roupa de Marina sem que ela acordasse. Contou com a sorte de a menina estar muito cansada do dia. Não havia tirado soneca em nenhum momento, e na festa, passou de braço em braço, cansando–se ainda mais. Daquele jeito que estava só acordaria no dia seguinte.

Após trocar a filha, Ju aproveitou pra dar de mamar. A última vez que ela mamou ainda era cedo, e talvez por causa da fome, ela pudesse acordar ainda no meio daquela noite. Mesmo dormindo, Marina mamou bastante, e só depois de saciar sua fome, foi posta no berço.

– Demorou loira. – O moreno lhe esperava sentado na borda da cama, apenas com a luz do abajur acessa.

– Tava dando de mamar pra bezerrinha. – Disse rindo, e começou a se despir. – Preciso de um banho quente. – Falou.

– Eu tinha pensado em outra coisa antes do banho. – Abriu um sorriso levado.

– Rod, nós vamos levantar cedo. – Ela argumentou.

– Linda, eu não me importo de parecer um zumbi. – Puxou–a pelo braço, fazendo–a sentar em seu colo. – Eu quero você amor. – Disse com a voz levemente rouca.

– Eu também quero. – Devolveu com a voz manhosa, e então lhe atacou os lábios.

Em poucos movimentos, Rodrigo levantou–se com ela em seus braços, e no segundo seguinte, Juliana sentiu suas costas chocar contra o colchão macio. Rodrigo se encaixou em suas pernas, e intensificou ainda mais o beijo.

As línguas bailaram numa perfeita sincronia dentro das bocas, fazendo o fogo que sentiam aumentar ainda mais. As mãos deixavam rastros de fogo por onde passavam, e os gemidos precisavam ser abafados com os beijos.

Juliana achou que fosse enlouquecer ao sentir os lábios dele em contato com seu mamilo enrijecido. Não sabia como suas roupas haviam sumido, simplesmente de um instante pro outro, já estava delirando com aquela doce tortura.

As intimidas, ainda que cobertas, procuravam uma pela outra, e quando se chocavam ambos gemiam com o prazer que aquilo os proporcionava.

– Escute. – Rodrigo parou, encarando os olhos dela. – Eu amo você Juliana. E você é minha, só minha. – Falou e a loira apenas concordou com a cabeça, não conseguindo responder nada. – Minha, entendeu?! – Apertou o mamilo, fazendo–a arfar.

– Sua! – Foi tudo o que conseguiu dizer.

Sem mais delongas, Rodrigo fez sumir as duas peças que impediam que eles se unissem como queriam. E ao fazer isso, deslizou para dentro dela, tendo que beija–la para abafar o gemido alto que lhe escapou.

Não importava quantas vezes repetissem aquilo, sempre era melhor que a última vez. Sempre era mais intenso, e sempre descobriam formas novas de deixar aquilo ainda muito melhor.

O ápice foi explosivo, e novamente precisaram se beijar para que os gemidos e gritos não fossem tão altos. Ambos haviam novamente chegado à melhor parte, e com os corpos ainda unidos, recuperavam o ar, enquanto viam estrelas.

– Eu ainda enlouqueço contigo, Juliana. – O moreno disse com seriedade. –Meu Deus, como eu amo você. – Beijou o pescoço suado e pegajoso dela.

– Comigo não é diferente. – Disso ofegante ainda. – Eu amo você mais que tudo.

– Eu sei. – Deixou o corpo relaxar por completo em cima do dela.

Por longos minutos ficaram ali se recuperando após aquela explosão maravilhosa, e quando enfim descansaram Rodrigo tomou Juliana em seus braços e levou–a para o banheiro, onde um teve a ajuda do outro para se banhar. Sempre cúmplices.

De volta ao quarto, vestiram–se e aninharam–se na cama. Rodrigo tendo sobre si o corpo quente de Juliana, que manhosa estava aninhada a ele, ao melhor “ursinho de pelúcia” que já teve na vida. Era nele que encontrava sua segurança, e não sabia explicar o tamanho da sua felicidade por aquele dia.

Iriam se casar, e aquilo era simplesmente magnífico. Era como ele havia dito de alma e de coração já eram marido e mulher, mas a confirmação disso na lei dos homens era algo importante, e saber que Rodrigo queria também aquilo a deixou num estado de felicidade máximo.

– Você já dormiu? – A voz rouca de Rodrigo soou.

– Não. – Murmurou baixo.

– Eu to feliz como nunca estive antes. – Disse.

– Eu também. – Limitou–se a dizer, levada já pelo sono.

– Sabe o que eu tava pensando? – Indagou.

– Amanhã você me conta. – Afundou-se ainda mais nele. – Agora fica quieto. – Rodrigo riu dela.

– Nossa, magoei. – Disse em meio ao riso.

– To com sono amor. – Resmungou.

– Tudo bem, amanhã eu te conto. – Beijou o topo da sua cabeça.

– Boa noite. – Disse baixinho antes de permitir que o sono lhe pegasse.

Pouco tempo depois, Rodrigo também adormeceu. Com o coração tranquilo e em paz.

O que mais poderiam querer da vida? Tinham uma família perfeita. Tinham saúde. Tinham a Marina.

E acima de tudo, tinham um ao outro.

————————————————————————————————-

Deixem comentários falando o que estão achando da fic, ok? 

Beijos <3

5

Deep Dream Bot

It eventually had to happen - an online web interface by Psychic VR Lab lets you upload Jpeg images to be processed with the Deep Dream code.

It should be noted that it may take a little while at the moment (at time of posting there is a queue of 164 images to be processed), but you can see the results at the web page or at this twitter profile here (some images not surprisingly maybe NSFW)

Try it out for yourself here

vimeo

Nathaniel Smithies is the #founder of PlusGuidance,

“PlusGuidance is hiring. We’ve raised our 2nd round of investment. I founded this company because I want to improve the world’s #mental #health, by immediate access to talking #therapists. I want people who believe in what I believe and who are passionate about building a company that will truly make a difference. I’m interested in anyone who thinks they could add value, but skills that we will need in the near future are: #Web/ #UX #designer, #growthhacker / #marketer, platform manager / #customer support. Our office is by#Brixton tube station (South #London  #UK). https://plusguidance.com

People used to talk about pageviews, a simple count of how many pages were loaded over a certain amount of time. But uniques have taken over, because uniques measure people, not pages. Advertisers care about the former when they’re planning an ad buy.
If uniques are people, how do 4 million, or 125 million, or 253 million people go missing? In an age when we assume our phones and laptops are tracking our every move, taking an actual head count of how many people go to a website is still almost impossible. There’s a blind spot at the center of the panopticon, and it’s roughly the size and shape of a cookie.
mashable.com
Finding a celebrity date on Tinder just got easier, if you're into that type of thing

Finding a match on Tinder can be just as difficult for celebrities as it is for the rest of us, apparently.

The company is introducing verified profiles for “notable public figures, celebrities and athletes,” the company announced in a blog post on Tuesday.

Much like on Twitter and Facebook, Tinder’s verification takes the form of a small blue checkmark, which appears next to a user’s name and age on his or her profile

See also: We tried out Tindog (Tinder for dogs) and this is what happened

The company will start with a “limited number” of requests, which will be reviewed on a case-by-case basis, Tinder’s VP of Global Communications Rosette Pambakian said. Other “notable public figures” who want to be verified can be added to a wait list Read more…

More about Tech, Apps Software, Apps And Software, and Tinder