voar*

Um dia...

Um dia tu perceberás que existe algo além de toda dor, um dia alguém lhe mostrará a saída deste labirinto em que tu se encontras, um dia tu descobrirá que a amizade também cura, e que tu não precisas estar enlaçado em uns braços para me sentir feliz… Um dia sairás deste casulo e ganharás um par de asas, e quando este dia chegar, feche os olhos e voe alto, voe além da escuridão e da incerteza que lhe atormenta. Encontre novos horizontes e descubra novos risos, voe para longe, encontre um novo pouso e descanse sua alma. 

- Cah 

Muitos querem voar enquanto outros querem apenas andar. Muitos sentem medo de perder enquanto outros apenas se arrependem de ter deixado ir por um caminho sem volta. A vida é assim, sempre exigimos mais ou vivemos por medo ao invés de aproveitar enquanto podemos, enquanto temos chance.
—  Júnior Souza.

quem esbarra comigo por aí não sabe da metade de tudo que explode e arde dentro de mim. fico pensando se eles imaginam que um toque nunca é só um toque e uma palavra nunca é só uma palavra, já que tudo que adentra meus ouvidos aflora assustadoramente dentro do meu coração. por isso eu passo muito tempo tentando não explodir, porque o mundo não suportaria o peso desses detalhes infinitos que me abrigam. não entenderiam o quanto eu preciso desesperadamente de refúgio e liberdade, assim, tudo ao mesmo tempo, antes de enlouquecer de vez com tamanha inconstância. eu queria dizer tantas coisas. contar sobre o meu pânico de lugares lotados porque eu sinto que meu corpo é pisoteado por tantas pessoas perdidas e eu fico desesperada pensando que eles nunca vão encontrar um lar e já sinto um aperto misturado com vontade de afogar toda a multidão na imensidão de mim. e contar que lugares altos não me fazem sentir medo, mas me despertam uma tremenda vontade de voar e ao mesmo tempo de chorar por não ter asas que alcancem tudo o que eu almejo. e conseguir explicar a sensação de quando eu deito pra olhar as estrelas, como se elas despencassem e viessem cintilar dentro de mim. contar que navegar me deixa extremamente enjoada, mas que nunca foi tão lindo sentir náuseas, só pelo prazer de encarar o infinito azul. quem me vê por aí dançando pela vida não sabe dos abismos, dos breus, da correnteza que deságua de dentro pra fora e ninguém vê. do corte que me abre da cabeça até a ponta do pé e me faz querer alçar voo de mim sempre que a solidão me aperta a laringe e sufoca a minha vontade de sorrir. e quem é que suportaria tamanha insanidade vestida de amor? eu sou transparência vestida de mistérios. eu não nasci pra ser desvendada, mas me encanta quem se arrisca ao tentar compreender.

eu sou o furacão e a brisa mansa que permeia os dias compridos.

Você cresce. Suas roupas ficam menores, as ofensas já não acertam na mesma intensidade. Você expande seu campo de visão, e enxerga tudo o que não passava de um grande nada. Os dias passam, problemas aumentam, e o tempo se reduz. Responsabilidades, contas, horários, prazos, preocupações, e finalmente, a tão sonhada independência. Você cresce, as piadas tornam-se cansativas, as histórias entediantes, as pessoas irritantes, os amigos antigos vão sumindo aos poucos por estarem crescendo também. Você cresce, e ironicamente se sente menor, a rotina te aperta, e saudade te engole. Todo mundo cresce, e a maturidade tem um preço, quem diria que ser livre pode custar a liberdade? Te obrigam a voar, enquanto seguram suas asas. Amadureça, mas não cresça antes do tempo. Aproveite sua juventude, e acredite, crescer tem lá suas desvantagens.

não queria falar sobre essa angústia que me corrói.
não queria falar sobre a minha ansiedade e todos os sintomas que ela causa.
não queria falar sobre como é chegar em casa e ver tudo desmoronar.
não queria falar das minhas saudades mais árduas e cortantes.
não queria falar do peso que sinto quando olho-me no espelho e não reconheço quem ali aparece.
não queria falar da minha insatisfação.
não queria falar das milhares idealizações que tenho e de como materializo o que não está ao meu alcance.
não queria falar do imenso desejo que tenho em sumir pelo universo e me encontrar em qualquer encanto.
não queria falar que o amor que me salva é o mesmo que me mata.
não queria falar que a noite me deixa mais nebulosa e depressiva.
não queria falar que tentei voar de mim
das causas
das frustrações
da hostilidade da vida
e voltei para o mesmo ninho de sempre:
a minha confusão que dança com a solidão.

₪ STATUS KAROL CONKA ₪
  • Só tem nível top, comigo ninguém pode. ⤴😉
  • Se não sabe o que diz, não fale. 🚧👊
  • Vou acenar da janela meu dedo do meio. ☺👏
  • Quanto mais subo, recalcados recebem desdém. 🍸⤴
  • Cê tá ligado que a bomba só explode depois que a negrita dá um sacode. 💣🔥
  • Inspire, respire, vem comigo, vamo além. ☝💛
  • Tá cheio de limitados querendo te limitar. 👊👌
  • Não tem asas, mas pode voar. Ela só quer viver. 💛🙌
  • Se quiser ir pra qualquer lugar, que vá. ⚠➡
  • Virou a esquina, correu pra se libertar, hoje ela não vai voltar. 🍃⤵
  • Lá vai ela toda, toda, só tirando onda. 💋💎
  • É quando eu quero, se conforma, é desse jeito. ☺🔓
  • Já falei que é no meu tempo, e as minhas regras vão te causar um efeito. 😏⏳🌀
  • Peguei sua opinião, 1-2 pisei. ⚠👠
  • Se quiser conferir, vem cá, pra ver se aguenta. 👐💋
  • Enquanto mamacita fala, vagabundo senta. 💋🔫
  • Já que é pra tombar, tombei, bang bang. 🌀🔫
  • Faça o que eu falo e se tiver tão complicado é porque não tá preparado. Se retire, pode ir. 🌀👊⚠
  • Seu discurso não convence, só lamento. 🌀🔫⚠
  • Depois que o alarme tocar, não adianta fugir. 😏⏰
[Hospital: Noite]

Dentre passos rápidos e um tempo bem longo de caminhada, enfim chegamos ao hospital. Não lembrava da caminhada ser tão longa, talvez por conta da companhia de Uno em bom estado. O tempo que levei para chegar até lá foi tortuoso demais. Em determinado ponto do trecho, Eri passou a voar, um tanto quanto cansada de andar. No momento, ela estava ao meu lado, olhando para todos os pontos possíveis do novo ambiente.

Adentrei o local, não parando para tomar fôlego da caminhada incessante. Procurava por alguém que pudesse me ajudar.

Sim. Eu chorei. Chorei muito. Naquele domingo percebi que novamente não era para ser, assim como a maioria das coisas na minha vida. Chorei porque sabia que nunca mais iria ver seu rosto novamente, nunca mais iria ouvir a sua voz. Desabei sobre mim mesma. Procurei me manter calma, não queria que outras pessoas vissem minhas lágrimas, mas não pude me conter. A idéia de te perder parecia insuportável. Naquele domingo fui dormir chorando, com o coração apertado. Acordei, olhei ao meu redor, a mesma casa vazia, vazia desde que te perdi. Respirei fundo e levantei, fiz um café, e percebi que mesmo que meu coração estivesse em pedaços, ele não iria parar de bater. Que eu não precisava de um chão (até porque você era o meu). Aprendi a voar, me libertar de tudo aquilo que me machucava, inclusive você. Fiz uma faxina, daquelas bem grandes, no meu coração. Tirei todo peso desnecessário, inclusive a culpa por ter te perdido. No final me tornei outra, e como dizem por aí, sendo outra, não sou mais sua.
—  Mah Monique (2016)
O amor enraivece e amansa
Cansa
E descansa
Encanta
E desencanta
Derruba
E levanta
Enrola
E desenrola
Abandona
E abraça
Adoça
E amarga
Desiste
E resiste
Insiste
Em ficar
Depois insiste
Em voar.
—  Ravel Tavares
Eu sinto muito por não ter conseguido ser quem você esperava que eu fosse. Sinto muito por ter te deixado, te machucado. Desculpa, eu realmente reconheço que mereço uma vingança bem castigada vinda de você, mas espero que tenha percebido que eu morri por dentro quando te deixei ir, pois o que eu fiz não era por mim, e sim por você. Sempre lhe vi como um pássaro preso em uma gaiola, que apesar de ter intimidade com o dono, sempre sentia o desejo de voar para longe. E foi isso que aconteceu, deixei você abrir as asas e deixá-la desfrutar da tão esperada e amedrontadora liberdade, e por mais que no começo sentisse falta de alguém lhe dando comida na boca, finalmente aprendeu a ser independente, alimentar-se sozinha, a ser livre e feliz desse amor que tanto me atraía, mas que tanto te prendia, que nos matava pouco a pouco.
—  Júnior Souza.