vieira-souto

youtube

LINHA 474

Percepções de dentro de uma escultura

Eduardo Coimbra convida o público a entrar em sua obra.


por João Pedro Domingos (DRE: 115020707)

Dados da exposição

Nome: Uma escultura na sala
Artista: Eduardo Coimbra
Local: Casa de Cultura Laura Alvim
Período: 29 de abril a 28 de junho de 2015
Endereço: Av. Vieira Souto, 176 Ipanema - Rio de Janeiro
Horário: 13h00 às 21h00

Eduardo Coimbra é um artista carioca que tem como foco de seu trabalho instalações, sendo a principal característica a grande escala nelas utilizada. Sua exposição “Uma escultura na sala” exemplifica ressalta muito bem os conceitos surrealistas frequentemente adotados. Exibida na Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema, essa instalação se destaca ao prender a atenção do público de forma eficaz ao levá-lo a explorar cada componente da obra. Eduardo Coimbra, literalmente, faz com que os visitantes do museu adentrem na exposição e a desbravem.

Sob a curadoria de Glória Ferreira, “Uma escultura na sala” intriga e fascina pelas suas peculiaridades. A mais evidente delas é o seu aspecto visual. Torna-se uma tarefa difícil não se sentir atraído por algo tão incomum: 29 cubos vazados, dos mais diversos tamanhos, empilhados e justapostos nas mais diversas posições, além de pintados nas cores preta e branca – além de alguns apresentarem a mescla dessas cores em largas listras. O nome também cativa, pois a expectativa gerada quando se pensa em uma escultura dentro de uma sala é totalmente quebrada pelo que traz a exposição. Quem imaginaria vários blocos pretos e brancos dentro de um espaço relativamente pequeno para comportá-los?

Mas, se em um primeiro momento a exposição causa estranheza pelo seu caráter incomum, essa barreira é logo quebrada quando o visitante entende a proposta do artista: a interação com a obra. Coimbra convida o público a entrar, a escalar, a contorcer-se, a subir e a descer. As possibilidades de interação com os cubos são inúmeras.

Essas interações com a obra tornam da Casa de Cultura quase uma exposição particular. A individualidade de sensações causadas é marcante, pois os diversos cubos e as diversas possibilidades de ocupação deles dão margens a vários modos de enxergar o espaço e a obra – ou o espaço que faz parte da obra, ou até mesmo a obra que só é obra em sua plenitude e conceito devido a sua presença naquele espaço. A descoberta de diferentes ângulos e o processo de procura destes em que a sala, os cubos ou a vista da praia de Ipanema podem ser vistos de um modo novo faz com que a exposição tenha um aspecto lúdico que vivifica.

O surrealismo proposto por Eduardo Coimbra só reforça a complexidade e força da arte contemporânea. Reconfigurar um espaço, convidar o público para redescobrir o trivial e fazer com que ele se divirta a partir disso aumenta a percepção que se tem do que está à volta e, de alguma forma, acende uma fagulha catártica, coisa que a arte tem efetividade em fazer.

Fotos: Divulgação.

“Uma estrutura na sala”, de Eduardo Coimbra

Por Ana Carolina Santos

           Inteiração.  Essa é a palavra que descreve perfeitamente a experiência que é visitar “Uma escultura na sala”, do artista plástico carioca Eduardo Coimbra. De curadoria de Glória Ferreira, a obra está sendo exposta na Casa de Cultura Laura Alvim (Avenida Vieira Souto, nº 176, Ipanema, Rio de Janeiro – RJ).

           Ocupando todo o espaço da Galeria Laura Alvim, a instalação é formada por 29 cubos de ferro, que podem ser pretos, brancos ou listrados de preto e branco. Os cubos são de diferentes tamanhos: tanto podem medir cerca de 50 x 50 cm, quanto podem ser enormes, comportando mais de vinte pessoas adultas.

           O que torna a obra tão marcante e especial é o uso que fazemos dela. Ao entrar na sala, você vê uma escultura triste, vazia. No momento em que você se permite explorá-la, um novo mundo se abre. Escorar-se, sentar, deitar, subir, pisar, escalar, pular… Adultos viram crianças com a obra de Eduardo Coimbra.

           E as crianças… Bem, continuam sendo crianças. Aliás, são permitidas serem crianças. Esse é um passeio imperdível para os pais apreciadores da arte que tentam incutir em sua prole o mesmo entusiasmo para com museus, casas de cultura etc. Ir com amigos é certeza de diversão. A obra é um prato cheio para quem ama tirar fotos conceituais. Sem mencionar a maravilhosa vista para a Praia de Ipanema.