vicioso

É muito fácil pedir, pedir, pedir. Difícil é se doar. Porque normalmente as pessoas têm a triste mania de jogar na cara. Fiz tal coisa por você. E eu por você. Daí vira aquela agressão gratuita, aquela lavagem de roupa suja, aquela coisa feia e antipática que não combina com sentimento. Mas então eu me pergunto: será que tudo combina com sentimento? Claro que não. A gente não consegue ser bom o tempo inteiro. A gente não consegue deixar de lado as mágoas e seguir em frente. Tem coisa que alfineta, cutuca, aperta. E é preciso gritar, tirar, sair desse círculo vicioso e ruim. Não é fácil. Mas também não é tão complicado assim. Basta querer. Basta sair daquele pedestal. Basta realmente se importar com o que faz. A gente pensa que é muito bacana e que faz o melhor que pode. Que bobagem. Nem sempre lutamos com força e com fé. Às vezes, a gente só deixa a vida nos levar, como se fosse um rio que leva pedaços de árvores e lixo.
—  Clarissa Corrêa. 
Nunca estamos completamente felizes, há sempre uma busca pela novidade, porém, o novo tem data de validade, depois nos cansamos e volta a ser rotina. Então corremos atrás de outra novidade, é um ciclo infinito e vicioso que tem suas vantagens e desvantagens.
—  Caren B.
Você é aquela confusão gostosa, que me mantém viva e que me dá esperança de um dia melhor. É a minha âncora, é o que me mantém segura. É a minha baía de esperança. É o sol que ilumina o meu céu depois da tempestade. É aquele ciclo vicioso, que muitos pensam ser um erro, mas que de alguma maneira, é o meu certo. É o meu tudo. É o meu mundo.
Você tem gosto de perigo, excitação e me deixa em êxtase.
Você tem gosto de casa e aconchego. Você, meu amor, é o meu lar.
—  Gabriela
E ela não aguenta mais tanta hipocrisia vinda de todas as partes. Ela não suporta mais tantas regras sendo ditadas por falsos donos da verdade. Ela viu que nesse mundo nada mais tem jeito, estamos num ciclo vicioso, condenados a cometer sempre os mesmo erros. Ela sabe que não quer mais ter que controlar seus impulsos. Ela quer seguir seus instintos, mas eles nem sempre são corretos para serem seguidos.
—  Os silêncios de Georgia Willian.

llega un punto donde tu tristeza te supera y de nada sirve quejarse porque sabes que no servirá de nada, sabes que volverás a caer en ese círculo vicioso tan complicado de salir y te conformas con seguir adelante, seguir la rutina, dejarte llevar por el día a día hasta que algo emocionante llegue nuevamente

No te aferres a las cosas. Si te hace más daño que bien, déjalo ir. Si ya no sientes lo mismo, déjalo ir. Si es un círculo vicioso, déjalo ir. No tengas miedo. Somos jóvenes, estamos en la edad de no aferrarse, de equivocarse, de aprender.
⁠⁠⁠Até onde devemos insistir no que sentimos por alguém? Tudo tem um limite. Não vale a pena ficar sofrendo, correndo atrás, implorando ou rastejando por alguém que não está dando a mínima por você. Afinal que tipo de amor é esse que te faz sentir mal e triste ou invés de feliz e amada? Me diz, até onde vale a pena se sacrificar por alguém que não te dá valor? Ele pode até te tratar bem e te fazer sentir especial, mas no fundo, ele só deseja algo de você, ou está brigado com a namorada. Porque depois, ele corre para os braços dela no fim da noite. Ele diz tudo aquilo que você quer ouvir e sentir que é verdade. E, você? Você fica na banheira da sua casa, chorando, berrando, se perguntando o que ela tem que você não tem. O carinha pode ser o mais cafajeste, mas é por ele que vai correr atrás e insistir. E o outro que é o “certinho” não tem a menor chance contigo, afinal, ele presta, por isso ele não vale a pena insistir. Mas vamos por na ponta lápis… Se o carinha que presta não recebe o valor da garota que gosta, pois ela só dá valor ao que não presta, o mais sensato seria deixá-la de lado, e, um dia ele encontrará uma mulher que lhe dará o valor que merece. Mas não é assim que acontece. O carinha acaba se deixando levar e vira cafajeste, isso também acontece com a mocinha que não recebe o valor do “crush”. E, assim começa um ciclo vicioso de pessoas sofridas que magoam uns aos outros. Então, até onde vale a pena insistir por alguém?
—  Imersivel na companhia de Reajustado.
Mais uma vez me vejo ali me estapeando por dentro e me perguntando ‘por que eu não consegui?’ É como um ciclo vicioso da rotina. A gente diz que vai ser diferente, que não vai fazer isso ou aquilo. Até começo a esboçar uma reação no inicio do dia de uma segunda-feira qualquer, porém quando me percebo novamente, o dia chega ai fim. E o que houve com as promessas do dia anterior? Uma angustia toma conta, fazendo companhia a minha fraqueza. Acho tenho medo mesmo é de não ser o suficiente.