vicioso

É muito fácil pedir, pedir, pedir. Difícil é se doar. Porque normalmente as pessoas têm a triste mania de jogar na cara. Fiz tal coisa por você. E eu por você. Daí vira aquela agressão gratuita, aquela lavagem de roupa suja, aquela coisa feia e antipática que não combina com sentimento. Mas então eu me pergunto: será que tudo combina com sentimento? Claro que não. A gente não consegue ser bom o tempo inteiro. A gente não consegue deixar de lado as mágoas e seguir em frente. Tem coisa que alfineta, cutuca, aperta. E é preciso gritar, tirar, sair desse círculo vicioso e ruim. Não é fácil. Mas também não é tão complicado assim. Basta querer. Basta sair daquele pedestal. Basta realmente se importar com o que faz. A gente pensa que é muito bacana e que faz o melhor que pode. Que bobagem. Nem sempre lutamos com força e com fé. Às vezes, a gente só deixa a vida nos levar, como se fosse um rio que leva pedaços de árvores e lixo.
—  Clarissa Corrêa. 
Nunca estamos completamente felizes, há sempre uma busca pela novidade, porém, o novo tem data de validade, depois nos cansamos e volta a ser rotina. Então corremos atrás de outra novidade, é um ciclo infinito e vicioso que tem suas vantagens e desvantagens.
—  Caren B.
Você é aquela confusão gostosa, que me mantém viva e que me dá esperança de um dia melhor. É a minha âncora, é o que me mantém segura. É a minha baía de esperança. É o sol que ilumina o meu céu depois da tempestade. É aquele ciclo vicioso, que muitos pensam ser um erro, mas que de alguma maneira, é o meu certo. É o meu tudo. É o meu mundo.
Você tem gosto de perigo, excitação e me deixa em êxtase.
Você tem gosto de casa e aconchego. Você, meu amor, é o meu lar.
—  Gabriela

llega un punto donde tu tristeza te supera y de nada sirve quejarse porque sabes que no servirá de nada, sabes que volverás a caer en ese círculo vicioso tan complicado de salir y te conformas con seguir adelante, seguir la rutina, dejarte llevar por el día a día hasta que algo emocionante llegue nuevamente

E ela não aguenta mais tanta hipocrisia vinda de todas as partes. Ela não suporta mais tantas regras sendo ditadas por falsos donos da verdade. Ela viu que nesse mundo nada mais tem jeito, estamos num ciclo vicioso, condenados a cometer sempre os mesmo erros. Ela sabe que não quer mais ter que controlar seus impulsos. Ela quer seguir seus instintos, mas eles nem sempre são corretos para serem seguidos.
—  Os silêncios de Georgia Willian.
⁠⁠⁠Até onde devemos insistir no que sentimos por alguém? Tudo tem um limite. Não vale a pena ficar sofrendo, correndo atrás, implorando ou rastejando por alguém que não está dando a mínima por você. Afinal que tipo de amor é esse que te faz sentir mal e triste ou invés de feliz e amada? Me diz, até onde vale a pena se sacrificar por alguém que não te dá valor? Ele pode até te tratar bem e te fazer sentir especial, mas no fundo, ele só deseja algo de você, ou está brigado com a namorada. Porque depois, ele corre para os braços dela no fim da noite. Ele diz tudo aquilo que você quer ouvir e sentir que é verdade. E, você? Você fica na banheira da sua casa, chorando, berrando, se perguntando o que ela tem que você não tem. O carinha pode ser o mais cafajeste, mas é por ele que vai correr atrás e insistir. E o outro que é o “certinho” não tem a menor chance contigo, afinal, ele presta, por isso ele não vale a pena insistir. Mas vamos por na ponta lápis… Se o carinha que presta não recebe o valor da garota que gosta, pois ela só dá valor ao que não presta, o mais sensato seria deixá-la de lado, e, um dia ele encontrará uma mulher que lhe dará o valor que merece. Mas não é assim que acontece. O carinha acaba se deixando levar e vira cafajeste, isso também acontece com a mocinha que não recebe o valor do “crush”. E, assim começa um ciclo vicioso de pessoas sofridas que magoam uns aos outros. Então, até onde vale a pena insistir por alguém?
—  Imersivel na companhia de Reajustado.

escuta aí baixinho:
um dia eu volto.

se o mundo queima às 6h de uma segunda-feira
e eu sinto a tua falta
mas respiro fundo
porque eu preciso me encontrar
e contigo eu só sabia esquecer de mim.

se Plutão não é mais considerado planeta
e eu sou que nem Plutão
sendo anulada em você.

se parecia tão pesado pertencer
e eu só sei fugir
como os refugiados da Síria.

se a Síria não tem paz e nem eu
 e o mundo engole a gente e depois cospe
e nesse engole-cospe
a gente se desprendeu.

se ir ao céu contigo foi bonito
mas desacelerar e voltar
também tinha de ser.

se eu não acredito em outras vidas
mas nem que seja em uma delas
eu sei que eu volto.

se azul é a cor que eu mais gosto
e eu te expliquei que é porque remete algo grande
e que eu sou feita de tons de azul
quando talvez o azul que trago em mim
seja o blue bird do Bukowski.

se tu me falou que a vida é muito longa pra dar adeus
e que um dia a gente se reencontra
e eu quis tanto acreditar que sim.

se o cometa Halley demora
mas sempre volta
e eu te digo que eu volto também.

se o mundo é cheio de rotas de fugas
e numa delas eu caio em você.

se eu gostar da queda
e ficar até ter que ir outra vez
como o Halley.

se eu te canto Rubel
e tu repete pra mim que
we’ll float around and hang out on
clouds then we’ll come down

e eu rio porque sei que isso pode ser um ciclo vicioso.

se aqui não chove
e naquele vilarejo do noroeste da Índia
o céu não para de chorar
e talvez as lágrimas que eu não derramei
estejam perdidas por lá.

se a gente ainda não foi à Itália
e não bebemos vinho numa gôndola.

se em outra dimensão eu não precisei ir
mas ainda assim em outra tu nem chegou
então eu prefiro essa.

se eu sinto que não acabamos por aqui
porque há ligações que quebram o esquecimento contínuo.

se assim como na minha música favorita
tô encontrando em minha vida um canto só pra você.

se eu procuro por paz
mas tudo que eu quero é me armar e ir à guerra com você.

se a nossa colisão foi forte e assustadora
e eu te digo que esse tempo longe pode ser só o nosso big bang
formando algo bonito pra nós.

se i do keep a date with you
um dia eu volto
só não sei quando
mas eu volto.

A Falsa Liberdade.

O que seria ser livre? Seria uma noite de festas e bebidas? Seria ser “dono do próprio nariz”, fazer o que quiser sem responsabilidades? Mas a verdade, é que nenhum ser humano é completamente livre, pois nós mesmo nos aprisionamos.

Por exemplo, uma pessoa que se acha livre por “pegar todos(as)”, ir à festas, usar drogas etc, na verdade apenas se aprisiona nessa rotina por ter uma definição de liberdade voltada a isso. Muito usam esse comportamento para sentir algo apenas parecido com liberdade, ou simplesmente para sentir alguma coisa. 

LIBERDADE é diferente de LIBERTINAGEM, é uma falsa visão da mesma, uma visão deturpada de felicidade baseada em fatos não duradouros e promíscuos. Essa onda de falsas liberdades, é a causa de tanta depressão, tanta tristeza e tanto vazio, um vazio que é “preenchido” por atitudes baixas e degradantes, apenas uma felicidade momentânea, que não tampa os buracos que os faltam, na verdade apenas estão entrando num ciclo vicioso, onde abrir mão de tais coisas, se torna impossível, então, onde a tal “liberdade” está presente em situações como essa? As pessoas passam muito tempo buscando algo que não os constroem, apenas algo que supra suas necessidades carnais, que não os agregam como pessoas.

Se aprisionar em uma rotina fútil que apenas alimenta seu ego não preencherá seu vazio. Se sua “liberdade” é volta à prazeres carnais, sua vida é baseada em mentiras vazias. Nossas correntes internas nos aprisiona mais que qualquer coisa exterior, restringir o significado de “ser livre” ao mais baixo “instinto” humano é incoerente, pois como disse, isso tão lhe liberta, mas lhe aprisiona em seus desejos.

Para mim, o melhor caminho para a liberdade, é você ter um controle sobre o seu futuro, buscar uma liberdade própria e se livrar de suas correntes internas, agregar coisas que nos constroem e não o que nos degrada. “Decifra-me, ou devoro-te”, decifre o que te aprisiona, ou devora-te com o tempo, não há nada melhor do que uma liberdade interna, desvinculada á promiscuidades e instintos baixos.

Llega un momento, en donde te han herido ya tanto y tantas veces, que terminas resignándote. La ventaja de todo esto es que disfrutas de lo bueno que te da la vida y dejas ir todo aquello que no quiere estar en ella, te emocionas e ilusionas pero cada vez piensas más con la cabeza y no con el corazón. Te dejas ir, pero siempre permaneces con un pie en la realidad y con un paracaídas de emergencia, por si la altura a la que te elevan resulta ser demasiado alta y luego sin avisar solo te dejan caer al abismo. Te preparas para tu autodestrucción que provocará tu renacimiento. Comienza a ser un círculo vicioso, donde cada vez que te lastiman te vas haciendo más fuerte y menos iluso. Todos nosotros, los desastrosos, a los que nunca nada nos sale bien, o a quienes nunca nos funcionan las cosas, aprendimos a vivir así, en medio del caos. Y aún entre el viento y el desastre, seguimos aquí. No enteros, pero si firmes.

La sinfonía del alma.