vaim

para Jane Cooney Baker, falecida em 22/1/62

e então você se foi
me deixando aqui
num quarto com a cortina rasgada
e com o Idílio de Siegfried tocando num radinho vermelho.

e você partiu tão rápido
tão subitamente assim como chegou
e enquanto eu limpava teu rosto e teus lábios
você abriu os maiores olhos que já vi
e disse, “já devia saber
que era você,”
e você me reconheceu
mas não por muito tempo
e um senhor de pernas brancas e finas
na cama ao lado
disse, “eu não quero morrer,”
e a tua hemorragia voltou
e eu a segurei com as mãos em concha,
tudo o que sobrou
das noites e dos dias também,
e aquele senhor ainda estava vivo
mas você não estava
nós não estamos.

e você se foi assim como chegou,
você me deixou depressa,
você já me deixou tantas vezes antes
que eu achei que isso ia acabar comigo
mas não acabou
e você sempre voltava.

agora desliguei o rádio vermelho
e no apartamento ao lado alguém bate a porta.
o veredito é decisivo: não irei te encontrar na rua
nem o telefone vai tocar, e a cada momento não vai
me deixar em paz.

não me basta saber que há muitas mortes
e que essa não é a primeira;
não me basta saber que eu possa viver muitos dias mais,
talvez até anos mais.

isso não me basta.
o telefone parece um bicho morto que não
irá falar. e quando falar de novo
agora será sempre com a voz errada.

antes eu esperava e você sempre entrava
pela porta. agora é você que deve esperar por mim.

BUKOWSKI, Charles. Maldito deus arrancando esses poemas de minha cabeça, p. 33

Kuid kuidas mitte armastada kedagi, kes hommikuti ärgates paneb Sind tundma, et ei pea kuskile enam elus põgenema? Et kõik ongi korras ja kui järgnev elu peakski olema lõputu, siis Temaga koos on kõik ikkagi talutav? Kui saad vaadata Tema õrnalt kerkivat ja langevat ülakeha ja tahta suudelda igat kohta Tema nahal, kuid lasta Tal veel magada, sest argipäeva hullus on Ta ära väsitanud. Seejärel näha Teda vaikselt ärkamas ja vaadata Tema silmadesse, mis panevad unustama kõik maailmavalu ja tekitavad sekundiga meelerahu ning õnnetunde. Näha teda õrnalt unesegasena naeratamas ja Sind endale lähemale tõmbamas. Hingata sügavalt sisse, et mitte õnnest pead kaotada ja asetada oma käed ta rinnale, kus Tema rahulikud südametuksed toovad tagasi reaalsusesse. Lebada veel vaikuses mõned minutid ja suudelda teda tänutäheks kõige eest, mida olen tundud temaga ja tema pärast. Seejärel tõusta, et minna Talle kohvi tegema, aga maanduda uuesti voodis, sest kuigi keha on valmis tõusma, siis vaim hoiab kahe käega kinni ja nõustub, et kohv võib oodata. Hommikused idüllid aga kestku igavesti, palun.

suure juubeli tulek ja ma tahtsin terve senise elu kokku võtta. aga terve senine elu ongi hulk siia-sinna põiklevaid killukesi, mis igast maailma nurgast eri värvis helgivad. kallan peoga juhuslikult ette sattunud märkmeid ‘saksa varia’ sektsioonist:

samal ajal kui nõukogude naistest vabariigi tekkega vägivaldselt eraldatud noored märtrid, nabanöör läbi lõigatud, müürilehte mahalaskmiseks sõnu ritta seavad, tahtsin koju aeda kõpitsema jääda. kevad ei olnud nõus, ei andnud näole.

ida-eurooplannad viskavad lääne feminismi kapsaaeda kive: avalikus arutelus emotsionaalseks kippuvad teemad näivad reaalses elus ülepaisutatud ja võõrad. nii palju iseenesestmõistetavaid kategooriaid, mis on seksistliku seose saanud alles lähiajaloo lainetes. perekonnaanalüüs, kodune kasvatus, ümbritsev keskkond, inimese minapilt, keha ja vaim, tervisekultus. ma ei ole end eal feministiks pidanud, sest kasvasin õnnekombel üles võrdõigusliku vati sees. probleemid, mille pärast naisõiguslased läänes võitlevad, on olnud iseenesestmõistetav õiglus; raskuskese asub mujal. 

saksamaal tegeletakse pagulaskriisi ja sooneutraliseerimisega, meil ei ole näiliselt muust rääkida kui rahast? 

kohtumine vaba meedia ja ahne publikuga, rangete seisukohtade samal ajal multikultuursusel põhinevaks mitmekülgsuseks lahustamisega on teinud ‘traditsioonilisusest’, olgu see etnoromantika, lihasöömine või peremudel, taktika, mille taha kambakesi peituda. rahvuslik ideoloogia ja patriarhaalne poliitika peidavad end ‘loomulikkuse’ ja ‘neutraalsuse’ kilbi taga, mida ehib mikitalik müstika, jättes mulje, et tegemist on inimesest eraldamatu jäseme, mitte külgeõpitud maailmavaatega. 

valgest mehest on saanud ohustatud liik, kandke ta ometi fanfaaride saatel punasesse raamatusse, et ta saaks kätte oma tähelepanu; ja piirake looduskaitsealaga, kus ta omasuguste seas hirmu tundma ei pea.

rüütamaks neidu muusaks või koduperenaiseks, peaks noor mees ülle tõmbama vanema eduka ärimehe ürbi. kuni selline jaotus ei toimi, tuleb köiel tantsijatel vertikaalse hierarhia asemel horisontaalselt harmoniseeruda, leida tasakaal tööd, vaba aega, pragmaatikat ja romantikat vaagides muudele loodusjõudele kui soole lootes. 

es gibt ein magnoliabaum unterwegs zur schule, mit sonnenaufgang sich immer darum gekümmert
theodor-heuss straße, göttingen
26. märts 2017

Ah, vai
Me diz o que é o sossego
Que eu te mostro alguém
A fim de te acompanhar
E se o tempo for te levar
Eu sigo essa hora e pego carona
Pra te acompanhar

To Jane C. Baker, died 1-22-62

e então você se foi
me deixando aqui
num quarto com uma cortina rasgada
e o Idílio de Siegfried tocando no radinho vermelho.
e então você se foi tão rápido
quanto quando você veio pra mim,
e nós tínhamos dito adeus antes,
e quando eu estava limpando seu rosto e lábios
você abriu os maiores olhos que eu já tinha visto
e disse “Eu devia saber que era você”
você conseguiu ver
mas não por muito tempo
e um homem velho com pernas brancas e finas
na cama ao lado
dizia, “Eu não quero morrer,”
e seu sangue veio de novo
e eu o aparei com as mãos em concha
tudo o que ficou
das noites e dos dias também,
e o homem velho ainda estava vivo
mas você não estava
nós não estamos.
e você foi como você veio,
você me deixou tão rápido
você já tinha me deixado várias vezes antes
quando eu pensava que isso me mataria
mas não
e você sempre voltava.
agora eu desliguei o rádio vermelho
e alguém no apartamento ao lado bate uma porta
a sentença final: eu não vou te encontrar na rua
o telefone não vai tocar, e nenhum movimento vai
me deixar em paz.
não basta que haja várias mortes
e que esta não seja a primeira;
não basta que eu viva mais muitos dias,
talvez até muitos anos.
não basta.
o telefone é como um bicho morto que
não vai falar. E quando falar de novo será
sempre a voz errada agora.
antes eu esperava e você sempre entrava
porta adentro. agora você vai esperar por mim. 

- Charles Bukowski.