urinar

Urinol | s.m. – lugar ou recipiente adequado para urinar.

Ao me ser pedido para escrever um texto sobre este recipiente directamente ligado, ao universo do sexo masculino, achei piada e ri-me, só de imaginar os diversos pensamentos certamente estúpidos que me iriam passar pela cabeça. Neste momento não estou a levar a coisa de um modo mais ligeiro ou cómico.
Após uma longa reflexão e até pesquisa, cheguei a duas conclusões fundamentais. A primeira é a mais óbvia. A de que sou irrefutavelmente uma rapariga, logo nunca tive a experiência de utilizar um urinol, por mais vezes que tenha tido a extrema necessidade de ocupar as casas de banho masculinas (culpada!). Na verdade, o facto de não me sentir tão próxima ou até confiante para escrever em relação à peça em si, cria em mim um sentimento de puro respeito.
A segunda conclusão intrigou-me de certo modo. Então mas… é verdade que se criam estratégias que irão determinar o acto da escolha do sitio onde se vai urinar, caso ao chegar à casa de banho já lá estejam pessoas? Dei por mim a ler diversos textos na blogosfera, de homens e rapazes que de forma clara, explicavam aos seus leitores a linha de pensamento que lhes determinavam os passos a dar. Basicamente a primeira escolha, da primeira pessoa a chegar é sempre um dos urinois da ponta. A da segunda pessoa, será pela lógica criada, a do urinol que se encontra no outro extremo. Isto no caso dos urinois serem no mínimo três, porque se houverem mais, as escolhas diferem, mas sempre no sentido em que a regra base é o manter-se o mais afastado possível dos outros, como forma de evitar os olhares curiosos, para as partes íntimas de cada um. Cheguei mesmo a descobrir, que se não houvesse outra possibilidade do que a de urinar ao lado de outrém, não existia hipotese se não a de disfarçar a sua entrada no WC, fazendo coisas como, lavar as mãos; ajeitar o laço; ver se o cabelo estava penteado, ou mesmo abandonar o local.
Isto tudo levou-me a pensar que se para uns, fazer xixi num urinol deve ser tipo um momento de glorificação ou elevação do ego pessoal; para outros é mais um momento de puro constrangimento (o que até pode dificultar o acto de urinar e isso é mau).
O urinol é portanto, mais do que uma peça sanitária. É algo que acarreta emoções e sentimentos sejam eles bons ou maus, por parte de quem os utiliza.
Mas mesmo sendo uma rapariga, de uma coisa tenho a certeza. Por mais dificuldades que possam ter ao usar um urinol, no final serão compensados de certeza. O alívio está garantido!

Rita Candeias

Por que os homens insistem em deixar levantado o assento do vaso sanitário?

Solução:

                          

Pedir ao homem que urine sentado poderá acarretar alguns problemas. Se ele se recusar, diga-lhe que no mundo islâmico milhões de homens se sentam para urinar todos os dias - o que absolutamente não lhes compromete a masculinidade. Se isso não for suficiente para convencê-lo, simplesmente estabeleça novas regras domésticas. Passa a ser tarefa dele passar um pano no chão diariamente para limpar as gotas extraviadas. Quem sabe isso possa tornar a posição sentada mais atraente?
Se estiver ao seu alcance, a solução ideal é comprar uma casa com dois banheiros - um para ele, outro para ela - ou reformar a casa atual para criar um banheiro extra. Desta forma, cada um pode desfrutar o padrão de limpeza e higiene que lhe agrada sem ter de se preocupar com o outro.

a&b

youtube

#Diário - Vô Mijá

Di dolci, relazioni e origami.

Ogni volta che cerco di spiegare alle persone (mia madre in primis) che, al momento, una relazione è precisamente l’ultimo dei miei pensieri, vengo fissata come una zitella impenitente dell’800 austeniano. E se non è, appunto, questo cipiglio condiscendente, compassionevole e leggermente offeso - come se fossi un gatto che, nonostante gli sia stata comprata la letteria, continua a urinare sulla moquette del salotto - la replica più gettonata è che la penso così perché una relazione, al momento, non ce l’ho. 

A questo punto, se oso - addirittura - sostenere che non ce l’ho perché non la voglio, mi iniziano ad elaborare le teorie più svariate, dal classico “ha paura di impegnarsi” a “forse ha una disfunzione ormonale” a “è perché guardi pochi porno”.

A quanto pare, l’essere munita di ovaie ti rende automaticamente desiderosa di fecondare gli ovuli il più in fretta possibile, metter su famiglia, fare torte, bambini, e poi trasformare bambini in torte ambulanti a suon di altre torte.

In caso contrario, o sei strana o sei malata, oppure hai subito un qualche trauma infantile, o magari tutte e tre le cose assieme, per la gioia dei pettegoli e degli psicanalisti improvvisati: non puoi semplicemente essere una persona con degli interessi che, attualmente, richiedono tutta la tua attenzione al punto che non senti la necessità di qualcos’altro - o qualcun altro - nella tua vita.

Forse al momento ti basti tu, e questo è quanto; forse sei una di quelle persone che, semplicemente, preferisce costruire origami, o fare trekking, ed è una frana nel cucinare torte.

Solo non capisco perché questo sia un male e perché, in  quanto tale, tutti si sentano in dovere di trovare il modo di curarlo.

One Shot Zayn Malik

Aha peço desculpas pelo lixo que ficou essa one shot é que estou correndo contra o tempo. Desculpa qualquer erro. 

——————————————————

Ela dançava de acordo com o ritmo da musica, de uma forma sexy e provocativa. Até o primeiro momento eu a conduzia com minhas mãos em sua cintura mas a deixei quando precisei ir urinar mas isso não fez com que ela parasse se quer um segundo. 

 Passei por várias garotas que assim como minha namorada, dançavam no ritmo daquela musica envolvente mas uma me chamou atenção. Não que eu fosse aquele tipo de cara que mesmo com uma mulher fica olhando para outra, mas é que aquela garota tinha algo de ”especial”. Balancei a cabeça tentando me livrar de todos os pesamentos que se passavam por ela, sendo assim, caminhei desviando de todas as pessoas bêbadas que insistiam em ficar pelo meio do caminho atrapalhando todos que por ali passavam. 

***

Sai do banheiro procurando minha namorada com os olhos, e ali estava ela, ainda dançando só que agora junto de meus amigos. Dei um breve sorriso e me dirigi ao bar, observei que o barista se aproximava de mim e logo fiz meu pedido assim virando-me para observa-la. E novamente aquela garota que antes tinha chamado minha atenção surgiu novamente. Senti seus olhos cravados em mim assim como os meus estavam nela. Coloquei uma de minhas mãos sobre meu queixo e com as pontas de meus dedos o alisei por cima de minha barba mal feita. 

Virei-me dando as costas para todas aquelas pessoas, observei que o garçom acabara de terminar minha bebida. Assenti minha cabeça em uma forma de agradecimento e logo o rapaz entendeu e deu um sorriso simpático como resposta. Senti uma mão em meu ombro e virei rapidamente dando de cara com ela. A moça que minutos antes chamara minha atenção e uau, ela é mais linda de perto. 

- Oi. 

A parir daquele ”oi” simples uma conversa longa surgiu entre nós dois, mesmo com o som altíssimo eu escutava sua voz calma e serena entrar por meus ouvidos. Aquela garota me dizia coisas provocantes ao mesmo tempo naturais, se é que posso dizer isso. A cada minuto eu virava um gole de vodca, aquilo já havia passado do limite. Eu estava totalmente fora de mim, totalmente bêbado.

A cada gole o meu desejo proibido de ter aquela boca desconhecida colada na minha aumentava. Eu sabia se ela ficasse ali mais um minutos algo iria acontecer e eu não iria me responsabilizar pelos meus atos. Ela me provocava, me provocava de maneiras diferentes. As vezes ela mordia os lábios, outras vezes esfregava suas próprias mãos por seu corpo. Aquilo era tentador!

A observei por alguns instantes até que não resisti; coloquei minhas mãos em sua cintura e a puxei para perto de meu corpo assim selando nossos lábios esquecendo que minha namorada estava ali. Durante aquele beijo várias coisas se passaram por minha cabeça ao mesmo tempo ela latejava foi então que decidi interromper aquele desejo que antes me dominou. Assim que todas as coisas passaram junteis todas as minhas forças possíveis e a empurrei. Olhei no fundo dos seus olhos e num só sussurro três palavras saíram de minha boca ”Não aconteceu nada”, após ter feito isso caminhei até minha namorada como se nada tivesse acontecido…

(S/n) ainda dançava sem perder o ritmo, como ela conseguia? Ela não se cansava? Me aproximei dela e percebi que Liam, meu melhor amigo, mesmo sem saber dançar a acompanhava naquela musica dando seus piores passos de dança. Sorri, ela se divertia e era aquilo que de fato me importava naquele momento. Cheguei mais perto dos dois e a encarei; ela estava tão linda e radiante que a ficha de que eu a trai minutos atrás ainda não havia caído. Ela não merecia aquilo de jeito nenhum, e o melhor para nós dois era que a mesma não soubesse do meu erro. 

Mas não foi isso o que aconteceu. Seus olhos se voltaram para mim transbordando raiva e ódio. Ela tinha visto tudo, absolutamente tudo. Oh Deus eu estava perdido! Meu namoro estava perdido, aliás tudo estava perdido. Engoli seco e dei mais um passo, só que dessa vez lento e pensei nas palavras corretas para justificar meu erro. Mas quando cheguei perto dela senti um ódio imenso percorrer pelo meu corpo; ela havia puxado Liam para um beijo. PORRA JUSTO O LIAM O MEU MELHOR AMIGO! 

Me dei conta de que a partir daquele momento uma longa briga iria surgir entre nós dois. Novas desculpas, novas discussões. Tudo estava perdido e nosso namoro estava em jogo, eu não sabia como aquilo tudo iria terminar mas sabia que não seria fácil lidar com tudo aquilo…

transversei asked:

Vantagem e desvantagem do carnaval?

(Antes de responder, digo: é o meu ponto de vista). A vantagem é a alegria. Festejar é bom. A desvantagem é que nem todo mundo sabe se divertir de maneira correta e moderada. Eu tenho vontade de participar de algum carnaval de rua, mas quando me lembro da falta de respeito e do modo de agir de alguns, desanimo. Ao lado da minha cidade existe outra um pouco menor que tem um dos maiores carnavais da região. Nunca fui até lá, mas dizem que nessa época vem gente até do Rio e eles agem como se estivessem em casa e pudessem fazer aquilo que bem entendem. Sexo no meio da rua, urinar nas estruturas das casas, tirar a roupa, fazer baixaria. Tem alguns casais que adoram o carnaval e vão juntos, isso não é errado, mas tem homens que vão para cima da mulher sem vergonha alguma na cara. PARA MIM, isso não é festejar, isso é perder o controle. 

La cosa che forse più mi sconvolge è la maleducazione, soprattutto in ambienti in cui la gente se la tira per i master che ha frequentato.
Poi vai nel bagno dell’ufficio e i suddetti frequentatori di master non hanno però fatto quell’esame per imparare a tirare lo sciacquone, o semplicemente non urinare sulla tavoletta delle signore.