unzinho

Escolhi trazer esse post com dúvidas gramaticais de Língua Portuguesa porque é algo que parece bobo, mas que faz diferença na hora de escrever a sua redação e também vale para o dia a dia.

“Debaixo” ou “de baixo”?

“Debaixo de” significa “sob” e sempre precisa de um complemento. Como nos exemplos:

Ele foi se esconder debaixo da mesa.
Vivem debaixo do mesmo teto.
Quando, então, usamos “de baixo“, assim separado? Essa forma é mais rara e só cabe quando a ideia é fazer oposição a “cima“. Note também que ele nem sempre precisa de um complemento. Por exemplo:

Mexeu a perna de baixo para cima.  
Vim de baixo, enquanto ela veio de cima.


Impresso ou Imprimido?

1. Impresso (pertence à forma irregular) - use com os verbos [ser e estar]: Já foi impresso o edital de convocação.

●   Os convites já estão impressos.

●   Os cartazes ainda não foram impressos.

2. Imprimido (pertence à forma regular) – use com os verbos [ter e haver]: Esta gráfica tem imprimido muitos jornais.

●   A gráfica não havia imprimido as notas.

●   Os alunos tinham imprimido o jornal sem nenhuma ajuda.


Tampouco ou tão pouco?
Apesar de soarem parecidas, essas duas palavras têm sentidos bem diferentes. “Tampouco” é advérbio e significa “também não”, o que se encaixa perfeitamente neste exemplo, onde : “Ele não pesquisou os tópicos, tampouco escreveu parte do trabalho”.  

Já a expressão “tão pouco” significa “muito pouco” ou “pouca coisa”. Nela, temos o advérbio de intensidade “tão” modificando o advérbio ou o pronome indefinido “pouco”. 


Mal ou mau?
regrinha prática: substituir “mal” por “bem” e “mau” por “bom” para não ter mais dúvidas. Porém, para entender melhor:

MAU:
É sempre adjetivo. Significa “ruim”, “imperfeito”, “que causa mal ou prejuízo”. É antônimo de bom, tem como plural “maus” e como feminino a forma “má”. Assim como todo adjetivo, refere-se a um substantivo.

Exemplos:

– Interpretei o papel de um homem mau no teatro.

– Era um menino mau quando criança.

– Ele era muito mau com os filhos.

MAL:
Já a forma “mal” tem uma variedade maior de significados. Ela pode ser:

  • Advérbio de modo: quando significa “de modo irregular”, “incorretamente”, “erradamente”.  Nesse caso, é invariável e seu antônimo é o advérbio “bem”. Como todo advérbio, refere-se sempre a um verbo. Ex: Ela comia mal.
  • Substantivo: quando significa “nocivo”, “prejudicial” ou pode ser empregado como sinônimo de “doença”, “enfermidade”. Como substantivo, admite plural (“males”) e pode ser precedido de artigo, adjetivo ou pronome. Seu antônimo é o substantivo “bem”. Ex: Catapora é um mal que atinge principalmente as crianças.
  • Conjunção temporal: equivale a “assim que”. Ex: Mal anoiteceu e os ladrões invadiram a casa.

Mais ou mas?

MAS

É usado principalmente como conjunção que introduz uma contrariedade, uma adversidade.

Dica: Na dúvida, teste com outras conjunções equivalentes, como porém, contudo, todavia, entretanto. Se o sentido for o mesmo, pode ficar tranquilo e escrever MAS.

Ex:

  • Hoje acordei animada, mas não quis ir trabalhar.
  • Já tenho muitos livros, mas não consigo parar de comprar outros.

MAIS

É, na maioria das vezes, um advérbio de intensidade e corresponde ao contrário de “menos”. Faça a troca mentalmente e veja se é esse o caso. Se for, escreva MAIS sem medo de errar.

Ex:

  • Meus amigos têm mais qualidades do que defeitos.
  • Fale mais alto, por favor.

“Mas” e “mais” também apresentam outras classificações.

“Mas” pode ser, além de conjunção, substantivo masculino.

E “mais”, além de advérbio, pode ser adjetivo e substantivo masculino.


Meio cansada ou meia cansada

A palavra meio quando se refere a adjetivo é um advérbio, por tanto deve permanecer invariável. Desta forma, o correto é a forma: ela ficou meio cansada depois de estudar a tarde toda.

Exemplo: Mariana ficou meio cansada depois de passar o dia lendo sobre gramática para o vestibular.

Mas, quando meio se referir a um substantivo deverá concordar normalmente com ele.Exemplo: Bernardo tomou meio litro de leite e depois apenas meia xícara de chá.

meio pode se referir a modo, a intensidade.
meia é quantidade [meia xícara].


Ela mesmo ou ela mesma?

Na língua portuguesa, a palavra “mesmo” é um adjetivo, mas pode também ter função de advérbio. A primeira categoria apresenta variações de gênero e número, enquanto a segunda é invariável. 

Exemplos (adjetivo):

  1. Ela mesma trocou a lâmpada.
  2. Eles mesmos trocaram a lâmpada.

Exemplos (advérbio):

  1. Ele trocou mesmo a lâmpada
  2. Elas trocaram mesmo a lâmpada

Quando adjetivo, “mesmo” é um equivalente para “próprio”. Seria idêntico a se dizer, nas frases acima, que o homem ou mulher trocaram a lâmpada sozinhos, sem auxílio de terceiros. Mas, quando tem função de advérbio, “mesmo” substitui “realmente”, “exatamente”, “de fato”, etc. A frase, então, tem o sentido de que, efetivamente, a lâmpada foi trocada por ela. Ou, ainda, de que elas realmente trocaram a lâmpada.


Nenhum ou nem um?
Sonoramente, “nenhum” e “nem um” são praticamente iguais. Na escrita, são duas formas bem diferentes e que confundem a cabeça de muita gente. Entenda o sentido de cada uma das expressões

NEM UM 

Equivale a nem um sequer ou nem um único, com sentido quantitativo em frases como essas:

  1. Nem um aluno compareceu.
  2. Nem um deputado foi ao evento. 

Na linguagem coloquial, é comum ouvir até a expressão “Nem unzinho”. 

Ex: “Não ganhei cachorros quando era criança, nem unzinho sequer”.

NENHUM

Já a forma “nenhum” trata-se de um pronome indefinido variável, que admite a flexão de gênero e número. “Nenhum” é a forma negativa de “algum”, do mesmo jeito que “ninguém” é a forma negativa de “alguém”.

Exemplos:

  1. Nenhum carro resistiu à enchente de domingo.
  2. Mulher nenhuma compareceu à reunião do clube do livro. 

Onde ou aonde?

Quando usar “onde” e quando usar “aonde”? A diferença entre essas duas palavras vai um pouco além da presença da letrinha “a” no começo de uma delas. As duas formas estão corretas, porém, cada uma delas deve ser usada em situações distintas. Gramaticalmente, ambas fazem parte da classe dos advérbios, o que significa que “onde” e “aonde” servem para acompanhar e modificar um verbo.

ONDE
Indica o lugar em que algo ou alguém está. Emprega-se “onde” com verbos que indicam permanência, ou seja, ausência de movimento.

Por exemplo:

  1. “Conheço o lugar onde você o encontrou”. 

O verbo “encontrar” não indica movimentação. Assim como verbos como estar, ser, morar, ficar…

AONDE 
Também indica lugar. No entanto, deve ser usado com verbos que indicam movimento e que são regidos pela preposição “a”.

Por exemplo:

  1. “Não sei aonde íamos”
  2. “Ele não viu aonde o filho foi”. 

O verbo “ir” (íamos, foi) indica a ideia de movimento. Outros com essa ideia são: chegar, voltar…

AONDE: usar com verbos que dão ideia de movimento. Equivale sempre a “para onde”.

Ex: Aonde você vai? | Aonde nos leva com tal rapidez?

ONDE: usar com os outros verbos, todos que não dão ideia de movimento.

Ex: Onde estão os livros? | Não sei onde te encontrar.


Ratificar ou retificar?

RATIFICAR

Ratificar significa validar algo acertado ou contratado, confirmar, reafirmar, manter sua palavra. No caso do governo brasileiro, por exemplo, quando o Congresso decreta uma lei e o presidente da República a sanciona, ele a ratifica.

Retificar tem diferentes sentidos, mas o mais usado deles é quase o oposto de ratificar: significa corrigir algo, emendar. Observe, porém, que o verbo, em sentido secundário, é também variação da palavra reto e, nesse caso, significa por em linha reta, endireitar, colocar algo em ordem, consertar. É comum em mecânica, por exemplo: retificar o motor do carro quando ele funde.

Ratificar:

♦ Em junho de 2002 o Senado brasileiro ratificou o Tratado de Kyoto, o qual o governo já havia assinado. Ao ser ratificado, as regras do tratado entraram em vigor em nosso território.

Retificar:

♦ O juiz retificou seu veredito, considerando que o réu não era culpado.


Senão ou se não?

SENÃO:

a) a não ser, exceto, mais do que

  • Rafael não faz outra coisa senão estudar.
  • Dos críticos não recebeu senão elogios.

b) mas, mas sim, mas também

  • Virou um escritor conhecido não apenas no Brasil, senão também no mundo inteiro.
  • Não quero falar mal, senão apontar erros.

c) caso contrário, do contrário

  • Leve a blusa, senão vai ficar com frio.
  • Preciso aprender matemática, senão vou ficar com nota vermelha.

e) defeito, erro

  • Encontrei um senão no trabalho do artista. 
  • Não havia nenhum senão no texto.

SE NÃO:

a) conjunção condicional, com o sentido de “caso não”:

  • Vou perder a bolsas de estudo, se não estudar corretamente.
  • Renata irá a pé para a faculdade, se não passar o ônibus.

b) conjunção condicional, com o sentido de “quando não”:

  • Fazer o exercício de gramática parecia tarefa difícil, se não impossível.
  • São medidas preventivas para, se não acabar de vez, diminuir a ocorrência de erros

c) conjunção integrante (inicia uma oração objetiva direta):

  • Queríamos saber se não havia perigo.
  • Perguntei-lhe se não voltava mais.

Fonte: Guia do estudante

anonymous asked:

Preciso de amigos ;-;

Hoje em dia a coisa mais difícil de se ter e amigos, por muito tempo eu pensei que tinha e depois fui analisar bem não tinha era quase ninguém que se dizia realmente ser meu amigo, aquelas pessoas que estavam sempre do meu lado, aquelas que nunca me prometeram nada realmente eram os meus amigos de verdade. Então hoje em dia eu vejo que o muito não vale a pena, não precisa completar os dedos de uma mão inteira, pode ser apenas unzinho, sendo verdadeiro e estando com você quando você mais precisa já esta ótimo. Bom dia!

IMAGINE COM HARRY STYLES

Queria gentilmente deixar aqui meu agradecimento a senhorita kamila por me dar a ideia de mais de metade desse imagine. Sem você eu iria apagar isso aqui ((:

Eu observava através dos óculos de sol Harry e Meghan brincando na piscina. Ela ria alto com as caretas que Harry fazia enquanto o mesmo, em pé na piscina, segurava-a por baixo de seus braços por ela ainda não dar pé.

Olhei  rápido pro sol, já passava um pouco do meio-dia e ali, na borda da piscina, deitada na espreguiçadeira, eu podia sentir ele queimando minha pele.  

O restaurante da pousada que estávamos já estava aberto para o almoço, o que era uma ótima oportunidade de tirar Meghan da piscina. Me levantei e fui em direção a eles na piscina chegando bem perto da borda e me agachando ali.

– Vamos almoçar? – Chamei a atenção dos dois e pude ver eles trocando um olhar cúmplice antes de me dar atenção.

– Ah mãe.. – Meghan disse manhosa – Não pode esperar mais um pouco?

– Não amor, o sol tá muito forte agora e depois o horário de almoço pode acabar. A gente não pode perder o almoço..

– Só mais meia-hora S/n.. – Harry exclamou, no mesmo tom de Meghan, dobrando uma das pernas pra que a mesma ficasse em pé ali. E ela ficou, ignorando meu pedido de vez.

– Harry o sol tá muito forte, já é quase meio dia, é melhor a gente sair e depois a gente volta..

– A gente já passou protetor solar mãe.. – Meghan reclamou mexendo no cabelo do pai, provavelmente inventando algum penteado novo.

– E qualquer coisa a gente pode sair pra comer fora daqui S/n..  – Ele completou.

– Harry, agora. – o encarei séria.

Não dava pra eu ficar falando que não podia enquanto ele mesmo, o pai, dizia que podia.

– Mãe.. Entra também, vem! – Harry me encarou, entendendo meu olhar.

– Não Meghan, – intervi –   Nós temos que sair agora. Certo Harry? – Ergui as sobrancelhas, certa que ele já tinha me entendido e ele assentiu com a cabeça pra mim com o olhar baixo.

– Vamos filha, depois a gente volta..  – Harry já se levantava um pouco da piscina com Meghan no colo.

–Ahhh pai, eu não quero sair..  – Ela se agarrou ao seu corpo, mesmo com ele andando. Harry negou com a cabeça pra ela.

–Mas nós vamos.

Me levantei da borda voltando a mesa com nossas coisas, já preparando a toalha dos dois enquanto ouvia Meghan reclamar, em sussurro pra Harry, que agora tentava convencer ela que sair era o certo a se fazer.

Eles vieram até mim de mãos dadas e logo Harry pegou uma toalha enquanto eu estendia a toalha sobre meus braços, enxugando uma Meghan com bico nos lábios. Bico esse que se desfez na primeira palahaçada feita pelo pai durante o almoço.

Na verdade Harry parecia não ter entendido que eu ainda estava chateada com ele.

Depois do almoço, voltamos pra piscina e logo Meghan já estava correndo para a piscina de crianças, a qual ela dava pé,  enquanto eu e Harry arrumávamos as coisas em outra mesa.

– Meghan sem pular ou mergulhar muito!  – gritei

– Mamãe..! –reclamou me olhando e refazendo o bico, o que fez Harry dar uma risadinha abafada atrás de mim.

– Você acabou de almoçar Meghan, se você ficar mergulhando e pulando pode acabar passando mal ou vomitando.. – Ela fez cara de nojo.

– Eu não quero vomitar. – Suas mãos foram para a barriga e eu rosto ainda estava um pouco branco do protetor que acabará de passar. Sorri da cena.

– É só fazer o que eu mandei. – Ela assentiu com a cabeça, desviando logo a atenção e indo para a piscina de crianças.

Me ajeitei na espreguiçadeira mais uma vez, passando o protetor solar em minha pele. Harry me encarava mordendo os lábios, segurando-se para não falar algo.

Acho que ele entendeu.

– Você quer que eu passe nas suas costas? – Harrry se sentou na cadeira à minha frente. Ele mechia nos dedos e mordia os lábios,  aparentemente nervoso.

Ele com certeza entendeu, pelo menos uma parte. Entendeu que eu estava chateada com ele.

– Não. –Respondi seca sem desviar meus olhos de minha pele.

– Tem certeza? Depois pode ficar queimada e..

– Não Harry, obrigada. – O encarei séria.

Um silêncio se instalou ali. Ele estava visivelmente desconfortável, mas mantinha-se ali ao meu lado. Ambos encarávamos Meghan que conversava com uma amiguinha feita na própria pousada.

– O que eu fiz? –Harry perguntou manhoso olhando pra mim e quebrando o silêncio. Virei minha cabeça pra ele.

Harry ficava tão mais atraente bronzeado que eu tinha vontade de falar que já nem importava mais. Controlei a pequena vontade em mim e me virei cruzando os braços.

– Me fez parecer uma megera.

– O que?

–Ah Harry, por favor. Ainda pouco, quando eu chamei vocês pra fora Meghan não queria sair de jeito nenhum, e você deu a maior razão a ela, ficando contra mim –aumentei um pouco o tom de voz –  mesmo sabendo que eu não estava errada! Você tirou toda a minha moral afinal, cada um falando uma coisa ela escolhe o que mais agradar a ela.No caso, não era eu, fez parecer que eu estava fazendo aquilo por que eu era uma chata, não porque o sol forte realmente não é muito bom.. –abaixei o tom de voz, suspirando. Ele encarava a piscina. – Você fez parecer que ela não precisava me obedecer.. Poxa Harry. – Me joguei de costas na espreguiçadeira deitando na mesma.

Mais uma vez o silencio se instalou entre nós.

– Desculpa. – Ele suspirou – Não foi a minha intenção fazer isso, eu juro. –Harry disse e eu olhei pra ele que desviou o olhar de Meghan pra mim logo em seguida

–Eu sei, mas também não é a primeira vez.. –Me sentei na espreguiçadeira, ficando ao lado de Harry e o olhando – Na verdade, eu até entendo um pouco. Você fica uns tempos fora, e ai, quando está com ela, parece tentar recompensar-la. – Harry olhou pra nossa filha e eu apoiei minha mão em sua coxa. Seu olhar se voltou a mim – Eu realmente entendo sabe. Mas não dá pra fazer isso sempre. Você não poder ser super legal e liberal o tempo todo. Você precisa ser só pai dela, pro que ela acha bom e pro que ela acha que é bom e pro que ela acha ruim, mas o pai. – Enquanto eu falava, Harry assentia com a  cabeça, encarando Meghan.

Ficamos em silencio por mais alguns segundos antes dele suspirar fundo e se virar pra mim mais uma vez.

– Eu sou um pai ruim?

–O que?

– Com sinceridade, você acha que eu sou um pai ruim? Quer dizer, as vezes acho que eu realmente não nasci pra isso. Eu mal sei cuidar de mim S/n!

–Harry, você é um bom pai, acredite em mim, você é! – Sorri pra ele que ainda parecia inseguro. –Meghan tem seis anos, e é a nossa primeira filha. Não é como se a gente tivesse alguma experiência nisso. Muitas e muitas vezes eu também não sei o que fazer. É ai que você entra.

Ele sorriu e eu fiz o mesmo pra ele logo olhando pra Meghan. Arregalei os olhos ao ver sua posição. Ela estava pronta pra pular.

– Meghan! – Gritei me levantando e ela me olhou assustada – O que você pensa que está fazendo? – Harry se pos ao meu lado em pé.

– Só um mergulhinho mãe! Só unzinho

– Meghan nem.. – Harry segurou meu braço fazendo eu parar de falar e olhar pra ele que assentiu a cabeça pra mim antes de começar a falar.

– Filha, vem aqui.. –Ele a chamou com a mão. Ela suspirou chateada e veio em nossa direção, quase batendo os pés. Harry voltou a se sentar na cadeira e ela foi até ele – O que a sua mãe disse? – Sorri vendo a cena de fora.

– Pra eu não mergulhar..– ela murmurou, contrariada.

– E o que você estava fazendo? – Harry se mantinha totalmente calmo. O oposto de como eu estaria agora. Sorri mais.

– Era só unzimho pai.. – ela aumentou a manha na voz e ele a encarou serio a fazendo diminuir o tom só com o olhar – Eu juro! –Meghan murmurou.

– Unzimho, unzão, tanto faz. Quando a sua mãe, ou eu, falamos que não é pra fazer algo, não é pra fazer e pronto, sem birra ou escapada.

– Mas pai, antes você mesmo não obedeceu a mamãe. Você também fez isso! –  Ela cruzou os braços e Harry levantou a sobrancelha

– Birra? – Ela assentiu e Harry olhou pra mim. Seu olhar clamava por socorro e eu fui até eles, me abaixando na altura de Meghan e apoiando meu braço na perna de Harry.

– É diferente Meghan, as relações são outras

– Por que?

– Porque você é nossa filha.   – Harry voltou a falar – Sua mãe é minha esposa e eu sou o marido dela. Marido e esposa não devem obedecer uns aos outros, eles devem entrar em um acordo, afinal os dois são adultos e já sabem o que fazer e o que não fazer. Você ainda tá aprendendo e a gente tá aqui pra te ajudar.. – Meghan suspirou derrotada.

– E sem birra – Olhei firme pra ela que abaixou a cabeça assentindo. – Você pode ir lá.. Só não pode pular e fazer muitas estripulias.. – Ela levantou a cabeça.

– Se eu entrar pela escadinha eu posso ficar lá? –Ela perguntou olhando pra mim e pra Harry, assentimos juntos e ela voltou andando rápido pra piscina.

Ri da cena e Harry me olhou.

–Acho que formamos uma boa dupla.. – Ele comentou, sorrindo aberto.

–Sim, nós formamos.