tudo que ela queria

geração contatinho

eu nasci no século errado, Zé. Eu não consigo entender como as pessoas são tão frias, como elas conseguem não sentir nada enquanto eu sinto tudo, como entram e saem da vida das outras tão rápido, como elas machucam as outras e permanecem com a consciência limpa, como elas conseguem conviver com elas mesmas. Não consigo entender. Tudo isso me deixa doente. Eu só queria que elas tivessem mais responsabilidade emocional com o outro, Zé, porque essa falta está matando os corações que ainda sentem e não é justo. Não é justo ser machucado só porque você sente demais.

anonymous asked:

As pessoas dizem que beleza não é tudo, lógico que é, ninguém teria coragem de namorar uma gorda

Meu vô é magro e minha vó é gorda. Os dois tem problemas de saúde, meu vô tem problema no pulmão, e a qualquer momento ele melhora e piora e os médicos dizem que ele vai morrer logo logo. Minha vó tem problema de pressão, não pode ficar muito tempo em pé por causa dos ossos dela que estão fracos. E você deve se perguntar, o que tem haver com isso Matt ? O que tem haver ? Meu vô disse que na época ele poderia pegar a mulher bonita pra casar, mais ele escolheu a minha vó mesmo ela sendo gorda. Mas o que diferencia da minha vó e da outras mulheres com belos corpos, é que minha vó tem o sorriso encantador, o abraço dela suave, na voz suave que é capaz de acalmar todos. Meu vô falo que escolheu ela, porque quando ele a viu, ela era e é tudo que ele mais queria e desejava. Tanto que eles estão casados a mais de 56 anos. Ele sentado no sofá e minha vó deitada no colo dele fazendo carinho nela. Quando meu vô parou no hospital e ficou mais de 1 mês, e minha vó disse que se ele morrer, ela também morreria, porque ela não teria mais motivos pra viver, pois o único motivo de fazer ela sorrir e lutar a cada dia é por causa do meu vô.  E você disse que ninguém teria coragem de namorar uma gorda ? Fala isso pro meu vô, que ele vai te dizer que pra namorar alguém não precisa de ter beleza, não precisa de dinheiro, não precisa de carro, não precisa de mansão, apenas precisa de ter um coração disposto a amar a outra pessoa até o final de sua vida.

Essa é uma historia com um final não muito feliz. É a nossa história. É extremamente difícil pra mim colocar tudo isso em um papel. Mas vou tentar. Ela era uma garota inocente, que nunca tinha vivido nenhuma aventura emotiva. Vivia sua vida rindo. Foi quando ele apareceu. Ela só precisava de um emprego, quando conseguiu, ele veio de brinde. Um oi ali, outro aqui.. Um sorriso ali, outro aqui.. Uma mensagem e depois uma ligação. Depois de dias lá estava ele no seu portão. Estava serio - o que não fazia parte do seu perfil - e meu Deus, como estava cheiroso. Ela vergonhada com o cabelo sujo, blusa amarela e de chinelo. Eles se abraçaram e ali ficaram conversando, sobre seus gostos, trabalho e ate mesmo religião. Foi quando um sorriso ali escapou, um abraço surpreendeu, ele foi chegando perto a protegendo do frio, o beijo então aconteceu. Uau, que beijo. O beijo que a fazia tremer dos pés a cabeça. Um, dois, três, quatro.. Cinco beijos. Por fim o sol começou a nascer. Ao olhar no relógio viram que era seis da manhã. Ele então diz que precisa ir embora.. Talvez um ultimo beijo, foi quando ela o puxou e o beijou novamente. Seis beijos. Uma semana depois, lá estava ele novamente na sua porta. Mensagens. Começaram aumentar o numero de conversar e ligações. Os olhares só os dois entenderiam. Os abraços escondidos. Os beijos roubados. Por fim, a primeira noite de amor aconteceu. Foi a melhor transa que ela teve. Foi tão selvagem, nunca ninguém havia feito com que ela se sentisse mulher daquela forma. Ela descobriu que mesmo ele sendo enorme e ela pequena, seus corpos se encaixavam perfeitamente. O tempo foi Passando, noites juntos porem fugidas. Ele pegava em seu queixo a chamava de “ minha pequena ” logo depois de beijar sua testa. Ela estava feliz, tudo estava tão perfeito, ele era exatamente tudo o que ela queria. Mas o tempo passou. De um dia para o outro ela percebeu que ele não era tão perfeito assim. As ligações não aconteciam mais, tão pouco as mensagens chegavam. Pessoalmente eram frios, não tinha mais beijos roubados, tão pouco abraços apertados. As idas ate sua casa não era mais todo final de semana, mas sim duas vezes  por mês, e olhe lá. A brigas começaram a ficar frequentes. “ você muda do nada, já estou cansada disso ” ela resmungava e ele recuava. Mudava pra melhor, a levava para comer alguma coisa, um motel a luz de velas, uma noite de amor em uma hidro massagem. Mas um mês depois lá estava ela chorando de novo. Como poderia o homem da sua vida a tratar daquela forma? Ela o amava tanto, por que ele nao estava nem ai? Dois anos se passaram. Quem diria que os dois seguiriam dessa forma por tanto tempo? Mas um dia olhando para o céu ouvindo a música “ raridade ” do Anderson Freire, se questionou o que estava fazendo da vida. Ele não a merecia. Ela acabou projetando algo que ele não está preparado e não dava importancia para algo Que a mesma queria. Depois de varias tentativas de dar  um basta, ela se afastou. Ai sim ele percebeu que havia perdido ela. Algumas recaídas aconteceram, mas agora ela estava firme e forte da sua decisão. As mensagens foram diminuindo cada vez mais, nao havia mais ligações. Assim como não havia mais o gosto do beijo, nem as fodas mais gostosas, que duravam horas e no final os dois ficavam exautos. Não havia mais nada. Ele já nao a procura mais e ela muito menos. Ela Entretanto, percebeu que merece alguem que a trate mil vezes melhor, com amor e carinho. Ele continua levando a vidinha dele, fingindo que é feliz. Ela continua alegre e sorrindo, de vez enquanto lembra dele nas madrugadas, afinal era a hora que eles se encontravam e acaba escrevendo sobre ele. Ele as vezes pensa nela, olha sua foto e lembra de tudo o que se passou entre os dois, mais sua futilidade e sua maturidade não deixa abri mão do seu mundinho. E ela o guarda no coração, mesmo o amando, sabe que o mundo e Deus tem algo grandioso em Sua vida, mesmo que não o tenha em sua vida, continuara seguindo em frente, por que a escolha de ficar lá pra trás, não foi dela. Ela sempre o amara, mas chegou a hora de seguir sua vida.
—  O Diário de Nicoletta Swan.
Até quando vou ter que fingi, que superei, que você foi embora?
—  Por que não está dando mais…
E eu me esforço para não demonstrar o que sinto por ela. A Nina não entenderia, e não aceitaria eu ter me apaixonado por ela. Ela é tão insegura e paranóica na maioria das vezes. E nunca se acha suficiente para alguém, mas mal sabe ela que é o suficiente para mim. Uma certa vez ela até me confessou que gostaria de acreditar novamente, que queria voltar a se apaixonar, voltar a sentir aquela inquietude que só uma paixão pode trazer. Voltar a sentir aquele frio na barriga ao esperar pelos momentos de reencontro, e até mesmo voltar a sentir aquela aflição quando se está longe da pessoa amada. Mas ela se fecha tanto, se oprime tanto. E quando ela está prestes a baixar a guarda, uma nova muralha se ergue entre nós. Eu só queria coragem para dizer à ela tudo o que sinto. Mas me acostumei a esconder o jogo, e agora é tão difícil ser sincero quanto ao que sinto por ela. Às vezes, eu fico horas admirando as suas fotos. Eu gosto do seu cabelo, do seu olhar, da sua boca. Nossa, aquela boca! Como eu a quero para mim. Às vezes fico, horas e mais horas, sonhando acordado, me imaginando beijando cada centímetro do seu rosto. Se eu pudesse voltar atrás, e nunca ter confundido a minha relação com a Nina, eu o faria. Sabe, eu acho que estou começando a estragar tudo. Mas isso não é novidade, porque eu sempre estrago as coisas. Estou estragando tudo, porque ter só a amizade dela já não é o bastante para mim. Quero mais que isso. Quero poder dizer que à amo, e saber que esse sentimento é recíproco. Às vezes, eu tento não pensar tanto sobre isso, mas é difícil. E o pior de tudo é que eu não sou apaixonado apenas pelas suas qualidades, mas também pelos seus defeitos. Dá para acreditar? Até as coisas que deveriam fazer com que eu me afastasse, são as que mais me fazem ficar preso à ela.
—  Contos de Will e Nina, por Christiellen Pinto.
Sinto muito por te decepcionar. Mas eu deveria me desculpar ? Talvez não.
Desculpe a possivel insebilidade minha, mas bom eu e você somos pessoas e você deveria saber que pessoas deixam uma a outra, alguma hora. E com nós não seria diferente, uma hora eu iria seguir meu caminho como sempre foi sem você, e com você o mesmo.
Mas sinto que você me eternizou dentro de você, me fez ser o amor da sua vida. E droga, me desculpe, mas não quero ser o amor da vida de alguém.
Não quero que uma pessoa deixe de conhecer outras pessoas, por eu ser tudo aquilo que ela queria. É decepcionante ouvir isto, eu sei. Machuca, eu sei, mas não posso iludir nem a mim, nem você.
Você não vai intender, por que você ainda está com aquela sensação de coração machucado e partido ao meio.
E não se culpe, você não foi uma pessoa idiota, apenas precipitada demais. Temos pouco tempo, mas ainda sim é tempo, então vamos encontrar outras pessoas, quem sabe namorar com quem a gente encontrou. Curtir a vida sabe ? Porque se for para nós ficarmos juntos vamos ficar.
Podemos muito bem terminar um relacionamento, começar outro com o tempo, casar, ter filhos, se separar, mudar de cidade, tudo isso e um pouco mais.
Porque eu acredito que mesmo com tudo isso, quando o sentimento é verdadeiro o que chamam de amor unem as pessoas em uma só fazendo delas uma bussóla uma para a outra, que tampouco se perdem e se desconectam. E quando isso acontece sua vida, pode ter acontecido de tudo um pouco, que ainda sim a surpresa final é encontrar aquela pessoa que você nem esperava mais ver, e sentir que os sentimentos de ambos amadureceu. E é ver que aquela vontade de estar ainda com a pessoa permanece ali, mas de uma forma madura, e não de uma forma apressada como se aquela pessoa fosse a única em nossa vida.
Queria te abraçar, porque sei que tudo isso doeu, mas prefiro cuidar de você assim de longe para evitar que mais pedaços de você se espalhe por ai.
E se me permiti. Sinto muito em te dizer que não serei a primeira e nem a última pessoa a te decepcionar.
—  Isabela Rodrigues.
O peso do amor

Um dia desses, me perguntaram o que eu achava que era amor, e nunca me deparei com uma questão mais difícil do que essa. É difícil amar, pelo simples fato de que o ser humano é egocêntrico, e quando se ama, outra pessoa fará parte do círculo chamado “eu”. É difícil lidar com o amor, nos consome, irradia diferentes sensações em todos os nervos do corpo, acelera e confunde os cinco sentidos. Além disso, nem sempre o amor é recíproco, nem sempre o amor é culpado, nem sempre sabemos quando é amor. Ele é a própria teoria do caos, uma única gota sua desencadeia milhões de reações por segundo e você não tira a visão do objeto amado, querendo que este faça parte de tudo aquilo que você é. Eu só queria que ela estivesse do meu lado agora, iria saber completar esse texto. Por que com ela, eu aprendi qual é o peso e o que é amor.

Está vendo aquela menina sentada logo ali? Há alguns meses, ela era minha melhor amiga. Ela sabe tudo sobre mim, me conhece como a palma de sua mão. Eu estive com ela nos piores momentos, enxuguei cada uma das lágrimas que ela deixou cair; eu assisti filmes, comi doces, ri de mil piadas diferentes. Chorei com ela também, briguei muito, mas a nossa amizade sempre vencia de tudo. Era eu quem estava lá quando um idiota quebrou seu coração, quando ela não passou na prova ou brigou com os pais. E era ela também. Ela que me estendeu a mão, me fez rir quando tudo que eu mais queria era chorar. E hoje estamos separadas. Ela conheceu uma menina. Uma menina que jamais faria metade das coisas que eu fiz. Uma menina que a fez tudo de pior que pode se imaginar, que quebrou-a por dentro, destruiu cada um dos pedaços de seu coração, e mesmo assim, era eu quem estava ali pra consertar. Mas, ela viu algo naquela menina. Algo que eu não tinha, algo que eu jamais poderia ter. E ela me deixou. Foi embora, usando os mesmos apelidos que antes pertenciam à mim. Foi pra longe, chamando-a de “melhor amiga”, “irmã de outra mãe”, e me deixou. Eu fiquei sem reação, sozinha no mundo, sem minha melhor amiga, sem a pessoa que guardava meus maiores segredos. Estava exatamente como ela, sozinha, sentada em qualquer lugar, pensando em qualquer coisa, com um vazio. Eu chorei, cara como eu chorei. Eu passei noites sem dormir, dias sem comer, na espera de qualquer mensagem, qualquer telefonema. Até que eu deixei passar; deixei aquela história de lado, segui minha vida sem falar com ela sequer um dia. Não a esqueci, não deixei de sentir falta, apenas a deixei. Mas então a menina a magoou de novo, dessa vez um tanto quanto pior; ela havia ficado com seu namorado. Ela me procurou, e sabe, por um instante eu tive a vontade de pegá-la e cuidá-la, como se ela ainda fosse a minha melhor amiga, mas eu não consegui. Pela primeira vez na vida eu havia recusado ajudá-la, dar lhe colo; pela primeira vez na vida, ao ver aqueles olhos cheios de lágrimas, eu não consegui enxugá-las. Ela me pediu desculpa, disse que sentia muito, implorou por meu perdão, e eu juro que perdoei, por mais que soubesse que ela não sentia. É que ela mudou tanto. Ela me escutava, confiava em mim, se preocupava, corria atrás, dizia nunca me deixar e deixou. Jogou toda a nossa amizade no lixo, como se fosse um nada, como se eu fosse um nada, e me trocou por alguém que foi falsa, que não dava a mínima, e mesmo me tendo ali, dando toda a importância, se foi. Ela não era mais a mesma, não era mais a minha melhor amiga, e pela primeira vez pude sentir o fim daquilo. Acabou como se fosse fácil seguir em frente sem lembrar de tudo o que passamos, de todas as vezes que sorrimos e choramos. E acredite, eu acho que foi melhor assim. Quero lembrá-la como se fosse algo bom, porque, por um tempo, foi. Nunca me esquecerei de todas as vezes em que ela secou minhas lágrimas, cuidou de mim quando ninguém mais cuidou, por me aturar nos dias em que eu estava na pior tpm, por cada conselho, por brigar comigo tentando impedir de fazer as maiores loucuras. Hoje, depois de tudo, sou mais forte. Mas doeu, sabe. Levei um certo tempo pra me recuperar, pra entender que não a teria mais, mas cada lágrima valeu a pena. Cada choro me mostrou que a única pessoa que pode me ajudar, sou eu mesma. Que a única pessoa em que eu posso confiar e que vai estar ali pra sempre, sou eu mesma.
—  Dedicada a um ex alguém. | relevad0r-a
Status/legenda: "Rap"

Meta é ganhar o oceano, não se apaixonar em anzol. 🎣⚓️🌊

A alegria é a melhor vingança. 🌻✌️

Pô moreno, faz isso comigo não.

Se a vida é um jogo, então vamos ganhar.

Ando sozinha? Não, não. Deus tá do lado. 🌠🙏🏻💫

Se eu te surpreendi, você me subestimou.

Porque a parada é diferente pra quem olha, é fácil vê a chuva quando cê não se molha. 🐚☔️

Minha alma rebelde segue, o coração segue gelado.

Mas se for pra jogar, eu vou ganhar tudo em dobro.

Deus fez a cabeça encima do coração para que o sentimento não ultrapasse a razão. 💀👊🏼🗾

Mas o vento que te trás é o mesmo que te manda embora. 🔚🌀

Um dia a mais é um dia a menos…

Parceiro, não é difícil de perceber, que as mãos que te seguram são as mesmas que te soltam 👋🏻🆘

Teu papo não é reto e de tanta curva eu já estou tonta.

Pouco a pouco a gente vai vendo quem é quem.

Até podia enxergar nós na Bahia, eu e você. Sendo abençoados por um novo dia 🎵💑🌊

Quem tá comigo tá e quem não tá, tô nem ligando.

Tudo o que ela queria era ser feliz, e na moral quem nunca quis? 🙌🏽🌸

É, das mina do tipo que ilumina a madruga.

Ela gosta do malandro, no melhor estilo vagabundo, que quando beija leva ela p outro mundo 💢

Ela é venenosa. Perigosa demais. Rouba o seu sono. E tira a sua paz. Exala seu perfume só transmite a dor. Seu cheiro é atraente. Mas não fornece amor. ✔️🎧🚬

Sei não, ele diz que me ama depois me abandona, me deixa só. 😪

Nunca foi vergonha ajoelhar pra rezar, pedir proteção e levantar pra lutar.

Não sei se algum dia chegou a perceber mas aquela menina te amava, ela nunca havia se sentido como tu a fez se sentir, mas tu não podia, e mesmo quando podia não dava a atenção que ela merecia, tu não merecia ter ela em sua vida, ela era muito mais incrível do que o modo com tu a tratava, está bem, tu tinha seus dias bons para com ela, mas eram dias que não passava de 48h no máximo, e ela queria mais de ti, ela queria te ter só pra ela, queria te conhecer mais, saber sua comida preferida, rir das conspirações idiotas do universo contigo, mas saber que ela nunca poderia ter isso doía, não sei dizer quantas foram as noites que ela chorou pensando em ti, que ela pensou em falar chega, mas ela gostava tanto e se importava tanto que a tua falta era maior do que essa tristeza diária que tu a fazia sentir, ela te amava cara, e tu nunca se deu conta disso, mas claro que não, tu era egoísta demais pra perceber né, nunca foi teu forte compartilhar suas emoções com ela e nem ouvir as dela, seria engraçado se não fosse trágico, mas reparou que apesar de todas as suas mancadas ela te perdoava? pois então, ela se lembra de como tu pedia mil e uma desculpas toda vez que isso acontecia, mas nunca mudava a atitude que tanto a machucava, ela te amava, mas tu nunca deu valor ao que ela sentia não é mesmo, tu nem conversava com ela quando tudo que ela queria era apenas uma conversa legal e divertida pra se distrair, a dor que tu fez ela sentir, ela não deseja a ninguém porque doía e tu não tem ideia do quanto doía, ela te amava, mas tudo que ela desejava no momento era não te amar, quem sabe assim a dor não passaria?
—  She loved you, idiot.

PRESTA ATENÇÃO AQUI : Esse imagine não é um pedido (desculpa), mas eu venho me sentindo exatamente assim nesses tempos então precisei desabafar de alguma maneira (prometam não rir de mim) então me perdoem por estar tão simplesinho.

Segundo, boa leitura sz

——-

Com as costas encostadas na parede e as pernas juntas ao seu corpo, S/n deixa com que as lágrimas finas e delicadas molhem seu rosto. Todas as luzes da casa estão apagadas, apenas um abajur na cômoda deixa algo iluminado.

Ela se sente tão tola por estar chorando daquela maneira por algo que muitos julgariam besteira, mas não é. Ela sente a dorzinha em seu peito ao analisar tudo que está ocorrendo ao seu redor, S/n se sente tão perdida e sozinha, todos ao seu lado sabem o que fazer, sabem como agir, sabem ser adultos.

- Eu não quero. - Ela sussurra baixo para ela mesma.

Enquanto isso, no andar de baixo, Harry acaba de entrar e sua feição confusa ganha seu rosto ao ver que tudo está extremamente silencioso. Ele acende a luz da sala e vê os pertences de S/n sobre o sofá e sorri com isso. Não é fácil passar o dia todo longe de quem ama. Mas Harry ainda está confuso por tudo estar silencioso, nesse horário geralmente S/n está assistindo seu talk show favorito.

Ele não dá muita importância, talvez ela deva estar dormindo depois de um dia longo. Com esse pensamento Harry vai para a cozinha para beber algo que molhe sua garganta que está seca.

Ao observar o balcão ele vê uma enorme panela na pia com rastros de que alguém vez um doce de chocolate e conter o sorriso é inevitável.

- O que será que ela aprontou dessa vez? -Ele questiona a si mesmo e abre a geladeira em busca de algo que contenha chocolate e ao ver um pote repleto dele não se segura e acaba pegando um pouco, mesmo sabendo que aquilo pode gerar um grande problema para ele mais tarde.

A canseira bate forte no corpo de Styles que resolve que já está mais do que na hora de tomar um bom banho.

Assim que vai subindo as escadas, por onde passa acende as luzes. Ele odeia a casa escura.

Ao chegar na parte superior da casa, vê que o último quarto o qual ele divide com S/n, emite uma luz fraca e em seguida seus ouvidos captam um soluço baixo, mas ainda sim captam. Imediatamente sua preocupação com a noiva vêm a tona. Ele caminha em seus passou lentos e ao chegar no quarto vê, assim como o restante da casa, que a luz principal está apagada e apenas o abajur está ligado.

- Amor. - Ele chama de forma calma e leva a mão no interruptor iluminando todo o quarto.

Seus olhos encontram o corpo de S/n encolhido no canto da parede e ao ver que ela realmente está chorando seu coração se aperta.

- Hey linda. - Harry chama carinhosamente enquanto seus pés o guiam para perto dela. Ele se abaixa em sua altura e de forma delicada acaricia ps longos fios. - Meu amor, o que aconteceu? - Pergunta preocupado, mas S/n apenas afunda mais seu rosto entre seus braços com vergonha dele por encontra-lá assim.

- Nada não. - Seu tom de voz é contraditório à suas palavras e ela se xinga por isso.

- Você quer conversar? - Ele tenta mais uma vez em uma tentativa de ajuda-la.

A cabeça de S/n então, entra em uma discussão entre falar e não falar o que está sentindo durante um tempo. Ela sente medo de se abrir e seu noivo acha-la uma idiota por pensar essas coisas que ela vêm pensando. Mas o que ela pode fazer? Ela não pode controlar seus pensamentos.

- Confia em mim. - Harry pede e isso foi apenas um pequeno espaço para que ela quisesse despejar tudo o que queria para fora.

- Promete não rir de mim? - Ela pede o encarando com o rosto um pouquinho inchado.

- Eu jamais faria isso meu amor. - Harry diz sério se sentando ao lado de S/n pronto para ouvi-la.

- Ok. - Ela passa a mão por debaixo dos olhos tentando conter as lágrimas e ao mesmo tempo encontrar as palavras certas. - Acho que estou tendo uma crise existencial. - Styles a encara confuso.

- Crise existencial?

- Eu não sei como chamar isso. - Seus ombros se balançam e ela respira fundo antes de continuar. - A uns tempos eu parei para observar tudo o que vêm acontecendo e isso está me sufocando. - Harry ainda não entende, mas não a interrompe. - Sabe, eu sempre gostei de curtir a vida, sempre gostei de viajar com você e os garotos em turnês, sempre gostei dos nossos trotes, das nossas diversões. - A cada palavra ela sentia como se pequenos nós fossem se amarrando e nem mesmo o carinho que Harry fazia em seus cabelos agora amenizavam isso. - Quando meu irmão me disse que havia conseguido entrar para uma banda eu fiquei imensamente feliz, isso sempre foi o sonho de Liam e vê-lo conquistar isso me satisfez. - Styles prestava atenção em cada palavra que saia de sua boca e tentava ligar aquilo a algo, mas ainda não tinha chegado a um resultado final. - Foi incrível, eu conheci você, conheci Louis, Niall, Zayn, Gemma, Lottie, a Lou e todos os outros que são importantes para mim agora. - Ela sorri se lembrando de todos que cruzaram seu caminho e agora fazem parte de sua família, assim como Harry Styles. - Mas desde o ano passado eu estou vendo as coisas mudarem e isso está mexendo comigo mais do que eu imaginei.

- Como assim? - Harry pergunta mais uma vez curioso vendo S/n sorrir de forma amarga.

- Bom, na verdade acho que isso começou quando Zayn saiu da banda, mas enfim. - Seu corpo se ajeita ao de Harry e ela recomeça. -Nós já estamos juntos como amigos a vários anos e sempre vivemos grandes coisas juntos, mas agora eu estou me sentindo perdida, eu estou vendo cada um tomar um rumo como realmente deve ser, mas eu não quero aceitar isso. - Sua voz se eleva um pouco. - Louis tevê um filho, meu irmão acabou de ter um também, Gemma está em um relacionamento bem sério, Niall tem seus próprios compromissos, quase não tenho tempo para falar com Zayn. Todos estão crescendo, mas eu não sei quero isso. Quer dizer, óbvio que eu preciso crescer também eu já tenho vinte e quatro anos, mas poxa Harry, eu ainda gosto das mesmas coisas que eu gostava quando tinha dezessete. Eu gosto de fazer bagunça em um quarto de hotel, eu gosto de assistir ensaios de uma turnê, eu ainda amo pedir pizza e comer no ônibus da banda. - Os nós que haviam se formado vão se desfazendo ao que sua voz se emite pelo quarto. - Mas apesar de tudo isso, eu também gosto de ter algumas responsabilidades, eu gosto de estar organizando meu casamento junto com o homem que eu amo, gosto de saber que sou eu mesma que pago minhas contas e não meus pais. Mas mesmo assim, não sei se quero crescer. - Ela concluí e encara o noivo que a olha de forma pensativa. - Você consegue me entender? - Pergunta com medo de estar parecendo uma menininha mimada.

Harry sorri fraco, ele achava que era o único a se sentir dessa maneira, apesar de parecer que era o único ali que não se importava.

- Eu te entendo completamente. - Ele diz se aconchegando a ela. - Eu paro para pensar nisso vez ou outra, mas sabe de uma coisa, eu até que estou gostando dessa mudança.

- Está? - Pergunta desacreditada.

- Um pouco, ter amadurecido fez com que eu tivesse um novo olhar sobre a vida, fez eu experimentar coisas novas e ver o que era o real amor que eu procurava. Te pedir em casamento faz parte disso e eu agradeço por isso. - O sorriso de S/n se alarga. - E não faz mal a saúde ser imaturo algumas vezes, nós ainda podemos nos reunir em um hotel, poderemos correr dos paparazzis em um dia qualquer, ainda podemos dar um baile nos seguranças. A idade não é somente um número S/n, isso aí é apenas uma data, nós não precisamos nos rotular vinte e quatro horas, a gente só precisa ser a gente! - A forma com que Harry fala passa uma enorme confiança para S/n que pensa com carinho nas palavras de Harry.

- Nós ainda podemos fazer as coisas de 2012? - Ela pergunta de forma engraçada fazendo Harry rir.

- Por que não? - Ele ri.

- Dança Take Me Home comigo. - Ela se levanta em um pulo animado e estende as mãos para mim.

- O álbum inteiro? - Ele pergunta assustado mas ainda divertido com a mudança de humor de S/n.

- Nós fazíamos isso em 2012! - Alega deixando Harry sem saída.

- Ok, você venceu. - Se rende levantando-se e acompanhando S/n que liga o som em seu álbum favorito.

Aquela noite sem dúvida seria longa…

Imagine Zayn Malik

(Uma foto é uma foto, né não, coleguinha?! hahah)

Pedido: “Faz um do Zayn q ele eh professor dela, e os dois são namorados mas ninguém sabe, ai ela fica sabendo q a melhor amiga dela transou com ele e termina com ele, anos depois os dois se encontram e ele faz de TUDO pra ter ela de volta, final feliz e bem dramático, faz ela pisar bastante nele”. - Anônimo.

****


Ela ainda tentava digerir o que a melhor amiga estava contando. Ela estava em choque. Não podia ser verdade…

- É isso mesmo, (S/A)! Eu transei com o Zayn, nosso professor, ontem. – falou baixo, mas era possível perceber sua grande animação. – Nossa, foi maravilhoso. Ele tem uma pegada incrível, você nem imagina. – falou se abanando.

“Ah, eu imagino. E como imagino.”. Foi o que ela pensou, com um certo ódio.

Ela continuou relatando como foi sua noite maravilhosa com o professor gato e gostoso, mas (S/N) não prestou atenção alguma. (S/N) só conseguia pensar no quão cachorro ele foi e em como ele teve coragem de fazer isso?

- E foi isso! – ela suspirou e (S/N) saiu do seu transe. – Mas, pelo amor de Deus, não conta isso pra ninguém. Ele é nosso professor, e você sabe o que pode acontecer se descobrirem, né? – assentiu, ainda meio atônita.

- Não se preocupe, não vou contar pra ninguém. – tudo que ela mais queria nesse momento é que descobrissem isso. Mas não seria ela quem iria contar… – Amiga, me desculpa, mas eu tenho que ir… Tenho umas coisas para fazer. Nos falamos depois, beijos. – saiu mais de depressa, deixando para trás sua amiga suspirando apaixonada.

Como ele foi capaz de fazer isso? Por que ele fez isso, justamente com a melhor amiga dela?

Foi até o apartamento do moreno, tocando a campainha e esperando alguns segundos para a porta ser aberta. Ele sorriu ao vê-la e se inclinou para lhe dar um beijo. Mas ela desviou, entrando no apartamento dele.

- Acabou, Zayn. - disparou.

- O quê? Como assim? – a encarou.  

- É isso mesmo. Acabou tudo entre nós. – disse já com lágrimas escorrendo pelo seu rosto.

- Espera ai. Alguém descobriu sobre a gente? – perguntou um tanto assustado.

- Não. Pelo contrário. Ficou tão escondido que até você se esqueceu. – ele franziu o cenho confuso. – Você transou com a minha melhor amiga ontem, Zayn. – ele arregalou os olhos e se desesperou.

- O quê? Não!

- Pensou que eu não iria descobrir?! – riu cínica. – Ela me contou! Toda animada, suspirando, boba apaixonada. Disse que ontem, na festa de encerramento, vocês ficaram. – secou algumas lágrimas. – Como você teve coragem?

- Não, não! (S/N), meu amor, eu bebi além do que eu devia… Eu não sabia o que estava fazendo… Ela… – foi interrompido.

- Ela nada! A May não tinha nenhum compromisso comigo. Ela nem sequer sabia que nós namorávamos. Agora você sim. – apontou pra ele. – Você tinha um compromisso comigo, mas não agiu de acordo com isso. Você me traiu.

- Não! Me perdoa, eu não sabia o que estava fazendo. Eu sei que eu errei, mas foi uma coisa boba, sem importância nenhuma pra mim. – ela negou com a cabeça.

- Não dá. – ele a olhou triste. – Eu sabia, lá no fundo, que esse namoro as escondidas podia dar errado. E deu. E pra mim isso tem muita importância. Você traiu a mim e a minha confiança. – fungou. – Acabou, Zayn. Adeus.

Saiu e o deixou para trás, completamente apavorado.

Eles namoravam há mais de 1 ano. Ninguém sabia, absolutamente ninguém, se não ele poderia estar encrencado. Ele não era absurdamente mais velho que ela; a diferença entre eles eram de 6 anos. Eles acabaram se envolvendo e engataram em um relacionamento.

Já era o fim do ano, e, consequentemente, o fim do ano letivo. Apenas mais uma semana e ela nunca mais precisaria olhar na cara dele.

Bom, era o que ela esperava…

May estranhou completamente o comportamento da amiga, o seu distanciamento, e a questionava sobre isso o tempo todo. (S/N) apenas dizia que não era nada demais, que algumas coisas estavam acontecendo; e que um dia, quando pudesse, contaria tudo a ela.

Estava empolgada com o início da faculdade. Tinha se mudado para um apartamento mais próximo do campus, que era um pouco maior e só dela.

O tempo foi passando e ela foi ficando cada vez mais empolgada com o curso que escolhera.

Hoje não era um simples dia de aula; era a apresentação de um trabalho muito importante, e nada poderia estragar ou acabar com sua animação. Exceto a presença de Zayn.

Ele estava ali, bem na sua frente a encarando assim como ela o encarava.

O ele estava fazendo ali afinal? Por que ele estava aqui?

Saiu do seu transe quando o viu se aproximar dela, sorrindo.

- Oi! – ela permaneceu um tempo o encarando para ter a certeza de que aquilo era mesmo real, que não era apenas uma miragem; como tantas outras que ela já teve.

- Oi… – ela puxou o ar com força, respirando apressadamente. – O que você está fazendo aqui? – perguntou de uma vez, fazendo ele sorrir e abaixar a cabeça.

- Eu comecei o meu mestrado esse semana. Eu estudo aqui. – deu de ombros. – E você? Como está o curso? Está gostando?

- Oh, sim, estou. – olhou para os lados. – Eu tenho que ir. – deu um passo para longe dele, mas seu braço foi segurado e seu corpo virado na direção contrária a que estava.

- Nós vamos nos tratar assim, como se fôssemos dois estranhos? – ela suspirou.

- Eu realmente preciso ir. – testou se soltar, mas o movimento que fez só serviu para a aproximar mais dele.

- (S/N)… – disse num sussurro. Ela prendeu a respiração.

- Não, Zayn. Eu tenho que ir. – se soltou e saiu praticamente correndo.

Se coração estava acelerado, sua boca estava seca. Ela jamais imaginou que ficaria assim quando o reencontrasse. Na realidade, ela nem imaginou que um dia iria o reencontrar.

Ele, por sua vez, estava feliz por ter reencontrado a menina que nunca, nem por um segundo, saiu da sua cabeça nos últimos anos. Seu coração se aqueceu, mas ao mesmo tempo se entristeceu. Ele errou feio com ela no passado, e tinha plena consciência disso. O que ele não sabia era se ela o perdoaria. Tampouco se o daria uma chance. A dúvida o corroía por dentro.

Ao seu ver, ele estava diferente. Ele parecia estar ainda mais lindo, mais sexy do que ela se lembrava.

Para ele, ela continuava com a mesma beleza de sempre, a que fazia seu coração acelerar. Ela estava diferente, isso era fato. Estava mais mulher, mais adulta. Mas continuava perfeita para ele.

E o que era uma verdade para os dois, o que ambos tinha absoluta certeza era: seria um longo ano!


*


Continua…

Ela é um oceano

Ela é tão profunda. Quando deitado no colo dela, é como se deitasse na praia, na beira do mar, e a respiração soa como ondas e eu esqueço de tudo. Esqueço de todos os problemas e frustrações e tudo que eu não sou e queria ser. Ela é tão profunda. A calma que eu vejo nos olhos dela me tira da mais profunda solidão, e quando ela sorri pra mim é como uma onda de alegria atingindo em cheio meu peito e gritando “eu estou aqui”. Ela é tão profunda. As vezes parece que ela está tão longe de mim, que sua mente tempestuosa vai explodir e não existe mais barco capaz de resistir as ondas, mas eu vou além só pra ver o farol do nosso amor brilhando em meio ao caos. Ela é tão profunda. Eu viveria facilmente a nadar no corpo dela e desfrutar a infinitude de sentimentos que trasbordam e não param por que eu não consigo parar de pensar nela mesmo quando eu tento. Por que ela é tão profunda, que palavras não são suficientes. 

E lá estava Catarina atirada no chão com um pequeno corte nos joelhos, um cotovelo ensanguentado e uma bicicleta pouco menos de um metro de distancia de seu corpo. Os carros passavam e ela ficava lá, parada olhando para o asfalto. Cada vez mais as pessoas começavam a surgir, mas Catarina desandava chorar como se estivesse perdendo todo seu sangue, como se o corte mostrasse até seus ossos de tão profundo. Ela sabia que no fundo aquilo não tinha feito nem cocegas, mas também sabia que se caísse, ninguém iria questionar o motivo daquele choro. Catarina não só chorava, ela gritava, berrava, esperneava e olhava para as pessoas que não compreendiam o que acontecia ao certo, e qual a necessidade de tamanho drama, nem o que ela estava sentindo. Mas quem poderia? Nem ela estava conseguindo se compreender totalmente. Tudo o que ela queria era chorar. Chorar porque não estava mais conseguindo levar sozinha o peso do mundo. Ela olhava irritada e começava bufar, como se fosse explodir. “O que foi? Parece que nunca viram uma menina estirada no chão! Cuidem de suas próprias vidas!” Dizia. Mas logo esquecia que havia um circulo de pessoas olhando-a e voltava fazer suas caretas. Talvez ela precisasse de um médico, talvez uma garrafa inteira de cachaça. Melhor do que isto, era só mesmo um abraço. Catarina estava lá, chorando estirada no chão feito uma lagartixa porque todo mundo se cansava dela e ela se cansava de todo mundo também. Não conseguia entender como o amor funcionava, porque nada do que ela amou, amou de volta. Os que diziam amar, ela enfiou na cabeça que não era para ser e deu um modo de terminar. Catarina estava sozinha, pobre coitadinha. Um senhor de cabelos grisalhos gritou para chamarem uma ambulância, mas todos talvez soubessem lá no fundo que não era disto o que ela precisava. Catarina chorou porque haviam roubado todo o seu estoque de amor de cinquenta anos. Por que não por cem anos? Catarina não conseguia mais amar, ela estava oca. De tanto imaginar como seria feliz se conseguisse alguém que lutasse por ela, acreditava até em comerciais quando falavam que amavam quem estava do outro lado da telinha. Ela sofria demais porque estava começando a perceber que nunca seria de ninguém, e ninguém nunca se apaixonaria por ela. “Deixem ela aí”, gritou uma garota se aproximando. “Deixem ela aí, ela precisa chorar. Seu corpo está pequeno demais para tamanha dor”. O velho pé de ruga novamente gritou para que chamassem uma ambulância. Que velho chato! A menina então pôs sua mão sobre o ombro de Catarina. “Depende, existe algum hospital que cure um coração partido?” Todos os múrmuros pararam na mesma hora. Foi então que um minuto de silencio foi feito para Catarina. Naquele instante, um por um se atirou no chão e começaram a chorar também. Todos estavam machucados, mas não era só fisicamente. No final, Catarina era compreendida mais do que imaginava.
Não chora não Catarina, olha quantas pessoas acidentalmente caíram no chão. Acho que elas também precisam esvaziar.
—  Animicida.
Ela 🙆

Ela é daquelas que ama de verdade, não trama e nem faz caridade. 😘

Ela é capaz de instigar só com o brilho do olhar. 😍😘

Ela era furacão e calmaria, tudo aquilo que eu queria. 🌪🌸

Ela não é dessas mina que na primeira lábia tu ganha, ta solteira porque ela é mulher, diferente de piranha. 🙅😘

Ela tem as estrelas nos olhos, e um violão no corpo. 😝💁

Ela cansou da poesia, cansou das promessas, ela não acreditava em mais nada. 🙇‍♀️🤔

Ela tinha um jeito de menina travessa, um riso desenfreado. 😆

Ela mantém o sorriso enquanto tudo se despedaça dentro dela. 😆

Ela é paz pra Palestina, fé para Babilônia 🎶🤔💕

Ela é um diamante em meio a esse monte de bijuteria. 💎💁

• Se pegar/gostar dê like ou reblog.

Harry Styles. (Parte 1)

N/A: Olá, como vocês estão? Espero que bem. Então, esse imagine é desse blog aqui: harry-writings, e uma leitora pediu para que eu traduzisse e postasse ele aqui. Espero que gostem! 

P.S: Isso não é plagio, a autora sabe que estou postando ele aqui. 

Boa leitura!


 “Você está nervosa?” Harry pergunta, agarrando a mão de S/N, logo no inicio de sua viagem de três horas para a casa de sua irmã.

     Eles tinham apenas um ano de namoro, e S/N iria finalmente encontrar a irmã de Harry, Gemma. Com seus horários apertados na universidade, o trabalho novo de Gemma, e o álbum solo de Harry, nenhum deles tinha tempo para uma viagem de três horas para se encontrarem, mas Gemma deu um jeito de conseguir uma pequena folga com seu novo chef, e as férias de primavera de S/N finalmente chegaram, e agora que Harry já tinha lançado seu álbum, S/N iria conhecer a ‘segunda metade’ de S/N.

 “Eu estou bem.” S/N responde relutantemente.

     Com toda a honestidade, ela estava assustada. Mesmo que o resto da família de Harry praticamente ame ela, S/N não foi criada em uma família rica. Ela compartilhou um apartamento de dois quartos com seus pais e seus dois irmãos mais velhos toda a sua vida. Seu único tempo fora de casa era quando ia para a escola ou para o trabalho, nunca realmente teve uma vida social, porque ela não tinha tempo nem dinheiro para isso. Esta notícia tem saído em todos os lugares. S/N está vivendo na casa de Harry, e está pagando dívidas e a universidade com o dinheiro dele, mesmo que essas declarações sejam completamente verdadeiras, não é como se ela estivesse com ele por dinheiro. Há uma história inteiramente diferente debaixo dessas publicações que ninguém compreende além de Harry e ela. E isso é o que mais a assusta.

 “Não se preocupe, querida. Ela vai te amar. Ela pode ler o que quiser, mas tudo que ela precisa prestar atenção é em quem você realmente é.”

     Harry segura a mão dela com mais força. Ele tem em mente que ela sabe que Gemma já tentou fazer com que ele rompesse com ela há um tempo. Ela pensa que S/N não é nada além de uma interesseira, usando de sua simpatia para tirar cada centavo dele para melhorar sua própria vida. Claro que não era o caso, e Harry estava disposto a passar o resto de vida refutando a irmã dele. E ele iria começar hoje.

 “Quem eu realmente sou não vai impressioná-la, Harry. Eu não tenho nada.”

 “Woah. Espere um segundo, não diga coisas assim.”

 “É a verdade.” Ela encolhe os ombros.

 “Isso está longe de ser verdade. Você está tentando terminar a faculdade, e eu nunca vi alguém ser tão determinado a realizar qualquer coisa na vida, você me inspira todos os dias. Quando eu penso em desistir ou que o que estou fazendo não vale a pena, eu penso em sua capacidade de superar qualquer uma dessas coisas, não importa o seu dinheiro, S/N, você é a melhor pessoa que eu já conheci, e eu faria qualquer coisa para ser metade da mulher que você é.”

     S/N sorri, deixando escapar uma leve risada. Ela se inclina para pressionar um beijo suave em sua bochecha, esfregando seu nariz ligeiramente contra a pele dele.

 “Então você quer ser uma mulher, hum?”

     Harry ri, olhando para ela pelo canto do olho. Seus cabelos em cachos soltos, brincos de diamante brilhando em suas orelhas, um pequeno sorriso brincando em seus lábios, seus olhos treinados na estrada à sua frente.

 “Não se preocupe, amor.” Harry suspira. “você sempre me terá.”


     Ao olhar em direção a casa de Gemma, S/N sentiu o medo atravessa-la. Tudo o que ela sentiu sobre este dia está se acumulando tanto dentro dela que seu corpo quase se sente entorpecido.

 “Não fique nervosa, meu amor” Harry ri. “Vai ficar tudo bem.”

     Quando subiu os degraus até a porta, S/N teve que agarrar a mão de Harry, caso ela tentasse fugir. Ele deu-lhe um beijo tranquilizador antes de abrir a porta e entrou.

 “Gemma, Está aí?” Ele gritou.

     Sua casa é tudo que S/N esperava que fosse. Era arejada, tudo em um só lugar, nada de paredes para separar os quartos. Tudo parecia tão caro, S/N nunca viu nada igual. Ela só pensava no quanto poderia dançar sem ter nada para se chocar.

     Gemma saiu da cozinha, parecendo ligeiramente desconfortável, mas sorrindo ao dar a seu irmão um abraço acolhedor. Quando se liberta de Harry, Gemma dá a S/N o olhar mais repugnante de todos.

 “Então, essa é S/N?”

     S/N desconsidera o modo como ela fala, queria obter a simpatia de Gemma, e ela não queria estragar o momento.

 “Olá, Gemma. É maravilhoso conhecê-la.” S/N sorri, estendendo a mão para se apresentar corretamente. A moça sorri ligeiramente, olhando para a mão dela.  

 “Há algum motivo pelo qual meu irmão está pagando suas contas da universidade, sim?”

      A maneira como ela pronuncia seu nome queima S/N por dentro, era como se seu nome fosse algo tóxico em sua língua. S/N lentamente abaixa a mão, enfiando-a debaixo do outro braço enquanto se move para arrumar o cabelo em puro sinal de nervosismo.

 “Gemma.” Harry a adverte. “Qual seu problema?”

 “Não, Harry.”  S/N estava completamente sem jeito, balançando a cabeça ligeiramente, “Está tudo bem. É que minha família não está financeiramente estável. Eles obviamente queriam que eu entrasse na melhor universidade que pudesse, então quando fui aceita, comecei a fazer empréstimos estudantis, eu estudava e trabalhava e até ganhei uma boa quantidade de ajuda financeira, mas não foi suficiente para nós. Acabei por pagar muito dinheiro ao banco pelos empréstimos e…”

 “Então você pediu que meu irmão usasse todo o dinheiro que ele economizou em sua carreira para pagar por você?”

     S/N estava de olhos arregalados, claramente não esperava por suas acusações. Demorou meses antes de concordar em deixar Harry pagar a sua mensalidade, ele ofereceu isso desde o dia em que a conheceu, sentiu que sua carreira não era nem metade do que ela se prestava a fazer por seus estudos. Ele tinha todo o dinheiro para dar tudo que ela precisasse, e estava disposto a dar cada centavo que ele tinha para ela, abrir mão de tudo por ela. Ele não precisava mais daquilo, tinha passado toda a vida construindo seu futuro. Passou cinco anos fazendo dinheiro que ele nem sabia como gastar. Encontrou a garota, a garota que queria se casar, e tinha uma bela casa, para ter filhos com ela. Ele viveu seu sonho sozinho, e agora queria compartilhar ele com ela.

     Depois do que parecia ser anos de Harry implorando para ela, até o ponto em que ele mesmo foi de joelhos, pedindo para ajudá-la a superar sua crise financeira, e ela não pôde dizer não, não vendo ele tão desesperado, não quando ele estava em lágrimas observando-a sofrer por não poder pagar os próprios estudos.

 “O quê? Não, não é isso que eu estou dizendo.”

 “Que porra, Gem?” Harry rosna, seus olhos se estreitando, puxando S/N para mais perto. “Você não sabe o que diabos você está falando.”

 “Isso é besteira.” Gemma cospe, dando um passo ameaçador para mais perto de S/N, que está tremendo e sufocando suas lágrimas.

 “Quais são as chances de uma garota como você ficar com meu irmão? Hãm? Quais são as hipóteses disso acontecer?”

 “Muitas.” Harry rosna, tirando S/N de perto de Gemma.

     Gemma foi a última pessoa que ele esperava que julgasse S/N por sua classe econômica. Ele realmente pensou que elas iriam se dar bem.

     S/N deu passos para trás, ela estava sem ar, sentia como se alguém tivesse lhe dado um soco na garganta, o que provavelmente teria acontecido se Harry não estivesse mantendo Gemma longe dela.

     Ela sente as lágrimas que estavam acumulando-se em seus olhos lentamente começarem  a cair. Não era para ser assim, ela não queria que ninguém na família de Harry a odiasse.

     No calor de suas emoções, S/N  coloca um sorriso sarcástico no rosto.

 “Você não precisa mais se preocupar com isso, Gemma.” Ela chora, patéticos soluços saindo de sua garganta. “Eu vou ir embora.”

     A cabeça de Harry se agita, seu coração de repente parando quando ele a vê se afastar.

 “Não.” Ele sussurra. “Baby… baby não.” Suas mãos caem completamente aos seus lados quando ele a vê correr pela porta da frente.

 “Eu nunca mais volto nesta maldita casa, Harry, eu juro…”

 “Nunca mais fale comigo de novo, Gemma” Harry rugiu. “Eu não quero mais te ver. Entendeu?”

     Gemma ofegou, arremessando as mãos para o ar.

 “Que merda. Você é cego, Harry? Estou protegendo você.”

     As mãos de Harry se apertam em punhos, toda sua raiva crescendo dentro dele. Ele dirigiu três horas, tomando o tempo de S/N, a única vez que ela pode relaxar, só para aparecer aqui e ter que passar por isso?

     Antes que Harry possa até mesmo pensar corretamente, seu punho está chocando duramente contra a parede. Ele não sentiu nada, apenas alguns pedaços do cimento caiu aos seus pés e Gemma o olhava aterrorizada.

 “Você está morta para mim.”

     Antes que Harry perca mais tempo, ele sai pela porta. Ele nunca correu tão rápido, era como se suas pernas estivessem a toda velocidade e sua mente estivesse espalhada ao seu redor. Nada está fazendo sentido, tudo o que ele pensava ter estava caindo aos pedaços. A vida que ele construiu está desmoronando sob ele, e não há absolutamente nada que ele possa fazer sobre isso.

 “S/N, S/N, espera!” Harry grita quando ele a vê correndo.

     Ela pode ouvi-lo, ela pode ouvi-lo alto e claro, mas suas pernas não param de se mover, e ela nem sequer se virou para olha-lo. Ela não pode, ela não pode olhar para tudo o que ela já amou se queria se afastar. Vai ser demais para ela.

     Antes que ela possa acelerar seu passo, Harry agarra seu pulso tão apertado que ela de alguma forma acabou batendo em seu peito. Ele imediatamente começa a chorar, agarrando seu rosto em suas mãos a forçando a encara-lo.

 “Não me deixe, querida. Não me deixe.”

 “Harry…”

 “Não ligue para minha irmã, S/n. Por favor, não pode fazer isso comigo. Você não pode.”

     Ela aperta os olhos fechados, quebrando completamente enquanto ela sente que ele a segura. Como ela resolveria isso? Ou ela fica com Harry e sua irmã faz de sua vida um inferno, ou ela deixa Harry, e vive o resto de sua vida sozinha, porque ela não pode encontrar amor em mais ninguém.

     Ela quase considera ficar com ele. Quase. Mas não há nenhuma maneira de ficar com ele e viver sua vida inteira sendo odiada por alguém que significa mais para Harry do que ela. Ela simplesmente não pode.

 “Ela está certa. Tudo isso é um erro, nós somos muito diferentes. Isso não está certo.” S/n diz entre soluços.

 “NÃO!” Harry grita, pressionando sua testa na dela.

 “Você não pode fazer isso comigo. Não diz isso para mim.”

     S/N sacode a cabeça, empurrando-o para longe dela tão rude quanto ela podia.

 “Ela é sua irmã.”

 “Eu não me importo, querida. Nada vai nos atrapalhar.”

     Mas ela simplesmente não pode.

 “Eu sinto muito, Harry.”

     Harry jura que ele sente seu coração rasgando ao meio com suas palavras, seu corpo completamente sem forças, ele cai de joelhos em sua frente. Ele segura suas pernas como se fosse sua última esperança, seus soluços drenando tudo em sua cabeça e tudo o que ele pode sentir é a mistura de seu coração sendo tirado para fora de seu peito e suas mãos correndo suavemente através de seu cabelo.

 “Por favor, S/N” É a única coisa que ele podia dizer. “Por favor, por favor, por favor…” Ele não queria ficar longe dela.

     Ele segura suas pernas mais apertado, sua testa pressionada contra seus joelhos.

     Isso não deveria acontecer.

 “Por favor.”

     Ela suspira. “Eu não posso.”


P.S²: Esse imagine tem uma parte dois, vou posta-la amanhã.

Você deitará na sua cama e simplesmente a falta de sono fará tudo voltar. Mas não irá voltar do jeito que você queria. — Porque você queria ter tudo de volta de uma forma diferente. Um tudo que não fossem apenas lembranças do que passou ou um tudo que não fossem apenas pensamentos vagos do que você poderia ter feito pra evitar todos os seus erros. Ela se foi e você nem teve tempo de pedir desculpas. — Você irá virar o rosto pra secar suas lagrimas e vai perceber que o travesseiro é tudo que você tem. — Se sentirá culpado e quando fechar os olhos terá ela ao teu lado falando tudo que queria ouvir e fazendo tudo que queria fazer de verdade. Mas você não consegue, você não consegue falar uma palavra pensada em cada noite porque você perde a fala e é ai que você cai, que você deseja voltar no tempo e quando estiver com ela poder assim pará-lo pra que nunca termine o dia sem ela contigo. Com os olhos fechados tudo irá parecer perfeito porém a verdade é que nada estará perfeito se um nós onde existe você e ela só permanece em seus pensamentos. Tudo irá se apagar e no outro dia você se sentirá estranho. É dever seu seguir em frente mesmo sem o que te completa, porque viver sem ser correspondido já é dolorido, então enfrentar essa dor não fará a menor diferença.
—  Willians Souza.

One Shot Harry Styles

  • Pedido por @girlhorandirection Faz um do Harry em que eles vão passar as férias no Brasil na casa de praia da família,além do pai dela não gostar que dela e do Harry dormirem juntos tem a prima dela que dá em cima dele mais ele não liga e no fim ele pede ela em casamento. Obg



Se (seu nome) estivesse em um desenho animado, estaria nesse momento com fumaça saindo de seus ouvidos enquanto encara a prima piranha dando em cima de seu namorado descaradamente. É como se ela não estivesse ali, sem se importar com sua presença a garota colocou os peitos para quase pularem de sua blusa apertada enquanto conversa animadamente com Harry que está todo sem graça com ela o tocando a todo momento.

(Seu nome) só pensava no quanto queria matar sua prima, não só matar, mas torturar por dias antes de colocar fim na vidinha medíocre dela. Enquanto isso Harry pedia socorro mentalmente, ele não entendia direito o inglês misturado da prima de sua namorada e sabia que ela estava se atirando para cima dele. Tudo que queria era que (seu nome) o puxasse daquele sofá que agora - com a garota quase em seu colo - parecia pequeno demais.

Do outro lado da sala, a mãe de (seu nome) estava com os pensamentos voando em torno em de tudo que sua filha conquistou, orgulhosa por ela ter encontrado um namorado tão simpático quando ela sempre teve o dedo podre para escolhê-los. Ao lado da mulher, o marido pensava na hora de dormir, sua menininha estava de volta e trouxe um namorado de surpresa, ele particularmente odiou, mas não disse nada e apenas sorriu para não parecer grosseiro. Ele não parava de pensar no que faria na hora de dormir para não ter sua princesa na mesma cama com um homem debaixo do seu teto.   

Por fim, a prima piranha pensava no quanto queria aquele homem na sua cama. Ele tinha braços fortes, dedos longos e toda aquela simpatia devia ser substituída por um jeito selvagem na hora do sexo. Ela ficou com calor apenas imaginando o corpo grande e suado do namorado de sua prima sobre o seu, enquanto ele gemia desesperadamente por seu nome.

(Seu nome) havia se arrependido de ter escolhido essas férias para voltar ao Brasil e apresentar aos seus pais seu namorado, ela não sabia que a prima que ela menos gosta teria a mesma ideia estragando completamente o clima com o seu jeito vadia de ser.

— Bem… Eu vou levar o Harry pra conhecer o Cristo. — (seu nome) falou em inglês porque todos presente entendia essa língua, alguns menos que os outros.

— Eu também vou. — a prima piranha disse ao ver (seu nome) segurar a mão de Harry para livrá-lo da inconveniência dela.

— Não vai, não! — (seu nome) negou no mesmo segundo — Não queremos a sua companhia.

— Amor… — Harry a repreendeu pelo jeito que falou. Ele não gostou muito da garota, mas não queria que ela ficasse chateada.

— Ele parece querer que eu vá. — a prima sorriu.

— Ele não quer, só está sendo adorável como sempre. — (seu nome) começou a puxar o namorado para fora — Tchau pessoas!

(Seu nome) saiu com Harry o mais rápido possível para evitar ao máximo ficar na presença da prima porque a ideia de fazer uma execução estava tentadora.

[…]

— A companhia de vocês está maravilhosa, mas já vamos nos deitar. — (seu nome) disse (claro que não excluindo a prima do vocês) e se levantou abraçando o Harry pela cintura.

— O quarto de hóspedes está preparado para você Harry, espero que tenha uma boa noite de sono. — o pai de (seu nome) disse simplesmente.

— Ele não precisa disso, ele vai dormir no meu quarto e Taninha vai dormir no quarto de hóspedes. — (seu nome) o contrariou e ganhou um olhar severo em sua direção.

— Taninha vai dormir no seu quarto. Você não se importa de dormir no quarto de hóspedes, não é mesmo, Harry?! — o homem olhou em direção ao rapaz que negou com a cabeça.

— Não me importo, senhor.

— Mas eu me importo! — (seu nome) fez uma carranca.

— Você pode dormir no quarto de hóspedes, (seu nome). Harry e eu nos viramos no seu quarto.

(Seu nome) só olhou em direção a prima desejando triturá-la com a força do pensamento, mas resolveu ignorar o seu comentário idiota e sem noção. Nem que o inferno congelasse ela consideraria essa possibilidade.

— Pai, somos adultos, não precisa mais dessa regra boba para adolescentes. — ela revirou os olhos — Não sei se o senhor sabe, mas dormimos juntos há muito tempo. Dividimos um apartamento.

(Seu nome) ouviu seu pai resmungar algo que ela não compreendeu e então caminhou até sua mãe dando-a um beijo no rosto e logo após fez o mesmo com seu pai.

— Não se preocupe… Não faremos seus netos aqui em casa. — (seu nome) sussurrou somente para o pai ouvir e rindo voltou para os braços do namorado.

— Mantenha a porta aberta, ou não… Saibam que eu tenho o sono leve. — o homem mais velho presente disse todo rabugento.

— Antes de irmos… — Harry pigarreou mudando de assunto — Eu queria aproveitar que eu e a (seu nome) estamos aqui para dar um passo importante na presença de vocês.  — Harry mexeu em um de seus bolsos e tirou de dentro uma caixinha de veludo azul escuro e todos já imaginavam do que se tratava — Eu quero compartilhar com todos vocês aqui o tamanho do meu amor pela (seu nome). Eu não sei o que eu faria se ela não tivesse aparecido na minha vida no momento em que nos cruzamos na cafeteria e tivemos que dividir uma mesa, provavelmente minha vida seria muito chata e vazia porque ela chegou ocupando espaço e me tornando um de seus maiores admiradores. — ele sorriu olhando para os olhos marejados da futura noiva — Obrigada por ser essa pessoa maravilhosa e por ter me permitido entrar na sua vida e construir com você essa relação de confiança e cumplicidade que temos. Você é com toda a certeza a minha alma gêmea, eu não acreditava nisso antes de te conhecer, mas agora eu tenho certeza que é verdade porque nos completamos de um jeito único. Não há ninguém nesse mundo que eu deseje ter ao meu lado mais do que eu desejo ter você e é por isso e por muitas outras coisas que eu, Harry Styles — ele abriu a caixinha exibindo o anel de noivado — peço sua mão, (seu nome completo), em casamento diante aos seus pais e da sua prima.

(Seu nome) estava tão surpresa que não conseguia falar nenhuma palavra a não ser deixar as lágrimas caírem enquanto olhava de Harry para o anel de noivado com a boca aberta. Harry sabia que a resposta seria um ‘sim’, eles se amam, mas ele queria ouvir da boca dela e durante os segundos que se passaram apenas olhando a reação surpresa da futura noiva, o sorriso imenso não lhe saía do rosto.

— Sim, Harry! Sim! — (seu nome) deu alguns pulos de alegria e se jogou nos braços do noivo enchendo seu rosto de beijos.

Passada toda a euforia e (seu nome) fazendo questão de passar seu anel lindíssimo na cara de sua prima safada, os dois resolveram ir dormir porque teriam que comemorar no dia seguinte e (seu nome) levaria Harry para mais um tour pela cidade maravilhosa.

— Boa noite. — Harry falou todo alegre e o pai de (seu nome) se conteve e não pediu para que eles não comemorassem com sexo.

Os dois entraram no quarto e acomodaram seus corpos sobre a cama macia - Harry abraçando (seu nome) por trás - e então começaram uma conversa sobre casamentos e como imaginavam o dia e a vida depois que fizessem sim na igreja.

Com a porta trancada e apenas alguns beijos carinhosos e cheios de amor, os dois se entregaram aos mundos dos sonhos após muitos planos.




Espero que tenham gostado…

Deixem seu importante favorito ❤

Estou postando pelo celular, então desculpem qualquer erro. :/

- Tay

Eu não sei explicar cara, ela tem um ímã que me puxa pra bem perto. Eu diria que posso tocar de tanta intensidade, perco o fôlego e sorrio feito boba, mole, apaixonada. E aí, segundos depois, ela me joga num canto, não literalmente, mas joga, sabe? Ela é meio egocêntrica, não liga muito pra o que eu digo porque o dia dela e as coisas dela são mais legais. E o foda é que eu amo ouvir, cada história, cada bobeira que ela fala, eu gosto de dar atenção e ouvir aquela risada gostosa com meus comentários idiotas, mas eu preciso ser ouvida também. Eu acho que ela nem percebe isso.
Tô esperando ela me ver, mas tenho medo de me mostrar. Tô esperando ela ficar, mas e se for perda de tempo?
Eu sei lá, vou ficar aqui mais um pouco. Queria que ela soubesse que eu parei tudo pra ver ela passar, mas que quero que ela fique, sem eu precisar falar.
—  Esther