torrar

É complicado quando a gente fala que entende certas coisas que talvez, nem quem tivera vivido anos e anos neste mundo nunca pôde entender. Sabe, a vida é cheia de caminhos e de sentimentos, nós sempre acharemos que somos nós e apenas nós os responsáveis por aturar o maior peso da vida, mas é em momentos como esse que somos sinceros demais até com nós mesmos e tentamos expressar alguns sentimentos escondidos aqui bem no fundo de nossas almas. No sufoco percebemos como somos pequenos, insignificantes e inúteis diante dessa imensidão que é a vida. Percebemos que quanto mais aprendemos, menos sabemos. E no final o que realmente importa não são os nossos conhecimentos, e sim o que a gente fez com cada um deles. Não adianta decorar todos os livros ou dizer que sabe isso e aquilo, a prática é bem diferente e complicada. A vida a cada dia nos ensina de uma forma dura que nem sempre o que pensamos saber é de fato uma verdade nua e crua, as coisas vão mudando e as vezes não é tão simples de adaptar e acompanhar tudo. Ouvimos e ouvimos, mas parece que algumas coisas não se encaixam no nosso pensamento. Não adianta se afogar em pensamentos e tentar entender o que a vida nos promete, não adianta torrar a cabeça pensando que seria melhor se tivesse feito algo diferente no passado, não adianta ficar remoendo coisas que, nem de longe, serão possíveis de mudar. Não se martirize tentando dar sentido à vida, ninguém nunca disse que a vida ia ser justa. A vida é complexa demais pra ser entendida, o destino nem sempre está a nosso favor. Mas sorria sempre, as pessoas ficam mais bonitas quando sorriem. E quem sabe assim o destino decida sorrir pra você também.
—  Escrito por Aline, Beatriz D., Andreza e Bianca em Julieta-s
Do verdinho eu joguei, no papelzinho enrrolei, com os amigos fumei até umas horas Ainda é fora da lei o porque eu não sei, se o mundo inteiro cultiva não é de agora Eles querem meencriminar, só por que eu fui torrar um de boa com os amigo eu tava chapa chapachapachaopadão 🎶
Você tá sentindo cólica. Você já está estressada por conta disso. Ai chega uma pessoa querendo torrar o mínimo de paciência que você tem. Tu manda a pessoa tomar no cu, ai tu é ignorante, tu é chata, tu é um monstro, tu é sem coração, tu é sem alma. MAS A PORRA DA PESSOA NÃO ENTENDE QUE VOCÊ TA SENTINDO DOR. E AINDA DIZ QUE A CULPA É DA TPM, A CULPA É TUA, ISSO SIM. NÃO DÁ PRA SER LEGAL SE VOCÊ NÃO É LEGAL.

Beleza

A lista de blogs da semana é para quem anda sempre nos trinques.

Super femininas
Dicas de roupas, esmaltes, cortes e penteados.

Universo da maquiagem
Um montão de fotos de makes!

Fuás e mafuás
Um arquivo recheado de lindos fuás. Envie o seu!

Só um clássico salva
Para quando você quer (mas não pode) torrar todo seu dinheiro nas últimas tendências da moda.

Sept.is
Sapatos criados pela artista e designer Dani Cury.

É que ela fala como se eu entendesse alguma coisa. Ora, eu não entendo porra nenhuma, mas prefiro fingir que entendo, me sinto mais normal carregando esse troféu de maior cínico do mundo, proferindo frases filosóficas que a vida escreveu nas paredes do meu pessimismo. O cinismo nos abastece de uma forma que a ciência não sabe bem como explicar; ou até sabe, sei lá, esses cientistas são todos os uns gênios desgraçados que parecem saber de tudo. Ainda bem que ela não é cientista, senão eu estaria a um passo do inferno, apesar de parecer estar caminhando rápido e sozinho para tal, de qualquer jeito. É complicado, cara. Talvez eu seja uma das exceções na teoria de Darwin; imagino que, se ele estivesse vivo, estaria decepcionadíssimo com a minha incapacidade de evoluir. Dei um duro danado pra alcançar o posto de maior debiloide da América, me acostumei brilhantemente com isso, não é fácil sair dessa sem sentir um embrulho no estômago, uma náusea caminhando por todo o corpo. Mas até nessa competição inútil tem algum maluco que me alcança, me dando chutes nos calcanhares rachados dos tempos do futebol e me fazendo tombar por ali mesmo. Ser idiota hoje em dia não é brincadeira não, amigão. É difícil fazer qualquer coisa quando estão querendo te derrubar, não sei se já passou por algo assim. É meio que estar em uma corrida de cem metros rasos com o Usain Bolt lá na frente, a passos de leopardo, e com o Asafa Powell logo ali atrás, pronto pra tomar sua posição, te deixando em terceiro e prestes a ser ultrapassado pelo quarto colocado. Dá um desespero danado, entende? Não sou o melhor em fazer analogias, mas é bem por aí que o negócio está se movendo. Alguém sempre vai estar lá na frente. E alguém sempre vai estar logo ali atrás também pra me torrar a paciência, mesmo que ela (a paciência) já esteja quase morta por culpa de um outro cara, que não é nenhum velocista, mas que está em primeiro lugar há meses, apoderando-se de um lugar no pódio que eu ainda não sei quando vou conseguir ocupar. Se é que vou chegar a conseguir.
—  Junior Lima.
Vai mesmo reconhecer sua provável futura tragédia na suposta tragédia alheia, Maria do Bairro?

Ah, não, não! As pessoas depositam uma carga de verossimilhança muito grande em coisas que podem nos fazer torrar os miolos e afogar o rosto em 32 lençóis pelo resto da vida. Não, não, não!

É culpa dos poetas? Pode ser culpa dos poetas.

Talvez, também, daquela vizinha intrometida que, em suas frases de efeito revigorantes e banhadas de experiência (ou não), carrega a sombra de uma vontade estapafúrdia de querer que você se ferre bem muito e nunca mais consiga dormir à noite, porque a sua vida está uma merda e você também é uma.

TUTORIAL RÁPIDO DE COMO DEFINHAR RIDICULAMENTE:

1- Leia matérias que ninguém diz que lê às 3:50 da madrugada e chegue à conclusão de que você é a madeira que o cupim não quis fazer de almoço.

2 - Baseie mais um pouco a sua vida na vida das outras pessoas, das plantas, dos pardais, dos asfaltos esburacados.

3 - Baseie a sua vida na vida da mulher que anuncia a previsão do tempo; diga às paredes que você não precisa saber da previsão do tempo, mas, sim, do seu destino e vá olhar o horóscopo na internet.

Isso é muito bom! Todo mundo deveria fazer isso e ir chorar depois para os amigos que não dão a mínima e pedem para você parar de reclamar e ir fazer algo para mudar as coisas ao mesmo tempo que repetem o mesmo para si próprios, porque todo mundo tá no mesmo Titanic (e sem um Jack bonitão).

As pessoas (eu também, e você também, nem vem me olhar com essa cara de “não tenho nada a ver com isso”) montam suas “suposições de vida” em cima das “suposições trágicas de vida desgraçada” das outras pessoas e, poxa, por ser todo mundo humano, né, todo mundo com pâncreas e laringe, sai achando que vai acontecer da mesma forma.

É isso. “Claudete perdeu o dedo médio cortando a unha com a tesoura de cortar grama. Se eu fizer isso, vou perder o meu também.”

Um pouco estúpido? Um pouco estúpido
(para não dizer absolutamente).

Mas é o que você faz todo dia (sem perceber).

É o que a gente faz todo dia (percebendo).


Abril de 2016.


Ella se recostou sobre os pilares de ferro enferrujados de um prédio que nunca seria acabado, enquanto comia uma maça - ou melhor dizendo, algo que lembrava uma forma de maça -. Sentia que já havia feito aquele caminho por um milhão de dias, contudo ao mesmo tempo tudo parecia ter sido feito a minutos atrás, a sensação era péssima. Ainda mais com toda a saudades, com todas as lembranças dos momento felizes, de sua Esmeralda, de Fernando. Por isso desde que recolheu o terceiro objeto estava mais irritada, pois agora compreendia por que de estar ali e a desconfiança só aumentava em seu âmago. Todos ali eram tão ou mais ruins que ela, eram ladrões, assassinos.

Depois de se recuperar do baque de ter as memórias de volta, ela se fechou. Olhava para todos com desconfianças, esperando ser traída, encurralada e condenada. Por isto estava sempre sozinha, mesmo as pessoas - ou monstros - insistindo para que ela voltasse a contar sua vida, dizer como era boa a sensação de amamentar ou lecionar. Contar histórias do mundo em que viviam, tudo parecia errado. Eles não eram seus amigos, eram apenas pessoas ruins como ela presa aquele lugar macabro. A irritação lhe fez torrar a “maça” que ela comia, enquanto ela soltava fagulhas das mãos - outro ponto interessante - depois de pegar a terceira memória e muita concentração, o fogo não era apenas seu único elemento.

Ela conseguia sentir a energia fluir na ponta de seus dedos e lentamente criava pequenas formas cilíndricas criadas a partir de seu novo elemento, posicionando para dentro de sua pistola e apertando o gatilho com a mão direita, acertando um dos pilares e o destruindo, fazendo todo o prédio ceder para o lado. O barulho fora estrondoso e pó e fumaça se levantaram, enquanto sentia o vento bagunçar seus cabelos, entretanto depois de cinco minutos, tudo estava no lugar novamente. Inacabado e enferrujado como sempre, uma imagem deprimente.

HALL DE ENTRADA

Okay, y como si no hubiese sido suficiente con el piquete que me comi en la 9 de julio los dudes de Aerolineas estaban de paro, si boludo, un bajon pero por suerte ya llegue, bah o eso creo, esta neblina de mierda no me dejo divisar bien si estaba en Inglaterra o en Paraguay…. okay te dejo que tengo que ver adonde carajos esta mi habitacion que quiero torrar. –colgo su telefono y se acerco a la cartelera a ver si decia algo– Disculpame, sabes adonde estan las habitaciones de los hombres? –le pregunto a la primer persona que vio pasar–

Capitulo 24

???: Você anda sempre com esse bom humor ou é apenas hoje?

Van: Talvez meu humor tenha mudado ao ter que te ver aqui essas horas da manha, porque não me avisou que chegou de viagem seu filho da puta?

???: Você não muda mesmo em? Carinhosa como sempre. – Eu apenas ri.

Van: Você fez falta sabia Junior? Não tinha ninguém pra me torrar a paciência e ficar me chamando se sapatão de cinco em cinco minutos.

Junior: Vejo que Thais não esta fazendo o papel de amiga perfeita. Eu sou realmente seu melhor amigo. – Ele disse me abraçando forte e me levantando do chão. Junior era um grande amigo, nos conhecemos em uma balada no Rio de Janeiro aproximadamente uns seis anos atrás quando eu fui pra lá a passeio com Thais, ele morava lá mais vivia em BH e depois que nos conhecemos passou a frequentar bastante SP e nos tornamos grandes amigos e sempre nos falamos via Skype ou whatsapp, nos frequentávamos as mesmas baladas e tínhamos o mesmo gosto, sempre que ele vinha pra cá ficava hospedado em minha casa o que virava sempre uma festa a parte.

Van: Thais não esta na cidade – Fiz uma carinha triste. – Vai ficar quanto tempo por aqui?

Junior: Devo passar a semana aqui e voltar para o Rio só na segunda que vem, onde aquela sapatão esta?

Van: Ela esta no Sul de férias ela volta na quarta feira e eu estou tomando conta de sua casa.

Junior: Ah quando ela voltar vamos aprontar demais nessa cidade então. Ótimo vou ficar lá com você já que esta sozinha.

Van: Epa! Quem te falou que estou sozinha? – Ele fez uma cara de assustado, pois ele sabia mais ou menos dos meus problemas com relacionamentos. – Não faça essa cara, a culpa não foi minha, a mina é mó gata e Thais disse que iria ajudar a garota, mas ela teve que viajar e eu que fiquei tomando conta da guria.

Junior: Como assim ajudar a guria?

Van: Ela estava se mudando e precisava de uma casa para ficar e ela era amiga de Polly que falou de Thais que falou que podia, mas que iria viajar e ela ficaria comigo. – Tentei resumir, pois não iria ficar contando a historia de Clara mesmo que fosse para meu amigo.

Junior: Deixa ver se eu entendi, a menina vem para ficar na casa de Thais e você se aproveita da situação e pega a mina? – Ele riu alto. – Você não muda ne André.

Van: Você nunca vai parar de me chamar assim né? – Ele me chama de André por causa do meu sobrenome e pelo falo deu ficar com minas. Loucuras de Junior não tentem entender

Junior: Você algum dia vai deixar de pegar mina? Então não sua resposta é não.

Van: Mas você vai conhecê-la ela é linda, perfeita e…

Junior: HAHAHAHA Andrezão apaixonado, quem diria. Quero conhecer a menina que mudou o coração de pedra do André, nem o otário do Flavio amoleceu essa pedrinha ai. – Ele apontou para meu coração, gente já falei que não era essa “pedra” que todos falavam né? Não é porque que eu não conseguia ficar colada na pessoa, não ligava, não gostava de dormir junto, conseguia ficar dias sem ao menos ver a pessoa que era uma pedra né? Bom o importante é que aos poucos eu estava conseguindo mudar isso por uma única razão: Clara Aguilar.

Clara: Van o Max esta completamente apaixonado por aquele gatinho, foi um custo para tira-lo de lá. – Ela disse rindo e entrando na minha sala de cabeça baixa segurando as mãozinhas de Max que vinha caminhando em sua frente.

Van: Você gostou do gatinho meu amor? Já vamos voltar pra lá e você vai poder brincar com todos ok? – Disse me abaixando para poder pegar ele. – Clara quero te apresentar uma pessoa esse é…

Clara: JUNIOR? – Eu não completei minha frase, assim que meu amigo se virou Clara levou um susto com o que viu, ela estava completamente pálida parecendo que tinha visto um fantasma e a expressão dele também não era diferente. – O que você esta fazendo aqui?

Van: Vocês se conhecem? – Eu realmente não esperava por isso.

Junior: Clara? Não posso acreditar no que estou vendo. Então você é a menina que veio para ficar na casa de Thais?

Clara: Como você sabe disso? E responde minha pergunta! O que esta fazendo aqui? – O medo era presente na voz de Clara.

Junior: É só isso que eu sei Clarinha calma, acabei de chegar de viagem eu sou um grande amigo de Vanessa e vim fazer uma surpresa mais não espera em te ver por aqui. E você o que faz aqui?

Clara: Espera ai vocês dois se conhecem? Como? – Assim como eu ela realmente estava muito surpresa com tudo aquilo.  

Van: Eu e Junior nos conhecemos a mais ou menos seis anos quando fui ao Rio com Thais e desde então nos tornamos amigos, mas e vocês dois? Eu não estou entendendo mais nada.

Junior: A Clara é a minha irmã Van que eu te falei que morava fora. Há quanto tempo esta aqui? Porque não me avisou? Sabe o quanto senti sua falta? – Sua voz era um misto de emoção e desapontamento.

Van: Vocês são irmãos?

Clara: Sim. – Clara estava com lagrimas nos olhos e deixou se levar pela emoção. – Eu também senti muito sua falta. – Ela disse isso e foi em direção a ele para um abraço apertado. Nos ainda tínhamos que esclarecer muitas coisas e o dia realmente estava só começando.