toalhas molhadas

Ela deve estar feliz, deve ter achado alguém que está fazendo o que eu não fiz. Deve ter achado alguém que se interesse mais. Alguém que tenha mais delicadeza, que não seja arrogante. Alguém que não deixe o cachorro dormir na beirada da cama. Alguém que coloque o cachorro pra fora na hora do sexo. Alguém que à espere pra assistir o episódio do seriado. Alguém que não deixe a toalha molhada na cama, ou que não sente na varanda de cueca para fumar. Alguém que odeie cigarro como ela, que não tenha tabaco nas mãos, no hálito, na roupa, ou no carro. Alguém que seja mais maduro, que saía pra jantar com ela de camisa social, calça cáqui, e o tal mocassim, e não com a velha camisa do the doors, a jeans surrada, e o adidas imundo. Alguém que incentive ela a emagrecer, e não à leve pra hamburgueria e diga que gosta dela assim. Alguém que trate a mãe dela como deve ser tratada. Alguém que à deixe dirigir. Alguém que não reclame do barulho do secador de cabelos na hora do jogo. Alguém que cuide dela, como ela acha que deve ser cuidada. Mas como será que ela está? Será que sente falta da minha velha e descuidada barba como sinto daqueles lindos olhos castanhos?
—  Felipe.
É só com você, que eu quero ouvir me chamar de idiota quando eu te morder, te jogar na cama e te encher de cócegas. É com você que eu quero reclamar, por deixar a toalha molhada em cima da cama. É com você, que eu quero discutir quem vai fazer a janta, é com você que eu quero quebrar a porta do banheiro, por não deixar eu tomar banho primeiro. É com você, que eu quero ir fazer as compras, é com você que eu quero zoar dos meus amigos, é com você que eu quero fazer bagunça antes de dormir, é com você que eu quero chutar o balde da barraca quando alguém vier julgar o nosso amor. É só com você, que eu quero sentir todos sentimentos bons, é com você que eu quero vários jantares românticos a luz de vela, é com você que eu quero lutar de mãos dadas por todo esse sentimento, que nos faz se apaixonar cada vez mais. É do seu lado que eu quero sempre estar. É com você que eu quero, parecer um menino bobo envergonhado, é com você que eu quero tomar banho na chuva, é com você que eu quero quebrar a cama depois de horas brincando de guerra de travesseiros, é com você que eu quero jogar farinha em você só por ver você brava, é com você que eu quero correr pela casa toda, brincando de pega-pega. É com você que eu quero jogar vídeo game, é com você que eu quero dançar igual dois doidos, é com você que eu quero rir de tanto doer a barriga, é com você que eu quero beijos molhados na chuva, é com você que eu quero abraços verdadeiros. É com você que eu quero brigar por colocar muito sal no feijão, é com você que eu quero discutir quem vai arrumar a casa no domingo, é com você que eu quero decidir os nomes dos nossos pequenos, é com você que eu quero imaginar nossos filhos correndo pela sala. É com você que eu quero me atrasar ao trabalho por ficar mais tempo agarrado em você, é com você que eu quero planejar um futuro pela frente, é com você que eu quero viajar pra Veneza. É com você que eu quero discutir quem ama mais, é com você que eu quero dormir de conchinha, é com você que eu quero discutir para ver quem fica com a maior parte da coberta, é com você que eu quero deixar cortar meu cabelo, é com você que eu quero ficar na varanda olhando as estrelas, é com você que eu quero visitar minha família, é com você que eu quero ser uma pessoa melhor, é com você que eu quero passar horas no telefone, é com você que eu quero fazer guerra de braço, é com você que eu quero passar a madrugada trocando mensagem, é você que eu quero acordar nos meus braços. É com você, que eu quero sair de casa para ir na loja comprar nossas alianças, é com você que eu quero noivar, é com você que eu quero casar, é com você que eu quero morar de baixo do mesmo teto, é com você que eu quero formar uma linda família. É com você que eu quero realizar todos os meus sonhos e planos.
—  Bruno Alonso.
Eu mantenho tudo intocado, tudo em seu devido lugar assim como você deixou. Os quadros ainda estão pendurados nas paredes, as cadeiras fora do lugar na sala de jantar, o filme pausado na televisão, sua escova de dentes e a toalha ainda molhadas no banheiro, o pacote de doces sobre a escrivaninha ao lado dos cadernos, e as portas dos armários ainda entreabertas, viu só? Nada mudou. Talvez algumas lâmpadas tenham sido trocadas, as teias de aranha se acumularam em alguns cantos, mas a plaquinha escrita “lar doce lar” ainda está na porta, o endereço também é o mesmo, você não iria esquecê-lo, porque afinal, eu sou a sua casa e você precisa voltar algum dia. Então, eu espero, espero sentada na varanda com o café feito e seu livro preferido em cima da mesa. Espero ouvindo a sua banda preferida para quando chegar, se sentir em casa e feliz. Eu espero, um mês, um ano, uma década, uma vida, eu estarei te esperando.
—  Capacitou em companhia de Vireipassaro.
NCT 127 + Ten Reaction when their girlfriend leaves the wet towel on the bed (Quando a  namorada deles deixa a toalha molhada na cama)

Espero que goste hihihi

~Adm Rabbit~

Taeil: *Takes your towel for you without saying anything, but deep down he thinks is super annoying* // *Leva a sua toalha para você sem dizer nada, mas no fundo ele acha que isso é muito chato*

Originally posted by taei

Johnny: On the first week he relieved that, but the next week you found his underwear on your side of the bed, wet… // Na primeira semana ele relevou isso, mas na semana seguinte você encontrou as cuecas dele em seu lado da cama, molhadas…

Originally posted by nctuhohahyes

Taeyong: Ah, you left your towel in the bed again? I said this a thousand times, wet towels on the bed is unhygienic, you should pay attention to what I say! *He cleaned for you anyway* // Ah, você deixou sua toalha na cama de novo? Eu disse isso mil vezes, toalhas molhadas na cama é pouco higiênico, você deveria prestar atenção no que eu digo! *Ele limpou para você de qualquer jeito*

Originally posted by nctech

Yuta: *He left his towel there first, so who put the towels in their place was you* // *Ele deixou sua toalha lá primeiro, então quem colocou as toalhas em seu lugar foi você*

Originally posted by sour-satang

Ten: Ten doesn’t criticize you because he doesn’t think a towel in bed is a big deal after all he also makes mistakes // Ten não te critica porque ele não acha que uma toalha na cama é grande coisa afinal de contas ele também comete erros

Originally posted by cypher127

Doyoung: *He made a big drama because of the towel, but 1 hour later left the refrigerator open and who did the drama was you* Oh my God, you are so dramatic! // *Ele fez um grande drama por causa da toalha, mas 1 hora depois largou a geladeira aberta e quem fez o drama foi você* Ai meu Deus, você é tão dramática!

Originally posted by yoon-to-the-oh

Jaehyun: *He calmly took your towel away* Y/N Please don’t leave your towel on bed! // *Ele calmamente tirou sua toalha* S/N Por favor, não deixe sua toalha na cama!

Originally posted by nctful

WinWin:  He saw the towel on the bed, didn’t payed attention and ended up leaving there, when you came back you saw the towel and fought with him thinking it was his and he didn’t remember if it was his or yours. // Ele viu a toalha na cama não prestou atenção e acabou deixando lá, quando vocês voltaram você viu a toalha e brigou com ele pensando que era dele e ele não lembrava  se era dele ou sua.

Originally posted by 7thvelvet

Mark: *You ran out of the bathroom and asked Mark to put your towel in place for you and as the good guy he is, he did* // *Você saiu correndo do banheiro e pediu Mark para colocar sua toalha no lugar para você e como o bom rapaz ele é, ele fez*

Originally posted by nakamotens

Haechan: COF COF Did the miss saw what she left on MY bed hum? Take this out of here now before i call Taeyong hyung! // COF COF A senhorita viu o que ela deixou encima da MINHA cama hum? Tira isso daqui agora antes que eu ligue pro Taeyong hyung!

Originally posted by nctinfo

Eu sou chata, ciumenta, birrenta, dramática, possessiva, um pouco egoísta, bastante orgulhosa e literalmente um pé no saco. Eu sou cabeça dura, mão de vaca e não gosto de compartilhar o que é meu. Eu tenho milhões de defeitos, esqueço a tampa da pasta de dentes aberta e a toalha molhada em cima da cama. Não sei lidar bem com regras e chegar no horário certo. Mas também, detesto que me façam esperar. Sou um poço vazio com sentimentos perdidos e mostro escancaradamente os meus defeitos, para não sofrer tanto quando os perceberem e forem embora. Mostro o meu lado ruim primeiro, assim, só ficam os que vêem algo de bom em mim. Mesmo que não tenha. Mesmo que não exista.
—  A Teoria do Caos.
Desde então, querendo ou não, eu senti sua falta. Senti  falta de você ligando às três da manhã avisando que teve um pesadelo e queria que eu ficasse com você até adormecer novamente. Senti falta dos seus abraços inesperados, daquele filme que sempre assistíamos de madrugada quando eu perdia o sono e você dizia que não voltaria à dormir se eu não voltasse para cama. Senti falta das tuas birras no supermercado, até das suas manias insuportáveis de deixar a toalha molhada em cima da cama, eu senti. Senti falta, hoje não sinto mais - porra, eu sinto e sinto muita falta.
—  Versos de Um Crime. 
Briga, vai embora. Volta, jura que ama. Horas depois já virou ódio. Bate o pé, a porta. Esmurra a mesa, quebra prato, joga as malas na rua. Xinga. Chora. Vai embora e logo volta. Portas fechadas, camas separadas, visitas de madrugada. Beijos. Calor. Sexo. Amanhece a cama com os lençóis amarrotados… Vazia novamente. Desaparece. Volta. Jura de dedinho que ama, repete quinze vezes e esquece a toalha molhada encima da cama. Mais gritos. Mais portas trancadas, mais dores de cabeça, ressaca. Ódio, amor e, de madrugada, tesão. Mas ata, desata. Dá nó, desda nó. Bate porta de carro, bate porta de casa, mas volta. Vai pra bares, enche a cara, beija todo mundo, dança encima da mesa, chora. Ressaca, de novo. Mas volta. O coração dói, o fígado resiste. E sempre volta… Volta porque sabe que as portas são resistentes e aguentam mais uns trancos. Volta porque ainda tem prato e copo pra quebrar, tem uma mão boa pra esmurrar a mesa. Tem xingamentos novos pra gritar. Volta porque tem amor que arde, tem bebida que não cura. Volta porque é aonde se deve estar. Volta porque não tem mais para onde ir. Volta porque ele pertence a ela e ela pertence a ele.
—  Bia.
E ele deixou a barba crescer. Cortou o cabelo mais curto. Trocou de casaco, trocou de tênis, trocou o perfume, comprou um relógio. Perdeu uns quilos e mudou o jeito de andar. E eu? Ah. Eu continuo com o mesmo tênis, aquele que ele me deu, que significa o mundo todo pra mim… O mesmo jeito bagunçado, o cabelo um pouco menos revoltado, o corpo no mesmo estado. Um sorriso meio torto, o abraço ainda apertado. Nem troquei de perfume, sabe? Ainda uso aquele que ele adorava. Aquele que eu borrifei no casaco antigo dele. Aquele que ficava comigo, lembra? Ah, mudei de casaco. Antes eu usava o dele. Agora tive que arranjar um outro qualquer. Mas sei lá. Ele ainda é ele. Mesmo tendo outra pessoa segurando a mão dele e o abraçando. Ele ainda é ele. Eu? Eu não sei mais o que eu sou. Tô meio incompleta, assim… Não ando direito, não como direito, nem dou gargalhadas direito. Tô tão esquerda sem ele… Não tem muleta, nem bengala, nem apoio, nem toalha molhada que me apoie e me enxugue que nem ele. E agora, hein? Me diz ai o que eu faço. Me ajuda, poxa. Como faz com esse arrependimento? Chega de caminhos esquerdos sem saída, por favor.
—  10.03.15 
A.M.
Olhe, não fique assim, não. Vai passar. Eu sei que dói. É horrível. Eu sei que parece que você não vai aguentar, mas aguenta. Sei que parece que vai explodir, mas não explode. Sei que dá vontade de abrir um zíper nas costas e sair do corpo, porque dentro da gente, nesse momento, não é um bom lugar para se estar. Dor é assim mesmo, arde, depois passa. Que bom. Aliás, a vida é assim: arde, depois passa. Que pena. A gente acha que não vai aguentar, mas aguenta: as dores da vida. Pense assim: agora está insuportável, agora você queria abrir o zíper, sair do corpo, encarnar numa samambaia, virar um paralelepípedo ou qualquer coisa inanimada, anestesiada, silenciosa. Mas agora já passou. Agora já é dez segundos depois da frase passada. Sua dor já é dez segundos menor do que duas linhas atrás. Você acha que não, porque esperar a dor passar é como olhar um transatlântico no horizonte estando na praia. Ele parece parado, mas aí você desvia o olho, toma um picolé, lê uma revista, dá um pulo no mar e, quando vai ver, o barco já tá lá longe. A sua dor agora, essa fogueira na sua barriga, essa sensação de que pegaram sua traquéia e seu estômago e torceram como uma toalha molhada, isso tudo – é difícil de acreditar, eu sei – vai virar só uma memória, um pequeno ponto negro diluído num imenso mar de memórias. Levante-se daí, vá tomar um picolé, ler uma revista, dar um pulo no mar. Quando você for ver, passou. Agora não dá mesmo pra ser feliz. É impossível. Mas quem disse que a gente tem que ser feliz sempre? Isso é bobagem. É melhor viver do que ser feliz. Porque pra viver de verdade a gente tem que quebrar a cara. Tem que tentar e não conseguir. Achar que vai dar e ver que não deu. Querer muito e não alcançar. Ter e perder. Tem que ter coragem de olhar no fundo dos olhos de alguém que a gente ama e dizer uma coisa terrível, mas que tem que ser dita. Tem que ter coragem de olhar no fundo dos olhos de alguém que a gente ama e ouvir uma coisa terrível, que tem que ser ouvida. A vida é incontornável. A gente perde, leva porrada, é passado pra trás, cai. Dói, ai, eu sei como dói. Mas passa. Tá vendo a felicidade ali na frente? Não, você não tá vendo porque tem uma montanha de dor na frente. Continue andando. Você vai subir, vai sentir frio lá em cima, cansaço. Vai querer desistir, mas não vai desistir, porque você é forte e porque, depois do topo, a montanha começa a diminuir e o único jeito de deixá-la pra trás é continuar andando. Você vai ser feliz. Tá vendo essa dor que agora samba no seu peito de salto alto agulha? Você ainda vai olhá-la no fundo dos olhos e rir da cara dela. Juro que estou falando a verdade. Eu não minto. Vai passar.
—  Antônio Prada
Reaction: Desmaiando em meio a uma discussão

• Jimin •

Mais uma briga boba. Você e Jimin as vezes pareciam duas crianças que brigam por tudo. Desde aquela toalha molhada em cima da cama até um abraço mais demorado em outra pessoa a não ser você ou ele. Mas dessa vez passou dos limites. Você simplesmente desmaiou nos pés de Jimin. Ele totalmente sem reação tampa a boca com as mãos já sabendo que dessa vez tinham exagerado. 

Quando você acorda, se vê deitada em seu quarto e quando olha para o lado vê Jimin sentado no chão encostado na cama chorando.

- Eu estou cansado de fazer isso… Por que temos que brigar? Eu te amo. 

• Jungkook •

Ele bateu forte a porta do quarto tentando fugir da discussão. Você estava mais do que estressada com aquilo tudo. A batida da porta foi o que faltava. Uma dor forte na cabeça e você sabia o que viria depois. O barulho de seu corpo se chocando contra o chão foi alto. Kookie abriria a porta assustado e te olharia no chão. Gritaria seu nome e iria ao seu encontro.

Quando você voltasse a si estaria no sofá ao colo de Jungkook o qual mexia em seus cabelos te olhando visivelmente cansado de tudo que acontecera.

- Você sabe o quanto eu sou idiota? Me desculpa por isso.

• V •

Ele já sabia que você desmaiava quando ficava muito nervosa. Mas mesmo assim ficou em choque quando você caiu desacordada no chão. Quando se tocou o que tinha acontecido te pegou em seus braços e te levou para o quarto deixando que você repousasse. Quando você acordasse desceria e virei Tae te esperando com uma caixa de pizza e um pedido de desculpas.

- Primeiro devo te pedir desculpas ou devemos comer essa maravilhosa pizza? - ele perguntava arrependido.

• Suga •

Uma discussão sobre ciúmes e pronto. Você caiu ao chão. Yoongi te chamaria várias vezes em total desespero. Te balançaria tentando te acordar e algumas lágrimas cairiam de seu rosto. Você nunca tinha comentado com ele sobre o que acontecia com você quando seu estresse chegava ao ponto máximo. Você acordou bem rápido e se depara com Yoongi te abraçando fortemente e chorando baixinho. Você retribui o abraço e ele se espanta. Depois você explicou toda a situação para ele fazendo Yoongi ficar bem envergonhado por ter feito todo aquele escândalo só por causa de um desmaio. 

- Ah… Sim… Nossa, que Droga.

• Jin •

Seu ex namorado sempre foi o principal alvo de brigas entre você e Jin. Ele não te deixava em paz e Jin sempre achava que você dava bola. Porém dessa vez a briga seria feia e você desmaiaria no meio do quarto. Jin entraria em choque. Ele sabia o por que aquilo tinha acontecido, mas não queira acreditar que tinha feito aquilo com você. Ficaria parado alguns segundos te olhando sem nenhuma reação. Até que te pegaria no colo e colocaria você na cama. Quando você acordaria veria Jin sentando na cama te olhando e panquecas deliciosas em um prato ao seu lado.

- Panquecas são um ótimo jeito de pedir desculpas… - ele empurra o prato para você.

• J-Hope •

Você acompanha J-Hope até a sala de ensaios. Um lugar mais reservado no prédio aonde poderiam discutir o por que daquela empresária ter dado tanto mole para Hoseok, o que não te deixou nada feliz. Alguns gritos e palavras mal faladas e você desmaia. Hoseok apressaria o passo e te seguraria antes que chegasse ao chão. Daria um suspiro pesado e te olharia arrependido.

Quando você acordasse estaria deitada no chão da sala com sua cabeça apoiada no colo de Hoseok. Você levantaria depressa e o alertaria sobre o atraso na reunião.

Eu não ligo! - ele fala puxando sua cabeça novamente para que você deitasse - Só quero que você esteja bem. Me desculpe.

• Rap Monster •

Iria entrar em pânico. Quem diria que aquela discussão mexeria tanto com você? Namjoon te pegaria no colo às pressas e sem pensar duas vezes te levaria ao hospital. Diria que você simplesmente caiu desacordada e te colocariam no soro. Quando você acordasse, o susto teria sido tão grande que ele não lembraria nem mais por que estavam brigando. Você olharia em volta e o olharia rindo. Foi só um desmaio. Por que ele te levou ao hospital?

- Por favor, não faça mais isso. - ele falou envergonhado - Eu entrei em panico! Pare de rir!

Deixa eu ser aquela mulher que vai brigar com você por causa da toalha molhada em cima da cama. Deixa eu fazer de tudo pra arrancar uma gargalhada tua. Deixa eu superar as fases ruins ao seu lado.Deixa eu ser pra você tudo aquilo que você é pra mim. Deixa eu ser aquela mulher que vai tá te esperando chegar do trabalho e pronta pra te dar um beijo. Deixa eu acordar as 02:0 da manhã reclamando que você tá puxando todo edredom e me deixando com frio. Deixa eu ser tua. Porque não há nada mais que eu queira ser.
—  Tua chata.

É só com você, que eu quero ouvir me chamar de idiota quando eu te morder te jogar na cama e te encher de cócegas. É com você que eu quero reclamar, por deixar a toalha molhada em cima da cama. É com você, que eu quero discutir quem vai fazer a janta, é com você que eu quero quebrar a porta do banheiro, por não me deixar tomar banho primeiro. É com você, que eu quero ir fazer as compras, é com você que eu quero zoar dos meus amigos, é com você que eu quero fazer bagunça antes de dormir, é com você que eu quero chutar o balde da barraca quando alguém vier julgar o nosso amor. É só com você, que eu quero sentir todos os sentimentos bons, é com você que eu quero vários jantares românticos a luz de vela, é com você que eu quero lutar de mãos dadas por todo esse sentimento, que nos faz se apaixonar cada vez mais. É do seu lado que eu quero sempre estar. É com você que eu quero parecer um tomate morrendo de ciúmes, é com você que eu quero tomar banho na chuva, é com você que eu quero jogar pedra na casa dos outros, é com você que eu quero correr pela casa toda, brincando de pega-pega. É com você que eu quero jogar vídeo game, é com você que eu quero dançar no meio da rua, é com você que eu quero rir de tanto doer à barriga, é com você que eu quero abraços verdadeiros. É com você que eu quero brigar por colocar muito sal no feijão, é com você que eu quero discutir quem vai arrumar a casa no domingo, é com você que eu quero decidir os nomes dos nossos pequenos, é com você que eu quero imaginar nossos filhos correndo pela sala. É com você que eu quero trabalhar junto, é com você que eu quero planejar um futuro pela frente, é com você que eu quero fazer uma cabana em cima da árvore, é com você que eu quero brincar de guerra de travesseiros. É com você que eu quero discutir quem ama mais, é com você que eu quero dormir de conchinha, é com você que eu quero discutir pra vê quem fica com a maior parte da coberta, é com você que eu quero ficar na varanda olhando as estrelas, é com você que eu quero visitar minha família, é com você que eu quero ser uma pessoa melhor, é com você que eu quero passar horas no telefone, é com você que eu quero fazer guerra de braço, é com você que eu quero passar a madrugada trocando mensagem, é você que eu quero acordar nos meus braços. É com você, que eu quero sair de casar pra ir à loja comprar nossas alianças, é com você que eu quero noivar, é com você que eu quero casar, é com você que eu quero morar de baixo do mesmo teto, é com você que eu quero formar uma linda família. É com você que eu quero realizar todos os meus sonhos e planos. É VOCÊ E SOMENTE VOCÊ.

(Mini) IMAGINE COM LOUIS TOMLINSON

Sai do banheiro já de meias e com o moletom por cima da blusa. O frio que bateu em minhas pernas descobertas me fez correr pra baixo da coberta mesmo com a toalha ainda envolta da cabeça.

–S/n, você também vai querer chocolate quente né?! – Louis gritou da cozinha enquanto eu terminava de me enrolar na colcha.

–Sim! –Gritei de volta, com a voz anasalada, dando um espirro logo em seguida. –Louis..? –Disse num tom manhoso, mais ainda alto para que ele ouvisse

–Oi.. –Ele gritou de volta.

–Você vai demorar muito pra vim pra cá? – Minha voz estava ainda manhosa, mesmo que sem querer.

–Eu estou terminado aqui, já vou!

–Tá.. Eu to te esperando.. –Disse num tom um pouco mais baixo que o dele, não me importando tanto se ele tinha ou não ouvido a última frase, apesar de eu acreditar que sim. Meu apartamento não era assim tão grande, pelo contrário.

Liguei a TV, procurando por qualquer coisa que pudesse me distrair, mas aparentemente sábado de noite não é um bom dia pra ver TV. Depois de alguns minutos Louis apareceu na porta do quarto com duas canecas de chocolate e sorriu ao me ver totalmente enrolada na colcha, apenas com a cabeça e uma das mãos pra fora.

–Eu sei que tá frio mas.. Não tanto. –Ele riu se aproximando de mim – S/n, você ainda não tirou essa toalha molhada da cabeça por que?

–To com uma preguiça.. –Estendi minha outra mão pra fora, pegando uma das canecas da mão de Louis que se sentou ao meu lado da cama.

–Assim você não vai melhorar nunca.. –Ele disse sério, pondo as pernas pra debaixo da colcha que me envolvia.

–Dá muito trabalho pentear o cabelo.. E eu ainda vou ter que secar ele.. –Apoiei minha cabeça em seu ombro – Dá muito trabalho, e eu não estou com disposição pra isso..

–Você quer que eu faça isso? –Ele ofereceu, soltando um beijo em minha testa quando o olhei, pensando na possibilidade. –Hen?

–Não precisa.. – Resisti a tentação de aceitar –Você já fez muita coisa por mim hoje.. Preciso fazer alguma coisa também não acha? – Ele deu de ombros.

–Você está toda ferrada ai, espirando, respirando pela boca e com uma febre que vai e volta toda hora..

Dei uma pequena risada, envolvendo minhas mãos na caneca quentinha e tomando o primeiro gole do chocolate que pareceu aquecer todo meu corpo por dentro enquanto presenciamos em silêncio. Percebi Louis se mexer e cheguei a murmurar seu nome antes de levantar minha cabeça do seu ombro

–Deixa eu secar seu cabelo.. –Louis levantou um pouco e eu pus minha mão sobre a sua, interrompendo-o

–Amor, não precisa, sério, daqui a pouco eu faço isso.

–Está duvidando de mim? –Louis debochou, com um sorriso frouxo no rosto. Sorri de volta, suspirando

–Eu só não quero te dar trabalho a toa..

–Você não tá dando.. Quer dizer, está, mas não atoa.. –Franzi o cenho, sem concordar ou aceitar o que ele dizia. –Tá, pode ser atoa, mas se eu to fazendo, é por que eu quero.. –Sorri pra Louis enquanto ele enbaranhava nossos dedos. –Onde está seu secador?

–No meu armário, no canto direito..

Só para deixar claro; Esse texto não é sobre mim, nem sobre você. Muito menos sobre as suas manias exageradas, ou a sua risada extravagante. Nem sobre a toalha molhada que você sempre esquece em cima da cama. Não é sobre aquele seu sotaque que me deixa delirando, nem sobre a lista enorme de palavrões que você usa quando está mal humorado. Muito menos sobre a sua mania de passar a mão no cabelo sempre que está nervoso, ou sobre o seu vicio louco em café. Não é sobre as palavras de carinho que me encantam, quem dirá sobre como eu me sinto quando você me abraça. Não é sobre aquele perfume que sempre me faz lembrar do seu sorriso, nem sobre a sua cara quando você fica bravo comigo. Não é sobre aquela sua camiseta que até hoje eu faço de pijama, nem sobre as nossas fotos que ainda estão escondidas em uma gaveta qualquer. Esse texto é sobre a vida, as pessoas, o mundo. Esse texto é sobre a pessoa que entrou em minha vida e se tornou o meu mundo.
—  Meu Querido Charlie.
É pra você que eu conto todos meus segredos e meu medos. Meus sonhos e fracassos. É com você que me sinto segura, seja para ir até ali na esquina ou mesmo dar a volta no mundo. É com você.
É com você que vejo meu futuro. É você que eu vejo afagando meus choros, e se contorcendo de rir comigo. É você que eu vejo comigo num sábado à noite assistindo netflix e saboreando pipoca.
É você comigo num domingo à tarde dando uma volta no parque. É você andando de mãos dadas comigo. É você sentindo a minha dor e sendo contagiado pela minha alegria. É você deixando a toalha molhada em cima da cama.
É você de quem sinto tanta saudade. É de você de quem sinto tanto amor. É de você de quem sinto tanta felicidade. É você que me escolheu. É você que cuida de mim.
É você que me dá chocolates. É você que me leva para comer pizza. É você que ouve minhas bobagens. É você que ouve aqueles sonhos bobos até demais, e mesmo sabendo que não irão dar certo, diz que vai dar mesmo assim.
É você que me faz sorrir. É você o dono do melhor abraço. É você que tem o mais bonito dos sorrisos. É você que tem o melhor beijo. É você que tem os mais incríveis olhos castanhos.
É você que tem esse jeito maroto. É você que tem essas manias bobas. É você que come mais de dois pães. É você que ama doritos. É você que vai no açaí comigo, mesmo não gostando. É você que sempre lava a louça.
É você o príncipe do meu conto de fadas. É você o ator da minha novela. É você o personagem do meu livro. É você o protagonista da minha história.
É você a minha metade da laranja. É você a tampa da minha panela. É você o prego das minhas havaianas. É você a minha alma gêmea.
É você quem Deus escolheu para mim. É você que eu quero encontrar toda quinta-feira e todo domingo. É você que eu quero. É você que eu anseio. É você que me tem. É você que eu amo. É você.
—  Gabrielli Hubner.
Vou começar aqui, o começo do infinito, um pedaço do céu estrelado, o nós que sempre irá existir. Esse texto vai acabar se perdendo no tempo, mas meu amor por você irá prevalecer. É difícil colocar sobre um papel tudo o que eu sinto por você, até porque na maioria das vezes não consigo me expressar direito, algo que já levou há varias discussões, meu modo errado e desajeitado de amar. Mas isso nunca me impediu de te desejar cada vez mais, de te amar cada vez mais, de querer ter uma vida com você. Posso tentar ficar longe, mas não consigo fazer isso por mais de cinco minutos, por quê tem que ser tão lindo? Faz coisa errada, mas depois vem pedindo desculpas com um jeito que não resisto. E eu não resisto aos teus mimos, carinhos, sorrisos, abraços e beijos, não resisto quando você diz que vou ser a mãe dos seus filhos. Não consigo resistir quando você de repente sai sem avisar, mas não demora muito e lá está você, com um sorriso triste dizendo que está com saudade, como resistir há isso? Posso ser uma louca ao dizer, mas tenho certeza que você é o amor da minha vida, que ainda vou escrever nossas iniciais em volta de um coração, naquele árvore do parque perto da sua casa. Que ainda vou brigar com você por deixar a toalha molhada jogada na nossa cama e ver você dormindo no sofá com nosso pequeno, como aquele sonho que teve no avião, você sonhou alto, mas é possível.
—  Diário de Veneza.
Querido, já faz tanto tempo que você se foi, mas eu lembro como se fosse ontem, lembro exatamente o modo como tudo aconteceu, lembro também do seu jeito, do seu sorriso, da sua risada, aquela gargalhada que me fazia gargalhar junto, do seu olhar penetrante, dos seus cabelos rebeldes, com aquele fiozinho arrepiado que não baixava nem com quilos de gel, lembro da sua paciência, da sua bondade, daquele seu ciúme que eu achava fofo e até das suas manias chatas, como aquela de deixar a toalha molhada em cima da cama ou falar de futebol o tempo inteiro. Lembro de como me esquentava nas noites frias e de como reclamava que meu pé estava gelado quando eu os colocava na sua perna.
Sabe, meu amor, eu sinto tanta falta disso tudo, não consigo acreditar que você realmente se foi.
Já cheguei a conclusão de que se você tivesse me deixado por outra, se tivesse dito que não me amava mais ou até se você tivesse me traído, não doeria tanto quanto está doendo agora.
Sabe amor, é horrível essa sensação de saber que você não vai mais entrar pela porta reclamando do seu chefe ou dizendo que está com fome e me perguntando o que temos pra janta. Sabe, é horrível não te ver falando que o São Paulo ganhou o brasileirão e quantos gols ele marcou na temporada. É horrível entrar no quarto e não ver aquela toalha molhada em cima da cama. É horrível não te ter aqui para brigar por horas e ficar de mal o resto do dia. Mas querido, é ainda mais horrível não ter seu abraço, seu beijo, sua voz rouca pela manhã ou seu sorriso de menino inocente quando falava alguma idiotice. É horrível não ter seus carinhos, não sentir seu toque. É horrível não sentir seu cheiro ou saber que ele ficou apenas nos seus moletons velhos que eu ainda não tive coragem de tirar do guarda roupa. Não consigo acreditar que não vou ver esse sorriso malicioso no nosso filho que se chamaria Lucas, nem ver o arraso que ele faria com as meninas se puxasse o olhar castanho do pai ou a barba mal feita. Sabe, eu não consigo me conformar com a ideia de que não vou mais te ver, não consigo me conformar com a ideia de que você permanecerá nos seus vinte e dois anos para sempre.
—  Com amor, sua pequena.