tiredoftears

Preciso fazer urgentemente uma reforma interna! Aqui dentro já está uma bagunça e faz tempo que eu digo que vou arrumar. Tenho que pôr meu coração em um baú. É, dentro de um baú mesmo, com aquelas trancas da qual ninguém consegue abrir. Para que tudo isso? Ah, vai ser apenas uma tentativa estúpida de tentar protegê-lo… o coitadinho já está em pedaços. Quem sabe dá certo… Quem sabe o tempo que ele vai ficar dentro do baú o ajude a juntar suas partes. Quer dizer, juntar as partes que restaram, até porque ele nunca vai ficar inteiro novamente. Estou precisando tirar as lembranças ruins e deixar no varal até que evaporem, as boas eu vou guardar em um lugar seguro para que nos momentos difíceis eu lembre que por causa desses momentos ruins que os outros se tornaram tão maravilhosos. É como diz aquela frase: “a chuva sempre vem antes do arco íris”. Os erros? De forma alguma vou querer me livrar deles, arquiva aí como experiência. Vou lavar a minha alma e passar a ser mais otimista. Aliás, ficar longe de pessoas negativas faz bem. Falando de pessoas, quero sempre me lembrar das falsas. Agora elas me ajudam bastante a saber quando estão mentindo pra mim. Os meus amigos verdadeiros, minha família e todas as pessoas que querem o meu bem, essas sim vão continuar no lugar especial que elas sempre estiveram. Finalmente deixei a preguiça de lado e tomei coragem para fazer essa tal reforma interna. É como diz a minha nota mental: “Quem só olha para trás, não caminha – tropeça e cai.”
—  Maria Luiza Martins
Eu não posso desistir agora. Não agora. Durante todo esse tempo meus pais sempre deixaram bem claro para mim que teria momentos na vida que seriam difíceis. Na minha opinião, acho que esqueceram de dizer que também tem aquelas horas em que você se sente pior que lixo e tudo o que você mais quer é que tudo isso passe. Não sei se eu que sou dramática ou eles que são otimistas demais. A vida é sempre essa rotina de tentar se manter em pé. É como andar de bicicleta, você faz de tudo para não cair mas sempre tem aquela hora que você cai. Estou numa fase da vida que se assemelha a fase de quando a gente, finalmente, anda sem ajuda e sem aquelas rodinhas que ajudam a ter equilíbrio. É que depois que a gente aprende, é muito difícil cair novamente. É claro que vai ter uma vez ou outra que a gente cai. O problema é achar que só porque já sabemos andar de bicicleta, podemos sair por aí pela rua sem tomar cuidado nenhum. Aí como consequência, acabamos caímos. Mas não se preocupa não, do mesmo jeito que a dor do machucado passa, a vida também vai passar.
—  Maria Luiza Martins
Pelo menos agora eu posso dizer que não sou tão boba a ponto de acreditar nele.
Juro que eu acreditava em Papai Noel e juro também que eu acreditava nele. E do mesmo jeito que depois eu descobri que Papai Noel não existe, também descobri que durante todo esse tempo ele estava mentindo. Ele é um idiota e eu não queria ver isso. Me fez de boba e eu só por ter tido carinho, achei que era amada. Depois disso tudo, ele ainda teve a capacidade de “jurar” pra mim que eu estava errada. “Pare com isso Mariana.” “Eu? Não seria você? Ah sim.” “Eu não menti.” “Aí, mentiu de novo. Tu dizia que me amava e os caralho a quatro e ontem mesmo já estava se agarrando com outra.” “Cara, quem te falou isso?” “Eu vi Pietro, deixa de ser mentiroso…” “Mariana, você sabe muito bem que tu tem problema pra enxergar de longe. Não era eu, juro.” “Ok então. Era seu irmão gêmeo! E nem vem tentando colocar a culpa nos meus olhos!” “Mariana, pelo amor de Deus!” “Pelo amor de Deus? Pietro, quem mentiu todo esse tempo foi você e não eu!” “Eu não fiquei com aquela garota da festa.” “E mesmo que não tenha ficado, estava sim se agarrando com ela.” Eu havia me virado e cruzado os braços. “Está bem… você conseguiu. Fiquei com ela sim, mas foi ela que me agarrou.” “Que ótima maneira de tentar consertar um erro. Pelo menos admitiu.” “Você e essa tua mania de achar que eu sempre estou mentindo Mariana!” “Você e essa sua mania de mentir pra mim, Pietro.” Eu juro que há um tempo atrás eu acreditava até em horas iguais, mas hoje em dia? Impossível, por causa dele eu não acredito em mais nada. “Mas Mariana, você não queria ficar comigo.” “Você sabe muito bem o motivo do qual eu não queria ficar com você e… agora é assim? Quando eu não quero, você vai atrás de outra?” “Não é isso cara.” “Então é o que?” “É… sei lá.” “Mas tudo bem, tu é homem. Quanto mais você pegar é lucro.” “Também não é assim…” “Então como é?” Ele me olhou com aquela carinha de cachorro sem dono que ele fazia quando estava pedindo para eu perdoá-lo. “É ciúmes de sua parte.” “Quem está com ciúmes?” “Você, claro.” “Pietro, fique com quantas você quiser, só não mente pra mim. Fique lá com Jéssica, Fernanda, Paula e o mundo inteiro se quiser, só não venha depois jurando pra mim que não ficou com nenhuma delas.” Ele ficou em silêncio e finalmente admitiu que eu estava certa. De forma silenciosa, mas admitiu. “Pode ficar com quem você quiser, e eu não vou dizer que não me importo, porque sim, eu me importo. Só não vem dizendo que me ama e todas aquelas coisas e muito menos jurando pra mim a única pessoa que você quer sou eu e não o resto do mundo Pietro.”
—  “Pior do que ter acreditado que Papai Noel existe, foi eu ter acreditado em você,  Pietro." (w-as)