the (sis)tem

Sabe quando já virou um nó cego, daqueles bem difícil de tirar? A vida é assim, aperta daqui e afrouxa de lá. É preciso um meio termo entre apertar e soltar. Se algo é seu, não deixe à desdém, mas também, tenha cuidado, pois um nó cego, é capaz de te impedir de dar um laço. E lembre-se, o que une um ao outro é o laço que tem entre si.
—  Lidiane Guimarães.

é que ás vezes dá vontade de descansar o cansaço dessa vida e o peso de ter que ser alguém. abrir um zíper nas costas e sair um pouco de si. e isso não tem nada haver com você. não é culpa sua não, é neurose minha.

O amor em si tem lá seus bons sintomas, mas o que dói mesmo, o que devasta, o que tortura são as atitudes de quem diz o sentir, mas que pratica-o com medo e insegurança. O amor talvez doa, mas as pessoas doem mais.
—  Amsterdam, 1945.

Tem texto que sai de nós feito uma ferida que incomodava. É como espremer um corpo estranho no organismo. Por mais que você tente digerir não é esse o lugar dele. É fora de si.

Tem texto que sai de nós e ainda ficam as cascas. E precisamos arrancá-las pouco a pouco para que a dor não seja intensa.  

Tem texto que nos transforma em sobreviventes. 

cinza

amo os dias acinzentados, e amo ainda mais, o contorno que o cinza dá as coisas. os dias nublados parecem mais cheios de vida, que os dias ensolarados. é lindo, ver toda aquela poesia num dia escurecido, tem tanta coisa que não prestamos a devida atenção, como o céu fica gracioso com as nuvens carregadas e com o tom da tempestade passada. porém por ainda ser dia e parecer noite, olhar pro céu em dias chuvosos/cinzas, é como está olhando pro abismo que cada um tem dentro de si, mas, que ainda não o descobriu ou não tem coragem de aceitar. as formas/curvas das nuvens, os pássaros voando lá no alto, o tempo com cara de diluvio, é como se a morte estivesse fazendo um convite, pra dançar por entre os escombros e sombras, a textura da terra, os sons dos grilos/cigarras/pássaros, escultar tudo isso de olhos fechados, e deixar as palpitações do coração sentirem e acelerarem. logo em seguida, fumar um cigarro e apreciar, toda a destruição que acontece dentro de si. os dias cinzas tem lá o seu glamour.  

Queria contar tantas coisas que carrego comigo. Dizer que carrego uma imensidão de sentimentos e que me sinto péssimo todos os dias. Mas o tempo já passou, eu cresci e aprendi a confiar em mim mesmo. A solidão por muitos é considerado algo ruim, muitos de nós somos treinados para acreditar nisso. Mas se você tem a si mesmo, não precisa de mais nada. Sobre o resto… bom…vem naturalmente.
—  Young lispector
Ela?

 Ah, ela é demais. Tem uma boca tão bonita. Ás vezes ela aperta os lábios e levanta as sobrancelhas como se dissesse “eu te avisei”. Ela gosta muito de azul, é a cor das paredes do quarto dela e ela é daquelas que têm pisca pisca pendurado na parede. Ela tem medo de aranhas, então é bom nem brincar com isso. Adoro o sotaque dela, ela puxa o “r” e a voz dela é tão gostosa, daquelas que você pode dormir escutando. Ela adora Harry Potter, não ouse falar mal do bruxinho perto dela. Ela odeia séries policiais, adora assistir séries, mas não tem um gênero favorito. Ela tem bom gosto musical, parece um pouco com o meu. Adoro o jeito que os olhos dela sorriem. Os olhos dela têm três cores; às vezes estão mais verdes, ás vezes azuis e, outras vezes, castanho; todas as cores ficam lindas nela. Ela usa óculos e eu adoro o jeito que ela conserta eles quando estão escorregando do rosto. Também gosto do jeito dela mexer no cabelo, como se tivesse fazendo carinho em si mesma. Ela tem cinco sorrisos. Tem aquele sorriso simples, de lábios fechados que ela dá de vez em quando; e aquele sorriso involuntário, que fica a maior parte do tempo no rosto dela enquanto a gente conversa; tem também um sorriso grande, lindo, daqueles que você olha e não tem como não sorrir também; e um sorriso de canto, quando tá distraída e parece que nem percebe que tá sorrindo; e tem o sorriso que ela dá quando tá tímida, como se ele soubesse que cada letra que eu tô cantando é pra ela e sobre ela. Ela escreve tão bem, sabe me tirar sorrisos como ninguém. Ás vezes ela me manda trechos ou frases que fazem ela se lembrar de mim, eu amo isso. É fofo quando a gente conversa por chamada de vídeo por horas e ela tenta disfarçar o sono só pra ficar mais tempo falando comigo. Gosto também quando ela fica relembrando nossas conversas e diz que sentiu saudade quando eu fico sem responder. Ela faz eu me sentir de um jeito que eu nem sei explicar. Ela faz eu me sentir dela.

Um salve para mim que sou puta. Um salve para mim que fui estuprada, abusada e chamada de um pedaço de carne delicioso. Um salve para mim que fui morta, esquartejada e lambida. Que teve os seios apertados, a buceta rasgada, o cu tocado e os lábios arrancados. Um salve para mim que nasci com cromossomo x duplicado, que aprendi a fechar as minhas pernas de saia, a não usar shorts muito curtos e não voltar para casa sozinha depois das 10 da noite. As vielas são escuras, as ruas são estreitas e mulher, sabe como é, não sabe cuidar de si mesma. Porque tem sempre um homem. Macho com H maiúsculo porque nasceu com um pênis e sabe usá-lo. Não no cu, não, ser viado não é ser homem. Ser homem é ir no puteiro. É ter amantes. Ser homem é comer a vagabunda que não sabe que tu é casado, que tu fode e come em um motel de esquina barato – afinal, quem é que gasta muito com putas – e depois volta para a mulher. Aquela, feita para casar. Que você não fodeu em um motel barato, que coloca teu prato – Porque é isso é mulher de verdade – e que você pode fazer outra foda tranquila. E, se ela não quiser ser fodida, bom, homem procura na rua o que não tem em casa, não é mesmo? A culpa é das vagabundas disponíveis e da mulher fresca que não quis foder porque acha que você a traiu. E se a puta não quiser? Ah, ela tem que querer, é para isso que putas servem. Então agarre, a coma, enquanto as mãos dela te empurram. Enquanto as lagrimas caem. Tapa. Não finja que não gosta, cachorra! Meu pinto tá na nessa tua boceta deliciosa e você ainda reclama? Aproveite, goza para mim, porra! Goza, gostosa, linda, delicia, ô lá em casa! Quer uma carona? Vagabunda, sai com uma saia deste tamanho e ainda diz que não quer. Em plena luz do dia com um batom desse e ainda quer ser “respeitada”? Cantada na rua é elogio. Quem não gosta de ser chamada de deliciosa enquanto volta para a casa? As buzinas são para valorizar o ego dela. Dança comigo? É só um gole. Ei, linda, bebeu demais, vem cá, deixa que eu te ajudo. Deixa eu desabotoar essa blusa. Quer sim, você sabe que quer. Eu não disse. G-o-s-t-o-s-a. Vou ali, amor, já volto. Aquela? Já Comi vei, gostosa, mas né mina para namorar não. Putinha rodada. Sério ‘pô’, deu para mim na boate mesmo. Um salve para mim que sou a puta registrada nas mesas de bar de vocês, um salve para mim que desço do ônibus todos os dias com medo dos machos que foram ensinados a ir no puteiro aos 15 anos. Um salve para mim que me controlo. Um salve para mim que gosto de sexo e gosto de beber, mas não posso porque não nasci com pênis. Afinal, para ter libido só nascendo com pênis mesmo.
—  Putas criadas por vocês, Danielle Quartezani
Antes de você apontar o erro do seu próximo, examine-se. Tem pessoas que nunca mataram a olhos vistos, mas têm um cemitério dentro de si; tem pessoas que nunca foram pegas em flagrante adultério, mas têm um prostíbulo no coração!
—  S M✾
As mesmas pessoas que cobram um mundo melhor, são as que mais se auto destrói. Porque mentir pro próximo é mentir pra si mesmo. E se tem uma coisa de que ninguém pode fugir é da reciprocidade, pode não ser da pessoa que você brincou, mas do próximo. Sempre vai ter alguém pra pagar na mesma moeda. Isso é um ciclo, o mundo é uma bola e ela roda. Todo mundo recebe o que merece.
—  Garrulax
Nu mai stiu ce simt, parca nici nu mai stiu sa o fac. Simt ca viata mea e o fuga continua. Poate fug, dar de ce ? De ce imi e frica? Ce aleg sa gonesc si de ce ma tem? Nu mai simt ca simt, nu mai simt ca traiesc. E o continua monotonie, o continua stare de greata care imi macina sufletul, il macelareste. Nu mai stiu sa fiu fericita si sa ma bucur de lucrurile marunte. Nu ma mai inteleg, nu ma mai cunosc, oare am facut-o vreodata? Imi e frica, imi e frica ca nu o sa mai simt niciodata, imi e frica ca , poate, atunci cand o sa simt o sa fie prea mult..prea mult ca sa suport. Imi e frica de singuratate si totusi sunt atat de singura. Oare asa e viata? Oare ne transformam in roboti?
—  ( @totul-duce-la-tine )

vem cá e me conta o que teve de insuportável na sua vida hoje.

vem cá e me conta se tem vontade de desistir.

vem cá e me conta se sentiu o choro prender a garganta.

vem cá e me conta se as palavras arderam tanto de você à ponto de não conseguir botar pra fora.

vem cá e me deixa te contar sobre o vazio existencial que todo ser humano tem em si (você não tá sozinho nessa)

vem cá e me conta se parou de acreditar em qualquer pessoa que diz que vai passar

vem cá e me diz se precisa de um abraço

vem cá e me deixa segurar suas dores comigo e te ajudar a juntar cada um dos seus pedaços

vem cá e me deixa te dizer que tem um universo em você que vale à pena ser visto. que vale à pena ser lembrado. que vale à pena que os outros descubram toda a imensidão poética que te habita.

porque você, meu bem, vale muito.
você vale mais do que se pode contar e mais do que imagina.


você não tá só.

Quando acordar, dê um bom dia cheio de gratidão a Deus, antes de levantar, se revista da armadura dEle, e quando for falar, lembre-se de Jesus, como ele agiria no seu lugar? Pense bem, o mal parece mais fácil de fazer, mas você tem em si as marcas de Cristo, e por mais que doa às vezes ser como ele, você precisa entender: Cristo vive em você.
—  Fala Deus!