thatha

thatha-vanecha  asked:

Oia ka satu lg hehe , jd gini ka sbnernya aku sm doi tuh blm ada status, tp kita ngejalaninnya udh kaya org pacaran dlm arti ngajak jalan, nonton, makan, gth ka aku hrs gimana yah ka ? Salah gak ka kalo misalnya aku dluan yg mulai nanya status kita ?

Gak salah dong, @thatha-vanecha 😁
Yang salah kalau kamu merasa HTS itu fine-fine saja. Jangan tunggu sampai ditinggalkan baru merasa rugi. Yang berstatus saja bisa ditinggalkan, apalagi yang kaya kamu gitu. 😅

Chore, grite, diga que amou, diga que valeu, que doeu, que daqui pra frente só vai melhorar. Perdoe, insista, respeite, ame novamente. Lembre-se que amanhã pode ser muito tarde, tarde para perdoar, para dizer ‘eu te amo’. Muito tarde para pedir que algo ou alguém volte. Não leve a vida tão a sério. Descomplique, quebre regras, perdoe rápido, ame de verdade, ria descontroladamente e nunca lamente nada que tenha feito você sorrir. Não se apegue ao que passou, transforme seus erros em experiências. Aprecie cada momento. Não tenha medo, a vida é isso, você tem que se entregar. Não pense em agir, faça. O arrependimento pode ser uma consequencia de você ter errado mas se arrepender de não ter tentado é muito pior. Não deixe se levar por ninguém, a vida é sua, as escolhas são suas e você não tem obrigação de agradar a ninguém. Procure entender á si mesmo, a se conhecer. Se criou e fez desse modo, quem quiser que aceite. Faça loucuras, aprenda a tocar algum instrumento, componha uma canção, pinte um quadro, faça um poema e o recite no meio de uma praça. Pinte o cabelo de uma cor exótica, faça uma tatuagem escondida. Se preferir, vá a uma festa, tome um porre e só volte pela manha. Viaje com os amigos, faça coisas estranhas, divertidas. Não crie um conceito de homem ou mulher perfeitos. Busque o que te fizer melhor e que estampe sorrisos no seu rosto ao invés de lágrimas. Seja sincero, mesmo que machuque, que cause dor. Satisfaça suas vontades, supere expectativas, prove que o impossível é possível. Dê o melhor de si, mesmo em algo julgado pequeno. As pequenas coisas nos trazem grandes alegrias. De vez em quando, nem que aos poucos, deixe o orgulho de lado e corre atrás em uma briga. Se desculpa com quem te ama, mesmo estando errado. Corre atrás do amor e não desacredita. Não desacredita porque isso é pros fracos de coração. Temos tão pouco e ao mesmo tempo tanto. Á viver, á buscar, á corresponder. Não seja só mais um, ou seja. Mas seja quem você tanto quer ser e não oque querem lhe forçar a ser. “O meu conselho é pra te ver feliz.”
— 

O meu conselho é pra te ver feliz.

PaulaAndreza + Andressa (desnorteadas)

Eu sinto falta, mas não dói tanto como antes. Ás vezes eu ainda lembro, só que agora a vontade de reviver tudo novamente, já não se faz mais presente. O tempo passou e eu já não sonho contigo, já não te desejo como antes. Tudo mudou. Eu pensava que não ia te esquecer, que iria passar o resto da minha vida a vagar junto com as suas lembranças que me perseguiam. Mas não, eu te esqueci. Passou um bom tempo, derramei muitas lágrimas, passei por altos e baixos e hoje nem lembro de ti como antigamente. Acho que aprendi a sobreviver sem você. Recomecei a minha vida. Vi que estava apenas perdendo tempo apegada ao passado. Estava desperdiçando as oportunidades do presente por deixar coisas antigas agirem por mim. Me dei conta de que não podia mudar nem apagar nada do que já havia passado. Então coloquei na minha cabeça que eu deveria seguir em frente e não olhar pra trás. E quando digo não olhar pra trás, digo que você vai ficar distante. Distante de mim pra que mesmo se eu olhar pra trás, eu não possa te ver. Eu aprendi a lidar com a dor, assim como lidei com partidas. Você só é bom em palavras mesmo, agora eu, virei boa em esquecer. Esquecer você, esquecer o passado, esquecer o “nós”. Olhar pra frente pensar no agora. Para no futuro não me arrepender de absolutamente nada, agora você é pra mim uma mera lembrança. Você brincou, zombou e achou que me tinha na palma da sua mão. Eu sofri, mas usei toda a dor pra me fazer mais forte. Morri e renasci. Eu jurei nunca mais amar, e que não poderia viver sem causa presença, mas superei você. Agora eu te olho, mas não vejo; Toco, mas não sinto; Gosto, mas não amo. Depois da sua partida, só me sobrou eu mesma para amar, e por ao menos isso, eu te agradeço. Hoje sei meu valor, sei que sou mais, que mereço mais. Aprendi a me amar em primeiro lugar. E se quiser voltar, que volte. Afinal, quem quiser ser só mais um, vai ser tratado como tal. E não ache que lembranças me farão mudar de ideia. Eu custei a entender, mas agora mais do que nunca tenho mente que, passado, é passado e já era.
“Dê tempo ao tempo, Lorena.” – Foi isso que ouvi como desculpa do meu namorado, quero dizer, do meu ex-namorado. Desculpa, claro. É que Art, como eu costumava chamar o idiota do Arthur, ainda não era babaca o bastante para jogar a minha cara que se apaixonou por outra. Tudo bem, acostumei. Meu amor já se acostumou a ser jogado ao lixo como papéis de rascunhos de textos sobre o clichê do amor. Levantar a cabeça, sempre. Pois como a minha mãe dizia: “Levanta a cabeça, se não, a coroa cai, princesa”, apesar dos pesares, de não acreditar que sou uma princesa e afins, eu sabia que o melhor é seguir a vida, já que então, nenhum homem merece sofrimento algum de mulher nenhuma. Passei muito tempo lamentando por ter perdido oque afinal entendi, que nunca tive. Era final da tarde quando resolvi sair de casa, engolindo o choro para não dar gosto ao Felipe caso o encontrasse. O sol pareceu arder-me os olhos, como uma prisioneira que acava de ser liberta de sua sela. Me sentia diferente se como se eu envadisse um novo mundo. Caminhei sem rumo por um longo tempo. O comércio ainda estava aberto, para a minha sorte. E aquelas palavras que ele pronunciu como desculpas esfarrapadasm não saiam de minha mente “dê tempo ao tempo”. Passei despercebido por uma relojoaria e resolvi fazer isso, literalmente. Como na minha casa não tem relógios, isso pareceu-me uma ótima ideia. Relógios, me faziam lembrar que o tempo era um vilão, fazia de tudo, ou quiçá, quase de tudo para evita-lo, contudo, não conseguia. Estilo antigo, daqueles abre uma portinha e um pássaro sai de dentro cantarolando, marrom escuro, e pesado. Comprei sem pensar tão mais que duas vezes. Porém, para levá-lo sozinha à minha casa, por mais perto que seja, tive que pensar mais que duas vezes. O relógio era extremamente pesado, para a minha surpresa. Mas pareceu que todos os relógios daquela loja tinham esse peso, já que tinha um moço responsável por levar os relógios às casas da redondeza. Ora, se esse não fosse um trabalho, muito cavalheiro esse moço, não? Ele era forte. OK, ele era muito mais que isso. Era forte a beça, e atrente. Era alto, cabelo castanho e liso. Usava uma calça jeans um tanto caída, mostrando sua cueca preta, e uma blusa branca sem manga. Ele era um típico garoto colírio. E, aparentava ter a volta de uns dezoito anos. Minha idade. Ele pegou o relógio do balcão sem muita dificuldade, para ele pelo menos não aparentou ter muito peso. Eu expliquei que minha casa era naquela mesma rua, e então fomos andando pela calçada. Fomos nos apresentando ele primeiro, seu nome era Arthur. Não mostrei minha desaprovação ao nome. Mas ele pelo contrário, praguejou meu nome com um sussurado ‘bitch’. Me senti envergonhada, e ele também. Não fazia parte dos planos dele, que eu escutasse. Naquele momento nós dois muito envergonhados entramos na minha casa, ele perguntou se tínhamos uma furadeira e um parafuso para por na parede, disse que tinha na garagem e fui buscar. Quando voltei ele estava analisando as paredes e disse que naquela que era do corredor da cozinha ficaria melhor o relógio, então foi ali que ele o pôs na parede. Enquanto ele trabalhava nós usamos o tempo para esclarecer o acontecido anterior, ele falou que sua ultima namorada se chama Lorena, e que o término do namoro não foi dos melhores, e eu um pouco constrangida falei da coincidência de meu ultimo namorado se chamar Arthur também, e que nosso termino também não foi nem dos melhores nem dos, um pouco bons na verdade. O relógio ficou perfeito na parede, ele ajustou a hora. Eu quis paga-lo, mas ele disse que só fez seu trabalho. Ele engasgou como quem queria pedir algo, mas em seguida sorriu, e eu o retribuí. Ele saiu em seguida sem olhar para trás mesmo que eu desejasse que o fizesse. Não era certo sentir aquilo mas algo formigava minha barriga e percebi que estava sorrindo feito uma tonta, perdida nos encantos que ele me trouxe sem fazer esforço algum. Com medo do que aquele rapaz pudesse reservar á meu coração, por algum tempo permaneci em minha toca. Pensava que talvez se eu me trancasse por mais alguns dias, não haveria possibilidade de cometer o mesmo erro como oque cometi ao confiar em Arthur idiota, mesmo sem saber se aquele Athur era diferente. Me enganei. Quando resolvi sair de casa, dei de cara com ele passando pelo calçada e ambos nos aspatamos. Ele gaguejou um oi, e assim começou. Não sei descrever oque começou, mas começou bem alí. Me convidou á sair, fomos a todos os lugares disponíveis daquele bairro pequeno. Cada tarde de domingo, em um lugar diferente porque ele alega que a mesmice, chateava a vida e trazia angústia. Quando ele me convidou a passear em um 'lugar secreto’. Fomos a um predio enorme e isolado do outrolado da cidade, e lá em cima, me indicou todas as suas estrelas favoritas. Me contou que nunca levara ninguém áquele lugar, nem mesmo sua ex. Me olhou nos olhos e sem dar voltas ou discursar, disse “Quero que seja minha namorada, Lorena. Eu sei que há muito a perder e que já se cansou de se descepcionar. Mas não vai ser assim comigo. Não vou fazer promessas, não vou implorar para que me faça ficar quando eu quiser partir, ou que seja quem não é, só que seje minha.” Eu não sentia medo de entregar meu coração aquele rapaz. Até porque, já era tarde e eu já o pertencia como a nenhum outro em toda a minha existência. Em um dia, resolvemos repetir um lugar, mas por pedido de Arthur. Repetimos a Lanchonete Las Marias. Onde o Arthur idiota tinha me chutado com desculpas de “tempo ao tempo”, eu o esperava lá e sabia que meu e poderia chegar a qualquer momento, e assim se fez. Não exitou e chegou como se anda tivesse feito tempos atrás, agindo como se fossemos íntimos. Não o deixei falar e ignorei totalmente sua presença, mas foi impossível. Ele se assentou e passou seu braço sobre meus ombros, sussurou em meu ouvido “você cresceu bastante, acha que já chega de tempo?”. Me afastei e todo o ódio que reservei por aquele ser inútil, se expôs em palavras que eu mal percebia vazar entre meus lábios, simplesmente fluiu. “Não seja tôlo. Você é só um moleque, um coitado. Eu dei tempo ao tempo e em troca, o tempo me deu Arthur. O meu Arhutr. Não jogaria esse amor fora, nem que me emplorasse de joelhos. A vida tem muito a lhe reservar, querido mas pra hoje, tenho algo pra lhe dar que guardei por muito tempo.” Ele de olhos cheios de espanto e sem reação balbuciou e perguntou oquê. Então não exitei e o esbofeteei, não porque eu ainda sentia algo por ele ou porque queria que ele me quisesse de volta. Mas porque agora, eu pertencia a Arthur, e nem que fosse á base da pancada, qualquer um entenderia isso. Saí sorrindo e com a alma leve, e quando fechei a porta, dei de cara com uma garota que pelo olhar de Arthur, julguei ser Lorena, a idiota. Não precisei raciocinar muito pra julgar que os idiotas estavam juntos. Destino engraçado. Fui de encontro com Arthur que sorria tanto quanto eu. ia o orgulho em seu olhar. Saímos sem dizer uma palavra e fomos em outro lugar. Não me arrependo de ter me machucado com Arthur idiota, porque assim, não teria conhecido o amor de minha vida. Não me arrepenedo de ter continuado buscando porque é assim que se consegue as coisas, tentando. E hoje, mais do que nunca entendo que a vida é isso mesmo. Cair, levantar, sofrer e sorrir. Só que agora, tudo isso quero passar ao lado de Arthur, meu Athur.
Grief.

I don’t know how to feel. It’s too painful to accept that he is gone…yet weirdly, at the same time, it doesn’t feel like much has changed at all. Maybe if I could have gone to the funeral , if they could have waited to cremate him so at least my mom could have seen him, if I had just called him those many times I felt like talking to him (So he wouldn’t have recognized me, maybe hearing his voice would have sufficed. ) - I might accept the reality. There is this feeling of unease that just won’t go away. I am mourning the death of my grandfather, but my mom is mourning the death of her father. The pain I feel is stronger because I can’t bear to see my mom grieve…she never got to see him one last time. I don’t know if this fact will haunt me more, or her. Why couldn’t they have waited just one day to cremate him so she could see her father?! I’ve cried, distracted myself, and told myself to toughen up. Hopefully some method begins to work soon. I don’t want him to be gone, I want to see him again, if only for one last time. But more importantly, I wish my mom could see him one last time. Please, please, please…

in order for you to whine at me about how i should just find a better show you need to give me a rec that

  • has award-winning actors
  • has a budget of at least $1 million per episode 
  • has lgbt characters with full internal lives and flaws
  • has lgbt characters that aren’t fucking evil 
  • has lgbt characters that might conform to stereotypes but in ways that are nuanced and don’t impede them having full internal lives 
  • tells a story that isn’t just about being a couple/being gay
  • lgbt characters are the main characters
  • is objectively beautifully shot and designed
  • characters are well-liked and recognizable beyond being “the gay character from x show” 
  • i don’t have to watch anyone deal with violent homophobia/transphobia

can’t find it? didn’t think so. neither could i. that’s what i thought i was getting, and nothing compares to it, not in the year 2017. 

Reasons why Commander Peepers should be protected at all costs:
  • works SO so hard
  • is a nerd and is proud of it
  • smol
  • falls asleep to positive affirmations!!!!!!!
  • had one half of a BFFs locket under his shirt the wHOLE TIME
  • goes out of his way to comfort his friend under the most RIDICULOUS grievances
  • but also learns to put his foot down and stick up for his tiny self
  • SINGS HIS OWN THEME SONG WHEN HE’S PLANNING HIS POSITION IN BATTLE STRATEGIES, LIKE C’MON HOW CUTE IS THAT
  • has cared 100% for hater when he’s completely incapacitated (whether hater was lovestruck or in “a funk,” peepers even made sure he showered and was tucked in like my goodness)
  • he is commander peepers
Três, quatro ou cinco. Um em vários, vários em um. Irmãos em corpo, alma e coração. Uma unidade dentre várias centenas. Um pretérito perfeitamente imperfeito, cheio de complementos nominais, vocativos e verbos intransitivos. Período composto por coordenação e subordinação. Uma flor colorida que invejou vários giras-sóis; um laço enlaçado. Como uma montanha-russa sem fim com marcantes subidas e emocionantes descidas. O drama, não o desfecho. Shakespeare enrolado com Caio Fernando e talvez uma possível Lispector. Um mais um igual a três, oito e oitenta, oitenta e oito. O finito infinitamente e o “para sempre” sem tédio. Lutéro e Leão X, Stálin e Ghandi, sol e lua, Voldemort e Potter. Inseparadamente inseparáveis. Como unha e carne, como duas metades de uma laranja. Juntos somos duros como rocha e ninguém poderia nos separar. Muitos tiveram inveja de nós, de nossa união, e da maneira como nos entendíamos com apenas um olhar. Surgiu a inveja, mas se acha que isso nos separou está ligeiramente enganado. Só fortaleceu cada vez mais nossa amizade. Sempre fomos como Piu-piu e Frajola, ao mesmo tempo que implicamos somos inseparáveis. Não é uma simples amizade, um grupinho de amigos quaisquer, somos uma irmandade, juntos ‘Always and Forever’. Nós somos de dar inveja, não temos um melhor amigo especifico, o líder do bando nem um mestre de cerimonia, pois na verdade somos um só em uns quantos, por o tempo que vivermos. Nunca fizemos nenhum ritual para sermos assim, simplesmente nos encaixamos como peças embaralhadas de um quebra-cabeça em meio a jogos de memória, como trincas de cartas, ou peões de xadrez. Quem vê se pergunta como conseguimos, porque nos doamos tanto uns aos outros, que tudo parece planejado. Eu quero carregar o esse amor até meu leito de morte. Amor que supera paixões bobas e que encontramos no colégio. Todo o tempo em que amei meus amigos-irmãos, entendi que isso sim é amor. Nada é mais gratificante do que saber que a qualquer momento em que eu disser “eu te amo”, não vai ser enchergado malícia, porque oque nos une é oque há de mais puro. Não foi preciso esforço para que a vida juntasse nossas diferenças e nos tornasse um só, como as cores do arco-íris. E agora, é sem volta. Somos ferro e fogo, um nó bem feito impossível de ser desfeito. Somos amigos-irmãos, inseparáveis, somos como um. Eu não faço ideia do que a vida reserva pra mim, ninguém manda no futuro. Mas sei que haja oque houver, aconteça oque acontecer, eu vou dar o sangue para que continuemos unidos.
Simbu's Ashwin Thatha teaser to release on Saturday
PR Handout

The second teaser from Simbu aka Silambarasan’s AAA (Anbanavan Asaradhavan Adangadhavan) will be out on Saturday, March 18. The video revolves around the actor’s Ashwin Thatha character in the flick.

“Ashwinthatha teaser comin on 18th wit lot of hardwork & many surprises @iam_str #Ashwinthathavarar @tamannaahspeaks @thisisysr #sirappu. [sic]” Adhik Ravichandran tweeted.

More from IBTimes India: Renault Kwid 1.0 litre variant a runaway success, accounts for 60% of sales; 30% from AMT

It may be recalled that a teaser of Simbu’s Madhura Michael character was released a few months ago and a preview teaser of Ashwin Thatha’s role was also unveiled last month. Both have been received well by audience.

Simbu will be seen in a triple role, of which two characters (Ashwin Thatha and Madhura Michael, a young man from 80s) have been revealed. Shriya Saran and Tamanna Bhatia have been signed to play the female leads and one more actress is yet to be roped in.

More from IBTimes India: Taj Mahal under threat from ISIS? Link being circulated of impending attack; security enhanced in area

The AAA team has completed three schedules as of now and the film unit will now head to Thailand for the next schedule. “We will be shooting a fight sequence in a cave in Thailand. This is the first ever Indian film to be shot in those caves. Apart from that, we will also be shooting some pivotal scenes in the country. This schedule, which commences on March 20, will go on for 15 days,” Deccan Chronicle quoted the director as saying.

The movie, which is bankrolled by Michael Rayappan, features Yuvan Shankar Raja’s music, Krishnan Vasant’s cinematography and Ruben’s editing. The film has Mahat Raghavendra, VTV Ganesh, Rajendran and others in the cast.

Related Articles

thatha-vanecha  asked:

Ka sblmnya salam kenal yah😊 Oia ka mw nanya kira2 cowo itu knph yah ka tiba2 suka ngilang gth ajah kaya ditelan bumi. Pdhal aq slalu nunggu kabar dy, trs aku hrs gimana yah ka ? Apa aku hrs ngubungin dy dluan ? Pdhal sblmnya dy gak cuek gini .

Memang mahal banget ya menghubungi duluan, @thatha-vanecha ? Kalau sayang sih harusnya justru gratis. Kalau lebih memilih gengsi, ya mamam aja gengsi. 😂😂😂

518-062
D-TOWN

go go go go go five-one-eight (hands up!)
go go go go go five-one-eight (hands up!)
five-one-eight from the o to the six two
five-one-eight from the o to the six two (x2)

the heads that are nodding along to this song about this past feeling
in this place, 062, the suffering for human rights
record their courage in history, through their volition
so the deeply impressed constitution can be felt
that something, it becomes their moving arms and legs
their stomachs, so their bodies are filled with wounds from the flag
darling, I’ll ignite your will again
brothers, I’ll memorize your wounds without pause

the murky wind, the full ground, the seeds coming down above
5-1-8 the night of that dark past day
for this new history that
has been born from time’s passing
raise your hands, hands up (x2)

go go go go go five-one-eight (hands up!)
go go go go go five-one-eight (hands up!)
five-one-eight from the o to the six two
five-one-eight from the o to the six two (x2)

the smoothed-out flag and the widespread national anthem
my nation has taken some large new characters
a few days ago, the moment that the embers burned
someone’s name has taken on a medal of honor
spit the words you’ll spit, spit and net time we’ll scream
engrave what we scream, don’t forget the engraver’s
responsibility, don’t believe the tongue of the man who wraps it up
between truth and lies, darling, don’t lose the road

the murky wind, the full ground, the seeds coming down above
5-1-8 the night of that dark past day
for this new history that
has been born from time’s passing
raise your hands, hands up (x2)

go go go go go five-one-eight (hands up!)
go go go go go five-one-eight (hands up!)
five-one-eight from the o to the six two
five-one-eight from the o to the six two (x2)


This is a song that applied for the “request” of the composition festival in Gwangju in May, but it ultimately failed in the first preliminary round. ㅠㅠ
It seemed wasteful to just throw it away so I’m uploading it like this on Nate Video.
The rap is by Nakshun, leader of the hip hop grew D-TOWN who is doing activities in Daegu.
This is the song 518-062, produced by D-TOWN’s
producer Gloss.

The meaning of 518-062 is that Gwangju’s area code is 062 and 518 is the date of the 5.18 Gwangju Democratization Movement.
‘Five-one-eight from the o to the six two’ has a meaning of the 5.18 movement that rose up in Gwangju, and
the song was made to ask people not to allow the uprising to fade little by little from their memories and to remember it once again.
If you see the numbers 518-062 you’ll probably think of a postal code. (If you didn’t think of a postal code, sorry!)
It’s a title that was made while thinking of a postal code.
It would be nice if 518-062 could become a postal code that would send a message to many people saying, 'let’s not forget the 5.18 Gwangju Democratization Movement.’

You want to watch a lets play channel that

  • has no swearing or slurs
  • features males and females
  • has no racism, homophobia or sexism
  • is safe for work
  • has great game ideas (for new games or things to do)
  • is easy to watch (not too long!)
  • is heavily moderated YouTube comments that are kept family friendly and are ALSO not terrible
  • ANYONE of any age can watch

THEN GAME KIDS IS THE CHANNEL YOU’RE LOOKING FOR!!!

Seriously. Game Kids. It’s amazing. I adore it to pieces. It updates 3 times a week and all of the content isn’t just family friendly, but SO FUNNY!!! My personal favourite is Bro Gaming, where two adult brothers play Minecraft together. However, the story in Sim Sisters has been getting pretty intense lately. It’s quite the soap opera! I’m pretty invested, actually.

I drew this for the people who create the content for Game Kids. I adore the channel and all of it’s content. Please, give it a try!!!

Capitulo 82

Max: Mama? – Ouvi a voz de Max me chamando e olhei pra Junior esperando uma resposta antes de ir ate meu filho.

Junior: Bom considerando o fato que chegamos hoje depois de horas na estrada, passarmos a tarde brincando e que Diego vai nos fazer ficar na piscina depois que chegarmos enquanto ele prepara um churrasco, acho que vamos estar cansados não? – Respondeu minha pergunta com um ar de duvida e sorriu tentando me convencer e assenti sorrindo.

Clara: Teve sorte de Max me chamar, então vou aceitar sua resposta. – Disse sorrindo e saímos de encontro ao meu filho. – Que foi pequeno?

Max: Ai ai mama. – Falou com a mãozinha na cabeça.

Clara: Tá com a cabecinha doendo filho? – Me abaixei para pega-lo no colo e ele me abraçou assentindo. – Só agora que ele queixou de dor? – Perguntei para May, Thatha e tia Sol.

May: Ele sentou aqui e chamou por você, não falou nada sobre essa dor.

Clara: Começou a doer agora filho? – Perguntei novamente passando a mão em seus cabelos.

Max: Yes, ai ai mama. – Disse choramingando.

Van: Vamos pra casa amor, enquanto você da um banho nele eu ligo pra Jonas. – Falou atrás de mim que apenas assenti dando um beijo na cabecinha de meu filho.

Tia Sol: Eu vou com vocês. – Disse se levantando.

Clara: Não precisa tia Sol… – Ia terminar de falar porem fui interrompida.

Thais: Fica quieta Clara nós também vamos com você. – Disse também se levantando e eu apenas assenti rendida.

Clara: Então vamos, mas não tínhamos que avisar Diego? Ele provavelmente vai ficar nos procurando.

Junior: Vou mandar uma mensagem pra ele. – Falou pegando seu celular enquanto caminhávamos para a saída.

Clara: Amor liga pro Jonas enquanto dou banho em Max? – Pedi enquanto tirava pegava algumas roupas de Max na mala.

Van: Claro amor. – Pegou seu celular e se jogou na cama. – Alo? Jonas é a Vanessa… – Estou bem e você? – Que bom, então estou ligando porque o Max queixou de dor de cabeça agora… – Clara esta dando banho nele para comermos algo e deitar com ele na cama. – Sim a medicação esta em dia… – O que acha que pode ser? – Claro passamos protetor… – Tudo bem vamos fazer isso, obrigada… – Qualquer coisa entramos em contato novamente ate mais.

Clara: Então o que ele disse?

Van: Talvez possa ser o sol que esta muito quente hoje, pediu que desse 20 gotas de dipirona e que fique mais quieto, não vamos poder voltar no parque hoje. – Falou vindo ate nos e dando um beijo em minha nuca.

Clara: Não tem problema amanha recompensamos isso. – Disse me virando e lhe dei um selinho. – Você pode colocar roupinha nele enquanto aproveito e tomo um banho? – Perguntei e ela assentiu sorriu o pegando no colo para fazer o que tinha pedido.  

Terminei de tomar meu banho e fui ate a cozinha com meu pequeno gordinho no colo e com a ajuda de tia Sol, May e Thatha que estavam por ali preparei o remédio de Max enquanto elas preparavam algo para comer enquanto Van tomava banho.

Junior: Onde esta o André? – Perguntou abrindo a porta do nosso pequeno apartamento e ele estava estranhamente mais animado que o normal.

Clara: Que animação é essa Junior? – Arqueei a sobrancelha e ele deu os ombros.

Van: Estou aqui vamos? – Apareceu também visivelmente animada e a olhei com a cara confusa. – Junior me ligou pedindo ajuda para resolver um problema então vou ajuda-lo ok? Qualquer coisa me ligue. – Falou me abraçando por trás e me dando um selinho. – E você fique de olho na sua mamãe. – Disse dando um beijo no rosto de Max saindo com meu irmão.

Clara: O que os dois estão aprontando?

May: Acha que estão aprontando alguma?

Clara: Claro que sim, desde que eles foram fazer o exame na quinta à noite estão completamente diferentes. – Falei colocando Max sob o balcão e lembrando de que eles estavam muito cheios de segredinhos esses dias.

Thais: O que acha que pode ser?

Clara: Não faço a mínima ideia, mas vou descobrir. – Começamos a conversar sobre coisas aleatórias não tocando mais nesse assunto enquanto terminávamos de comer, como já era quase seis horas da tarde e Max estava bem chatinho resolvemos assistir algum filme com ele porem acabamos todos pegando no sono e só acordei quando senti o celular vibrar ao meu lado.

“Amor desculpe a minha demora, estou mandando mensagem apenas para avisar que estou bem e que não devo demorar chegar, como esta nosso pequeno? Beijos, eu te amo minha vida.”

Li a mensagem ainda meio dormindo e olhei para o relógio e me assustei ao ver que era quase nove horas, o que será que esses dois estavam aprontando ate essa hora da noite? Eles estavam há três horas na rua fazendo o que?

“Vanessa onde vocês estão?”

Não me contive em perguntar completamente intrigada com aquilo e não demorou muito meu celular apitou novamente.

“Estamos chegando à pousada já amor por quê?”

 “Já são quase nove da noite, o que estão aprontando? Esta ficando tarde amor :/”

“Enrolamos porque quando estávamos voltando Diego ligou pedindo nossa ajuda porque o pneu dele furou. Esta tudo bem por ai?”

“Então Diego esta com vocês? Fico mais tranquila afinal ele conhece tudo por aqui. E esta tudo bem sim nosso pequeno esta melhorzinho e acabamos pegando no sono assistido “Meu Malvado Favorito” estamos todos aqui jogados na sala.”

“Que bom que esta tudo bem, não vou demorar prometo. Beijos te amo”

“Também te amo meu amor.”

Fiquei bem mais tranquila por saber o motivo daquela demora toda deles e me levantei devagar pegando Max no colo o levando para o quarto colocando ele na cama e assim que voltei pra sala todos estavam acordados conversando.

Thais: Pronto esta decidido quem faz a comida é a Clara porque ela não estava aqui. – Disse assim que me viu de volta a sala.

Clara: Exatamente por esse motivo que não devo fazer não participei da votação.

Tia Sol: Pelo amor de Deus é só fazermos uma nova votação. – Disse rindo depois de quase dez minutos de discussão.

Van: Eu voto em Thais. – Falou rindo e nos assustando ao abrir a porta.

Junior e Diego: Eu também. – Disseram juntos e Thatha fez cara de tedio.

Thais: Vocês nem sabem no que estão votando.

Clara: Sabem sim. – Respondi por eles e sussurrei um “É quem vai fazer a janta” sem que Thais visse.   

Van: Estão falando sobre quem vai fazer a janta então você foi eleita parabéns. – Respondeu Thais rindo e vindo ate mim. – Estava com saudades. – Falou baixinho em meu ouvido e selando nossos lábios.

Despois de muita briga sobre quem ia fazer a janta Diego se propôs a fazer e devo confessar que a comida dele era ótima, como o dia tinha sido exaustivo conversamos mais um pouco e resolvemos dormir porque amanha acordaríamos cedo.

O relógio não marcava nem nove horas e já estávamos todos em pé tomando o café da manha para curtimos mais um dia no parque, Max estava completamente melhor e visivelmente animado.

Junior: Clarete vou levar sua mulher e seu filho comigo no melhor lugar desse parque enquanto vocês tomam sol. – Disse apontando para um toboágua onde se descia com boias e bem perto de onde estávamos eu May, Thatha e tia Sol.

Clara: Cuidado com eles ouviu? – Falei olhando para Junior que assentiu rindo. – E você pequeno fica de olho na sua outra mamãe ouviu? – Disse pra Max e apontando para Vanessa.

Max: Bye-bye. – Falou me dando um beijo e sumido com eles.

Clara: Alguém me ligando essa hora? – Disse olhando para as meninas e olhei para o visor para saber quem era e estava escrito numero desconhecido, dei os ombros e resolvi atender. – Alo?

???: Hello baby. 

Encontrei-me em um estado que nem eu mesma acreditei que chegaria, estou totalmente destruída. Logo eu que sempre tive essa postura de menina indestrutível, que nenhuma mísera palavra me machucava, agora me vejo totalmente ao contrario do que era, me tornei uma pessoa frágil. Não consigo mais manter essa máscara de “garota forte”. Eu que nunca tive medo de nada, agora estou temendo coisas que no passado eu achava ridículo, medos insignificantes. Estou vivendo um pesadelo que não tem fim. É no silêncio da noite que grito implorando por ajuda, mais todos ignoram meus apelos. Meus olhos refletem tudo que estou vivendo é impossível ninguém enxergar, parece que estou invisível diante da sociedade. É como se todos os meus gritos de desespero fosse descartáveis para todos, sinto-me completamente sozinha nessa imensidão de problemas. Estou me sentindo a cada dia mais inútil na vida de todos, sinto que nada que faço é bom o bastante. De nada tem me adiantado pensamentos positivos ou tentar manter minha esperança. Mas espera, que esperança? Onde foi parar toda minha vontade de lutar? Já não sei mais oque é levantar pela manhã e agradecer por mais um dia de vida. Na verdade, a primeira coisa que consigo pensar pela manhã é: “já é de manhã, droga”. Eu não sei se é nostalgia, sensação de abandono, ou só uma tristeza passageira. Estou vendo a hora em que vou desabar sem me importar com oque vão dizer ou pensar. Tentar me fazer de forte, não tem me trazido anda além de frustração. Mas sei que esse sentimento, tem me destruído aos poucos. Todos as sensações ruins, que sempre julguei cúmulo e sem noção, tenho carregado ultimamente aqui dentro. Sinto raiva de mim mesma por não conseguir sair dessa melancolia barata, odeio drama, mas sou extremamente dramática, é eu sou assim. Não quero que sintam pena de mim, porém preciso de alguém de alma bondosa que possa me livrar dessa enfermidade tão profunda. Da mesma forma que sempre estendi minhas mãos para ajudar os problemas alheios, queria que alguém estendesse para mim agora. Queria um ombro amigo, um abraço que fosse capaz de me transmitir paz. Já tentei de todas as formas mudar minha rotina, fazer outros planos, mas por mais que eu insistisse nunca consegui. Parece que por algum motivo, alguma razão toda essa infelicidade, essa angústia precisava fazer parte de mim. Eu mesma me pergunto o que fiz de errado para estar passando por tudo isso, o que será que tem de errado comigo? Sinto-me completamente fraca, totalmente perdida no meio disso tudo. Prometi a mim mesma que não deixaria mais ninguém me fazer chorar, mas foi  só mais uma promessa feita em vão. Alguém pode me trazer uma dose de coragem, por favor? Ou melhor, duas doses bem cheia. É disso que irei precisar daqui pra frente e é agora que vou conseguir me livrar dessa melancolia toda. Irei mostrar para todos que me menosprezaram, a garota que eles deixaram escapar. Irei mostrar para todos que não acreditavam no meu potencial, que sou capaz de lidar com meus próprios problemas e encontrar minha felicidade. Pois é só isso que eu quero agora, ser feliz. Sem essas pessoas para me julgarem, para dizer o que eu devo ou não fazer. Voltarei a ser eu mesma, mas dessa vez mais guerreira, mais forte. Quem sabe assim, as pessoas comecem a me valorizar, ao invés de brincar comigo.

Bea, Mallú , Andressa, Tainá (desnorteadas)

Calma pequena vai passar, eu sei, é clichê eu falar que vai passar, mas essa é a dura realidade. Relaxa, você aguentou todo esse sofrimento até aqui, aguentou firme e forte e pra que você vai fraquejar agora? Vai pequena, mostre a si mesma que você é capaz, orgulhe a Deus ao mostrar que você vai conseguir superar. Todo mundo sofre, todo mundo tem dias ruins e talvez esse dias possam se tornar anos pra passar, mas lembra quando você prometeu seguir em frente sempre? Então, cumpra. Por você. Tente ser forte pra forçar teus inimigos a te aplaudirem de pé. Você já é uma vitoriosa. Deus nos dá obstáculos na vida pra que possamos amadurecer e nos tornarmos forte. A vida não é fácil, nem um pouco; e você assim como muitos, aprendeu isso na marra. Mas tem que saber também que assim como a felicidade, sofrimento passa. Todos sofrem, mesmo escondendo, é assim que funciona. Todos são magoados, jogados as traças, pisados e tudo mais que também acontece contigo. A sua felicidade, depende muito de você. Procure se ajudar. Não se iluda pensando que vão te estender a mão, ajudar a levantar, te dar amaparo ou qualquer coisa do tipo. Sabes que na alegria surge amigos do nada, mas quando precisamos é como se eles resolvessem brincar de serem invisíveis. E não se esqueça nunca de seus princípios, não se rebaixe nem busque pena de ninguém. Você não precisa que sintam dó de você, que te tenham como coitadinha. Porque não é isso que você é, você é uma guerreira, linda, que vive de cabeça levantada mesmo quando tentam te envergonhar. A vida não vai te dar tudo que você quer sem que você faça valer. A  tão desejada felicidade, não te espera, não dá espaço nem tempo pra você decidir se quer ou não seguir. Já não existem mais opções, agora é assim, ou busca ou fica sem. Porque ao contrário do que muitas pessoas pensanm, felicidade não vem fácil, mas vai fácil. Adoça seus dias, trata de se orgulhar de quem é, de quem se tornou com todo esse sufoco que anda passando. E não desiste. Nem pensa nisso. Desistir, definitivamente, não pode entrar na sua lista de opções. Não se deixe fraquejar por nada, porque depois que a gente pensa em ceder, é muito mais difícil de prosseguir. Para e pensa um pouco em tudo que ja conquistou até hoje, e leva certeza de que não vale a pena abrir mão de tudo isso por um momento de fraqueza nem por dois. Nem que essa vontade de jogar tudo pro ar, pareça mais forte que a de continuar. Não desiste pequena, continua, prometo, vale a pena.

Dayane + Andressa (retificadas)

Não foi por falta de aviso…
Era como se eu dissesse “fica, porque eu não vou saber viver sem você”, mas eu não dizia, eu só queria que você entendesse meus pedidos de desculpas quase saltando os olhos, minha paixão que te desafiava ao correr as veias, meu corpo trêmulo ao encostar no seu, meu coração acelerado, meu cabelo dançando, a palma da mão suando. Mas você não via, você nunca enxergou minhas entrelinhas. Você ia e vinha… Porque sabia que quando voltasse eu ia estar sentada, te esperando. Vinha quando me via quase morrendo de falta de ar, até porque, como eu sempre dizia, você era meu ar. Se você me faltava, consequentemente, o ar também me faltava, me faltava alegria, humor e tudo que me mantinha de pé. Mas dessa ultima vez que você se foi parece que levou consigo as vendas que tapavam meus olhos – vendas que me impediam de ver o quão grande é o meu valor, ou que meu valor era maior até mesmo que o seu – e surpreendeu ao ver que dessa vez eu não fiz nada, não esperneei, não chorei, não gritei, não me declarei, não fiz drama mexicano.. Nada. E se surpreendeu ainda mais quando voltou e não me encontrou lá, sentada, te esperando, chorando baixinho, esperando pelas suas falsas juras. Percebi que não precisava de alguém assim ao meu lado, alguém que não fosse capaz de corresponder o que eu sinto. Mentir. Foi só isso que você soube fazer o tempo todo comigo, era como se fosse um jogo. Como se eu fosse o seu brinquedinho favorito, o qual você usava até se cansar ia embora. Depois voltava, e assim você repetia o mesmo ciclo vicioso milhões de vezes. E por amar você eu dizia várias vezes que estava chegando no meu limite e que qualquer hora, largaria tudo. Que qualquer dia, quando você resolvesse voltar eu não estaria mais aqui e foi o que aconteceu. Voltou arrependido, dizendo que queria construir uma nova história ao meu lado, reviver novamente nosso amor. Mas espera, que amor? A onde o amor está no meio dessa história toda? Você não sentiu nada por mim, eu amei por nós dois esqueceu? Amei como ninguém mais vai ser capaz de amar um cara como você, ignorei teus defeitos, superei nossas piores brigas. E o que você fez? Não deu o mínimo valor. Quando se cansava de mim, ia curtir sua “vida”. Vida, que vida? Oque é isso que julga de vida? Curtir, beber, ir pra balada, se jogar no mundo sem rumo e esquecer que tem alguém a tua espera, disposta a cuidar de você, te mimar, estender a mão e ajudar a achar uma solução pra todos os seus problemas ao invés de simplesmente esquecer que a vida tem o lado ruim e sair por aí como um inconsequente. Eu cansei. Cansei de viver presa em você, esperando o “seu momento”, esperando por valor, talvez ao menos uma faísca de amor recíproco. Nunca te pedi demais, nunca sobrecarreguei teus valores e te pressionei. Pelo contrário, eu te amei de verdade. Mas agora, você me perdeu e não vou dizer que desejo toda felicidade do mundo porque pra você, eu não desejo mais nada. Chegou a hora de desejar pra mim, por mim; chegou a hora de viver de verdade.

Mas mãe, a senhora sabe que mesmo contestando, dizendo que não, batendo o pé e tudo mais, eu sei que a senhora sempre esteve certa. Esteve certa quando me pedia pra aproveitar enquanto era criança, enquanto me avisava que o mundo não era um mar de rosas, que crescer não era tão legal assim, e que quando acontecesse, eu ia querer voltar a ser criança. A senhora sabe que mesmo eu negando, eu sempre soube que está certa quando diz que tenho que dedicar aos meus estudos e tomar cuidado com as minhas amizades. A vida mesmo tratou de me mostrar que essa parte é uma das mais cruéis. Quebrei muito a cara por ter confiado em pessoas que não devia, por ter aberto os braços pra quem só queria se aproveitar, por ter sido ingênua e não ter tido noção de que tudo o que a senhora falava, era verdade. Sempre que contava histórias, aquelas com dragões, bruxas e muitos vilões, não fazia idéia que de alguma forma, estava me preparando pra vida real. Agora eu enfrento dragões todos os dias, converso com bruxas, destruo vilões e toda vez me lembro de como era bom quando tudo isso era resolvido com um abraço e um beijo de boa noite. Sinto falta de quando meu olhos radiavam ao ouvir sua voz e minha maior virtude, era a inocência. De querer companhia de fadas ao invés de um grande amor; sinto falta até mesmo do meu amigo imaginário. Quando eu era criança as brigas duravam meia tarde, porque na outra metade já estávamos brincando, rindo, em cima de um monte de areia ou escondidos em um canto qualquer. Sinto muita falta de correr pra sua cama anoite, e sentir que é o lugar mais protetor do mundo, que nada podia me machucar. Sinto falta de tudo, desde um simples sorriso singelo, até o melhor abraço do mundo. Eu sei que ainda te tenho perto, e que mesmo querendo, não te dou o valor merecido. Porque a senhora mesmo me vendo crescer e dando um rumo indesejado á minha vida, sempre permanece ao meu lado e eu realmente, só tenho a lhe agradecer por ser meu anjo. E de certa forma, agradecer a vida. Porque com os empurrões que ela me dá, eu aprendo a crescer, a ser alguém. Porque mesmo eu com essa mania de viver reclamando das coisas, tenho consciência de que é o certo, que temos que buscar sermos sempre mais, sempre melhores. E é com o sofrimento que aprendemos, e já não há outra forma mãe, obrigado por me mostrar desde pequena que temos usar a dor pra ser alguém, ao invés de só existir.

Andressa + Luiza (buscadores)

E sabe de uma coisa, vou deixar de me importar com o que os outros vão pensar de mim, porque na verdade, a vida é minha e de mais ninguém. Se alguém tem que se preocupar com meus problemas sou eu mesma. Não posso mais ficar com receios de fazer as coisas que eu gosto só porque a sociedade vai me julgar e criticar. Que se fodam. Eu sou livre, tenho meus direitos e não vou ficar dando ouvidos as idiotices que as pessoas falam de mim. Elas não me conhecem, não sabem um terço da minha história. O que elas pensam sobre mim é inútil, não vai mudar nada em mim. Eu tenho meu jeito de ser e não vou modificá-lo só pra agradar pessoas egoístas que não aceitam o modo de viver dos outros. Chega disso. Chega de ficar pensando duas vezes no que eu vou fazer por causa da minha antiga importância com a sociedade. Chega de me importar com tantas coisas idiotas que não vão fazer diferença nenhuma. Agora o lema da minha vida é viver e ser feliz sem se importar com palavras, pensamentos, atitudes das pessoas. Porque isso só fez com que eu atrasase minha vida, por causa disso eu deixei de fazer tantas coisas e me arrependi. Mudei por pessoas e hoje eu me pergunto: Por que fui tão tola? Para as pessoas virem com 7 pedras na mão? Pra elas me ofenderem com palavras sujas? Para elas acabarem com minha esperança de ser feliz? Foi pra isso que eu mudei? Eu ea uma grande idiota mesmo. Mas disse bem E-R-A, agora, a história é outra. Vão todos pro caralho. Desculpe o palavrão mas só aqui entre nós, se opinião fosse boa não se dava, vendia. Se fosse pra ajudar, ainda valia. Mas não, ajudar é um verbo inexistente no dicionário do ser humano de hoje em dia. Até porque, as pessoas até querem ver as outras bem, mas nunca, jamais, melhor do que elas. Eu percebi isso na marra, quebrando a cara de todas as formas possíveis. E não vou ser idiota a ponto de repetir o erro de “ir na onda” de quem só abre a boca pra falar porcaria. Sua opinião não vai mudar absolutamente nada na minha vida. Além de causar dor e baixa auto-estima, opiniões inúteis, não tem motivos pra existir. Então faz assim, acha alguma coisa sobre mim? Cala a boca, ou enfia onde o horário não permite dizer.