textosnf

2

“Quando vi Zico entrar em campo com seu primeiro neto, ouvindo a torcida gritar quem era nosso rei, quase um rei medieval, com dom divino entendi o que era História, o que era Flamengo, o que era Zico, a Era Zico. Chorei, ao lado de um amigo suíço, que naquela hora marejou os olhos entendendo o valor do momento, ao lado de minha futura esposa, que sabia o que representou para mim. Ver Zico em campo era mágico, foi mágico para mim.”

O respeito às classes sociais e a forma como todos se tornam iguais pelo simples fato de vestirem as mesmas cores, é motivo de orgulho para nós Rubro-Negros e um exemplo a ser seguido não apenas pelas demais torcidas, mas por toda sociedade. O Manto Sagrado Rubro-Negro torna todas as pessoas iguais, semelhantes, sem qualquer distinção. – Jefferson Freire

3

“Não tem torcida, calor humano maior que do Flamengo. Na Rússia eu sentia falta da cobrança no treino e do carinho. A torcida do Flamengo não se compara com nenhuma outra. Sou torcedor. Passei por isso e sei o que eles passam para assistir a um jogo. Vou representar cada um deles em campo, aquele que deixa de comprar um leite, uma fralda, para ir ao jogo. Vou batalhar para conquistar títulos. Quero e vou entrar para a história do Flamengo. (…) Para vestir essa camisa, tem que gostar, tem que amar. E eu amo esse clube. Tenho mais quatro, cinco anos. Não sei quantos anos eu vou ficar aqui, mas se eu puder eu vou morrer aqui. Já estive na arquibancada e sei o que o torcedor sente. Quero conquistar títulos importantes. Agora é só Love, só Love. O Love é do Mengão.”

Wagner Love | NF

4

O que esperar de um clube que nasceu de um sonho de 6 remadores, e que hoje é a realidade de mais de 40 milhões de torcedores? Honra, amor, dignidade, paixão, fidelidade e muita raça. Simplesmente Clube de Regatas do Flamengo

 Fernanda Barreto (nosso-fla)

2

“Mas não importa o time que entra em campo. Quem faz a diferença é a gente, a torcida. Vamos apoiar com toda nossa marra e autoconfiança, essa é a nossa característica. Pode gritar sem medo. Vamos Flamengo, vamo ser campeão. E não se envergonhe com a aparente diconcordância pronominal do nosso brado. Isso é uma silepse de número, com concordância ideológica. Morou?” – Arthur Muhlenberg, 2009

Flamengo da dona de casa, do povo sofrido, do trabalhador. Flamengo do jovem esperto, da moça bonita e do meu amor. Flamengo do sul e do norte, de todos os cantos de toda Nação. Flamengo do asfalto e do morro, de Deus e do povo, e do meu coração. Flamengo maravilhoso, cheio de encantos mil. Flamengo maravilhoso, campeão do meu Brasil. ♫