te rio

No sé decir “te quiero”.
No puedo. No sé decirlo. Nunca encuentro la forma, el momento ni la valentía para hacerlo. Ni por separado. Ni en simultáneo. Me ahoga antes la vergüenza de quedar en ridículo frente a quien sea.
Simplemente eso. No soy la chica que va caminando por ahí cantando “te quieros”.

Pero…

Pregunto si llegaste bien a casa.
Te comparto cada canción nueva que escucho y me mueve el alma.
Me mato por hacerte soltar una carcajada cuando estás triste.
Fotografío amaneceres y arco iris sólo para mostrártelos luego.
Incluso siendo pésima cocinera, me animo a dar batalla y hacer esos brownies o bizcochos que tanto te gustan.
Te escribo cartas que no te mando. Te dedico frases que vas a desconocer siempre. Te sonrío desde la otra punta de la habitación cuando te das vuelta. Me rio de tus chistes malísimos también.


Porque yo quiero así. Mucho y en silencio.
Porque ya veo que te asustás tanto al escucharlo como yo al decirlo.

—  Juego de palabras
Luca y media!!!

El sábado me fui tarde pal centro, eran pasado las 3am. pero la micro pasa igual, la cosa es que me senté al medio mirando hacia la parte de atrás. subía y bajaba gente,  pasado Vespucio subió un grupo de flaites, buzo, chaquetas de mezclillas y esa moda típica, entre ellos iba uno moreno, con un buzo de la U y una chaqueta gruesa negra, iba de pie y los demás sentados, para mi deleite marcando paquete y grosero, la tenía pal lado izquierdo, lo miraba de reojo haciéndome el wn pa que no cacharan, ellos en su volá flaite iban conversando y este loco de vez en cuando se acomodaba la pichula con la mano metida en su bolsillo. Al llegar a Ñuble se bajaron 2, y el moreno se sentó (ahora eran 3) cagué pensé, no le podía seguir mirando el paquete, igual los miraba, porque el moreno era más grueso de cuerpo y más alto, con una cara de delincuente que me tenía dilatado. Llegamos a Plaza Italia y los otros dos se bajaron, el se cambió de asiento y quedo en esos más altos, subió las piernas al siento de adelante y quedo todo su paquete a mi vista, la mayoría de la gente se bajo, quedábamos pocos, yo no aguante y le miraba fijo el paquete, total a esa hora si caía sería bkn.

Íbamos llegando a los Héroes y el loco se para en la puerta y yo también (ya me había pasado de mi casa) y me dice “hermanito como llego a Parque O'Higgins?” y le dije te bajas acá y vas a tener que caminar caleta o sino tomar una micro al frente, “vale hermanito” me dice, nos bajamos de la micro y le digo cruzando la calle puedes tomar una micro y me dice “la pulenta, y cuánto saldrá un taxi?” y  le digo puta como 2 lucas. no creo que más. Cruzamos la calle, yo con él obvio y me dice “ta terrible helao la cagó” tengo las patas terrible hela” si la cagó, respondí, llegamos a la esquina y le digo ahí tomas la micro o espera el taxi acá, “bkn hermanito se pasó”, y antes de cruzar le volví a mirar el paquete, crucé dándolo por perdido y haciéndome el ánimo de caminar, y escucho un “oooooeeee hermanito” giro y corriendo cruzo la calle, qué? le respondo (pensé esté wn me asalta) y me dice “oiga tení papelillo pa hacerme un cañito?, no le dije, pero si quieres te paso un cigarro y lo haces ahí, “la pulenta puta que es paletiao”. Saque un cigarro y se lo pasé, ya cuídate le dije y seguí caminado hacia Tarapacá que hay una plaza, y vuelve a decir “ ooooe hermanito” fumemos po, quiere?” yapo le dije, pero vamos a esa plaza que es más piola, llegamos nos sentamos y prendió el pito, le pegó dos fumas largas y me lo pasó, “permiso” se paró y se sacó la callampa y se puso a mear, una tula gruesa, morena, con los cocos peluditos y meaba y meaba y yo miraba y miraba, terminó, la apretó, la sacudió y se la guardo, me miró y me dijo “ le gusta?” si está rica! y me dice “ la cosecho yopo natural” y empecé a toser y el se rio, “o le gusto está otra?” agarrándose el paquete, me reí y le dije también po rico pico tení, “yapo uste sae”, dicho eso me acerque, le agarré el paquete y  por fin se lo agarré, igual esa plaza es piola, es oscura y tiene harto matorrales, me traíai loco con tu paquete le dije “si caché po hermano” corramos pallá “yapo uste sae”, nos pusimos cerca un árbol, le agarré el paquete que aún no estaba dura, le metí la mano y se la saque, gruesa, morena, cocos peluos, me arrodille y le lamí los cocos, subí con la lengua por el borde hasta la cabeza y le bordié con la lengua, el seguía fumando pito, me la metí a la boca y se la empecé a chupar, el gemía despacito sin decir nada, se empezó a poner dura y le creció bastante, ahí se la chupe como loco, cocos, cabeza, tronco, de todo y el decía “uuuu que rico” cómasela toa” y yo seguía y seguía, su pico sabia a pichi, y esa guea me calienta, hacia mucho frío, pero con ese pico en la boca estaba caliente, el loco tiró el pito al suelo y me agarro la cabeza con las dos manos y comenzó a llevar el ritmo “puta que rico culiao” así me gusta que la chupen” y seguí jugando con sus manos y moviéndose como culiando, le bajé el buzo hasta la rodilla y mientras la mamaba tocaba sus piernas y su culo, el me sacaba las manos del culo y decía “no pasa ná uste chupela no má” me agarre de sus piernas y le di con todo, el loco gemía tan rico, y decía “eso culiao cómasela  toa” tráguemela” con sus manos me apartó de su pico y me dice “abra la boquita” y me tira un pollo, wuuuua que rica esa guea y con una mano se la agarró y me la metía y sacaba de la boca, “ me voy a ir cortao culiao” dale le dije, tírame el moco “naaaa preste el chico pa preñarlo mejor” me paré me agarró me dio vuelta contra un árbol y se escupió la mano y me la pasó por el culo, se escupió el pico y me agarró el culo y la puso justo ahí… con la otra mano me tomó de la cintura y con la otra lo acomodó, despacito le dije porfa “na despacito si le gusta el pico aguanta maricón” y de una la metió, puta que me dolió, cuando estaba toda adentro me tapó la boca con una mano y con la otra me tocaba el pecho, y la metía y sacaba “puta la guea rica culiao” te gusta el pico, te gusta?” te voy a romper el culo maricón” y seguía dándole, puso una mano en mi nuca y con la otra me abría el culo, sacaba el pico y lo metía despacito y luego fuerte “ conchetumare que rico culiao te voy a preñarte maricón” te voy a dejar el culo lleno e moco” y siguió dándole hasta que me agarró con sus brazos de los hombros y le dio rápido hasta que sentí su gemido final “oooooooh conchetumare oooooh culiao oooooooh me voy maricón aguantala” y suelta todo su moco que sentí calentito en el culo, la sacó y la volvió a meter y me dice “muévete mariconcito saca toa la leche”, con mis manos me agarre de sus caderas y me moví para que me diera toda su leche, “ooooh culiao te gusta el pico maricón” eso saca toa la leche oooooooh culiao cochino te gusta poco” me tomó de la cintura y la saco lentamente “mira como sale, me la dejaste seca culiao”. Me giré y me agache me la metí a la boca y me pajié, acabé tan rico con ese pico en mi boca y aún le salían gotitas de semen, se rio y me dijo “chucha el culiao caliente hermano que wuea” me paré me subí los pantalones, el se la sacudió y se la metió adentro del buzo. Puta que culiai rico wn, “sipo hermano” me gusta caleta ponerla” prendí un cigarro, el también y me dice “oiga hermanito” me presta dos lukitas pal taxi? que tengo que llegar a la casa de mi polola ya es terrible tarde” sipo, abrí mi billetera y le dije tengo luka y media te sirve? se rio y dijo “shaaaa tan poco por una cachita?” puta si no tengo más, “ya calmao si igual la hago”. Le pasé la plata y dijo “oiga hermanito pasó por aquí siempre, sino anote mi wasá” lo anoté y dice, llame cuando quiera total siempre ando con la pishula pará” ya cuidese pallá” cruzó la calle y ahí me quede, reteniendo el moco que me dejó en el culo.

One Shot- Zayn Malik

“Pedido:Quero um do Malik que ela engravida e ele não aceita mas ficam separados na msm ksa e ele smp leva mulheres pra ksa e só finge transar com elas só pra fzr ciúmes nela ai um dia ela quer ir embora e ele não deixa e eles brigam e ela não vai embora mas nem se olham dentro de casa e um dia ela passa mal e grita ele e ele demora um pouco a aparecer e quase que ela o bebê ficam em risco mas aí a menina nasce e ele reconquista ela … Quero bem detalhado e bem emocionante … Bjs amo Tumb" 

mudei um pouquinho o final.

                                                          •••—••• 

 Onde tudo começou a virar de ponta cabeça ? Se alguém me contasse a alguns meses que estaria nessa situação que ia me encontrar, sozinha mesmo estando cheia de vida em não iria nunca acreditar. 

 -Mas que merda- gemi colocando meu pulso em baixo da água gelada

 -Você está bem ?- uma voz feminina invadiu a cozinha

 -Estou-me abaixei pegando a panela do chão

 -Eu não sabia que tinha alguém aqui..-elevei meu olhar e a encontrei usando a camisa que dei pra ele no seu ultimo aniversário

 -Sem problemas- me ajoelhei com um pano em mãos limpando o arroz doce-Os comprimidos estão na segunda gaveta do banheiro

 Suspirei aliviada ao perceber que a loira já havia sumido do meu campo de visão, era praticamente assim quase toda semana, uma mulher semi nua na minha casa zanzando atrás que comprimido pra dor de cabeça. Quando contei pro meu namorado que estava grávida causei um turbilhão de problemas,não podia voltar pra casa durante os primeiros meses de gravidez por ser de risco, nem nos últimos por ser impossível uma barriguda passar mais de 12 horas em um voo de volta pro Brasil.

 Acabei concordando em continuar morando na sua casa, já que não teria como trabalhar e meus pais concordaram em estar aqui nos últimos períodos de gestação. Mas o que não continuaria era o nosso relacionamento. 

 -Bom dia- Zayn entrou na cozinha apenas com uma calça de moletom com a garota já vestida ao seu lado

 Concentrei minha atenção na louça a minha frente, podia sentir a ardência no meu pulso mais meu desejo de limpar aquela bagunça superava o incomodo, os dois conversavam, na verdade ela falava e ele a ignorava completamente.

 -Podiamos combinar de ir na sexta- animadamente sentada em sua frente 

-Vamos ver- desconversou Zayn 

 -Onde tem uma caneca ?- a loira chamou a minha atenção 

 -Aqui- puxei uma do armário a minha frente a coloquei sobre o balção

 -O que é isso ?- sua mão segurou meu braço com força- O que aconteceu com seu pulso ?-

 -Foi só um acidente besta- puxei meu braço- Com licença- sai subindo as escadas em direção ao meu quarto. 

 Mesmo com todas as brigas que tivemos nesses últimos meses, em que ele não queria um filho, eu ainda era completamente apaixonada por ele, me sentia presa dentro dessa casa, mas era tudo o que me restou. 

 -(S/n)- a porta foi aberta-Precisamos conversar-seus passos foram se aproximando da cama

 -O que foi ?- me sentei olhando para a porta

 -Ela já foi- suas mãos pegaram meu pulso me examinando cuidadosamente- Vamos cuidar disso aqui primeiro

 -Isso ta doendo- gemi com a pomada sendo aplicada na queimadura

 -Você pode me contar o que aconteceu- seus olhos estavam fixos nos meus

 -Derrubei uma panela- dei de ombros com a sua repreensão ao suspirar

-Quando vai tomar juizo ?- abri minha boca e fechei algumas vezes- -Era sobre isso que vim aqui, você não se cuida 

 Depois de enfaixar o meu pulso voltei a me deitar na cama puxando a coberta felpuda, mas uma vez achei melhor ficar calada ao ter uma discussão com ele, era confuso ter toda essa atenção e não ser absolutamente nada mais dele.

 -Foi um acidente Zayn- mesmo com os olhos fechados sentia a sua presença-Eu só queria comer mingau 

 -Mingau?- a cama afundou aos meus pés -É um arroz doce com leite- levei minha mão a minha barriga-Minha mãe fazia pra mim quando era pequena 

-Você não pode fazer essas merdas enquanto ta na minha casa- me sentei o olhando perplexa 

 -Na sua casa ?-seus cotovelos estavam apoiados nas suas pernas e suas costas tensionadas

-E se não fosse só o seu pulso?- suas mãos seguravam sua cabeça-Quando eu chegasse na cozinha te encontrasse toda queimada ? O que ia falar pros seus pais ?

 -Você sempre manda suas vadias embora cedo- ri de leve- Ia dar tempo de me levar pro hospital

 -Isso não é brincadeira caralho- me levantei- Você é minha responsabilidade

 -Responsabilidade ?- parei na frente do seu corpo- Olha pra mim quando eu falo com você- grunhi 

 -Tive que te aceitar pra ficar aqui nessa condição-seus olhos estavam fixos na minha barriga -Me aceitar nessa condição ?- meus olhos estavam embaçando- Você me chamou pra morar aqui- respirei fundo- 

 -Como minha namorada- ele me observava aumentando o tom de voz- Isso foi antes de você

 -De nós- o corrigi- Não fiz essa criança sozinha- caminhei até o armário puxando uma mala 

 -O que foi agora? Não vai dar mais um show 

 -Eu sou a mãe do sei filho Zayn- apontei meu dedo no seu rosto- Mas você nunca mais vai me tratar assim 

 Comecei a puxar minhas roupas dos cabides, sua voz era firme atrás de mim, me mandando para a todo instante, mas não dei ouvidos, mal enxergava pelas lagrimas caindo pelo meu rosto, nunca tinha sido tão humilhada

 -Por favor para- suas mãos fecharam a mala- Olha pra mim-

 -Eu não quero te olhar- o empurrei para o lado- Nem te ouvir- voltei a guardar as roupas-Eu vou embora 

 -VOCÊ NÃO TEM PRA ONDE IR- a mala bateu na parede espalhando as roupas pelo chão Mal esperei ele se aproximar e caminhei até o banheiro me fechando lá dentro, não sei quantas horas passei lá dentro até que ele desistiu de bater na porta e me deixou sozinha.

Nos primeiros meses, fui ignorando cada vez mas cada tentativa de aproximação do Zayn, ele se descontrolou com o discurso que me amava mais que não estava pronto pra ser pai, mesmo com toda o amor que tinha por ele, saber que ele ainda tinha dificuldades em aceitar meu filho, nosso filho era demais pra mim. Dias atrás ele estava fazendo um discurso na minha porta de que eu não podia ir embora, depois me ignorou completamente e agora tinha saído pra passar a noite com uma qualquer.

-Zayn- levei a mão na minha barriga com a pontada de dor abri meus olhos e percebi que ainda estava de noite-zayn- o chamei mais uma vez e nada dele me responder

Apoiei minhas mãos na cama me auxiliando para levantar, caminhei em direção a porta a abrindo e podia ouvir a musica vindo da sala, ele estava em casa, minha respiração acelerava meus batimentos cardíacos que deixavam meu bebê inquieto me causando mais dor, olhei entre as minhas pernas e me desesperei com o sangue manchando minha calça do pijama

-ZAYN- gritei com todas as minhas forças antes de escorregar as costas na parede com a dor insuportável 

Movi meu corpo e meus braços latejou, abri meus olhos e encontrei um ambiente completamente estranho ao meu redor, levei minhas mãos até a minha barriga e respirei aliviada com o chute em resposta, virei minha cabeça para o lado e o encontrei dormindo todo torto em uma cadeira no quarto do hospital.

-Zayn- o chamei 

-(S/n)- suas mãos estavam segurando as minhas sobre a minha barriga- Graças a Deus vocês estão bem

-O que aconteceu ?- me remexi de leve na cama com o incomodo da agulha no meu braço

-Eu cheguei no quarto e te encontrei caída- sua testa estava no meu cabelo-Meu Deus te ver sangrando eu achei que ia te perder- sua voz embargada de choro

-O médico de disse o que aconteceu ?- acariciei minha enorme barriga

-Que foi um efeito colateral- seu polegar acariciava minha testa-Que provavelmente foi estresse- seus olhos estavam nos meus-A culpa foi minha-

-Não Zayn- o repreendi- Isso é normal em uma gravidez de risco-Meu Deus ela não para de se mexer com a sua voz

-Ela ?- seus olhos estavam fixos a minha barriga-Desde quando você sabe que é uma menina ?

-A dois meses- puxei a sua mão colocando sobre a minha barriga pra ele sentir o chute-Eu não achei que você ia se importar em saber

-Eu fui um idiota- sua mão segurou a minha a levando nos seus lábios-Eu surtei quando você me contou- meus olhos percorriam cada feição do seu rosto-Eu nunca pensei em ser pai antes (s/n)

-Não queria ser um trastorno pra você Zayn

-Você é minha mulher- seus lábios estavam na minha mão-Eu nunca devia ter te falado aquelas coisas- Eu inventei que estava com todas aquelas mulheres só pra te fazer ciumes- ele rio fraco-Queria te fazer brigar comigo pra ter certeza que você ainda me amava

-Como você é um bebezão Zayn- ri fraco-Porque não assumiu tudo isso antes ?- acariciei seus cabelos ao se deitar no meu colo-Eu ainda te amo muito, mas me magoei com toda essa história- sussurrei-Mas você vai ter que dar muito duro pra me fazer te considerar o pai dessa pequena e conquistar nós duas de volta

-Prometo que não vou te decepcionar- seus olhos estavam mais uma vez nos meus.

sobre as estrelas que explodem e os buracos negros que nos engolem

no teu beijo, eu encontro galáxias distantes. 

você diz que o nosso amor é uma Supernova - aquelas estrelas que explodem com a massa de mais de dez Sóis:

brilha, arde, explode e se torna um caos. 

eu rio e te digo que o nosso amor é um buraco negro:

consume, devora e existe na escuridão do caos. 

você me pergunta por que não pode ser ambos. 

e eu beijo tuas galáxias ao invés de te responder.