supry

Monsta X when they send you to buy groceries but you come home with a puppy instead

Requested by annonie~~


 

Kihyun:

At first, he would be to surprised to say anything, giving you a “WTFareyoudoing” expression. After that, he would probably burst out into laughter.

“(Y/N), that’s a strange kind of vegetable you have there. Should we name it tomato?”

Originally posted by kihqun

Minhyuk:

 

Would be more excited than you. As soon as he saw the dog, he would fall in love with it, totally ignoring the fact that there wasn’t any food. Minhyuk would be going out buying stuff for the puppy later anyways, so he could buy the groceries then.

“Ah, your ba- WOAH who are you, little doggy? Come here~~”

(The baby is the dog)

Originally posted by sonhyunwoomx

Hyungwon:

 

All he wanted to do was sleep and after that prepare dinner with you. So why in the world was there a little dog jumping around on him?

At first he would be a little jealous of the dog, since you totally gave the puppy more Attention than him. He would get used to it tho and start to really like the little fluff ball. Just keep it away from him when he wants to sleep!

Originally posted by wonhontology

 

Shownu:

The last thing he expected when opening the door was a puppy sprinting into the house. He would be quite confused, his eyes wandering to the dog, to you, to the dog, back to you… But in the end he would be fine with it as long as you took care of it, since he already has 6 puppies to watch over.

“Alright, so… you got a puppy. Fine. I guess I’ll just order some food. Jagi, are you even listening?”

Originally posted by garisanee

Jooheon:

 

Nice. He was waiting for you with a special surprise which was a puppy, and you came home with…a puppy? He would totally love it, no question, he would probably try to impress it with his aegyo. However, know the two of you had to deal with double cuteness and double trouble.

“Supri- What?! You got a puppy too? *speechless*

(again just imagine the puppy is the baby)

Originally posted by kihn


I.M:

Badass, fire spitting rapper? Nope, at least not know. He would totally turn into a happy little fluff ball when seeing the puppy. Actually, he would be the one coming home with the puppy when you sended him to get you some groceries.

"Eum Changkyun, I said potatoes not puppies!”

“Oh come on (Y/N), she basically asked me to take her with me. Don’t you think she’s cute?”

“Yeah, she’s adorable!”

“See? That’s what I thought.”

Originally posted by changkyuh

Wonho:

At first, he would be speechless. He knew you loved cute pets, but wasn’t that a little bit much? After all he was looking forward to some ramen. As long as you were happy, he would be too, but he would get jealous quite fast.

“(Y/N), I’m sorry that I don’t have fur and chase after frisbees, but that doesn’t mean I don’t want cuddles and food…”

After one month or so, the puppy would have melted his heart and you would be the one jealous

At first:

Originally posted by garisanee

Then:

Originally posted by daehyeons

 

Thanks to the anonnie who requested this, I hope you guys liked my first ever Monsta X reaction~~

Thanks for reading!

Não fique com alguém por carência, fique por amor. A sensação do momento pode ser boa, o desejo instantaneamente cessado, mas passam-se uns dias e ela retorna. Vira um ciclo vicioso, por mais que tente supri-lo, sempre falta algo, o buraco na alma não cura. A busca torna-se incessante, procura-se em muitos, o que só se encontra em um único amor.
—  Luciana Galhardo
Cake (fluff)

Jason Todd x Reader

Warnings: like one bad word, otherwise just one gun shot dat hurt nobody

A/N: I didn’t get any requests but I just felt like it. cuz dat happens sometimes. iknowthisistrash

~minipertaterswithcheese


You cooked dinner, baked the cake, set up the table, turned out the lights and waited.

Soon after, you heard a window opening. You knew he was coming in. He put his helmet on the floor next to the window, and walked toward the table. You quickly flicked the switch to turn the light on.

“SUPRI-”

*Shot*

Jason had taken out his gun and shot the cake you took a half hour to make. Granted it wasn’t your best work so you weren’t that mad. You looked at the cake, then at him. He looked shocked to see it was you, [Y/N]. He looked at the cake and was going to start apologizing profusely for shooting at his girlfriend.

“I know you said you didn’t care for a celebration but god damn.” You say in a sarcastic voice as you put the slightly misshapen cake back on the table and wiped your now cake covered apron.

“…” Jason stared at you. You gave a confused look.

“…Oops?…” He gave the most innocent sorry face you have ever seen. It was so adorable that you couldn’t hold it in anymore and just started laughing.

He looked so confused. He couldn’t understand why you thought that was funny. But eventually he just went with it and gave a slight smile.

You stopped laughing enough to say “Just sit and eat your birthday dinner you trigger happy doofus.”

Imagine Harry Styles

Pedido: “Faz um do Harry que ela é virgem e quer esperar o casamento mas ele não quer esperar e fala que vai largar ela aí ela se entrega e acaba engravidando e ele fala que não é dele e tals e os pais dela viraram a cara pra ela e aí a “sogra” descobre toda a história e acolhe ela … O Hazz reconquista ela e eles se casam depois de um tempo.. final feliz amor … Amor amo o Tumblr e você também 😘😘😘😘”. -  srabiebert

******


Eu sempre quis me guardar até meu casamento. Queria casar virgem, assim como quase todas as mulheres da minha família.

Harry, meu noivo, parecia entender e respeitar essa minha vontade e decisão. Mas, de uns tempos pra cá, ele passou a me cobrar isso. Dizendo que ele tem as necessidades dele, suas vontades e desejos; e que eu, como sua namorada e noiva, deveria supri-los.

Ele chegou a insinuar que iria me deixar se não o fizesse. Eu sempre tive medo. Medo dele não gostar e me largar antes do casamento. Eu o amo muito,  não suportaria ficar sem ele.

Me deixe te fazer minha.” foram as palavras dele. E eu acabei cedendo. “Me faça sua, Harry.”. Nós transamos naquela, foi bom, claro; mas me sentia mal. Me sentia suja, imoral. Isso seria uma vergonha para toda minha família. Meu pai iria ficar uma fera quando descobrisse.

O que com certeza não demoraria muito. Pois, naquele dia, esquecemos a camisinha e eu acabei engravidando. O pavor me consumia de uma tal forma, que eu não conseguia pensar sensatamente no que fazer.

Optei por contar a Harry primeiro, talvez poderíamos antecipar o casamento para não aparecer minha barriga ou sei lá, pensar e arrumar um jeito juntos.

Pensei errado. Ele surtou, ficou louco. Negou. Disse que o filho não era dele.

- Esse filho não é meu. Não pode ser. – dizia desesperado.

- Como não, Harry? De quem mais seria? – eu já começava a chorar. – Nós não usamos camisinha naquele dia, e eu engravidei. – expliquei, mas em vão. – Era justamente isso que eu temia. Era disso que eu tinha medo. Mas você não soube respeitar meu tempo e aceitar a minha decisão .

- Eu tinha minhas vontades, S/N. E se você não as suprisse, quem mais o faria?

- Tá, ok. E você conseguiu o que queria. E agora eu preciso de você.

- Eu não quero nem saber. Esse filho não é meu, aguente isso sozinha.

E saiu batendo a porta.

Quando meus pais souberam, surtaram. Meu pai ficou furioso. Me xingou de todos os nomes possíveis e disseram que eu não era mais filha deles. Que tinha sujado toda a reputação da família de anos.

Eu me apavorei. Me vi sozinha com essa “bomba” nas mãos. Eu não sabia o que fazer e nem como. Só sabia que teria que arrumar um jeito para cuidar de mim e do meu filho.

***

Anos depois.

***

Depois daquele dia, algumas semanas depois, Anne me procurou. Foi a maior surpresa. Afinal, o que a mãe do meu ex queria comigo?

E, para minha surpresa ainda maior, ela veio me prestar socorro e seu apoio. Disse que descobriu tudo que aconteceu e ficou completamente desapontada com seu filho. O qual eu não quero nem  lembrar o nome.

Ela me ajudou a arranjar um lugar na mesma cidade que ela morava. Consegui um emprego logo e na minha área de formação e comecei a seguir com a minha vida.

Eu a Anne nos tornamos boas amigas; ela é como uma mãe pra mim. Fazemos tudo juntas e ela acompanhou minha gestação inteira.

- Eu não vejo a hora de ver o rostinho dessa coisinha mais linda que está aqui dentro! – disse alisando minha barriga enorme de 8 meses. Sorri.

- Eu também, Anne! Não vejo a hora de tê-la nos meus braços. Falta pouco! – ela sorriu. – Eu tenho tanto pra te agradecer… – segurei sua mão.

- Você não tem nada que agradecer. – ela sorriu.

- Claro que tenho! Você foi a única que me deu apoio e que me acolheu. Foi a única que se mostrou dispostas a me ajudar e a estar do meu lado no meio daquele terremoto que passou pela minha vida. Eu não sei o que seria de mim sem você! – ela sorriu e me abraçou.

- Não fiz mais que minha obrigação, minha querida!

Poucos dias depois, meu bebê nasceu. Forte, saudável; a coisa mais linda da minha vida. A minha pequena Fiorella!

Ela está a cada dia maior, já está com 3 anos. Espoleta que só. Tem o cabelinho encaracoladinho, olhos claros a grandes, boca rosada e carnuda. Perfeitinha. Ela é completamente apega a avó. Vive grudada com ela. Ainda mais que é Anne que cuida dela quando eu vou trabalhar.

Hoje estamos na casa da Anne. Ela prometeu fazer “a torta que a sua neta preferida mais gosta”!

Eu estava com ela na cozinha enquanto Fiorella brincava no jardim, aproveitando o dia bonito que fazia hoje.

- Ela está a cada dia mais linda! – ela disse e olhei pela janela, vendo ela brincar com a Bibi, a cachorra da casa.

- É! Está a cada dia mais parecida com o pai também. – pude ver Anne fechar um pouco sua expressão e parar o que estava fazendo.

- Eu sinto muito. Por tudo. Mas isso já era esperado, certo? – assenti. – Ela te faz lembrar dele, né?

- Muito. Até mais que eu gostaria. – suspirei, admitindo até para mim mesma. – Vamos mudar de assunto?! – respirei fundo e Anne sorriu assentindo.

A campainha tocou e imaginei quem poderia ser. Deveria ser a Gemma.

- Eu atendo! – falei, já que ela estava ocupada.

Fui até a sala e abri a porta. E quase cai para trás. Não, não, não! Não podia ser…

- S/N? – falou surpreso.

- Harry. 

Anne apareceu na sala e parecia estar tão surpresa com a visita quanto eu. Pelo visto ele apareceu sem avisar.

- Harry, querido, você não me avisou que vinha. – ela disse sem graça, enquanto abraçava o filho.

- Eu atrapalhei alguma coisa? – ele disse me encarando e depois olhou para sua mãe.

- Não, apenas me pegou de surpresa. – ela sorriu amarelo e ele continuou me encarando.

Respirei fundo, pedi licença e fui até a cozinha. Peguei um copo de água e bebi, tentando me acalmar.

- S/N, minha querida, me desculpe. Eu não sabia que ele vinha aqui, e muito menos que estava na cidade. Ele não me avisou que viria. – ela suspirou e eu sorri para ela.

- Você não tem culpa, nem se preocupe! – coloquei o copo na pia. – Anne, eu não quero parecer indelicada; mas eu vou embora. Marcamos nosso chá para um outro dia, se você não se importar. Mas eu não me sinto bem perto dele. – ela me olhou compreensiva e segurou minhas mãos.

- Eu realmente não queria que fosse assim. Eu tinha algo em mente pra vocês dois totalmente diferente disso. – ela suspirou. – Mas eu entendo você e é claro que não me importo que você vá embora.

A agradeci por toda ajuda e compreensão e me despedi dela. Peguei Fiorella e sai pelos fundos, para não correr riscos de embarrar com ele de volta. Não queria passar pelo mesmo desprazer.

***

Já passava das 20 horas da noite, e eu estava jogada no sofá com algumas guloseimas ao meu redor. Gemma havia levado minha filha para passear no shopping e depois iria levá-la dormir na casa dela.

Minha campainha tocou e eu sorri, imaginando ser Anne para conversar comigo sobre o ocorrido de mais cedo. Mas, ao abrir a porta, meu sorriso de foi.

- O que você quer? Como você descobriu onde eu moro?

- Eu segui Gemma, queria ter a certeza que você estava sozinha.

- Bom, já descobriu onde eu moro e já teve a certeza que estou sozinha; agora já pode ir embora. – iria fechar a porta, mas ele me impediu.

- Eu acho que nós precisamos conversar, certo? – revirei os olhos.

- Errado! Nós não temos nada para conversar. Adeus, Harry. – ele segurou a porta mais uma vez e entrou na minha casa.

- Eu só saio daqui depois que conversarmos. – cruzou os braços e ficou parado na minha frente. Eu já estava prestes a perder a paciência…


[…]


Continua…

“Impulse Buy” - Yugyeom Drabble

Prompt: “She’s hiding behind the sofa.”

Pairing: Reader x Yugyeom [got7]

Genre: fluffy fluff

Warnings: none~

Word count: 468

A/N: HE IS SO CUTE?? HOW? (also, thank you for requesting dear anon lol)

Originally posted by wangmins

Drabble below the cut! Please enjoy~ ^.^

Keep reading

Mammy - (26) - Something To Tell

Notas Iniciais:

Boa noite meus amores, Mammy demorou, mas voltou. E é isso que importa. Espero que comecem se acostumar com esse intervalo de tempo que eu vou ficar com a atualização dessa fanfic. Eu sei que eu vivia atualizando toda semana no wattpad, só que isso era quando eu tinha aquela enorme vontade de escrever mammy, quando ela não tinha sido excluída duas vezes. Agora que eu não tenho muito estímulo, eu não tenho tanta disposição para escrever-la. Mas estou dando o meu melhor, ok? 

Como eu disse, eu tenho várias rascunhos de alguns capítulos, só que eu ainda tenho que implementar várias coisas neles e isso leva um tempo. Mas eu to aqui e é isso que importa, não é?

Espero que estejam prontos para o drama central da fanfic, boa noite e boa leittura. Amo vocês! 


Point Of View Camila

Depois de Lauren subir, me deixando com aquele cara asqueroso, eu continuei o encarando para identificar as semelhanças entre ele e Lauren. Afinal, eles eram irmãos, mas eu não queria acreditar naquilo. Já que eles pareciam ser o contraste um do outro.

Só pelo jeito que ele nos dirigia a palavra, dava para ver que ele era rude, ignorante, babaca e tinha uma áurea negra, daquela que me fazia ter um mau pressentimento sobre ele. Mas o que eu podia fazer para impedir de que Lauren fosse com ele sabe lá para onde? O cara é irmão dela. E eu sei mais do que ninguém de como Lauren era dependente de sua família. Mesmo sendo recusada por eles, ela nunca os deixou de amar. Principalmente seus dois irmãos. Do qual estou tendo o privilégio – não tão privilégio – de conhecer um deles.

Depois de anos, aquele cara aparece na porta de casa, exigindo falar com ela e vai arrastá-la para sua cidade natal por motivos de emergência, já que pelo que eu presenciei, a irmã deles está desaparecida.

Tudo que eu sei sobre a vida de Lauren é que ela perdeu seus pais em um acidente, que sua família a culpa por isso e por esses motivos, ela saiu de casa ainda jovem. Morando na casa da melhor amiga – da qual não lembro o nome – que a apoiou, junto com a família e graças a isso, ela pode se formar e trabalhar. Tudo aos seus 20 anos.

Mesmo sendo próxima de Lauren, ela me contava tudo bem resumindo, deixando claro que o assunto “família” era algo bem delicado para ela. Então quando escolheu me contar sobre isso, eu apenas a escutei, deixei que ela desabafasse e chorasse em meu ombro por horas. Apesar de Lauren ter me adotado, eu sempre soube que isso era devido à falta de ter alguém em sua vida, para suprir a ausência deles.

E de fato eu supri, demorou um pouco, mas eu supri. Porém, eu acredito que um passado mal resolvido sempre vai te assombrar. Vai te assombrar tanto até ele virar realidade e bater na sua porta.

Esse passado chegou a Lauren e ele se chamava Chris Jauregui.

– Está me olhando por que, garota? Perdeu alguma coisa? – ouvi a voz grave se propagar e percebi que ainda o encarava, talvez como uma psicopata.

– Só observando, não pode?

– Não! – ele ainda continuava sentado no sofá, postura ereta e mãos entrelaçadas no colo. Uma postura formal – Por que não vai ajudar sua mãe? Ela está demorando demais. Faça algo de útil.

Senti um calafrio ao escutar aquelas palavras, fazia bastante tempo que não definiam eu e Lauren como filha e mãe que eu rapidamente comecei a me perguntar se era assim que Lauren sentia-se, caso descobrisse o que fazíamos.

Assustada. Com medo. Perdida.

Fora meus amigos, as outras pessoas nos consideravam dessa maneira: Lauren casada com um belo partido, mais uma garota adotada, que daria igual a uma família perfeita. Uma grande e família jovem.

Eu não nos via assim, família. Afinal eu estava comendo a mi… Que merda!!! Esse irmão da Lauren só apareceu para foder com minha cabeça. Milhares de coisas começaram a surgir na minha mente… Eu e Lauren tínhamos o que? Não tinha nome para isso. Só transámos feito coelhas e pronto.

Mas parando para pensar agora… Isso é… O que é isso? Um pecado promíscuo?  

Lauren tinha razão. Eu só pensei com a cabeça de baixo desde que começamos a se envolver. Agora pensando de forma coerente, estávamos cometendo incesto. Uma das piores coisas do mundo. Apensarmos de não sermos filha e mãe de sangue, ela me adotou com intuito disso, certo? Eu não estava cumprindo meu papel. Estava abusando de tudo que foi me dado.

Um lar, alguém para me bancar, carinho, amor… Família. Ainda tinha o marido da Lauren, Chris era um cara legal e trabalhador. De todas as coisas que eu tinha no meu quarto ou na sala de jogos, era graças a ele. Que literalmente me mimou para conseguir minha permissão para ficar com Lauren. E agora eu estava agradecendo ele de uma maneira absurda, fodendo com a mulher dele, que por acaso é minha mã-

– Você está bem? – o homem que estava sentado no sofá me pergunta e só agora percebo que estou suando e sentindo uma leve tontura – Está com uma cara horrível.

– Eu vou ver porque Lauren está demorando tanto – digo engolindo em seco e me dirigindo até o corredor do quarto de Lauren.

Minha resposta para aquela pergunta era: não, não está nada bem.

Entro sem bater no quarto de Lauren e encontro uma pequena mala aberta na cama e algumas peças de roupas nela. Mas não vejo ninguém no quarto. Até que ouço um soluço vindo do banheiro.

Caminho apressadamente até, apenas para confirmar de que era Lauren. Ela estava em prantos. Sinto meu peito doer, meus instintos se afloram e eu corro para ampara-la, já que a mesma estava sentada na tampa do vazo sanitário, abraçando os joelhos e com cabeça apoiadas no mesmo.

A visão que eu tive foi de partir do coração, Lauren parecia uma garotinha de 16 anos assustada. Chorava copiosamente. Toda encolhida, como se quisesse proteger, abraçava fortemente os joelhos.

– Lauren… O que… O que aconteceu? Por que está assim?

– Eu… Estou… Com medo – sua voz saiu embargada devido ela ainda soluçar.

– Mas… Por quê?

Ela finalmente levantou a cabeça, me olhando com os olhos vermelhos e as esmeraldas escurecidas.

– Porque eu não volto em casa desde a morte dos meus pais, desde que meu irmão me expulsou de lá. Minha família me odeia, Camila. Eu nunca falei com Taylor desde aí, se eu a vi duas ou três vezes foi muito e ainda foi por fotos. – ela suspirou e passou a mão no rosto, o deixando completamente vermelho – Ela tinha só 6 anos quando aconteceu. Tão pequeninha e nós erámos tão próximas e do nada eu abandono ela. Ela provavelmente me odeia com todas as forças.

– Seu irmão te expulsou de casa? – perguntei um pouco exaltada.

– De tudo que eu te falei, você só prestou atenção nisso?

– Desculpa, mas eu não consigo acreditar que o cara que te expulsou da casa dos seus pais está dentro da sua casa nesse momento, sentado no seu sofá enquanto você está chorando aqui feito uma garotinha assustada, em vez de ter peitado aquele babaca e…

– Camila, minha irmã está desaparecida, eu não falo com Chris a mais de quatro anos! Você queria que eu fizesse o que? Eu estou em choque e com medo! Eu não sei o que fazer, tudo que eu quero é achar minha irmã, mas eu sei que assim que eu pisar em Miami, tudo que eu vou receber é olhares tortos e ódio! Eu não sei se vou aguentar passar por tudo isso de novo! É demais para mim, para minha cabeça… – ela começou a chorar de novo.

Segurei sua mão e a fiz levantar, abrando-a logo em seguida. Deixando que ela molhasse minha camisa com suas lágrimas.

– Desculpa, eu só não consigo aceitar que aquele cara é seu irmão. Vocês são tão diferentes. E eu sinto muito por tudo Lauren, eu não faço ideia das coisas pelas quais você passou depois que seus pais se foram. Mas agora eu sei o quanto você sente saudades deles… – ela se afastou de mim, apenas para me observar falar – Dos seus irmãos, você pode não admitir, mas você não deixou de amar menos eles, até mesmo o cara que está lá na sala, seus olhos brilharam quando você o viu. E não foi só medo que eu vi em seus olhos. Foi saudade. Então se você está assustada, não fique. Você foi forte para se erguer depois de tudo, então é forte o suficiente para enfrentar seus medos também. E se você não conseguir, cair e se machucar, tudo bem, eu vou estar aqui te esperando, para te levantar e cuidar de você. Como eu fiz da primeira vez. Vou estar aqui para suprir sua dor.

Sorri um pouco ao perceber que ela tinha parado de chorar. Ela apenas piscava lentamente, me olhava plenamente. Um sorriso se formou em seus lábios e eu fiz um leve carinho em sua bochecha esquerda. Enquanto nossos olhares se prendiam.

– Obrigada, Camz.

Inclinou-se e beijou meu rosto, enquanto me abraçava de novo, agora um abraço confortante. Beijou meu pescoço e fez um carinho gostoso em minha nuca, me trazendo arrepios e fazendo meu coração bater rapidamente.

Aquilo me trouxe um certo desconforto, afinal, nunca senti aquilo. Fiquei preocupada. Mas decidi não pensar naquilo no momento.

– Vamos, precisamos terminar sua mala. Seu irmão está agoniado.

Nos separamos e voltamos para o quarto. Lauren permaneceu calada, mas eu sabia que ela já não estava assustada e muito menos com medo. Pelo menos não com o mesmo medo de antes. E isso já era um começo para quem estava preste a voltar para seu passado negro.

(—)

Chegando na sala, Chris nos encarou de forma estranha e eu me senti desconfortável de novo. Mas logo Lauren o chamou atenção, dizendo que estava pronta. Ele se levantou e foi direto para porta, saindo da casa. Deixando-me a sós com Lauren de novo.

– Antes de ir, tenho alguns avisos a deixar – encarei Lauren de forma confusa – Não quero garotas aqui, Camila. Muito menos quero saber de festas. Se eu chegar aqui e receber reclamações de vizinhos, eu juro que faço… – ela parou para pensar e balançou a cabeça – É melhor me obedecer, ok?

– Uhum.

– Eu to falando sério, Camila!

– Eu também, Lauren!

– Melhor não me testar! Eu posso ser má quando eu quero e você sabe disso.

Sorri de lado e ela revirou os olhos, puxando a mala de rodinhas até a porta. Eu a acompanhei até o carro do Jauregui mais velho. O encontrando de novo com a cara fechada.

Aquele cara não sorri?

– Hey! – falei, chamando sua atenção – Dá um sorrisinho aí!

– Vai se ferrar, garota!

– CHRIS! – Lauren ralhou, quando fechou o porta mala do carro – Vai realmente se trocar com ela? Se manca!

– Me erra você também, Lauren. Sua filha é muito abusada! – Lauren prontamente fechou a cara e me olhou rapidamente antes de entrar no carro.

Deve ter ficado desconfortável como eu, minutos atrás. Vou até ao carro e me curvo, até fica da altura da janela do carro do lado de Lauren.

– Eu ligo quando chegar. Se Chr… Meu marido ligar perguntando o motivo de eu não atender meu celular, você explica pra ele o que aconteceu. Ok? – balanço a cabeça, confirmando – Se cuida, ok? Eu volto assim que possível. – ela faz um carinho em meu rosto e me dá um sorriso triste.

Chris suspira alto e eu me afasto, dando um tchau para Lauren. Ela o devolve e eu fico olhando o carro se afastar. Agora é minha vez de sorrir triste. Olhei para a casa enorme em minha frente e suspirei.

Eu iria ficar sozinha sabe lá por quanto tempo. Pior, se Chris voltasse realmente cedo de viagem, eu iria ter que fingir que estava tudo bem, quando claramente não estava. Eu estava me remoendo por dentro, só não sabia definir de quê. Eu só esperava saber fingir bem até Lauren voltar e agir de formar normal com o Deus nórdico.

(—)

5º Dia

Dormir sozinha em casa foi muito estranho, eu nunca tinha ficado literalmente sozinha. Tipo, eu sou acostumada a ficar boa parte da tarde sem ninguém em casa, mas eu sabia que no final do dia Lauren e Chris estariam por ali.

Mas agora acordar sem barulho no andar de baixo ou não ter o que comer pela manhã, foi algo bem diferente para mim. Que fui acostumada com essa rotina de acordar, ter um banquete esperando por mim, ir pra escola e esperar por alguém chegar em casa.

Na escola também não foi diferente, eu não consegui prestar atenção nas aulas. Muito menos tive paciência para ficar com as meninas e Harry no intervalo. Não estava a fim de ver a melação de Veronica e sua namorada e de Harry e Selena falando de seus namoros.

Então decidi ir à biblioteca.

No caminho até ela, lembrei-me de que talvez pudesse encontrar Dinah lá e internamente me senti melhor, às vezes era melhor conversar sobre algo que estava me incomodando com Dinah ou Kaya do que com Harry ou Selena.

Antes que eu pudesse alcança a maçaneta da porta da biblioteca, a mesma se abriu abruptamente, revelando uma Normani um tanto… Desajeitada. Ela usava uma saia colada e uma blusa social de mangas. A blusa estava com dois botões abertos - possibilitando a visão de seu sutiã vermelho -, e estava com a bainha para fora, um pouco amarrotada. Quando me viu, ela soltou um gritinho agudo e cobriu a boca na mesma hora.

Empurrou-me para trás e fechou a porta com força.

– O que está fazendo aqui? – sussurrou com a voz ainda assustada.

– Hm… O que mais poderia se fazer numa biblioteca?

Ela pareceu se tocar e olhou para trás, se dando conta do que eu estava me referindo e tomou ar, antes de começa a se ajeitar. Fechou a blusa e colocou a bainha da mesma para dentro de sua saia.

Ela estava parecendo uma secretária safada de vídeo pornô, com aquela roupa social e tudo mais. Só faltava um óculos de grau.

– Então… Como você está? – ela deu um sorrisinho sem graça e cruzou os braços em frente ao seio.

– Bem… – respondi ainda não entendendo porque ela estava bloqueando minha passagem.

– E Lauren?

Ok, isso está estranho.

– O que está fazendo aqui? Geralmente os professores ficam na sala dos professores, comendo e fofocando.

– Me respeita, Cabello! Não sou de falar mal da vida alheia! – empinou o nariz – Eu só… Estava procurando… – fingiu uma tosse e eu revirei os olhos, já impaciente – Um livro. Lembrando de uns assuntos para dar aula ao 1º ano.

– Tipo?

– Corpo humano, anatomia feminina, sabe… – ela falou meio divagando.

– Legal parceira, agora será dá para sair da minha frente?

Tentei passar sem sua permissão, mas ela me bloqueou de novo. Ela realmente estava decidida a não me deixar entrar ali.

– Espera! Arm… Você pode me dizer o que aconteceu com Lauren? Eu… Tentei ligar para ela ontem e só dava na caixa postal.

– Ela viajou, problema de família e tal.

Normani franziu o cenho e tomou uma postura mais séria.

– Família? Do que… Está se referindo exatamente?

– Do irmão dela. Ele apareceu lá em casa ontem, dizendo que uma tal Taylor estava desaparecida e que ele precisava da ajuda dela para encontrá-la.

A mulher a minha frente ficou imóvel e com o olhar perdido. Ela balançou a cabeça e saiu andando apressadamente, me deixando sem entender nada.

Que merda foi aquela?

Antes que eu pudesse abrir a porta da biblioteca de novo, ela se abriu novamente me dando a visão de Dinah dessa vez. Ela sorria abobalhadamente, mas quando me viu, ficou pálida. Achava até que ela ia passar mal.

– Ca-camila?

– Sim, o amor da sua vida! – abri os braços, esperando que ela me abraçasse, mas ela só ficou me olhando como se visse um fantasma a sua frente.

– O que está fazendo aqui?

– Sabia que você é a segunda pessoa que me pergunta isso em menos de 5 minutos? Isso é estranho. Na verdade meu dia está estranho hoje e isso é uma merda, considerando que na primeira vez que tento vir à biblioteca da escola, uma professora gostosa me impede de entrar e agora você está empatando minha entrada, é… Deus está sendo testemunha de que eu tentei ser uma boa aluna.

– Desculpa, eu só… Fiquei surpresa – Dinah cora furiosamente nas bochechas e anda para trás, abrindo a porta para mim.

– Finalmente! – digo entrando na enorme sala que é composta por centenas de livros.

Não havia ninguém ali, só se encontrava o silêncio. E isso é tudo que eu preciso hoje. Paz.

Caminhei para a mesa mais próxima, mas antes que eu pudesse arrastar a cadeira, fui impedida por um grito alto, que quase me fez tropeçar.

– NÃÃÃO! – Dinah diz exaltada – Não sente aí!

– Puta merda, você me assustou! – coloquei a mão no peito, para me certificar de que meu coração estava batendo como um desesperado.

– Vem, senta nessa outra. – me puxou para outra mesa.

– O que a de errado com aquela mesa? – apontei para a mesa de madeira negra, que parecia ter sido envernizada a pouco tempo, pois brilhava a mesma brilhava.

– Ela foi pintada a pouco tempo, ta secando ainda – diz sem graça e coçando a nuca.

– Por que está corando?

– Não estou corando, só… Ta meio quente aqui, né? – se abandou rapidamente com as mãos.

– Não. Tem ar-condicionado aqui.

– Ah, mas eu estou com calor.

– Deve ser por causa de mim. Geralmente eu causo isso nas pessoas mesmo – dou meu melhor sorriso sacana para ela.

– Estava demorando para começar suas piadinhas baratas. Mas então, o que te trouxe aqui?

– Ué, te disse que vinha algum dia aqui te fazer companhia, não é?

– Eu sei. Mas ainda sim, não deixa de ser estranho. Então, o que está acontecendo?

Meu sorriso morreu na hora e eu suspirei fundo. Debatendo internamente sobre dizer o que eu estava sentindo, ocultando o nome de Lauren ou simplesmente contar sobre tudo para Dinah também, já que apenas Kaya sabia disso. Porém, ultimamente ela está meio distante e eu não quero perturba-la com meus problemas… Digamos… “transantes”.

– Ok. Eu preciso te contar uma coisa, uma coisa muito, muito séria. E que eu entendo perfeitamente se você ficar com nojo de mim ou nunca mais olhar na minha cara depois disso, afinal, não é uma coisa que se vê todo dia na vida. Eu acho – Dinah rapidamente se ajeitou na cadeira, ficando atenta as minhas palavras – De qualquer jeito. Eu vou te contar um segredo e eu espero de coração, que você possa me entender. Ou pelo menos, guarda esse segredo junto comigo.

– É muito sério?

– Sim. É tão sério, que um fator que aconteceu ontem, me fez duvidar de tudo que já ocorreu… Me fez sentir um pouco de repulsa de mim mesma. Me fez duvidar de muitas coisas. E eu preciso de alguém para me ouvir e você é a única pessoa de que eu tenho a certeza ou quase certeza, de que não irá me crucificar com cem pedras e irá me ouvir até o final. E eu realmente, preciso muito desabafar.

– Ok. Eu também tenho algo para te contar – Dinah agora aparentava estar tão nervosa quanto eu.

– Você primeiro ou eu?

– Você, por favor.

Eu assenti e tomei um folego antes de abrir minha boca.

– Eu estou transando com a minha-

– Eu estou ficando com Normani! E nós acabamos de transar naquela mesa ali!

Imagine Harry Styles

  • Pedido:  oi , vc poderia fazer um imagine hot do harry em que a sn é mais nova tipo com 16 anos ,nada de romantismo ok , pegada forte, porem carinhosa , algo como daddy issues , obrigada

————–

Não sei se ficou como esperava… Mas espero do fundo do coração que goste!!

———-


Toco a campainha e em segundos Harry abre a porta. Me encara sorrindo e me dá um beijo de tirar o fôlego. Isso já é o bastante para minhas pernas ficarem bambas. 

- Que bom que você chegou! Estava com saudade! - ele diz abraçando minha cintura. 

- Eu também estava! - deixei um beijo estalado no seu pescoço. 

Eu namoro o Harry há um ano, desde que completei 16 anos. E agora estou prestes a completar meus 17 anos. No inicio, nosso namoro não foi muito bem aceito, porque ele é mais velho que eu. Não é uma diferença exorbitante, mas é uma diferença considerável quando se tem 16 anos e começa a namorar um cara de 22 anos. Mas depois de um tempo, eles aceitaram. 

Harry sempre foi muito carinhoso comigo, gentil, educado, romântico. Um verdadeiro gentleman. Fico me perguntando se ele será assim também na cama. Não, nós nunca transamos. Ele sempre respeitou meu tempo, mesmo eu sempre dormindo aqui na sua casa. Como é o caso de hoje. Passarei o fim de semana aqui com ele. 

- O que você quer comer?! - pergunta me olhando.

- Ah, amor, qualquer coisa. - dei de ombro, encaixando minha cabeça na curvatura do seu pescoço e espirando seu cheiro. 

- Pizza?! - sugere e eu sorrio. 

- Quatro queijos! - ele ri e liga para a pizzaria e faz o pedido. 

Enquanto nossa janta não chega, ficamos no sofá vendo TV e curtindo a presença um do outro, jogando conversa fora e dando muita risada. Passado uma meia hora, a campainha toca anunciando que nossa pizza chegou. Ele vai pegá-la e eu vou pegar os pratos, talheres e copos na cozinha. Colocamos tudo na mesinha da sala e comemos juntos. 

O filme já estava quase no fim quando eu começo a sentir beijos serem depositados no meu pescoço exposto. Meu corpo inteiro se arrepia e eu prendo a respiração. 

- Amor… Acho que tem coisas melhores pra gente fazer. - sua voz sai sugestiva e abafada. 

Eu respiro fundo. Eu confio nele e creio que já esteja na hora de me entregar de fato para ele. Eu sei que ele tem as necessidades dele e eu tenho que supri-las ou ele irá procurar outra. E Deus me livre dessa possibilidade. 

O encaro e sem o responder, grudo nossos lábios num beijo profundo e com desejo. Ele me puxa para o seu colo e me sento com uma perna de cada lado de seu corpo. Rebolo lentamente e sinto seu membro duro, o que me faz jogar a cabeça para trás e soltar um gemido baixo. 

Ele começa a beijar meu pescoço e, quanto sinto um chupão ser plantado ali, agarro seus cabelos com força. Algo na minha intimidade pinicava, e minha roupa já me incomodava. 

As grandes mãos do meu namorado invadiu minha blusa e ele apertou minha cintura com força. Puxo seus cabelos, fazendo ele me encarar e beijo seus lábios com brutalidade. Ele arrancou minha blusa e eu fiz o mesmo com a sua. Encarei seu peitoral definido e mordi o lábios, vendo ele sorrir sacana. 

Ele arrancou seu sutiã de renda e jogou em algum canto da casa. Encarou meus seios como alguém faminto encara um prato de comida e os abocanhou em seguida. Ele massageava um com sua mão e o outro era trabalhado por sua boca. Eu gemia baixinho e chamava pelo seu nome. Ele inverteu os lados e continuou trabalhando nos meus seios. Um calor absurdo tomou meu corpo, meus gemidos se intensificaram e, quando ele mordeu o bico do meu seio, eu cheguei ao meu primeiro orgasmo devastador. 

Respirei fundo, me recuperando e normalizando minha respiração. Ele me pegou no colo e nos levou até seu quarto. Me colocou na cama e tirou minha calça. Beijos foram depositados por todo meu corpo. Ele tirou minha calcinha e me encarou. Eu estava totalmente nua, entregue a ele. Ele se ajoelhou na cama e abriu minha pernas e senti sua respiração bater na minha intimidade. No segundo seguinte, soltei um gemido alto quando sua língua quente entrou em contato com minha intimidade. Ele me chupava como se eu fosse a fruta mais deliciosa desse mundo. 

Foi o bastante pra mim quando ele começou a estimular meu clitóris com seu dedo. Puxei seus cabelos e atingi meu segundo orgasmo. Ele me encarou lambendo os lábios e me beijou. Era possível sentir o meu gosto ali. Inverti as posições e desci os beijos para seu pescoço. Descobri, quando recebi um aperto na bunda, que ali é seu ponto sensível. Eu iria me aproveitar disso! 

Raspei minhas unhas por todo seu peitoral, e ele respirou fundo. Desci minha mão até chegar em seu membro. Tirei sua calça e apertei seu membro ainda por cima da cueca. Ele prendeu a respiração em resposta. Sorri com o feito e me livrei dela, o deixando nu. Seu membro estava completamente duro. O segurei com minhas duas mãos e comecei movimento de sobe e desce, sem perder o contato visual com ele. Acelerei os movimentos e ele rosnou. 

- Isso! - sua voz saiu fraca. - Isso, continua. - gemeu alto.

Ele fechou os olhos com força e agarrou o lençol. Era completamente exitante vê-lo dessa forma, e eu já podia sentir minha intimidade molhada de novo e pinicando. 

Os movimento eram ainda mais rápidos e ele respirava descompassadamente. Passei minha língua pela sua glande ele foi o que bastou para que ele gozasse, soltando um grunhido sexy. 

Ele me encarou com seus olhos pegando fogo. Me deitou na cama e colocou uma camisinha. Meu corpo todo pinicava e era como se eu estivesse pegando fogo. Ele segurou minhas mãos acima da minha cabeça e senti seu membro fazer pressão na minha entrada. Prendi a respiração já sabendo que iria doer. 

- Se doer muito eu paro. Mas quero que você me diga. - assenti ainda com os olhos fechados. Ele deu um beijo carinhoso na minha testa e senti ele me invadir aos poucos. 

Ele gemeu baixo no meu ouvido e eu me arrepiei. Ele não se moveu, apenas esperou que eu me acostumasse. Ele começou a se mover depois de alguns minutos, mas não antes de ter a certeza de que eu estava bem e me sentia confortável. 

- Tão quente. Tão apertada. - disse com os dentes cerrados indo cada vez mais rápido. 

Eu cravo minhas unhas nas suas costas e ele urra de prazer. Ele continua com o movimento de vai e vem, ganhando mais ritmo gradativamente. Ele envolve minhas pernas em torno da sua cintura, apertando minha coxa e indo mais fundo. 

- Oh Harry. - gemo alto. - Eu, eu… - tento dizer, mas não consigo.

- Goze para mim, goze meu amor. - ele diz e imediatamente meu corpo atende. 

Sinto minhas intimidade contrair e apertar a dele. Uma onda de prazer toma conta do meu corpo e eu fico envolta numa nuvem onde não escuto e nem vejo nada. Ele dá mais uma estocada forte e atingimos nosso ápice juntos, chamando um o nome do outro.

Ele cai ao meu lado, completamente suado e com a respiração descompassada, assim como eu. Nos encaramos sorrindo e realizados.

- Você é incrível! - ele diz e eu sorrio. - Eu não podia querer uma namorada melhor!

- Digo o mesmo! - ele sorri. Ele beija minha testa e me deixo vencer pelo cansaço e pego no sono. 


[…]

Merda de vida? Mas que ingratidão! Seu coração, nesse instante, deve estar querendo rasgar seu tórax e protestar com lágrimas de sangue o extermínio da vida! - e, com rara eloqüência, mudou o timbre, tentando traduzir a voz do coração do suicida: -“Não! Não! Tenha compaixão de mim! Eu bombeei seu sangue incansavelmente, milhões de vezes. Supri suas necessidades… fui seu servo sem reclamar. E agora você quer me calar, sem nem me dar direito de defesa? Ora… eu fui o mais fiel dos escravos. E qual é o meu prêmio? Qual a minha recompensa? Uma morte estúpida! Você quer interromper minha pulsação só para estancar seu sofrimento. Ah! Mas que tremendo egoísta você é! Quem me dera eu lhe pudesse bombear coragem! Enfrente a vida, seu egocêntrico.
—  O Vendedor de Sonhos. 

❥Oração da Semana!
Querido Deus…
Mais uma semana se inicia e eu quero pedir sua proteção, abençoa os meus caminhos, as minhas decisões, renova a minha fé e me encha de esperança, para que eu possa prosseguir. Abençoe minha família, meu emprego, meus amigos,
que nada nem ninguém me tire a paz,supri todas as minhas necessidades,e me livre de todo o Mal que por ventura venha se aproximar,que todas as amarras e correntes sejam quebradas,cura restaura e liberta e que tudo que não provem de ti esteja caindo por terra !É o que eu te peço e desde já agradeço em nome do Senhor Jesus !
Amém


— Prii knapp 🌸 (via: weird-feeling)

Deus é extraordinário, simplesmente pelo fato de nos acordar a cada amanhecer, assim, nos dando um novo dia, uma nova chance de concertar nossos erros e nos tornarmos melhores. E mesmo com tantos defeitos, ainda assim, Ele nos ama! Ele nos dar o respirar, nos dar forças para cada dia, supri todas as nossas necessidades, Ele enxuga nossas lágrimas e nos dar conforto em momentos triste, Ele nos põe em Seus braços, Ele nos protege, Ele cuida de nós, não importa o momento, Deus está conosco. Ele olha pra mim e pra você com olhos de amor. Deus é simplesmente lindo!
—  Jordana Mizaely
School Surprise

You laid in bed sending messages back to your boyfriend, Matthew Espinosa. He currently was away and it left you feeling like something was missing. You’ve been stressed about school and making sure you were passing all your classes, but it wasn’t easy to do.

Matty: I miss you :(

You: Miss you too, but i probably should get ready for school.

Matty: Oh…Okay

You don’t bother to reply because since hes left its been different between you too, not like you`ll break up but its just not the same as having him here with you. As you trudge to your car to drive to school millions of thoughts rushed through your head. You weren’t the only one acting different. What if hes cheating on you? What if hes feels guilty that he did? What if he has to stay away from you longer? What if he wants to break it off? What If, What if, What if. That`s all that you could stop thinking about.

Matty: Good luck on your test?

As soon as you received the text you smiled, you couldn’t help it i mean at least he cared enough to wish you luck right? As the bodies swirled past you and you exchanged a few hellos and how do you dos you finally sat down in your first period class,Math. You didn’t hate it and you were quite good at it but you still had those thoughts swimming around fighting for your attention. You started to count down the hours till school was over as soon as the teacher walked in. Soon your best friend (Y/B/F/N) leaned over her seat and tapped your shoulder. You turned you head and cocked your eyebrow at her.

“I guess your pretty excited about today” She whispered over.

“What are you talking about” You whispered back, the teacher glanced in your direction but you both acted like nothing is happening such as a secret conversation. 

“You know how Matt is flying in early to supri…..Oh” She stopped dead sentence but you already caught it, you turned fully around and faced her.

“What?” you said suddenly but you forgot to whisper it.

“Miss (Y/L/N) is there a problem?” The teacher questioned and you let a “No ma`am leave your lips. She nodded and continued while you began yet another set of thoughts. That`s why hes been acting strange! The sudden realization set in, the rest of the day you were giddy with excitement.


When the last period bell rang you nearly fell over to get to your car, You wanted to get home. But to your surprise Matt was already there. With a huge grin on his face. You nearly killed him when you ran over and jumped in his arms. 

"I’ve missed you (Y/N)” Matt`s voice was muffled a bit because of your hair but his grip on you was tight, his arms around your waist and your arms around his neck. You breathed in the familiar scent that you missed so much over the few months being apart.

When you finally pulled away, Matt gave you a sweet kiss on the lips.

“I was thinking ice cream and a movie and popcorn and lots of cuddling” You let a small giggle as he jumped right into the two of you guys plans.

“Um, I have a few questions” You let the words slip out of your mouth as you both got in your car. Matt looked over at you giving you a look like go-on.

“When did you get here? Why are you here, not that i don’t like that you are…Was this why you were acting so different? What about your plans..”

He cuts you off by putting his hand on top of yours and saying “Does it matter i`m with you” and he ends he sentence with leaning over and giving you a quick kiss.


Soon you’re both cuddled up on your couch watching, or trying to watch a movie. Matt kept leaning over and ticking you. After the third time you were laughing so hard you could barely form words. 

“Matt…I….Stop….You” But they were incomplete sentences eventually you got him off and gave him a playful smack.

“Your a meanie” You stick out your tongue imitating a 5 year old kid.He smirked and had a twinkle in his eye. Oh-uh you don’t like the look of that you thought.

“You might wanna run” He lets out a laugh and suddenly he lunges for you. You let a squeak and move out of the way. Your running around with Matt at your heels and suddenly all your worry is gone, you felt happy again. You run for the sliding glass doors and opened it to hop out onto the patio but Matt was a bit quicker. He picks you up as you start screaming at him to put you down. He walks you over to the pool and puts a finger to his chin like hes deciding what to do.

“Matty I swear if you throw me in the pool I.Will.Kill.You” He lets out a laugh as he throws you in but at the last minute you grab his arm dragging him in with you. You both burst through the calm surface and you give him a glare.

“Well do you miss me now?” He smirks over at you and you just shake you head as you think that you have such a cutie as your boyfriend.



Hey Guys!

Been so busy i haven’t been posting at all :( I hope you like this though, and if you have any request Send them in! Ill do whatever you want :)

Filho, filha, meus tão queridos e amados filhos, qual é o seu valor? Será que vocês esqueceram que valem mais do todas as riquezas dessa terra?! Será que vocês esqueceram que são tão caros, raros e preciosos a ponto de que eu desse o meu filho por vocês?! Será que vocês esqueceram que eu faço tudo por vocês?! Filhos, eu pergunto hoje a vocês: Qual é o seu valor?! Vocês podem, por favor, se lembrar de tudo que prometi a vocês, de tudo que eu disse. Vocês podem, por favor, se lembrarem de quem vocês são e do que merecem. Vocês merecem bem mais que migalhas, vocês merecem bem mais que algumas gotas, vocês merecem bem mais que minutos, vocês merecem bem mais do que tem aceitado. Dói meu coração ver vocês se quebrarem por tão pouco, dói ver que vocês abrem mão de vocês mesmos por coisas que não valem a pena, dói ver que vocês fazem de tudo por coisas passageiras mas quando é comigo… quando é comigo, que faz tudo por vocês, que pode mudar de verdade a vida de vocês, vocês ficam com medo de se entregar e alguma das vezes até desistem. Filhos, eu sou real, as promessas são reais, o amor é real, o valor de vocês é inestimável, então parem de viver como se não fossem importantes e especiais! Parem, meus filhos, de colocar a vida, o coração de vocês no que não é para vocês, em coisas sem valor. Eu to aqui, atento a vocês, falem comigo, lembrem-se de mim, aproximem-se de mim, escondem-se em mim, eu amo vocês! Lembre-se de tudo que já fiz, eu nunca deixei faltar nada, eu sempre supri a tudo. Não se desesperem, por não ver nada, creiam e confiem em mim. Então filhos, vocês, por favor, me deixam entrar?
—  E disse Deus, Chance com Deus.