step10

Watch on tlacahuepec.tumblr.com

#shisha #hookah #step10 pon tu musiquita

My job and Recovery.

I’m at my job right now. I am starting to write this at 1:30pm. What did I forget to do before I left today at 8:30am? I forgot to get down on my knees and ask my higher power for another day of sobriety!

I had to drop everything I was doing at work. Run to the basement., get down on my knees, say the our fatlher, and ask my higher power that i call God to keep me away from a drink or a drug. It wasn’t a large time consumer, and it was not difficult to do. As a regular procrastinator I could have easily skipped over something so simple but so important.

Why is my contact with God so important? Because through that, I never drink, and he removes the obsession for me. As I now have an intimate relationship with him that I have learned to develop through the program. Particularly taking place after thoroughly completing #step10

hazelden.org
Making amends is more than an apology -- Hazelden

Addiction creates moral wreckage. People who become addicted to alcohol or other drugs might lie, cheat, or steal in order to get and use their drug of choice. Often what’s left behind is a trail of shattered relationships.

In this situation, apologies won’t do. Alcoholics Anonymous calls for amends instead. These are mentioned specifically in several of AA’s Twelve Steps, including:

  • Step Eight: Made a list of all persons we had harmed, and became willing to make amends to them all.
  • Step Nine: Made direct amends to such people wherever possible, except when to do so would injure them or others.

Carrying out these two steps is a delicate process that calls for guidance from a sponsor or counselor. In an interview, John MacDougall, D.Min., director of Spiritual Guidance at Hazelden in Center City, Minn., answered questions about making amends.

How do amends differ from apologies?
An amend has to do with restoring justice as much as possible. The idea is to restore in a direct way that which we have broken or damaged–or to make restoration in a symbolic way if we can’t do it directly.

Say, for example, that I borrowed 20 dollars from you and never paid you back. If I go up to you and say, “Gee, I’m sorry I borrowed your 20 dollars and spent it on drugs,” that would be an apology. Making amends is giving your money back to you.

Why does Step Nine suggest that people avoid direct amends in certain cases?
For instance, you don’t run home and say to your spouse, “Gee honey, I had a wonderful time in addiction treatment. I learned all about rigorous honesty, so I want to apologize to you for an affair I had five years ago.” That’s clearing your conscience at the expense of someone else who’s going to feel terrible. In this case, your amend can be an indirect one. Stop having affairs and bring your heart, your energy, and your attention back home where it belongs.

Are direct amends simply impossible at times?
Yes. Say, for example, that someone gets drunk, drives, and kills somebody in a traffic accident. You can’t go back and “unkill” the person who died. Instead, you can fill out an organ donor card. This is an indirect amend that can give life back to someone in the future. Remember that with crimes such as drunk driving, people might need to go to court and take a punishment. That’s part of making amends as well.

You’ve mentioned direct and indirect amends. Are there other kinds?
Sometimes people talk about “living” amends. This simply means that we live differently. Amends are about a genuine change in our behavior instead of the patchwork of an apology. We take on a whole new way of life. We stop accumulating fresh insults to our selves and others.

What are the benefits of making amends?
If we’ve continually harmed people and haven’t made any effort toward amends, then we’ve got a lot of people, places, and things to avoid. Large areas of life become closed off to us. When you’re willing to make amends, those areas open up again. You don’t have to avoid people any more. This is true not only for people in recovery but for all of us.

The book Alcoholics Anonymous mentions the promises of recovery. They come right after the explanation of Step Nine. “If we are painstaking about this phase of our development,” it says, “we will be amazed before we are half way through. We are going to know a new freedom and a new happiness. We will not regret the past nor wish to shut the door on it. We will comprehend the word serenity and we will know peace.”

That’s what happens when we bring justice back into our lives by making amends.

Destruída não poderia começar a descrever o que senti voltando para o meu quarto, sabendo que ele me queria da mesma forma que eu queria ele, mas eu nunca teria a menor chance. Tudo já parecia tão vazio e ele ainda nem tinha ido.

Me incomodava o fato dele ter que voltar pra casa, para aquela situação com a mãe dele. E sei que sua situação com Des era horrível, mas ele deveria estar lá para apoiá-lo. Infelizmente… Harry, não tever sorte no fato de ter pais que se importem.

Ele só tinha começado a se abrir pra mim e eu sabia que se ele ficasse nós teríamos crescido mais juntos. Então tentei me convencer de que isso era o melhor porque ele iria embora no fim do verão de qualquer jeito e apesar da conversa comigo mesma, a dor no meu peito continuava não indo embora.

Não pude deixar de invejar todas essas meninas na escola que tiveram a oportunidade de experimentar estar com ele fisicamente, e mesmo imaginando que eu me conectei com com ele de uma forma diferente e melhor, ainda havia um profundo desejo do que eu tinha perdido.

Minha mãe entrou brevemente no meu quarto pra me ver e perguntar se eu tinha ouvido a notícia sobre o Harry ir embora.

- Vocês dois pareciam estar se dando bem, é uma pena que ele queira voltar agora que sua mãe está em casa. Ele poderia ficar até o ano escolar terminar.

Já que minha mãe não sabia o verdadeiro motivo de Anne estar de volta, eu somente balancei com a cabeça enquanto ela falava, tentando o máximo disfarçar as lágrimas que até tinham caído antes. Ela me deu um beijo de boa noite e eu fiquei abraçada ao meu velho boneco de pelúcia do Snoop que tinha sido o meu braço direito desde que tinha três anos.

E foi assim que minha noite deveria terminar.



Foi apenas uma leve batida no meu quarto, pensando bem, uma leve batida pesada era mais apropriada para o que aconteceu depois que eu abri.

Harry estava diante da porta, seu peito subia e descia com sua respiração.

- Você está bem? -perguntei.

Por alguns segundos, Harry ficou olhando pra mim como se ele não soubesse como tinha chegado a minha porta.

- Não.

- Tem alguma coisa errada?

- Sim… Foda-se o amanhã.

E antes que eu pudesse processar suas palavras, as suas mãos seguraram o meu rosto e trouxeram minha boca para a dele e um gemido da sua garganta vibrou na minha e eu peguei esse gemido como uma profunda inspiração de ar. Seu peito pressionou contra meus seios, enquanto ele me empurrava de volta pra dentro do quarto e com o pé fechou a porta atrás dele.

“ O que estava acontecendo? ”

Sua boca era quente e úmida enquanto ele devorava a minha, sua língua circulava no interior da minha boca quase desesperadamente. Isso era mais intenso do que as duas ultimas vezes que tínhamos nos beijado e percebi que era isso que Harry escondia quando se afastava de mim, era é um prelúdio para algo melhor.

Ele parou de me beijar por um momento e suas mãos deslizaram do meu rosto para trás do meu pescoço, puxando levemente meu cabelo. Então ele chupou a base do meu pescoço beijando todo o caminho de volta pra cima até suspirar na minha boca.

Minha língua foi de um lado pro outrodentro da sua boca e ele respondeu mordendo suavemente meu lábio inferior enquanto eu gemia por entre dentes dele.

“ Eu queria mais. Eu estava pronta ”

Não havia dúvida na minha mente, eu estava deixando-o ir até onde ele quisesse. E quando ele parou para me olhar, então aproveitei a oportunidade pra perguntar o que tinha que saber.

- O que aconteceu?

Ele pegou na minha mão e me levou até a cama, onde ele se sentou e puxou meu corpo pra que eu sentasse sobre ele e senti o calor de sua ereção pressionada contra mim. Ele colocou a cabeça no meu peito e falou contra a minha camisa, fazendo com que meus seios formigassem.

- Você quer saber o que aconteceu comigo? Greta, eu finalmente abri a carta que você escreveu depois que leu o livro. Ninguém nunca disse essas coisas pra mim… Eu não mereço isso. - ele disse em voz baixa.

- Você merece isso… Eu quis dizer cada palavra. -disse correndo meus dedos no seu cabelo.

- As palavras naquela carta… Eu vou levá-las comigo pra sempre. Greta, eu nunca poderei te pagar de volta o que você acabou de me dar, então pensei em como eu não pude te dar a única coisa que você me pediu? Isso me deixou mais irritado quando eu estava fazendo as malas. Eu decidi que também prefiro ter essa noite a nada. É completamente egoísta, mas eu quero ser sua primeira vez. Quero ser o primeiro a lhe mostrar tudo e ser aquele que você vai lembrar pro resto da sua vida. Mas espero que você queira isso mesmo que você disse.

- Harry, eu quero isso mais do que qualquer coisa. -disse e puxei mais seu aperto pro meu peito.

Ele resistiu, olhando pra mim novamente com uma expressão séria.

- Olha pra mim Greta. Preciso ter a certeza de que você está realmente bem com o fato de que isso pode acaba amanhã. Você nunca poderia dizer a ninguém… Eu vou te dar tudo e nada esta noite, preciso que você entenda isso. Você precisa prometer que pode lidar com isso.

- Eu posso lidar com isso. Eu já te disse que queria que minha primeira vez fosse contigo, mesmo que seja uma única vez. Eu não quero que você se segure Harry, eu quero que você me mostre tudo. Quero experimentar as mesmas coisas que todas aquelas meninas tiveram. Eu não quero que você me trate de forma diferente.

- Eu não vou te dar exatamente a mesma coisa… Mas eu posso te dar mais. Ok? Posso te dar algo melhor. Pode ser uma noite, mas vou fazer valer cada segundo.

“ Isso realmente estava acontecendo”

Quando meus nervos de repente tiraram o melhor de mim, Harry percebeu e colocou as mãos no meu ombro.

- Você está tremendo, talvez não seja uma boa idéia.

- Eu não posso evitar isso, estou apenas nervosa, mas é em um bom sentido.

Eu ainda estava sentada em cima dele quando ele me olhou e então juntei meu rosto ao dele e o beijei, em uma tentativa de provar o quanto eu disse que o queria e o quanto eu estava pronta.

- Eu quero isso Harry.- sussurrei em sua boca.

Ele procurou meus olhos por alguns segundos, em seguida me levantou de cima dele e se levantou, esfregando a ponta dos dedos ao longo do meu pescoço, movendo lentamente em um movimento de arranhar, então envolveu sua mão, como se ele fosse me sufocar. Mas não era nada disso, ele apenas esfregou meu pescoço com o polegar e eu me senti molhar apenas pelo jeito que ele olhava pra mim, como se não houvesse mais nada no mundo que ele quisesse mais do que me ter.

- Eu amo seu pescoço, Greta. Foi a primeira coisa que eu quis beijar.- ele disse e eu fechei os olhos, inclinando a cabeça pra trás, ele ainda não estava me beijando, apenas acariciando e apertando levemente meu pescoço, mas isso me deixou completamente excitada.

Finalmente, ele moveu as mãos pra baixo e tirou lentamente a minha blusa e seus olhos ficaram vibrados enquanto ele olhava para os meus seios. E em um estúpido momento de insegurança eu disse:

- Eles são pequenos.

Ele beijou minha bochecha, em seguida falou perto do meu ouvido:

- Ótimo, eles se encaixam perfeitamente dentro da minha boca.

Suas mãos, em seguida, agarraram as laterais do meu short para retirá-lo.

- Merda. -ele murmurou e olhou pra mim com um sorriso travesso quando percebeu que eu não estava usando calçinha.

Então chutei meus shorts e fiquei na frente dele, me sentindo vulnerável e ele apenas continuou me olhando por alguns segundos, o que estava me deixando louca que ele continuasse naquela distância.

Seu olhar viajou da minha cabeça aos pés, como se cada movimento de seus olhos me tocasse. Então ele deu um passo pra frente e falou baixinho na minha orelha:

- Existe alguma coisa em particular que você gostaria que eu te mostrasse primeiro?

Meu corpo estava tremendo de antecipação.

“ Tudo ”

- Quais são suas opções? -perguntei.

Ele coçou o queixo e sorriu.

- Corda, corrente, algemas… Cinto.

- Huuummm. -eu sorri de volta.

Ele imediatamente pegou meu rosto em suas mãos.

- Oh, Deus. Você é tão linda! Você achou que eu estava falando sério? Foi uma piada, Greta. -ele disse e me beijou .

- Eu imaginei, só não tinha cem por cento de certeza.

- Então… Nada em particular?

- Você pode começar por me tocar, talvez tirar a roupa, também.

- Você quer que eu tire a roupa, neh?

- Não é assim que geralmente funciona?

- Não. -ele balançou a cabeça e mordeu meu nariz.

- Não?

- Você vai tirar a minha roupa Greta, mas não até que nós brincarmos um pouquinho.

- Brincar?

- Você não tem experiência, eu não posso simplesmente ficar nu e começar a te comer, você precisa estar pronta pra mim. Vai doer a primeira vez, não importa o que eu faça por isso preciso ter certeza que você esteja tão molhada o quanto possível. As vezes, menos é mais no início, porque quanto mais eu negar, mais você vai querer, mais molhada, mais preparada você estará pra mim.

Me levando pra cama, ele se deitou de costas contra a cabeceira da cama e me puxou para uma posição sentada em cima dele… E meu Deus, ele estava totalmente duro debaixo de mim.

- Você parece pronto. - brinquei.

- Estive pronto desde o dia que entrei pela porta, dei uma olhada em você, e percebi que estava fodido.

- Você sempre me quis assim?

Ele acenou com a cabeça.

- Eu fiz um bom trabalho escondendo isso por um tempo, não foi?

- Você poderia ter me dito.

Ele me empurrou pra baixo, sobre sua ereção, explodindo através de sua bermuda.

- É bastante óbvio agora, você não acha?

- Sim.

Eu estava latejando entre minhas pernas enquanto eu esfregava as mãos sobre a camiseta branca dele. E como no escurecimento de um cinema antes de um filme começar, a leveza da sua expressão desapareceu, indicando que as coisas estavam prestes a acontecer.

Ele passou as mãos em volta do meu pescoço novamente e delizou até os meus seios, massageando-os enquanto eu me debatia sobre sua bermuda, me apertando contra seu pênis para satisfazer a excitação que estava se construindo em mim a cada movimento de suas mãos.

Ele manteve uma mão no meu peito e levou a outra para o meu rosto, esfregando o polegar sobre minha boca e em seguida empurrou dois dedos dentro dela.

- Chupe.

Eu obedeci, sua pele tinha um gosto salgado e eu apertei os músculos entre as minhas pernas, tão estimulada pelo olhar em seu rosto enquanto ele observava seus dedos entrando e saindo da minha boca.

Quando ele retirou os dedos da minha boca, esfregou a saliva sobre o meu mamilo direito e lambeu a outra mão antes de esfregar os dedos sobre meu seio esquerdo.

- Ele são perfeitos, Greta.

Harry deslizou ambas as mãos pelas minhas costas e me apertou mais contra ele apertando a minha bunda.

- Então é isso. Eu quero fazer tudo com você. -ele deu um leve tapa na minha bunda e sorriu.

Ele me apertava mais forte, e eu queria mais dele, queria que ele me beijasse mais firme ou colocasse a boca em mim de alguma formaem mim enquanto ele me tocava, mas ele fazia, apenas continuava massageando minha bunda.

- Posso tirar isso? - disse deslizando minhas mãos na sua camiseta.

- Tudo bem… mas apenas a camiseta.

Levantei a camiseta sobre sua cabeça, fazendo com que seu cabelo ficasse ainda mais bagunçado. Fiquei maravilhada com os contornos do seu corpo… com seu peito malhado. Eu já o tinha visto muitas vezes sem camisa antes, mas nunca de tão perto com a capacidade de tocá-lo.

Movi minhas mãos sobre as tatuagens em seus braços, a palavra PINGU estava no seu braço direito. Então deslizei minhas mãos nas outras tatugens ainda maiores … os pássaros em seu peito, a borboleta em seu estômago, correndo meu dedos entre elas e seguindo trilha de pêlos que me levarvam até a sua bermuda. Ele apertou seu abdômen com o meu toque e senti seu pau se contorcer debaixo de mim.

- Ponto sensível?

- Sim, quando você tocou no meu abdômen.

Me abaixei e beijei o peito dele delicamente, e esse gesto íntimo pareceu ter um efeito sobre ele. Quando me afastei, ele me pegou de surpresa me empurrando de volta pra baixo sobre ele é me segurou lá por um tempo e eu o beijei delicamente, entao e depois me abraçou e meu peito nu estava colocado contra seu coração que batia descontroladamente rápido.

- Por que o seu coração está acelerado? -perguntei.

- Você não é a única que está tentando algo novo.

- Do que você está falando?

- Eu nunca fui o primeiro de ninguém antes, Greta.

- Sério?

- É… sério.

- Você está nervoso?

- Eu só não quero te machucar. -a maneira que ele olhou pra mim, quando ele disse isso, me fez perceber que ele não estava apenas falando da dor física, mas acho que não queria que eu ficasse ligada nele.

Meu peito se apertou, mas eu tinha certeza que era tudo mentira quando eu disse:

- Você não vai.

“ Você vai, mas eu quero você de qualquer maneira”

- Eu quero te fuder muito,Greta… mas estou me segurando porque estou com medo do que isso vá fazer com você de algum jeito.

- Harry, você me perguntou o que eu queria. O que eu quero é você é não se segure, nós só temos hoje. Por favor… Não se detenha.

Pela primeira vez desde que ele entrou no meu quarto, me beijou com a forma fervorosa como eu queria, me atacando com a língua e gemendo em minha boca. Então me virou de costas pra cama e se ajoelhou em cima de mim, me prendendo com seus braços e seu cabelo despenteado caia sobre seus olhos enquanto ele olhava pra mim e mais uma vez enfiava os dois de seus dedos na minha boca.

Então eu percebi que para ele ficar confortavel e esquecer a sua apreensão, eu precisava intensificar e segurei sua mão e chupei seus dedos com firmeza, levando-os profundamente na minha garganta. Seus olhos estavam maravilhados enquanto ele observava atentamente eu fazer aquilo e ele lambia seus lábios. Então ele abriu as minhas pernas.

- Linda… Deus, como você está molhada. - ele sussurrou enquanto colocava o dedo dentro de mim, então em um momento, substitui um dedo por dois e eu engoli a seco e gemi de prazer.

- Está bom?

- Sim. -gemi.

Ele começou a mover seus dedos dentro e fora de mim, forte e rápido, e até eu podia ouvir o quanto eu estava molhada. E enquanto ele apertava meus seios com a outra mão, dobrei minha cabeça para trás e meu corpo pulou, então começei a perder o controle, movendo os quadris nos movimentos da sua mão. Ele sabia disso quando tirou os dedos dentro de mim de repente…

- Não goze ainda, bebê. -ele disse.

Então me virou pra que eu ficasse por cima dele, me movendo pra frente e pra trás sobre seu pênis. Sua bermuda estava encharcada de mim, e em um determinado momento eu poderia ter gozado se ele tivesse deixado. Parecia que ele tinha a capacidade de perceber quando eu ia passar do ponto de prazer, então ele parou e recuou um pouco.

- Você está pronta agora?

- Sim, estou.

- Eu quero que você se toque.

Eu estava ajoelhada em cima dele e começei a esfregar meus dedos em mim e meus joelhos começaram a tremer.

- O que você quer, Greta?

- Quero te ver nu.

- Então, faça o que você quer.

Eu abri o ziper da sua bermuda e ele me ajudou a empurra-lo pra baixo…. E quando seu pênis surgiu de dentro da cueca, me chocou um pouco, pensei em como seria quando ele estivesse dentro de mim.

Ele sorriu , sabendo muito bem a razão por trás da minha reação.

- Algo errado?

- Eu só…

- Parece que você tem algumas perguntas.

- Não exatamente… Eu…

- Tire suas dúvidas agora, bebê.

Eu dei o meu primeiro olhar mais perto do seu piercing circular.

- Será que vai romper o preservativo?

- Isso nunca aconteceu antes, eu uso um tipo resistente por essa razão… e extra grande por outra razão. -ele piscou.

Eu ri novamente, não entendendo de verdade como ele ia caber dentro de mim.

- Isso dói?

- Levou um tempo pra curar, mas agora, não dói nenhum pouco.

- Isso vai me machucar?

- Eu te diria que na verdade, aumenta o prazer.

- Uau.

- Algo mais?

- Não, tudo bem.

- Tem certeza? Agora é sua chance de correr.

Inclinei e pressionei meus lábios nos dele e nós dois rimos durante o beijo.

Eu podia sentir o metal do piercing no seu pênis deslizando contra o meu estômago, e eu apertei os músculos entre as minhas pernas com uma nova necessidade de me satisfazer.

Ele pegou minha mão e colocou-a em seu pênis.

- Toque-me, enquanto você se toca, me ouça, quando eu lhe disser pra parar.

Eu fiz o que ele disse, coloquei a minha mão no meu clitóris e a outra sobre seu pênis. Nada nunca me excitou mais do que o acúmulo de umidade na ponta do seu pau com cada movimento da minha mão. Ele estava muito quente, ficando ainda maior do que antes e eu adorava vê-lo me ver.

- Pare. - ele disse respirando de uma forma incontrolável.

- Eu quero sentir você dentro de mim agora. -eu disse.

- Você irá, mas há uma coisa que eu preciso fazer primeiro… Só pra ter certeza que você está pronta.

- O quê?

Em vez de me responder, ele me virou novamente me deitando na cama e deslizou seu corpo pra baixo de mim e me levantou as ancas. Eu ainda não tinha certeza do que ele estava fazendo, mas ficou bem claro quando ele colocou seu rosto bem na frente da minha virilha. Eu nunca poderia ter imaginado o quão bom seria sua boca quente pressionando contra mim, sua língua roçava na minha pele em golpes lentos e firmes e quando ele gemeu eu deixei escapar um som notório.

- Shiiiu… Temos que ficar quietos. -ele disse contra mim.

“ Parecia impossível”

- Você precisa parar, então.

- Eu não quero , você tem um gosto muito bom. - ele disse enquanto sua língua continuava seu caminho em mim.

Então ele a colocou sua lingua dentro de mim, enquanto pressionava com mais força.

“ Ai , Meu …”

- Eu vou gozar se você não parar , Harry.

Ele me chupou uma ultima vez e lentamente liberou a pressão da sua boca. Eu estava pulsando entre minhas pernas, tremendo, e senti as lágrimas começarem a se formar em meus olhos.

Ele saiu debaixo de mim e pegou meu rosto em suas maos e sorriu pra mim.

- Agora… você está pronta.

Ele enfiou a mão no bolso de sua bermuda que estava no chão e tirou um preservativo. Rasgou o pacote com os dentes e ao olhar em seus olhos eu sabia estava pronta. Harry deslizou a borracha sobre seu pênis e cuidadosamente apertou a ponta. Me posicionando debaixo dele, ele me beijou profundamente enquanto esfregava seu pênis contra meu sexo, então eu não aguentei mais e o envolvi com a minha mão, levando-o para minha entrada.

- Devagar… Isso vai doer. -ele alertou.

- Eu não me importo.

- Você vai se importar, bebê. Me escuta… Segure-se em minhas costas, me aperte, me bata, me morda… Faça o que tem que fazer quando você estiver com dor, mas por favor, não grite. Eles podem saber que estamos aqui.

E mesmo tão molhada como eu estava, queimou pra caralho, quando ele entrou dentro de mim a primeira vez. Eu cavei minhas unhas em suas costas para reduzir o desconforto, mal eu respirava quando ele me alargava e por um momento, a dor se tornou suportável. Eu nunca vou esquecer o jeito como me senti quando ele estava totalmente dentro de mim pela primeira vez ou o som que ele fez. Ele até estava controlado por um momento, mas fechou os olhos e ofegou…

- Greta… Isso… Você… Porra.

Cada movimento desconfortável seguinte a penetração passou a ser dolorosamente incrível, ele fazia movimentos leves, mas honestamente, apartir do olhar no seu rosto, eu não tinha certeza se ele ia continuar assim.

Ele tirou lentamente de mim e em seguida colocou de volta mais lento.

- É mais difícil de me controlar, mais do que eu pensava bebê… Você é tão apertada, isso é tão bom… Não posso explicar. Eu preciso gozar, mas tem que ser com você.

E como se fosse um comando, com mais um movimento , meus músculos começaram a se contrair.

- Eu estou… Agora, Harry , eu… Harry! -eu gritei o nome dele alto demais e ele colocou a mão na minha boca.

- Shiii… Oh, Porra, Greta… Eu… Greta. - eu sussurrou meu nome quando ele gozou, seu pau pulsava dentro de mim.

Eu podia sentir o calor de sua liberação através do preservativo, enquanto seu coração batia contra o meu.

- Essa foi a coisa mais incrível que eu já senti na vida. -eu disse.

Ele beijou a ponta do meu nariz e disse:

- É bebê… E eu ainda nem te fodi.

The finale!! #glamface #step10 : #sprayfinish and #powder .. Your face is almost complete.. I use setting spray from #mac to polish off and really set the makeup into place. Probably unnecessary for most people but since I’ve started using it I’ve become an addict. After your spray sets for about 30 seconds, finish off your face with whatever powder you use, I use #mac #deepdark #blotpowder .. It gets rid of any shine on the face that may be and gives your face a matte look… And there it is… The photo ready, glamorous makeup face! #yourwelcome… More tutorials and tips to come in the near future #ihadtoo #ilovemakeup 💙💜💚💛❤