sou bi

Mundo, eu sou Bi, e quase não aguento mais me pagar de hetero, e escondendo meu verdadeiro eu por medo do que minha familia vai dizer, eu nunca fui hetero e nunca vou ser, eu sou é Bixessual mesmo querida, e mãe, eu não vou pro inferno por isso!
Me assumindo

Eu enviei esse texto por email à minha família:

Oi, família! (ou parte dela)

Por onde se começa a escrever esse tipo de coisa? Eu achei que essa fosse ser mais uma das cartas que vocês nunca leriam - sim, eu escrevo cartas a vocês desde os 13 anos de idade, destruo-as logo após escrever e não estou acreditando que estou contando isso a vocês, mas isso é só o começo.

Poxa, eu realmente não sei por onde começar. Achei que fosse fácil fazer isso. Para começo de história: essa é a milésima tentativa de escrever uma carta decente. Venho tentando fazer isso há cerca de duas semanas. Agora, com um pouquinho mais de coragem, estou tentando outra vez, mesmo que haja um choro entalado na minha garganta, secando a minha boca e fazendo meu coração saltar para fora de mim. É, estou muito nervosa a respeito disso. Estou em agonia. (é com isso que a pré-liberdade se parece?)

Há alguns dias, inspirada por um amigo e encorajada por muitos outros, tomei uma decisão muito impactante na minha vida, e uma vez que eu vá fundo com ela, não há como voltar atrás. Mas, sinceramente, não quero voltar atrás, e nem acho que vá mudar de ideia no meio do caminho, ou daqui pra frente. E essa decisão é bastante simples: me assumir pra vocês.

Quando eu era pequena e as meninas conversavam sobre os meninos, sempre chegávamos ao assunto do “de quem você gosta” e tal. Até aí tudo bem, eu gostava de muitos garotos e até obrigava eles a sentar comigo – namoro de 1ª série, vai entender. Ok, tudo normal. A coisa ficou estranha quando eu cresci um pouquinho mais e percebi que sentia a mesma coisa em relação às meninas. Acho que foi mais ou menos na entrada da adolescência que eu me dei conta de que eu não sou como as meninas que gostam de meninos e sim como as meninas que gostam de meninos e meninas!

Pois bem, eu fui crescendo, mantendo isso em segredo e me relacionando com o menor número de garotas possível para não correr o risco de… Enfim, isso sempre ficava na minha cabeça. No fundo, eu sempre soube que sou bissexual. O que ocorre comigo é que eu gosto e me relaciono com quem me faz bem, não me importa o que há entre as pernas da pessoa. Mas eu não tinha maturidade suficiente pra ME aceitar, e ficava omitindo pra mim mesmo quem/como eu realmente sou.

Era ruim não poder conversar sobre isso com ninguém. Não foi fácil eu aceitar que sou assim e, a bem da verdade, se eu pudesse escolher, seria heterossexual para não ter que passar por essa angústia toda de entender que não é apenas uma fase, que eu não sou uma aberração, que eu posso morrer sem ter que ir para o inferno só porque eu posso gostar de qualquer pessoa, que eu sou livre, que meu coração é livre e que eu posso me aceitar e me respeitar sendo como sou. Eu me sentia meio perdida e sozinha nesse sentido, tive muito medo e muita vergonha de contar para alguém, até que, há mais ou menos um ano atrás, eu vim, aos pouquinhos, me assumindo para amigos próximos a mim (tenho algumas historias bem engraçadas quanto a isso, mas elas vão ficar pra outro momento), pessoas a quem eu devo agradecer muito por me incentivarem a acabar com essa pequena tortura particular que é/era o medo de contar a vocês por não saber qual será a reação.

Ainda não sei se temo ou não a reação de vocês. Por um lado eu penso que vocês já deviam ter suspeitado porque durante toda a minha vida eu nunca fui uma garota padrão, vocês sabem, mas também penso que vocês talvez não tenham deixado as suspeitas atingirem o aspecto sexualidade (isso me lembrou do dia em que minha mãe perguntou sobre minha opção sexual. Tive medo de responder que sou bi. Agora não mais!). Vocês podem simplesmente não reagir, essa carta pode não significar nada para vocês (embora signifique um mundo inteiro para mim).

Eu também penso em mim. Eu que também não sei como estou reagindo a tudo isso. Eu, que tenho tantas coisas que eu quis ser e não fui, que eu quis fazer e não fiz… Tudo por puro medo da reação de vocês. Não os culpo e nunca os culparei por isso, eu sei muito bem que posso fazer o que quiser, mas sei também que tenho muito medo de desapontá-los. É engraçado porque eu acho que tudo o que eu faço é desapontar. Deve ser por culpa da busca incessante pela “perfeição” que eu sou cheia de falhas. Passei tanto tempo tentando construir uma imagem vendável para vocês que me esqueci de ser eu mesma. Tem sido assim há tanto tempo que eu me perdi tentando descobrir que tipo de garota eu realmente sou. É, eu queria ser uma filha, neta, irmã, prima, sobrinha, garota perfeita, mas eu me encontrei nesse caminho louco e descobri que eu sou eu e ponto final. E quer saber? Eu posso ficar bem sendo assim!

Mas eu quero acabar com esse medo de ser julgada, por isso decidi dar esse grande passo de dizer-lhes sobre o que eu gosto, o que eu quero, o que eu sinto. Não quero nunca mais sentir medo de não ser boa o suficiente. Não vou pedir que me aceitem ou me respeitem, isso fica a critério de vocês. Podem até me julgar se quiserem, tudo bem, vocês só estão sendo humanos.

Talvez estejam se perguntando por que eu resolvi fazer isso do nada. Primeiro, vamos estabelecer que eu me assumir não vai mudar em nada o meu modo de pensar sobre as coisas, não vou começar a cantar meninas na rua, me relacionar com três pessoas ao mesmo tempo, não significa que eu seja uma falsa gay, ou sei lá o que mais costumam pensar que bissexuais fazem. Segundo, ocorreu um caso muito próximo a mim em que um amigo se viu obrigado a se assumir bissexual porque o pai descobriu que ele estava ficando com um rapaz. Eu me coloquei no lugar dele e definitivamente não quero passar pelo enorme constrangimento de ter que me assumir obrigatoriamente ou por pressão. Só para você saberem: não, eu não estou me relacionando com absolutamente ninguém no presente momento e não há ninguém em vista. Estou fazendo isso por mim, porque preciso ser livre em relação a isso, porque eu confio em vocês o suficiente e porque temos que colocar em perspectiva que, dadas as circunstancias, há a possibilidade real de eu me relacionar seriamente com uma garota no futuro e todos os lados envolvidos nesse fato, inclusive a minha pessoa, terão de se adaptar a isso. Logo, estou criando espaço e tirando um peso gigantesco do meu coração (porque nas costas é fichinha, a parada aqui é barra pesada).

No fim, ser bissexual não define meu caráter, não me faz melhor ou pior do que ninguém, não me torna especial, e não me dá direitos que as outras pessoas não têm. Ser bi não é motivo pra ser tratado diferente, assim como não é motivo pra tratar os outros como não gostaria que fosse tratado. Ser bi é, por definição, sentir atração por pessoas do mesmo gênero e gêneros diferentes, apenas. Continuo sendo a mesma Luiza maluca, lerda e esquisita de sempre, só que agora vocês sabem mais uma verdade sobre mim. Espero que continuem gostando de mim, porque eu vou continuar gostando de todos vocês.

Eu amo vocês mais do que tudo nesse mundo. Eu sei que eu não demonstro muito bem isso, que mais parece que eu nem sinto nada, mas eu sinto sim e sinto um amor enorme por vocês!

                Ah, e me desculpem o transtorno. Estou em reforma.

Com carinho e muito, muito, muuuuito alívio,

Ana Luiza.

P.S: se puderem, leiam esta carta aos membros da família que não tem e-mail ou contem-lhes sobre como eu fui corajosa hoje à noite :)

  • -Sabe mãe, eu nunca amei ninguém , a maioria das meninas que eu conheço já amou alguém, e eu não ,isso é estranho.
  • -Você não é sapatão né?
  • -Claro que não.
  • Deixe ela sozinha e fui pro meu quarto , o que ela pensaria se soubesse que eu sou bi, e que o mais próximo que eu já senti de amor , foi com uma menina?
  • Desculpe mãe, mas eu não posso mudar isso, e confesso que de inicio quando eu ainda estava me descobrindo eu não quis me aceitar , eu me recusava a acreditar que eu sentia atração pelo corpo de algumas mulher, a mesma atração que eu sinto pelo corpo de alguns homens.
  • E no começo eu pensava deve ser só interesse sexual, só uma fase.
  • Mas ela apareceu, com aquele maldito jeito encantador, e eu gosto dela , ela é o mais próximo de um amor que eu já estive.
  • Eu tentei me negar mãe, e de certa forma ainda tento, há noites em que eu penso: "É só uma fase você gosta apenas de homens", mas aí a única coisa que me vem a cabeça é ela, o corpo dela , o sorriso dela, as caretas dela , me desculpe mãe, mas eu quero sentir isso .

anonymous asked:

Sua opinião sobre a cura gay?

Acho que as pessoas deviam cuidar da própria vida, não acho que gostar de alguém do mesmo sexo é doença. Olha quantas pessoas estão morrendo esperando nas filas de hospitais, quanta gente com fome, quantas pessoas na rua com frio. Pessoas tendo que roubar para sobreviver, pessoas querendo pelo menos cinco reais para comprar a única refeição que terá no dia, e no governo roubarem milhões. Ao invés de falarem que gostar de alguém do mesmo sexo é doença, deviam criar vergonha na cara e realmente fazerem algo para melhorar o país. E digo mais: se algum dia eu tiver um filho e ele dizer que é gay, vou abraçar ele com todo o amor e vou ajudar a encontrar alguém bom o bastante pra ele. Não sou lésbica nem bi, mas acho muito bonito quando vejo casais andando de mãos dadas na rua, independente se é mulher ou homem. E se falam pra mim que ser gay é doença, eu viro as costas e vou embora porque sei que a pessoa tem probleminhas mentais, e prefiro nem me misturar. Feio é não amar. Feio é esse preconceito ridículo.

anonymous asked:

Tia Zé, como você descobriu que gosta de meninas também? Tipo, eu tô muito confusa e queria uma ajuda ;-;

Eu tinha 10 anos e me apaixonei por uma amiga minha, e eu achava que eu só gostava muito dela como amiga, mas eu comecei a achar estranho e me sentir mal pq eu queria abraçar ela e ficar com ela. Eu comecei a achar que eu era lésbica e fiquei apavorada na época pq eu achei que ela ia começar a me odiar muito se soubesse e ter nojo de mim, aí eu guardei isso pra mim e uns 2 anos depois eu me apaixonei por um garoto. Aí eu percebi que eu era bissexual perto dos 12 anos. No começo achei que tava confusa, que eu gostava só de homens ou só de mulheres, mas agora se passou 5 anos e eu já namorei um cara e 2 moças então né, eu não tô confusa e nunca estive, sou BI mesmo gosto dos dois ❤️ ahsuahushsud

Contrato Inviolável - Capítulo I

Socorro, estou apaixonado pelos esquisitões do terceiro ano


Amar mais de uma pessoa era possível?

 Sinceramente, eu nem deveria estar me fazendo essa pergunta já que meus pais, todos os meus tios, tias, minha imensa família daquele prédio quase inteiro, estavam todos em relacionamentos poligâmicos, mas bem, eu jamais pensei que ia acontecer comigo, mas sabem como é né?

 A vida é bem doida mesmo e eu não sou alguém que pode se dizer: ‘nosssssaaaaa’ como ele é um carinha supernormal. Bem, eu não passava nem perto, mas sei lá, jamais pensei que ia ficar em cima do muro e ainda nem completei dezesseis anos, aishi…

 Enfim, começou assim:

 Em um determinado dia me dei conta que pá, meu coração já não era mais meu, era de uma certa garota esquisitinha, mas super legal – Ao menos parecia legal com os irmãos esquisitões dela – e que tinha um sorriso que balançava meu mundo como a curva mais radical de skate do mundo todo. Então lá estava eu apaixonado por uma garota mais velha, que ia se formar naquele ano e que quando nos encontrávamos no corredor passava por mim como se eu fosse invisível.

 Ok, eu era meio invisível mesmo, sabe como é, sou do tipo meio caladão, na minha, apaixonado por dramas e sofá, maratonista de series românticas e antigo rebelde sem causa como dizia tio Soo, mas que na verdade eu tinha certa razão na época – segundo tio Chan, meu best friend - contudo me emendei logo quando fui morar com meu pai: Insira uma carinha de olhos revirando: O Ceo das empresas Kim tecnologias e afins, Kim Jongin, o dom Juan de Seul que agora era um marido exemplar para meus outros pais. Sim, eu tenho quatro pais diretos e uma infinidade de tios. Kim Jongin é só meu pai biológico, que teve um rolo meio doido juvenil com a minha mãe na época do colégio e que atualmente tinha meio que sumido do mapa. Minha mãe é uma executiva com pouco amor no coração, do tipo aquelas ajummas más dos dramas.

 Notem que minha genética é meio insana também, mas o que é mais louco mesmo, é minha atual família da qual amo, contudo tenho que admitir, é meio ‘Freak’. Eu mesmo, a cada dia que passa, vou ficando mais a cara do Jongin, vê se pode?

 Insira uma carinha de olhos revirando outra vez.

 Já falei que minha família é muito louca, né? Pois é, ela é.

Daí, voltando: Eu estava apaixonado, fiz drama com meus tios mais amáveis, porque sou desses – mas até aí tudo ok, era só uma paixão, certo? Primeiro amor, essas coisas piegas que eu adoro.

 Planejamos vários jeitos possíveis e meio loucos – Nós somos assim, fazer o quê – Mas no fim eu acabei tropeçando nela – foi sem querer e super clichê, eu sei – mas ao invés de livros caindo foi meu skate mesmo e eu, que tropecei nos cadarços e protagonizei a cena idiota que tinha horror de pensar, porém que para meu alivio – ela era mesmo legal como imaginei – fui erguido do chão e recebido por um sorriso fofo e um pedido desculpas.

 Minh crush é linda, juro, sem exagero.

 Os cabelos meios ondulados, dourados naturais e pele meio pálida e macia contrastava com os olhos puxadinhos sem pálpebra duplas, mas todo lindo, como uma garota tinha que ser para mim. Sem maquiagem, sem sorriso falso, sem frescura, ela era mais velha e era legal, sério mesmo e quando me ergueu disse em uma voz baixa e preocupada:

 — Você está bem, Yuto?

 E eu descobri ali duas coisas muito importantes na minha existência de primeiro anista e adolescente idiota. Minha crush sabia meu nome: Eu gritava internamente fazendo caretas bobocas de vencedor do ano e o principal, a voz dela era linda também, e fofa, quer dizer, um fofa esquisitinho, o que pensei que fosse porque ela era estrangeira e não sabia bem ser fria como uma garota coreana.

 Eu estava nas nuvens, feliz, cego de amor e demorei para assimilar que um dos irmãos dela chegou em nós, por trás dela – Ele era alto - e me encarou desconfiado:

— Quem é esse, Bi?

  Jongup Youngjae Júnior, o gênio da escola, o cara que todos diziam que estava estudando lá só porque teve vontade. Mal chegou e já tinha virado fofoca em cada canto do colégio, ele tinha resolvido uma conta impossível no quadro e na aula de física em segundos. Fez do professor de física piada geral e dizem que ele mal falava frase completas.

 Sabem aqueles gênios meio loucos da história de gênios?

 Para aquele garoto só faltava o cabelo branco bagunçado porquê de resto ele tinha tudo. A única diferença era que ele era bonitão, não do tipo “nossa que gato!”, não! Ele era mais para uma mistura de Superman com Batman asiático década de noventa e eu nunca tinha olhado ele cara a cara.

 Já disse que sou um tonto?

 E o que eu fiz?

 Ganhei um novo crush, um lindo, alto, todo nerd intelectual mais caladão que eu, crush, irmão da minha crush atual, e tudo isso em menos de um minuto, mas o mais absurdo era, eu não era hétero? Quer dizer eu era bi? Eu? Euzinho?

 Até meus tios achavam que eu era gay antes, depois devido a minha paixão pela loira esquisitinha decidimos em um consenso de reunião geral que eu era hétero, mas agora eu descobria assim, no corredor da escola e diante de dois pedacinhos de céu apaixonante, que assim como meu pai eu era bissexual…

 Eu ia ter pesadelos, não queria ser como Kim Jongin, ele era um safado! E não era porque tinha se corrigido agora com o tio Soo, que aquela coisa de você é bonito, vamos beijar, devia passar para mim! Poxa, eu era um sub de família!

 Um sub lindinho e amor de família, obrigado…

 Me senti na bad e quis sair correndo e ligar para o tio Suho.

— Ele fala ou vai ficar nos encarando como um cervo a luz de faróis?

 Completou o famosinho das exatas, JYJ e o que eu fiz?

 Sai correndo dali querendo voltar para casa e para a segurança do meu sofá macio fofo cheiroso e ficar lá até o século que vem.

 Sou dramático mesmo, fazer o quê?

 Assim matei as duas últimas aulas – Ia ouvir dos doms até minha próxima encarnação – E corri para casa como um filhote assustado.

 Entrei na casa do tio Suho meio afobado e topei com o tio Zhang na sala de estar lendo um livro, atipicamente. Ué? Ele não tinha reunião com o meu pai e com uns americanos nerds?

— Kim Yuto!

 Ele disse com aquele olhar de dom glacial que ia comer meu fígado no jantar, mas eu usei do meu poder de sub aprendiz desesperado e me joguei no colo dele choramingando:

— Tio XING!!! Minha vida terminou, eu sou bi, tio Xing, bi! Eu tenho um novo crush e ele é do mal, é de exatas! EXATAS! Ele é irmão da minha crush, e ele me olhou com cara de Sheldon! Ele me odeia! Ele não vai me querer! Eu não quero ser como o papai! Ele engravidou a mamãe, tio Xing, minha mãe é bizarra!

 Então ele ouviu um risinho baixo do dom dos doms e ergueu seu olhar mortalmente para o secretário do seu pai!

 Como ele ousava?

— Bulling é crime e eu não tenho medo de usar dos meus direitos!

 Então tio Xing engoliu o riso e ergueu as duas mãos:

— Desculpe bebê, vamos conversar sobre isso hun? Acho que já está na hora de termos a conversa sobre sexualidade ok?

— O que? Não! Eu não vou falar disso com um dom, enlouqueceu?

 E pela segunda vez eu saí correndo de um local para o outro invadindo o andar da tia Indy e da tia July porque sou além de um rebelde sem causa, um entrão mesmo!

— Ahhhhhhhhhhhhhhh eu não quero falar de sexo, tias, brigam com tio Xing!

 Me joguei no sofá entre elas que pintavam as unhas na sala e tia Indy apenas me olhou com as sobrancelhas arqueadas:

— Trabalho com nomes, biscoitinho, nomes, comece do começo hun?

 Ela fechou o esmalte e sorriu para mim meio malvada.

 Eu suspirei, e comecei do começo…

+Got7 reaction à você contando que é bissexual+

(Talvez eu tenha adorado escrever essa reaction, não sei)
(Talvez eu tenha me identificado)
(Mas só talvez mesmo)

Pedido de anônimo ♥


Mark

Vai ficar calado quando você contar, com medo de falar alguma coisa errada. A verdade é que ele não dá a mínima se você gosta de garotas também, contanto que você ame ele.
“Jagiya, você sabe que eu te amo de qualquer jeito”

Originally posted by nochuie



Jaebum

Apesar da surpresa, vai apoiar você 282638%. Assim como Mark, mas mostrar seu apoio de uma maneira silenciosa, e vai encorajar você a falar com ele sobre como você se sente, como sua família te aceita, tudo para ter certeza que você se aceita tanto quanto ele.


“Você é perfeita do seu jeito, ok?“

Originally posted by magiccastles


Jackson

Confuso no primeiro instante, vai demorar um tempinho para ele processar. Quando a realidade bater, vai agir como se tivesse descoberto um enorme segredo, ou seja, como uma criança muito energética, animada com uma coisa nova.

"Omo, baobei, de verdade? Isso é tão legal”

Originally posted by jypnior


Jinyoung 

Ele é compreensivo e cuidadoso com o assunto, imaginando que sua sexualidade provavelmente trouxe alguns problemas para você ao longo da vida. Ele só ficava quer ter certeza que você se sente aceita e amada, independente de sua sexualidade.

“Jagiya, você é incrível e nada pode te convencer do contrário”

Originally posted by umma-jy


Youngjae

Vai reagir exageradamente, porque não deve existir outra maneira dele reagir a qualquer coisa. Vai fazer 26288162 perguntas sobre o assunto, e você vai se tornar sua maior referência no que diz respeito à questões de sexualidade e gênero.

“Tá, mas se eu sou um cara e eu beijo uma garota que na verdade é um garoto, isso quer dizer que eu sou bi também? Porque, tecnicamente, eu beijei um homem, mas…”

“Youngjae. Essa não é a questão”

Originally posted by holyfuckmark


Bambam

p e r g u n t a s. Tipo, 17628282, e a maioria delas sobre sua experiência com outras garotas. No fundo, ele acha a ideia de você com uma menina muito sexy, mas também está genuinamente curioso.

“Mas tipo… Você já foi até onde com uma menina? E como foi?”

Originally posted by youngjaelesbian


Yugyeom

Ele é gigante, mas todo mundo sabe que ele é um bebê. Iria se sentir um pouco tímido com a confissão e, apesar de querer fazer centenas de perguntas sobre quando você descobriu, como foi o processo de aceitação e sua experiência com garotas, ele vai apenas mostrar timidamente o seu apoio.

“e…uhn… então você fica com garotas, também?”

Originally posted by umma-jy

~Bitch Kisses

“… Quer saber? Eu não sou lesbica, não sou bi e não sou hetero… sou pessoa e fico com pessoas… sexualidades são apenas rótulos e eu não sou embalagem para ser rotulada… ”

Criando um personagem

Eu sei que já estou fazendo uma série de posts sobre a construção da personalidade de personagens (que eu tenho que terminar), porém esse post aqui é um pouquinho diferente. Ultimamente eu voltei a jogar mais rpg aqui no tumblr e por causa disso eu criei dois personagens. Durante esse processo eu acabei reparando em algumas coisas que me ajudaram muito na hora de criar e de desenvolver meus personagens profundamente (porque eu não queria que eles fossem rasos e superficiais) e eu acho que isso pode ser bastante útil tanto para quem também joga rpg por aqui quanto para escritores.

Keep reading