silenciosos

Por la nunca te beso. Por Alberto Ruy Sánchez


Hay besos boca a boca
que comienzan en la nuca
como hay en la luna huellas
de los labios del sol.

Besos como dedos
que se abren y se cierran
en la nuca,
que despeinan,
o alborotan las ideas
sembrando su flor de anhelo
en raíces
donde esos labios
no suelen ir.

Son besos silenciosos
que acechan
detrás de las orejas,
muerden lóbulos,
exploran laberintos,
asaltan parpados
y dejan miradas húmedas
que, claramente, no se ven.

Besos mudos
que tardan en llegara su cita estruendosa
con la lengua amada
porque vienen siempre
desde muy atrás.

Besos de amaneceres ciegos,
donde la luz aún no nos mira                                                            
pero nos moja sin parar.

O castelo de Beauxbatons estava silencioso e plácido, brilhando naquela manhã de domingo.. Os jardins coloridos e vivos, feitos pelos melhores designers de ambiente do mundo bruxo. As fontes de água dançavam espiralando em várias formas, com suas águas brilhantes e bonitas. Os labirintos que formavam a imensidão estavam impecáveis, assim como cada ambiente do Palácio de Beauxbatons. Cada pessoa, criatura, quadro ou fantasma lá dentro tinha expectativas sobre o que estava por vir, fossem boas ou ruins. O ano começaria, e seria um muito longo. 

Logo um ponto branco e dourado foi visto no céu, e foi aumentando aos poucos. As enormes carruagens foram descendo dos céus, com seus pégasos fortes e bem cuidados. Bem no centro do jardim o pouso foi perfeito. Do primeiro vagão da carruagem saiu Ophélie Mathieu, a diretora de Beauxbatons sucessora de Madame Maxime. Seus cabelos louros penteados minuciosamente, suas vestes azuis com seu enorme chapéu combinando em um estilo clássico eram complementares a sua expressão rígida e analítica. Logo depois saíram os professores, cada um diferente um do outro. Se postaram em fileira, para receber os alunos quando saíssem. 

Atrás desse vagão, tinham outros dois, que possuíam um forte feitiço de extensão para caber todos os alunos. A Diretora Mathieu acenou a varinha e todas as portas se abriram, permitindo que os alunos saíssem das carruagens. A agitação foi instantânea, o fluxo de alunos saindo das carruagens foi intenso. Cada aluno deixou sua bagagem nos lugares apontados por placas para que deixassem a bagagem. Elas seriam transportadas magicamente para cada quarto. Quando as carruagens estavam vazias, os pégasos levantaram voo novamente, levando a carruagem para a garagem. 

Cada aluno tinha direito de fazer o que quisesse e levar o tempo que fosse necessário para se acomodar, e à noite teria o banquete com o discurso da diretora; Podiam vagar pelos jardins e por qualquer lugar no colégio, desde que não quebrassem nenhuma regra. 


  • As interações estão oficialmente abertas no Beauxbatons RPG! 
  • Lá é uma manhã de domingo, o que significa que as aulas já começam amanhã.
Não morro de amores por pessoas sem mistério, quando se é muito transparente, muito risonho e educado é raro ser levado a sério. Prefiro os mais silenciosos, os que abrem a boca de menos, os mais serenos e mais perigosos. Aqueles que ninguém define e que sempre analisam os fatos por um novo enfoque. Prefiro os que têm estoque aos que deixam tudo à mostra na vitrine.
—  Martha Medeiros.
Hoy es un buen día para que mis dedos intenten describirte.
El día esta solitario, frío, parcialmente nublado y hermoso.
Muy parecido a ti.
Esta como cuando te beso y miras a otro lado, así de desatento.
Esta como las veces que he querido abrazarte tímidamente acercándome con bromitas y terminas alejándome, así de frío.
Esta como aquellas ocasiones en las que te miro y te molestas por la vergüenza, así de molesto.
Esta como esa vez que me dijiste “me gustas” y te volteaste. Así de incomprensible. Como esa noche que mantuvimos el silencio por unas horas en un viejo parque, así de silencioso.
Esta como aquella vez que casi damos el brazo a torcer y tus ojos comenzaron a conglomerarse de “quédate por favor”, así de parcialmente nublado.
Esta como cuando te quedas en casa y duermes todo el día, solitario. Como el abrazo que me diste la ultima vez que te vi, calándome los huesos. Estas como siempre te he visto.
Hermoso.
Es un día como tú.
Es un día que estúpidamente me gusta.
Aunque me cause mas frío, que ganas de amar.
—  Brenda Ramírez. 
Eu tenho vontade de gritar, ninguém precisa ouvir, Só quero gritar pra tentar me libertar desse silêncio que está me sufocando e me impedindo de expressar tudo que estou sentindo.
—  só quero tirar essa dor de mim