show privado

Como cuando Harry Styles viene a México pero no eres de la capital, no tienes boleto para su show privado y tienes que viajar 4 horas para (no) verlo :( jajajajajajaja acompáñenme en snapchat (@hoeroine) para oír esta triste historia

Viviendo el sueño

El jueves y viernes de la semana pasada (9 y 10 de Octubre) Pablo, Román y yo (Matisse) tuvimos la enorme fortuna de abrirle los conciertos a Camila en el Auditorio Nacional.

Empiezo a escribir este post hoy, Miércocles 15 de Octubre a las 10:03 am. La verdad es que todo el fin de semana estuve pensando mucho en lo que pasó y quise escribirles desde ayer, pero sentí que como aún no se me asentaban todos los sentimientos (al parecer aún no se me asientan), no sabía ni por dónde empezar.

Comenzaré por contarles un pequeña anécdota: cuando me mudé al D.F. en Enero de este año, mi mamá y yo tomamos el famoso ¨Turibus®¨. Quienes lo han tomado sabrán que una de las paradas es la del Auditorio Nacional. Mi mamá y yo íbamos sentadas en la parte de arriba, y cuando hicimos la parada en el lugar le pregunté: -¿Te imaginas cuando cante aquí, mamá?

No es por hacérselas de emoción, pero inmediatamente sentí un escalofrío de solo imaginarlo. La verdad es que siempre me gusta esperar lo mejor de manera prudente :) digamos que me encantaba pensar que algún día Pablo, Román y yo estaríamos en ese escenario, pero sinceramente nunca me imaginé que sería tan pronto.

Hablando un poco más de lo sucedido en estos días, el jueves llegamos al Auditorio a hacer prueba de sonido alrededor de las 5:00 pm; cuando llegamos, Camila estaba haciendo soundcheck así que nos tocó sentarnos un ratito a disfrutar del show privado. Sentados donde dentro de poco estaría sentado el público, nos volteábamos a ver entre nosotros con miradas de complicidad y nerviosismo.

La verdad es que Camila tiene una banda súper impresionante y suena… D: (como quisiera tener emojis aquí). No se pueden imaginar que tan bien suena. Román me dijo: -Melissa… y nosotros con un ukulele y dos guitarras, ya me están dando más nervios.

Cuando terminaron de hacer soundcheck, subimos al escenario a saludar a Mario y a Pablo (Camila) y agradecerles por la oportunidad. Justo les comentamos eso, que nosotros íbamos a sonar súper “TRIN TRIN TRIN” como a manera de broma y denotando lo impresionados que estábamos por lo increíble que sonaba todo. Mario nos comentó que él en su momento también había abierto conciertos y que definitivamente tiene su magia. Cuanta razón tenía.

Hicimos la prueba de sonido, estaba súper emocionada. Acá entre nos (no le vayan a decir a nadie), yo nunca había estado en el Auditorio Nacional, ni siquiera como espectadora. Imagínense cómo mi emoción se iba multiplicando con cada minuto que pasaba en ese lugar.

Una vez que terminamos, subimos a camerinos a cambiarnos y a terminar de ensayar; en un segundo ya estábamos parados en el escenario (o sea, no literalmente, pero a mí así me pareció).

Comenzamos con una canción que estará incluida en nuestro disco titulada Más que amigos, todo muy cool, la verdad. Seguimos con Mi peor error que es una canción compuesta por Pablo y Román para el último disco de Alejandra Guzmán.

Aquí se viene lo bueno: estábamos cantando muy inspiradamente los tres, cuando de repente veo que en la primera fila de asientos estaba Alejandra Guzmán saludando a nuestro manager y a otras personas (miniataquealcorazón).

Yo pensaba: “Melissa no te pongas nerviosa, ENFÓCATE, ENFÓCATE, ENFÓCATE!”; justo después, escucho muchos gritos del lado derecho del escenario (viéndolo desde mi lugar) donde estaba Pablo tocando el teclado; cuando lo volteo a ver, Alejandra está justo a su lado abrazándolo y cantando la canción con él. Para no hacerla muy larga, los voy a dejar que se imaginen lo que sentimos en ese momento. Qué fácil es hacer a tres personas así de felices con algo tan sencillo, al final no cualquiera lo hace, así que a two thumbs up para Alejandra, te queremos mucho. Qué gran sorpresa nos diste.

Después cantamos nuestro primer sencillo La misma luna. También pareció haber durado un segundo; de pronto estábamos fuera del escenario y fue como: -¿Qué?, ¿Ya?, ¡quiero más! Pero bueno, trataré de ser paciente :) nos esperan grandes cosas.

Más tarde, ese mismo día, nuestros padres y amigos que fueron a vernos nos acompañaron a cenar, como si la noche no hubiera sido lo suficientemente bonita (esto fue la cereza del pastel). Bien dicen que al final lo mejor es poder compartir este tipo de momentos con las personas que quieres, ¿no?, además, nuestros papás no se conocían, así que para nosotros tres fue muy cool tenerlos a todos juntos y poder platicar, comer rico y recapitular lo que había pasado esa noche.

Creo que ya me estoy pasando con la extensión de esta entrada, pero ¿cómo le hago si tengo tanto que quiero compartirles?.

Trataré de resumir lo que pasó la segunda noche. La verdad creo que en general, en lugar de estar más tranquilos y seguros, estábamos más nerviosos que la noche anterior. De alguna manera sabíamos que iba a ser muy difícil superar la primera presentación. Quizá estas son las cosas de las que no debería escribir pero quiero ser sincera: no es tan fácil para mí pararme en un escenario así de grande. La emoción y felicidad que sentía era directamente proporcional a mis nervios y tensión, ya ven cómo todo siempre tiene dos lados. Igual son de esos nervios que se disfrutan, pero siguen siendo nervios al fin.

Fue chistoso porque creo que, siendo así, muy sincera, en mi opinión nos sentimos mejor el jueves, pero el viernes el público estuvo increíble. El viernes hubo más aplausos, más reacción; creo que al final ambas experiencias tuvieron su magia y encanto. El viernes ya conocían a Matisse.

Quizá ustedes piensen que me emociono demasiado y que en realidad abrir un concierto como este no es para tanto; la verdad es que la emoción de pisar ese escenario y poder cantar ahí es lo que es un sueño.

Me despido de ustedes haciéndoles una pregunta: ¿se imaginan cuando Matisse se presente en el Auditorio Nacional? ojalá podamos compartir muchos momentos así de escalofriantes.

Los quiere,

Mel de Matisse.

P.D. Les compartó aquí algunas fotografías que tome en el camerino para ustedes.

Sensitive
Fifth Harmony
Sensitive

Não sou uma pessoa que escreve muito mas hoje estou inspirada então segura meu textão, talvez você se identifique, talvez não, talvez você possa achar que é pura bobagem mas hoje pra mim é importante falar, colocar pra fora o que sinto, tenho 14 anos e ainda tenho muita coisa pra viver e aprender mas, esse lance de viver intensamente não devia ser algo só pra mim ou só pra adolescentes, acho que tem que viver, sentir, de forma intensa independente da idade.

Antes de começar deixa eu esclarecer: já estou bem ;)

Eu não sou fã de muitas pessoas, admiro o trabalho de tanta gente e minha profissão as vezes não me permite ter uma vida comum de fã (daquelas que sabe tudo, que stalkeia tudo, que é a primeira a ouvir um lançamento etc) mas desses poucos que me apeguei eu me apeguei de verdade.

Em 2012 quando Fifth Harmony foi formada no The X Factor eu tinha 10 anos, não acompanhei o programa e estava numa fase de testes pra novela, nesse mesmo ano em que o grupo foi formado e a vida delas foi mudada a minha também foi, eu mudei de cidade, de colégio, de amigos e de tantos outros ambientes, tudo pra ir em busca do meu sonho, fiquei dois anos focada no meu trabalho, precisava dar conta dos estudos na parte da manhã e das 14hs as 20hs estava dentro do estúdio gravando, isso me impedia de estar antenada em tudo.

Em 2014, um pouco antes da primeira vinda delas ao Brasil foi quando posso dizer que me tornei fã, ganhei os cds, comecei a seguir nas redes sociais, e além de ouvir as músicas fui buscar saber quem eram elas, me deparei com cinco meninas engraçadas, e muito talentosas, unidas em busca de um sonho, fiquei passada com tanto carisma e aí começaram os apegos (daqueles que não tem mais volta). Fui atrás dos vídeos antigos, da jornada delas desde o início e tive a sorte de ter perto uma amiga que já conhecia (aliás acabei fazendo ela de Wikipédia quando o assunto era Fifth Harmony).

Nesse meio tempo foram muitas coisas que aconteceram, inclusive uma participação no Máquina da Fama onde, pra minha surpresa, eu fiz a Ally.

De lá pra cá assim como todo o fandom eu tomei muito tombo, sofri mas me alegrei também, a cada conquista delas parecia que era minha, sempre que podia ajudava em votação, em tags, estava ali presente (do meu jeito mas estava) graças a esse grupo conheci um monte de gente especial que só não cito nomes aqui porque são todas ciumentas então melhor não citar, vocês sabem quem são.

Também não esqueço os dias em que Dinah Jane me seguiu no twitter, na sequência Ally, Lauren, Camila (Normani ainda não me segue, fé no pai) eu gritei tanto, meu whatsapp com amigos berrando também aconteciam (RAISSA ELA TE SEGUIU! AAAAA) louco! (besteira pra quem não gosta né? Só um follow! Mas quem gosta sabe bem o significado dessa ‘’besteira’’).

Em Julho de 2016 elas vieram para uma tour aqui e eu tinha uma viagem marcada, não pude ir, elas estavam chegando no Brasil e eu saindo, me conformei, não tinha o que fazer, foquei na viagem porque estava indo realizar um sonho e isso amenizou a idéia de não estar no show, amigas foram, lembraram de mim, falaram de mim para o Papa (Pai da Ally), recebi vários vídeos e fiquei bem.

Depois de tantos desencontros, na última quarta-feira dia 15 de dezembro estava eu prestes a realizar um sonho de assistir um show delas pela primeira vez, mas fui tombada de novo quando a Lauren não embarcou, ok, vida que segue, vamos para o show, eu aproveitei cada segundo, fiquei rouca, entreguei meus presentes para a equipe delas (SE VCS ESTIVEREM LENDO ISSO, VOCÊS RECEBERAM MEUS PRESENTES? KKKK) curti pra caramba, elas estavam cansadas sabe? Vieram direto de um show, 7 horas de viagem e ainda o problema que aconteceu deu pra sentir que estavam preocupadas, mas eu aproveitei, como fã fiz minha parte em mandar pra elas a energia que elas precisavam naquele momento, talvez nem toda a plateia o fez afinal o show era privado mas garanto que a galera que estava comigo fez barulho e como fez!

Menos de uma semana após o ‘’melhor dia da minha vida’’ eu acordei e tomei um susto quando vi aquele auê todo no twitter, primeiro achei que era mentira, demorei pra ir na conta oficial ler e até agora a ficha não caiu por completo.

O que eu acho disso tudo? Bom, eu sou fã e lógico que não queria a saída da Camila, não dessa forma pelo menos, já que aos poucos a própria vinha demonstrando a construção de sua carreira solo, não acho que ela estava errada, também não consigo imaginar a dimensão do que ela passou por tomar essa decisão de paralelamente ao grupo fazer trabalhos solo, acho que tem mesmo que se arriscar, criar, ousar e jamais a vi perdendo o respeito com as outras meninas ou faltando em algum show por estar focada no solo, ela sempre cumpriu a agenda. (Agenda é claro do que podemos ver, não estou falando da parte administrativa porque não temos acesso a isso).

Eu fiquei abalada sim, chorei pra caramba, neguei, depois chorei de novo aí não aguentava ouvir as músicas que a bad voltava, minha maior preocupação era saber como estavam, elas têm um elo forte e embora o fandom seja dividido eu não sou, não acredito na idéia das meninas se tornando inimigas e quebrando um elo que as tornou o que são hoje, falo de relacionamento pessoal e não de trabalho.

Ligando fatos, teorias e até paranóias eu só consigo chegar à conclusão de que a satisfação que elas tinham que dar já foi dada, aceite ou não, cada uma a sua maneira e de acordo com suas limitações, elas sabem a verdade e essa não vai chegar ao nosso conhecimento (não agora pelo menos, tem muita coisa debaixo do tapete) e me perdoem a sinceridade mas não acredito que vamos derrubar a syco subindo hashtags, no máximo vamos ganhar um textão dizendo que quando desrespeitamos a equipe desrespeitamos elas também HAHA (remember?)

Tenho por mim que elas estão “bem” na medida do possível, estão em casa, acompanhada de suas famílias, descansando (inclusive das redes sociais) e tomando fôlego para o que virá. Falo das cinco, por isso respeito o silêncio delas, entendo a postura de cada uma, sou atriz e quando meus pais assinam um contrato de trabalho nós precisamos cumprir, claro que comigo as coisas não são na mesma proporção mas se as quatro tomaram a decisão de permanecer nesse trabalho eu continuarei apoiando mesmo que não concorde com a forma como a administração conduz algumas coisas, porque sei que nenhum grupo é pra sempre então vou curtir o agora mesmo em meio a isso tudo, continuarei apoiando e acompanhando a Camila também, não tenha dúvida, essa ‘meia’ Brasileira jamais será esquecida por mim e por muita gente.

Meu coração ainda está dividido entre o que agora são apenas lembranças e a incerteza do que virá, ainda teremos dias difíceis de encarar pela frente: o primeiro álbum sem a Camila, o primeiro show, a primeira entrevista, as primeiras fotos sem ela, assim como também vai ser difícil ver a Camila no palco sem as quatro, mas precisamos entender que isso fará parte do futuro e aos poucos começar a aceitar, o que elas viveram agora está no passado e foi lindo pra caramba! Torço demais pra que tudo dê certo para ambos os lados pois como falei eu não vejo isso como uma guerra entre elas e sim uma briga de empresários dentro do show business, estão lutando pelo poder, pelo dinheiro e pra manter a marca que eles acham que construíram, digo acham porque pra mim eles investiram inicialmente com a estrutura mas quem construiu foram elas. A gente não consegue alcançar a dimensão da sujeira que deve acontecer na indústria musical e pensando dessa forma fico aliviada em saber que uma teve a outra como apoio durante esses anos porque com certeza não foram só momentos felizes que elas viveram.

O futuro é incerto, não sabemos o dia de amanhã, nem quando a verdade virá a tona, o que eu como fã posso fazer é respeitar e apoiar, nem sempre as pessoas que a gente ama tomam as melhores decisões, nem sempre concordamos mas nem por isso a gente deixa de amar, não podemos interferir em suas escolhas, a gente quer o bem sim mas não dá pra ter controle de tudo, o momento é delicado demais, me afastei um pouco do twitter porque não sei vocês mas as teorias estavam me deixando maluca. Eu estava lá zuando, quem me conhece e me segue lá sabe que faço isso com frequência, na verdade eu sou assim, as zueiras são uma forma de disfarçar o que sinto, faz parte de mim, sou uma pessoa muito ansiosa, já tive crises de ansiedade e uma vez parei no hospital, então zuar ameniza e depois que passei a ser assim não tive mais nada. (seria o famoso rindo de desespero ou rindo pra não chorar hahaha).

Acho que é isso, tá aqui por escrito o mix de sentimentos dos meus últimos dias.

Elas vão precisar muito de nós, pra mim já chega de julgamentos, cobranças e pressões.

Sei que nunca lerão isso mas meninas: eu estarei pronta pra cantar as músicas do OT4 com vocês, sei que vai ser difícil os primeiros momentos mas vocês vão superar.

Camila sei que você vai procurar pelo olhar das meninas no palco quando estiver cantando mas não se assuste, só olha pra nós porque estaremos lá por você.

Recadinho final: nós também temos uma vida além de Fifth Harmony, é necessário seguir em frente, leia outras coisas, seca tuas lágrimas e respira fundo aí que vai passar beleza? Não é o fim, não seja manipulado pela administração, foca nelas, na alegria e na realização dos sonhos delas e vamos sorrir porque aconteceu, por todos os bons momentos que elas nos proporcionaram.

Estou curiosa pelo que o futuro reserva mas aproveitando o presente que no momento é fazer mala e viajar.

Obrigada pela paciência em ler tudo, desejo boas festas pra você e sua família e que em 2017  a gente possa tombar menos porque esse ano foi pesado né meninaxx?

Com amor (muito amorrr ai que amor)

Raissa

Originally posted by kareen-ks

Chicos (y chicas?), mándenme un msj para poder explicarles cómo funcionan los shows privados que haré por Skype ! Muac :*

(precio, duración, que haré, etc.)