shop seu

Coloque sua maquiagem, faça as unhas, deixe seu cabelo crescer, corra mais um pouco, mantenha-se esbelta para que gostem de você. Eles gostam de você? Fique bem sexy, não seja tímida, menina, mostre mais. É isso que você quer, se enturmar, para que gostem de você. Faça suas compras no shopping, misture seus cartões de crédito. Você não tem que escolher, compre tudo para que gostem de você. Será que eles gostam de você? Espere um segundo, por que você deveria se importar com o que pensam? Quando você está sozinha, sem ninguém, você gosta de você? Você não precisa se esforçar tanto. Você não tem que dar tudo. Você apenas tem que se levantar, você não tem que mudar uma única coisa. Você não tem que tentar, tentar e tentar. Tire sua maquiagem, deixe seu cabelo solto, respire profundamente. Olhe-se no espelho para si mesma. Você não gosta de você? Porque eu gosto de você.
—  Colbie Caillat - Try
Preference #4 - Você está noiva, reencontra seu primeiro amor e ele fica com ciúmes.
  • Pedido

Harry

- Vamos ao shopping?

- Ah não, (s/a). Eu estou cansado. - Harry disse preguiçosamente do sofá.

- Cansado de quê? Você está de folga há três dias, só fica deitado aí nesse sofá ou dormindo.

- Tudo bem, pode parar de jogar na cara. Vou me trocar. - Ri e virei-me pra pegar meu suco. Eu havia dormido na casa do meu noivo e aproveitado pra matar a saudade que eu estava. - Faremos o quê no shopping? - Perguntou pegando seu celular e a chave do carro.

- Veremos algumas coisas para a nossa casa nova. - Harry revirou os olhos. - O que foi?

- Será bem divertido. - Pegou-me pela cintura e fomos para o estacionamento do seu prédio.

- O que acha desse lençol aqui? - Perguntei mostrando a ele.

- Não sei.

- Vai, Harry! Diz alguma coisa, afinal, você vai dormir também na cama.

- Pois é, aí é que está, eu vou dormir na cama. Tanto faz o tipo de lençol ou a cor que estará cobrindo ela.

- Pra quê que eu te trouxe mesmo?

- Também não sei. - Ele disse rindo fazendo com que eu desse uma tapa em seu ombro. - Esse está bonito, vamos levar. - Me abraçou por trás e beijou meu pescoço.

- Certo. E temos que ver travesseiros também. - Saímos andando pelas sessões e eu peguei um dos travesseiros que avistei. - Esse aqui?

- Parece bom.

- Não tanto, esse daí contém plumas artificiais. - Um cara atrás de nós disse, quando olhei pra ele rapidamente o reconheci. - Te aconselho a levar esse de plumas de ganso, (s/a). - Ele riu erguendo o travesseiro.

- Bryan? - Falei assustada. - Você trabalha aqui? - Ele riu. Harry apertou minha cintura.

- É o que parece. Como vai?

- Vou bem. - Olhei pra Harry, o meu noivo nem pra mim olhava, tinha o olhar fixado no cara a nossa frente. - Esse é meu noivo Harry. - Sorri para o Bryan.

- Prazer, Harry. - Ergueu a mão, mas Harry não retribuiu.

- Vai levar esse mesmo, (s/n)? - Com a cara no chão, assim que eu me encontrava naquele momento.

- Vou.

- Ótimo, podemos ir agora. - Pegou o travesseiro da mão de Bryan e praticamente me arrastou pra longe dele. - Esse é o tal do Bryan que te fez de idiota na época da escola?

- É, mas você não precisava ter sido tão mal educado.

- Me agradeça por não ter socado ele aqui mesmo.

- Isso tudo é ciúmes?

- Cuidado. Agora vamos embora imediatamente. - Pagamos as coisas e fomos pra casa novamente, com certeza Harry não irá mais querer voltar nessa loja.

Louis

- Você vai vir assistir o jogo?

- Vou, amor. Espera um minuto que eu já estou chegando. - Falei enquanto dirigia, o barulho de homens falando ao fundo invidia os alto-falantes do carro.

- Não demora, começa daqui a pouco.

- Okay. - Desliguei a ligação através de um botão no volante e dirigi mais rápido até o estádio que Louis participaria de um jogo beneficente. - Vocês viram o Louis? - Perguntei a umas colegas minhas que estavam na arquibancada.

- Está no vestiário, mas você pode entrar lá.

- Não, vou esperar ele aparecer ali no banco e entro em campo, vai ser o jeito.

- Oh mulher impaciente, espera o jogo terminar pra dar um beijo nele. - Uma delas disse me fazendo rir.

- Ele esqueceu de levar as meias preferidas na mochila, só quero entregar.

- (s/a)! - Olhei na direção do som e era o meu noivo.

- Pode entrar?

- Vem. - Abriu um portão pequeno que dava acesso ao campo. - Me deseja sorte? - Ele pediu após eu entregar as suas meias.

- Você não precisa disso. - Beijei-o. - Você é o melhor jogador daqui.

- Louis, você ainda tem aquele spray pra mau cheiro? - Um rapaz aproximou-se de nós. Não pode ser…

- Tenho sim, está na minha mochila lá no vestiário. Pode pegar. - Meu noivo respondeu.

- (s/n)? É você mesmo? - Droga!

- Sim, sou eu. - Dei um sorriso sem graça. - Olá, Scott.

- Você não mudou nada. - “Já você, não é? Está barrigudo e careca tão novo.”Tive vontade de dizer, mas me contive. - Continua linda. - Não conseguia acreditar que aquilo foi o meu primeiro amor, como a gente consegue gostar dessas criaturas?

- Obrigada.

- Conhece minha noiva de onde? - Louis perguntou posicionando-se ao meu lado.

- Fomos namorados.

- Hm. - Louis encarou ele. - Agora vai. Está esperando o quê aqui?

- Desculpa. - Ele riu. - Foi um enorme prazer revê-la, (s/n). - Não poderei dizer que sinto o mesmo.

- Filho de uma…

- Opa! - Tapei sua boca e o beijei novamente. - Faça muitos gols.

- E vou quebrar pelo menos uma perna dele. - Falou irritado me fazendo gargalhar.

Liam

- Está a fim de ir ao parque hoje? - Liam perguntou sentando ao meu lado.

- Pode ser, estou precisando espairecer um pouco.

- Ótimo, somos dois. - Ele riu, saímos da sua casa e fomos andando até o parque. Nos sentamos num banco que tinha como vista as pessoas brincando com seus filhos, caminhando ou passeando com seus cachorros. - Poderíamos vir andar de bicicleta um dia desses, o que acha?

- Acho legal. Faz tempo que não faço uma coisa tão simples como essa.

- Vamos chegar no nosso casamento andando de bicicleta, seria diferente, não é? - Ele me fez rir.

- Na verdade isso não seria a nossa cara.

- Cuidado! - Um homem gritou e em seguida senti uma pancada em minha cabeça. Doeu horrores.

- Como você joga as coisas assim sem destino? Está louco, cara? - Liam gritou. Olhei para o chão e vi que o que tinha me acertado foi um disco. Dirigi meu olhar pra cima e reconheci a pessoa que havia jogado o brinquedo.

- Desculpe, não fui eu, foi meu filho. - Ele explicou e olhou pra mim sorrindo logo após. - (s/a)? Meu Deus, desculpe. Que merda! Você está bem? - Tocou minha testa. Notei Liam ficar tenso.

- Estou… Estou bem sim.

- Nossa, me perdoe. De verdade.

- Tudo bem. - Eu ri. - Como está indo, Sean?

- Vou bem. - Ele me olhou preocupado. - Seu namorado?

- Noivo. - Liam disse grosso. - E você é amigo dela?

- Sim. Nós namoramos na adolescência, fui o primeiro namorado dela e ela a minha primeira namorada. - Sean disse rindo e eu sabia que ia dar treta.

- Legal. - Liam me olhou. - Agora pode ir que eu cuido da minha mulher.

- Ah, sim. (s/a), desculpe mesmo. - Disse mais uma vez e se foi.

- Não precisava ter ficado com essa cara de boba apaixonada. - Liam disse rude.

- Apaixonada? De onde você tirou isso?

- Nada.

- Você está vendo coisas onde não tem.

- Tudo bem. Vou te levar no ambulatório. - Mesmo irritado ele queria cuidar de mim. Sean não significava mais nada pra mim e Liam deveria saber disso.

Niall

- Estou com fome. - Niall resmungava de minuto em minuto ao meu lado. Eu tentava dirigir o mais rápido que conseguia, porém isso pra ele não era o necessário ainda.

- Eu já entendi, Horan. Pode esperar um pouco? Se eu aumentar a velocidade serei multada. - Reclamei.

- Tudo bem. Só acho que eu acabei de sair de uma reunião de duas horas e apenas tomei café durante esse tempo. Preciso comer, (s/a).

- Calma. - Acelerei mais um pouco e parei num restaurante que avistei há uns metros de distância. - Pode ser aquele?

- Acha que na minha situação eu estou podendo escolher? - Ele falou tirando o cinto de segurança desesperado me fazendo rir.

- Vamos logo.

- Boa tarde, o que desejam? - O garçom foi cortês.

- Comida. - Niall disse sentando-se.

- Sim senhor, mas que tipo de comida? - Ele refez a pergunta.

- Minha noiva irá escolher. - Olhei o menu e fiz o pedido rapidamente. Niall estacionou-se na cadeira como se estivesse em casa, todo arreganhado.

- Bons modos, a gente vê por aqui.

- Se quiser poderei ajudar seu amigo. - Um cara conhecidíssimo por mim disse me fazendo rir.

- Logan? - Levantei-me para abraçá-lo. Ele foi o primeiro cara por quem me apaixonei.

- Você continua linda.

- E eu sou o noivo dela. - Niall se recompôs e apertou a mão de meu ex.

- Oh, desculpe. - Ele tocou em seu peito num puro gesto de sentimento de culpa. Logan era educadíssimo. - Você tem sorte. - Disse pra Niall.

- Eu sei. - Meu noivo falou seco.

- Então Logan, você continua sendo professor de boas maneiras? - Questionei.

- Sim, porém apenas para filhos de celebridades. Essas crianças de hoje estão muito rebeldes. - Eu ri, Niall permanecia quieto e atento.

- Compreendo. Quer se juntar a nós?

- Não, obrigado. Fiquem na intimidade de vocês. - Ele beijou minha bochecha, cumprimentou Niall com um aceno de cabeça e se foi.

- Ele é gay, não é?

- Nós namoramos, não sei. - Gargalhei.

- “Apenas para filhos de celebridades.” - Niall imitou Logan com a voz dele e eu ri mais ainda. - Idiota.

- Ciumento. - Estiquei-me na mesa para beijar sua boca.  

Zayn

- Está gostando dessa festa? - Zayn perguntou com cara de nada.

- Está legal. Por quê?

- Por nada.

- Tem certeza?

- Tenho.

- Quer ir embora? - Insisti.

- Não, você quer? Por que quer ir? Alguém em especial te fez decidir isso? - Falou apressado me deixando confusa.

- Oi? - Arqueei as sobrancelhas.

- Nada. - Saiu de perto de mim e foi até o bar, segui-o.

- O que você tem, Zayn?

- Já disse que não é nada, não enche.

- Juro que se você falar nesse tom novamente comigo eu vou embora dessa merda e te deixo sozinho aqui.

- Tem certeza que vai porque eu estou sendo grosso contigo?

- Dá pra falar logo ou você vai ficar com essas suas frases infantis?

- Seu ex está aí ou melhor, seu primeiro e maior amor, vai lá cumprimentá-lo, ele não para de olhar pra você;

- Ah, cara… - Fechei os olhos e suspirei. - Eu nem o vi.

- Achei que estivesse fingindo.

- Zayn, para. Que saco!

- Oi, (s/a). - Fred aproximou-se.

- O-oi. - Respondi tensa.

- Como vai Zayn?

- Não fala comigo, infeliz. - Meu noivo respondeu. - Vai vir ou vai ficar com esse babaca aí?

- Eu vou contigo. - Sorri breve pra Fred e saí de perto. - Você é ridículo.

- Ridículo é ele que não se toca que você tem a mim agora.

- Esse seu ciúmes é muito bobo. Se eu estou contigo é porque eu quero você, tanto faz se ele vir falar comigo ou não, isso não mudará nada. - Falei e Zayn suspirou coçando a cabeça.

- Desculpa, vai. - Me abraçou e eu retribuí.

- Pede desculpa ao Fred também.- Sugeri de brincadeira.

- Isso nunca! - Respondeu irritado e eu ri beijando-o.

O primeiro amor é importante, mas quando acaba isso não tem que ficar te atormentando ou passando de relação em relação, aprendi com meu noivo que não deveria contar isso pra todo mundo, ainda mais para o homem com quem você deseja casar-se.

Jess