seu pai

tips for writing bilingual characters
  • there are different types of bilinguals
    • the All Around: speaks, reads, and writes both languages pretty well
    • the Conversational: one language is stronger than the other; can speak the other language a lot better than they read/write it (a lot of kids of immigrants are this type)
    • the High Schooler: understands what’s being said to them in the other language, can’t really speak it
  • don’t have your characters randomly drop words from their other language mid-sentence around people who don’t speak it lol
    • languages are a mindset thing. like personally if i’m around english-speakers, i’m speaking english and i don’t really switch to my other language (which is portuguese)
    • so like if you’re writing a bilingual character who speaks spanish and have them say something like “hey chad let’s go to the biblioteca” to an english speaker i’ll probably spend 5 minutes laughing and then close your story lmao
  • exception: the character is speaking in their weaker language and forgot a word (”where are the…? uh… llaves…. keys! keys, where are they?”)
  • otherwise really the only time your character should be randomly switching languages mid-sentence is if they’re talking to another bilingual
  • like i don’t speak spanish but i’ve legit never heard a spanish speaker say “ay dios mio” to gringos lmao
  • conversations between two bilingual people can take a few different forms:
    • Pick One: they pick one language and kinda stick with it for the whole conversation (a conversation i might have with my portuguese-speaking mom: ”you okay?” “yeah, i’m good. how’re you?” “i’m fine, but your dad-”)
    • Back-and-Forth: someone says something in one language, the other person replies in the other (”tudo bem?” “yeah, i’m good. how’re you?” “tou bem, mas o seu pai-”)
    • Combo: they speak a combo of the two languages, a popular example being spanglish, though basically every bilingual has their own combo language (”tudo bem?” “sim, tou bem. how’re you?” “i’m fine, mas o seu pai-”)
  • when in doubt: just ask a bilingual to look at your stuff and tell you if anything sounds weird
Refrigerante se tornou vodka e beijos se transformam em sexo. Você se lembra quando os ombros do seu pai eram o lugar mais alto na terra e sua mãe era sua super heroína? Onde você brincava sem nem saber o que era preconceito e a sua maior guerra foi apenas um jogo de playstation. Lembra quando a maior dor que sentiu foi quando você caiu e raspou seus joelhos, e adeus só significou só até amanhã?

E nós mal esperávamos para crescer…

—  Autor Desconhecido.
Chega um certo momento de nossas vidas que nos vemos cercados de perguntas. Que faculdade vai fazer? Qual carreira quer seguir? Vai morar fora ou continuar na casa dos seus pais? Já tem alguém com quem possa se casar? Tem um emprego que lhe sustente? E muitas das vezes não temos as respostas. Nos sentimos sozinhos e perdidos. E é aí que eu quero que você preste atenção, você nunca está sozinho, existe um Deus que te ama muito e está disposto a ser seu amigo. Ele conhece sua vida melhor que qualquer um, sabe do passado, presente e futuro. Ele é um pai de amor, correção, e de cuidados. Cuidado esse que é inexplicável. Podemos sentir seu amor, nos minimo detalhes. Ainda que a gente se ache sozinho, ou abandonado, Ele é o único que nos acolhe. Na Bíblia diz: Isaías 41:10-13 - Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça. Porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita; e te digo: Não temas, eu te ajudo. Porque temer? porque me preocupar? Se tenho um Deus que cuida do meu presente e futuro. Entregando nas mãos dEle, está nas mãos certas, e sei que quando chega meu tempo, Ele irá realizar todo desejo do meu coração.
—  Sobre Deus, Alef Santos e Agnes Caroline.

presta atenção nisso que vou te dizer

todo mundo vai te decepcionar um dia. sua mãe, seu pai, seus irmãos, sua melhor amiga, seu namorado, seu cachorro. todo mundo

e isso não significa que há algo de errado com você. 

Queria contar a eles que eu nunca havia deixado de ser frágil, e que precisava de espaço para chorar, e no final receber um abraço e um cafuné até desmaiar de cansaço. Queria que soubessem que também estava sentindo uma sensação parecida com de uma criança quando se apaixona por um brinquedo em uma loja, mas sabe que nunca poderá tê-lo, então o segura nas mãos e cria automaticamente cenas de como seria feliz se o tivesse, e sente seu coração se partir quando ouve seus pais chamando seu nome para ir embora, e é obrigada a deixá-lo ali, mesmo sabendo que não haverá mais ninguém no mundo capaz de cuidar tão bem dele.
—  Os porquês de Amélia Roswell.
Clara sempre foi apaixonada pelas cores, em especial pelo roxo bebê - cor que ocupa 70% do seu armário. Meiga, delicada e sorridente. Dizem que ela é como uma brisa, leve e calma. Isso, claro, sem perder a compostura de chefe. Bom, pelo menos até às 18h, horário que sai do seu escritório. Ninguém desconfia, mas em casa a vida de Clara é um martírio:
- Clara? Ei, estou com fome. Isso lá são horas de chegar? Estou esperando a janta há 10 minutos, isso não se faz.
Ela sempre fica sem reação e acha que deve obedecer. Com a cabeça baixa, mal consegue olhar para o rosto dele, fala com a voz fraca:
- Hoje o trabalho estava exaustante. O Alexandre, meu melhor funcionário, teve que faltar porqu….
- EU NÃO QUERO SABER, CLARA. Oh Clarinha - diz ironicamente - sua vida não me interessa. Minha fome, sim.. - diz Cláudio, seu marido.
Essa situação era normal para Clara, que com o rabo entre as pernas vai fazer a janta.
- Ele é meu homem, devo satisfazê-lo, eu sei. Mas é que ultimamente…
Marcos, seu filho, chega interrompendo seus pensamentos. Ele tem apenas 16 anos, mas é quase um clone do pai.
- Mãe, a janta já vai sair? Eu estou com fome. - fala grosso, ríspido.
- Está cada vez mais igual o pai - pensa Clara, aflita. Mas responde com tranquilidade:
- Amor, vou fazer a janta agora. Que tal ir para o quarto e chamo quando estiver pronta?
Tudo ocorre normal. Ela está sozinha. Aliás, acompanhada de seus pensamentos que, exatamente nesse dia, começaram a atormentá-la de maneira descomunal.
- CLARA! A janta está pronta? Já disse que estou com fome. - chega Cláudio, mal educado como sempre.
- Está sim. Vai lavando as mãos.
- Você me faz rir, Clara. Lavar a mão é para viadinhos. Vou esperar aqui na mesa já que está quase pronto. - responde em tom intimidador.
Clara serve a mesa e vai chamar Marcos:
- Nossa, mãe, eu estou jogando vídeo game, não está vendo? Que saco! O pai está certo de tratar como te trata. Já vou!
Clara não retruca, seu filho está virando outro monstro.
A janta ocorre tudo normal, a não ser os pensamentos de Clara que começam a crescer cada vez mais na sua cabeça de maneira assustadora e ela não sabe o que fazer. Outro dia começa, mesma rotina, Clara acorda, chama Marcos para ir à escola, local que ele dá trabalho corriqueiramente, e Cláudio continua dormindo, provavelmente até o meio dia. Horário em que acorda e come um Hot Pocket, pra variar.
Chegando no trabalho, ela está deslumbrante vestindo uma saia branca e a blusa roxa clarinha, como de costume. Alexandre chega pedindo mil desculpas pela falta:
- Claaara! Me desculpe ontem. Uma virose me pegou de jeito, hoje já estou melhor. Prometo que vou adiantar tudo e isso não voltará a ocorrer. Tá?
Clara, educada, responde:
- Alexandre, não se preocupe. Só deixe o atestado em cima da minha mesa e, caso não se sinta bem hoje, pode ir para casa. As coisas estão calmas aqui.
O dia corre como de costume. Responsável e dedicada, não para pra nada em seu trabalho, a não ser, de hora em hora, que o pensamento volta a crescer em sua cabeça. Ela tenta evitá-lo, mas é inevitável. Chega 18 horas, hora de ir pra casa - o que de um tempo pra cá não vem sendo sua maior alegria.
Chegando em casa, algo está diferente. Ao estacionar o carro Clara já ouve uns gritos vindo de dentro. Ela abre a porta bem devagar e escuta vindo do quarto de Marcos:
- PAI, VOCÊ É UM OTÁRIO, UM VERME. A MÃE É OUTRA. NÃO SEI O QUE FIZ PARA MERECER VOCÊS COMO PAIS. VAI SE F…
Um barulho imenso se propaga pela casa. Clara leva o maior susto e corre em direção ao quarto. Quando pensa em abrir a porta, ouve o filho mais uma vez:
- PAI, VOCÊ ESTÁ LOUCO. MINHA TELEVISÃO, VOCÊ É DOENTE, SÓ PODE.
- APRENDE A NUNCA MAIS PENSAR EM ME MANDAR PARA AQUELE LUGAR, PIVETE. - responde o pai nervoso.
Agora o som foi diferente, deu para distinguir exatamente. Era um murro. Um murro bem dado. Clara corre para o carro e finge que nada aconteceu, os pensamentos em sua cabeça ficam ainda mais forte, não conseguindo mais evitá-los. Sua casa é um inferno, ela já não sabe o que fazer. Ou melhor, agora, está começando a saber.
- E NÃO OUSE SAIR DO SEU QUARTO TÃO CEDO. - grita Cláudio.
Clara decide esperar 10 minutos e entra em casa como se nada tivesse acontecido. Cláudio é grosso, como sempre, mas ela simplesmente não liga. Vai para o quarto, toma um banho e começa a fazer a janta. Leve e calma, essa era sua marca.
O jantar é servido, a mesa está em silêncio e o clima pesado.
- Vamos, fale algo, Clara. Você sempre tenta me agradar. Agrade. - fala Cláudio, em tom irônico e intimidador.
Clara dá um sorriso amarelo, levanta da mesa e limpa seu prato na pia. Marcos, na velocidade de uma metralhadora começa a falar:
- Vocês dois são loucos. Você, mãe, como pode fingir que está tudo bem? Olha para o meu rosto, OLHA SUA VAGABUNDA! Isso é a marca do que seu marido, meu pai, fez - seu olho estava roxo, inchado. E você aí, com essa cara de tranquila como se nada tivesse acontecido. Isso não vai ficar assim, não não. Terá volta. - levanta nervoso, joga a cadeira no chão, e vai para o seu quarto. Bate a porta tão forte que o som ecoa pela casa toda.
Uma troca de olhares intensa entre Clara e Cláudio, até que ela decide ir para o seu quarto e com um tom leve fala:
- Não ouse entrar no quarto hoje. Obrigado. - e dá um sorriso de canto de boca como se estivesse tudo planejado em sua cabeça.
Cláudio não retruca. Talvez ele tenha consciência de que o que fez foi errado.
Chegando no quarto, os pensamentos de Clara gritam, a incomodam, parecem fazer um barulho fora do comum. Ela decide deitar e dormir, ou pelo menos tentar.
Mais um dia começa. Hoje, Clara está de vermelho. Um vermelho forte, gritante. Ela vai ao trabalho decidida, os pensamentos sumiram de sua cabeça. Alexandre, seu funcionário, chega até sua mesa pedindo o dia de folga.
- Você só pode estar louco. Ontem estava tranquilo e você decidiu ficar, hoje preciso de você aqui, a resposta é não.
Alexandre não retruca. Dava-se para perceber de longe algo diferente em Clara - fora a roupa vermelha, coisa que nunca havia acontecido antes.
Chega 18 horas, hora de ir para embora. Chegando na porta de sua casa, percebe que está cheia de viaturas. Ela dá um sorriso de canto de boca, se sente vitoriosa. Estaciona o carro e vai em direção a sua casa.
- Ei, você não pode entrar aí! É a cena de um crime. - fala um policial
- Essa é a minha casa. - responde Clara, com sua tão conhecida tranquilidade.
Entrando encontra Cláudio morto, uma facada no peito. As mãos de Cláudio estão segurando a faca, uma cena assustadora. Ela vira de costas e pergunta ao policial sobre seu filho:
- O senhor viu um adolescente aqui? Cerca de 16 anos, loiro..
- Oi? Adolescente? Chegamos e não havia ninguém aqui.
- Tudo bem. Onde dou meu depoimento? - responde, com a voz aliviada.
—  Pedro Peixoto.
Todo mundo vai te decepcionar, sabia? Sua mãe, seu pai, seu marido, sua amiga, seu vizinho. Todo mundo um dia vai fazer uma merda federal e ferrar com tudo que você sonhou. A gente tem tantos sonhos, tantas verdades floridas e bonitas. Meu Deus, como eu queria uma vida cheia de cor. Meu Deus, como eu queria uma realidade mais doce. Mas não. A vida é meio amarga, azeda, meio de verdade. Isso assusta, mas a gente precisa ser forte.
—  Clarissa Corrêa.
E mais uma vez eu estou aqui olhando pra sua foto e me questionando quando é que eu vou te esquecer? Apesar de tanto tempo longe de você. A verdade é: eu nunca vou te esquecer. Posso me enganar dizendo a todos que já te esqueci, mas a verdade é que você ainda mora dentro de mim e sempre irá morar. E no final do dia a saudade aperta e me angustia a falta de notícias suas e me preocupo se você voltou a beber, se lembrou de fechar a porta de casa, se ainda acha que seu pai não gosta de você. Ou me preocupo se você lembrou de tomar todos os remédios e se anda se alimentando bem. Sabe ainda lembro do seu cachorrinho e as vezes me pego preocupada se ele também está bem. O celular está em minhas mãos e sinto uma vontade incontrolável de te ligar e perguntar isso tudo, mas no fundo do meu coração, eu sei que não posso e que deveria tirar essas preocupações da minha mente, mas é tão difícil. Ah, amor meu, eu ainda te amo tanto mesmo não podendo e acho que estou ficando louca de tanto te amar.
—  Escritorragia escreveu com Almalizo.
- Pai, por que devo amar a Jesus? - perguntou certo dia um dos meus filhos.
Tentando achar uma resposta que satisfizesse a curiosidade do garoto, olhei bem nos olhos dele e indaguei:
- Você gosta do papai?
- Claro que sim - respondeu.
- Mas você já pensou por que é que gosta do pai?
Seus olhinhos se movimentaram de um lado para o outro com uma rapidez extraordinária, e, com um sorriso iluminando-lhe o rosto disse: - Porque você gosta de mim.
—  Alejandro Bullón em “Conhecer Jesus é Tudo”
Já parou pra pensar?

Você já parou pra pensar o que seria a vida das pessoas ao seu redor sem você? Parou pra pensar que seus pais vão se sentir culpados, sua mãe vai ficar desnorteada, sua vó ficará pior, seus amigos não saberão o que sentir, sua melhor amiga vai se culpar por não ter ajudado, e com o tempo todos eles ainda sentiram sua falta não importa onde estejam.
Já pensou no sofrimento dos seus pais, ao lado do seu corpo frio? O seu irmão ou irmã entrar no quarto e ver a cena, sua mãe chorando, seu pai desesperado querendo ajuda e ele(a) ficando em choque.
Já pensou em como seria seu enterro e funeral? Todos com suas caras tristes, pensando no porque de você ter levado um fim assim. Eles olharam pra sua família com pena, outros vão julga-los por deixarem isso acontecer e seus pais estarão destruídos, seu irmão não irá ser a mesma pessoa depois disso. 
Você já parou pra pensar nas consequências? Já parou pra pensar que a vontade de fazer tal ato é passageira? Como uma topada no dedo mindinho, no começo é horrível e depois esquecemos.
Já imaginou a vida de todos ao seu redor sem você? Eles não vão mais rir de suas piadas sem graças, não vão mais ter que te carregar quando beber demais, eles não vão mais te marcar em coisas engraçadas no facebook, não vão mais rir das “inimigas” com você no twitter, eles não vão mais ter você e isso seria um tédio. 
Sua vida vale a pena. Agora pode estar sendo difícil, mas Deus não coloca uma pedra tão grande no seu caminho sabendo que você vai conseguir ultrapassar. 
Vai ter horas que vai sim dar vontade de desistir, vai ter horas que você irá preferir a dor fisica, vai ter horas que você vai querer simplesmente sumir, porém, nessas horas tem pessoas que se importam com você, vão te abraçar, vão tentar te entender e vão pensar o quão sortudos de ter você ao lado deles. Você não está sozinho(a)!

TEXTO DA MINHA AUTORIA POR FAVOR NÉ
Preciso que saiba: Jesus é Suficiente! Seus amigos, seu cachorro, sua mãe ou pai, seu namorado podem te decepcionar não atendendo suas expectativas, e Jesus continuará sendo Suficiente. Em todas as áreas das nossas vidas, Ele é Suficiente, o único que permanece, que cuida e independente das falhas, ama. Relacionamentos quebrados? Ele é Suficiente. Coração bagunçado? Ele é Suficiente. Dores? Ele é Suficiente. Você não precisa de mais nada. Repita todas as manhãs até que o seu coração entenda que ninguém será bastante para você como Jesus, ninguém!
—  Você me basta - Experiências com Deus
Quando se é criança, você tem a imunidade da proteção. Fica ileso de amores não correspondidos. Ileso daquele nó apertando teu coração. Porque seus pais te protegem disso. Criam uma redoma ao seu redor. E te protegem. Te criam. Disfarçam alguns hematomas de tristeza aqui e ali, pra você não perceber, o quanto a vida adulta é decepcionante. Mas ai, você cresce, né? Um dia isso tem que acontecer. Você quer andar com suas próprias pernas, seguindo o seu rumo, querendo ser independente. Quer conhecer sobre tudo aquilo que o mundo pode te proporcionar de melhor. Porque você cresceu, mas a alma é de criança. Você acha que todos tem bons corações. E que tudo é uma verdadeira felicidade. E por falar em felicidade.. É isso que significa o tal do amor? Porque não te ensinaram sobre isso na infância. Não te ensinaram que vai doer. Depois vai curar. Vai se decepcionar. Chorar. Vai cair. Vai levantar. E então você fica perdida. Emaranhada na ilusão. Qualquer “te cuida”, te faz voar no mundo da paixão. Aparece alguém e você se enche de emoção. Sua pupila dilata. E seu coração dispara. Mas talvez, você tenha muito que aprender. Precisa entender, que nem todos querem cuidar de você. Alguns vem disfarçados de bom caráter, prontos para deixar crateras em corações. Não fique decepcionada, no momento certo, aparecerá alguém pra te valorizar. Mas, não se sinta inferior. Você é a obra mais linda e perfeita do criador.
—  Em caso de dor, desapego por favor. História de Sara Giuliana. 
E ali dentro, cada um vive sua própria vida. Ela foi dormir chorando à noite passada. Aquele lá, o da esquerda, já olhou para baixo e quase sucumbiu à força dos sentimentos contidos dentro de si. Aquela menina ali, já sentou na sacada e se perguntou por andava seu pai. Aquele bebê, ainda não sabe nem o que é uma janela. Mas ali dentro, todos sobrevivem as suas vidas. E chega até ser engraçado, saber que existe milhares de pessoas por aí e algumas vezes só uma parede de concreto separa a nossa dor. O endereço não é o mesmo, mas a gente sabe que é igual de alguma forma. Porém, mesmo assim a gente se esconde e finge um faz de conta. Ah, ele é negro, eu sou gordo, ela é metida, aquele é melhor. Aonde foi parar os espelhos que víamos quando os outros também eram humanos?
—  Paragrafias.
Mergulhe nos sentimentos. Aprenda com eles. Molde seus pensamentos de forma com que seus sentimentos não sejam massacrados por eles e vice-versa. Descubra emoções. Mas jamais ache que todas as sensações da vida são sobre o amor. Nos filmes românticos, nos livros clichês, nos poemas que lemos por aí, o amor supera tudo. Mas na vida você se destrói. Na vida, você passa mais tempo stalkeando nas redes sociais do que pesquisando destinos do mundo para conhecer e eventos pra ir. Na vida, você cogitaria desistir de uma universidade pública ou de uma oportunidade de emprego longe pra não se afastar do seu amor. Na vida, você passa mais tempo se dedicando a tentar ser correspondido adequadamente do que se dedicando à própria felicidade. Ache tudo aquilo que tira seu fôlego. Encontre o frio na barriga em diversas situações. Mas lembre-se sempre de não entregar isso tudo nas mãos de uma única pessoa. Pule do alto de uma cachoeira, atravesse seu país de trem ou ônibus, valorize todos os seus amigos, convide seus pais para jantar, vá em todos os festivais de música que puder, deixe a loucura te invadir por dentro, evolua em busca de uma carreira que te proporcione conforto e estabilidade para viajar o mundo todo. Mas nunca deixe sua vida parar por uma pessoa, principalmente se ela não colabora com os teus sonhos. Principalmente se ela te cegou de que um dia você teve sonhos. “O amor é lindo e o amor é tudo.” - disseram-te a vida toda, e você acreditou. Acreditou e afastou teus amigos, esqueceu teus desejos, investiu menos na tua carreira… e de tanto amar, não se amou.
—  João Pedro Bueno, Sabedorias.
Suportem o sofrimento com paciência como se fosse um castigo dado por um pai, pois o sofrimento de vocês mostra que Deus os está tratando como seus filhos. Será que existe algum filho que nunca foi corrigido pelo seu pai?
—  Hebreus 12:7
Deixa eu te explicar uma coisinha sobre a vida, meu bem. Ela é sua. Tão sua que lhe dá a liberdade de escolher entre jogar estrelas-do-mar de volta para água ou guarda-las em um recipiente como lembrança daquele dia. Aquele mesmo dia que você entrou no seu velho Ford, com uma mala, um pacote de balas e R$50,00 no bolso do casaco que era do seu pai. Aquele mesmo dia que, por um grande acaso, você conheceu a liberdade. Ela tinha o calor de uma tarde de verão e o cheiro de rosas de uma manhã de primavera. O telefone não tocou e você também não telefonou para ninguém. Estava totalmente só. Livre das preocupações que lhe assombravam. Do cansaço que lhe seguia. Do medo que habitava a sua mente. E até mesmo do sucesso que começava a elevar-se. Você só gostaria de ser livre. Escolher entre beber vinho ou café. Ver o pôr do sol enquanto dirige ou na areia de uma praia deserta. A gente deveria ter essa liberdade, sabe? Poder escolher entre sorrir ou chorar, sem precisar explicar-se. Se apaixonar de olhos vendados. Dançar até cansar. Cantar até a garganta pedir para parar. Despir a alma. Não ficar quando se quer ir. Nem falar quando se quer calar. A gente deveria ter essa liberdade, sabe? De sintonizar nossas estações.
—  Dani Farias
Não importa a idade, sempre precisamos do amor de um pai. Fomos criados para recebê-lo! Posso lhe contar só um pouco sobre este amor? Escute. As palavras que lhe dou são de Deus. Evite filtrar, resistir ou desviá-las. Só receba: “Meu filho/minha filha, eu quero você no meu reino. Eu varri para longe as suas ofensas como as nuvens do amanhecer, seus pecados como a névoa da manhã. Eu lhe redimi. A transação é selada; a questão resolvida. Eu, Deus, já fiz a minha escolha. Eu escolhi você para fazer parte da minha família eterna.” Deus nunca lhe abandonará. Você pertence a ele. Ele quer ser seu Pai. Todos os seus esforços para ganhar a afeição dele são desnecessários. Todos os seus medos de perder o carinho dele são infundados. A adoção é irreversível. Aceite seu lugar como filho aceito por Deus.
—  Lucado
Carpe diem.

Que tal começar agradecendo? Pelo ar que respira, por ter acordado, pelo lado bom de tudo, pelas delícias da vida… E daí que não tá 100% como você quer? As coisas mudam, lembre-se! A hora chega e a roda-gigante vira mais uma vez. Ignora o que te fizer mal. Diz que ama, que tem saudade, elogie seus pais, tenha paciência, entrega aquele abraço que tu tá devendo à alguém… Vai atrás de ser feliz que a vida é uma só.