sem julieta

Alguns relacionamentos tendem a declinar depois de algumas discussões, indas e vindas, mas não o nosso caso, claro que não fomos imunes a isso mas passamos com louvor ainda que tem dia que a gente não se aguente mais  voltamos no final dizendo sentir saudades. Amor é isso, nem sempre ir, mas o voltar que dá aquele gostinho de casa e aconchego, aquele alívio e segurança. É isso, nosso relacionamento sempre foi aquele drama, aquelas risadas e com aqueles olhares de outras pessoas pensando consigo mesma que queriam ter um relacionamento igual ao nosso, que mesmo com discussões, voltassem, que mesmo quando se detestavam, se amassem. Éramos um só, sabíamos que apesar das brigas, era um ao outro que queríamos, acho que por isso que duramos, porque sabemos que não acharemos em outra pessoa o que temos, sabemos que fomos feito um para o outro, e por isso, nos entendemos. O nosso relacionamento é real, e o amor também tem seus espinhos. Mas o que me deixa feliz, é saber que esses espinhos não nos afastam, aprendemos a lidar e cuidar de todos eles, afinal, quando regamos a flor, o espinho também é regado. E regamos com amor. E é por isso que estou aqui pra te dizer que, os teus braços são o meu lar, e mesmo você indo, o meu coração estará sempre te aguardando, pois sei que irá voltar, porque os meus braços também são o teu lar. Já estou com saudades, volta logo, quero te regar. Eu te amo.
—  Escrito por Amanda T., Dai, Grazi e Mirelle em Julietário.

E se nossa vida fosse um filme? Qual você acha que seria? Em qual gênero nos classificaríamos? Qual o título? Não consigo imaginar um único filme que nos represente, o que dirá nos classificar em um gênero. Talvez sejamos aventura, odiamos o presente e em boa parte de nossas conversas imaginamos um futuro, as vezes fica até difícil discernir a realidade daquilo que não é, mas quem sabe nossa aventura seja mesmo uma batalha nas galáxias, algo totalmente surreal., ou uma vida em alta velocidade, na busca de um tesouro chamado felicidade? Ah! Sejamos sincero, quando foi que fomos um casal aventureiro? Acho mesmo que nos classificaríamos bem em uma comédia, curtir a vida adoidada, você me inspirando com suas histórias malucas, vivendo cada dia como se fosse o nosso primeiro, mesmo que seja o quingentésimo dia com você. Acho mesmo que somos comédia, quem sabe até uma romântica, pois é tão bom quando você me faz rir, mesmo sabendo que depois do riso a minha lista de coisas que odeio em você irá aumentar. Acho até que consigo me imaginar sendo sua Julieta, sem o final dramático é claro! A quem acredita que a vida seja bela, mas quando trata-se de nós nem John Coffey encontraria uma solução e mesmo que eu sonhe com um casal perfeito em um navio de conto de fadas, drama seria a ponta do iceberg das nossas histórias, não há como negar isso. Apenas lhe peço para não nos rotular dizendo que a culpa é das estrelas ou que nosso amor vive em um eterno crepúsculo, pois nunca fomos modinha. Eu diria que ficção cientifica não nos classifica, mas se parar para pensar as vezes ficamos tão preso em nossa própria mente, não conseguimos nos entender, tem vezes que você me esquece tão fácil e é tão difícil conviver com sua mente sem lembranças, fica parecendo um ser de outro planeta, me enlouquece, faz eu sentir uma explosão de sentimentos negativos. É impossível nos classificar em algo, mas se nos permitíssemos, eu sei, viveríamos uma alta aventura. Mas no momento estamos longe de ser aquela clássica animação do felizes para sempre.

Conspire

Dia 01 - Sem você
Não dá mais. Não dá. Não tá dando. Juro que não consigo. O teste pra averiguar se consigo viver sem você deu negativo. Testado cientificamente que não dá. Entendeu bem? Não dá! Tô aqui me rastejando, querendo bater na tua porta e falar tudo que tinha que ter saído da minha boca ontem, quando você falou de dar um tempo, acredito que entrei em choque, nada saiu da minha boca. Mas quando acordei hoje cedo vi que não tinha como. Foi estranho acordar hoje cedo e não ver uma mensagem tua. Era sagrado. Nunca faltou. Hoje não teve. Não teve tua mensagem, do mesmo jeito que não teve um pedaço de mim no meu peito. Hoje faltou você. E doeu, como nunca tinha doído por ninguém. Doeu saber que não vou ter seu abraço como acalento. Doeu pensar nas nossas mãos e pernas entrelaçadas, em não ter tua voz mansa aos meus ouvidos, ter suas piadas toscas, suas manias estranhas, suas brincadeiras bobas. Hoje não tem mais ‘nós dois’, e eu definitivamente não sei viver sem seus defeitos, sem tudo de maravilhoso que há em você. Eu posso até saber viver sem você, posso até conseguir, mas eu não quero, não quero deixar de lado tantos momentos, não quero que você seja uma página que eu estou passando, quero continuar a escrever uma história nossa, seja ela errada, sem as melhores palavras, mas eu quero você. Quero tudo o que fomos. Seus olhos nos meus. Sentir você respirar perto e ver o coração palpitar. Quero que nossa história não acabe nunca, porque sei que nossas brigas nos fazem crescer, nossas diferenças são complementares e o universo só tem sentido quando estou ao seu lado. Não te ter aqui, neste momento, machuca, e eu não quero mais me sentir assim. Quero o arrepio que seus toques me causam, quero o aconchego dos seus abraços, quero você, quero aquele tão perfeitamente imperfeito “nós”. Para de marra e volta pra cá, volta pra mim.
—  MATT AND LUIZA - Escrito por Paula, Andreza e Anna em Julietário.
Legendas: Fotos Sozinha!💋
  1. Agora to judiando? to..agora to maltratando? to.. 🎤😝🍻❤️🙌
  2. Eu to feliz, acredita? Olha só a ironia, fui buscar amor e já tinha.. fui tentar ser feliz, e já eraaaaaaa 🙈✨💨💕
  3. “Tu era pegador? Feitiço volto contra o feiticeiro” 🎶🔮😂😎
  4. Fria um dia, meiga no outro ☺️👌✨
  5. Mulher , livro sem final ✨🎧
  6. Essa mina é um vaso de cristal com flores mortas, um drink forte em uma boate qualquer… 👠💅👌
  7. Na queda ou na ascensão minha marra é a mesma ✌️
  8. Julieta sem Romeu, atraindo os mais gatos 🎤😜
  9. Na realidade eu sou seu desejo e também sonho de consumo 🎤😋👌
  10. Mas o jeito de menina dela ,mexe com o coração deles 💭😍💕🙌
  11. Discreta desperta desejo ,inveja tem muita rival🎤😍💞💘
  12. Um rosto lindo e um sorriso encantador 🎤😍✋💘
  13. Não é só bonita,é bem diferente das qualqué que você fica e mete o pé,valoriza zé🎤👌👊💘
  14. E quem perdeu que chore eu vou atrás de ser feliz🎤🌾🍀💘
  15. Ele me disse que eu sou chave,e disse q ta no meu aguarde 🎤👌😻
  16. Se liga amanhã pode ter outro no seu lugar 🎤😉👌
  17. Malandro era inevitável eu não me envolver,ela era inacreditável você tinha que ver🎤
  18. Tu quer saber quem eu sou?Sou aquela que eles quer ter do lado!😜🔑🎭
  19. Ela combina carinho e dependência, com poesia e inocência.. Essa mina vicia 🎤😍
  20. Ela é mulher com marra de menina.. Joga o jogo, leva o jeito e quer sair por cima. 💎💢

cs: @livefordrauhl

Bonnie não vive sem Clyde, nem o verso sem o poeta,
Romeu não vive sem Julieta, e eu não posso viver sem ela(Mãe).
—  Facção Central/Eduardo
Avião sem asa, fogueira sem brasa. Sou eu assim sem você. Futebol sem bola, Piu-piu sem Frajola. Sou eu assim sem você. Por que é que tem que ser assim? Se o meu desejo não tem fim, eu te quero a todo instante, nem mil alto-falantes vão poder falar por mim. Amor sem beijinho, Buchecha sem Claudinho. Sou eu assim sem você. Circo sem palhaço, namoro sem amasso. Sou eu assim sem você. Tô louca pra te ver chegar, tô louca pra te ter nas mãos. Deitar no teu abraço, retomar o pedaço que falta no meu coração. Neném sem chupeta, Romeu sem Julieta. Sou eu assim sem você. Carro sem estrada, queijo sem goiabada. Sou eu assim sem você. Eu não existo longe de você, e a solidão é o meu pior castigo. Eu conto as horas pra poder te ver, mas o relógio tá de mal comigo. Por quê?
—  Fico assim sem você.
Segura minha mão, olha nos meus olhos e me diz que você também quer fazer dar certo. Diz que você também sente medo desse amor que toma proporções grandes demais para caber no nosso coração destruído por relacionamentos anteriores. Por favor, me diz que não sou a única com medo de ter achado a pessoa que vai me acompanhar pela vida e não saber mantê-la por perto. Diz pra mim que você quer se jogar nesse vácuo de incertezas que é o amor, onde nenhuma verdade é absoluta, nem se tem uma porcentagem garantida que tudo vai dar certo e que no final nem um de nós vai se estrepar no chão. Mas contrariando todas as estáticas pessimistas eu te peço tenha uma pitada de fé em nós, encha nossos peitos de coragem para que no meio do caminho possamos ser corajosos quando o outro pensa em desistir. Olhe nos meus olhos, e diga que também vai tentar,  que apesar de tudo não vamos desistir, dessa vez estou apostando todas as minhas fichas nesse amor que não sei se é seguro, mas estou tentando, só isso que te peço, se for soltar a minha mão enquanto estivermos voando, me avise antes, pelo menos estarei me preparando para a queda. Se não achas que consegue lidar com tudo isso, pelo menos me conta, quem sabe até não vai ser tão difícil. Mas não pense isso, não imagine isso, nem muito menos mentalize desistir. Estamos aqui juntos, não estamos? Não custa nada seguirmos de mãos dadas, um ao lado do outro, fazendo as coisas acontecerem, sem pressa, um dia após o outro, cultivando esse bom sentimento. Eu estou aqui contigo, e estarei o tempo que for preciso, sei lá se isso é amor, mas é tão bom,  é apavorante, mas gosto de sentir tudo isso ao seu lado. Eu só peço que não se vá, que não me largue, que divida esse medo comigo, que divida seus sorrisos, suas palavras, seu lençol, suas blusas, sua cama, só quero que divida tudo comigo.
—  Escrito por Kelly, Amanda T., Grazi e Andreza em Julietário.
Eu amo você. Quero fazer tudo com você. Quero me casar com você, ter filhos e envelhecer ao seu lado. E então quero morrer um dia antes de você, para que nunca tenha de viver sem você.
—  Julieta imortal.
Não quero ter alguém simplesmente para dividir uma cama, para aproveitar uma noitada, nem para dividir uma bebida. Quero alguém para dividir meus problemas, para acalmar minhas crises, para dividir um pacote de pipoca de manteiga enquanto assistimos um filme repetido, em uma tarde chuvosa e tediosa demais. Não quero alguém que me faça correr para o ombro da minha amiga, me debulhando em lágrimas e soluços, quero alguém que me faça chorar de rir, que faça com que eu perca o ar com um beijo. Quero alguém com quem dividir as coisas mais insignificantes do dia, e para viver momentos que ficarão gravados permanentemente em mim. Alguém que faça com que me sinta especial, que não se canse de me elogiar, que não se canse de dizer o quanto me ama. Quero alguém que sinta minha falta, que me ligue dizendo que está com saudades dos meus beijos, dos meus carinhos, até das brigas, que me quer ao seu lado de qualquer maneira, com qualquer humor. Quero alguém que entenda que hora sou barulhenta e escandalosa e outra sou calma e silenciosa, que sou constante e as vezes irregular. Que as montanhas do meu eu são tortas, mas que por trás de toda ‘imperfeição’ existe alguém que se importa. É isso que necessito em você. Não espero todos os dias por um homem que apareça, me leve até o céu, e depois corte as minhas asas me fazendo cair no chão. Não espero por alguém que me faça sorrir, mas depois me faça chorar. Não quero, de forma alguma, alguém que me peça tempo. E desapareça. E ai, quando eu tiver perdido as esperanças, você aparece, meio sem graça, me pedindo pra voltar. Não. Eu não quero. Eu não preciso. Já basta todas as minhas complicações. Já basta as minhas irritações. Quero alguém que acalme todas as minhas crises de nervo. Alguém que me traga um pote de sorvete, em um dia qualquer, apenas por querer me surpreender. Quero estar completa, me amando, para estar pronta, quando esse alguém vier. E eu estarei pronta para oferecer todo meu amor, mesmo que desajeitado, mas o meu amor. E olha, quando esse dia chegar. Eu vou sorrir tanto. Que as pessoas na rua vão notar e perceber de alguma forma, que eu encontrei você.
—  Escrito por Paula, Ana Letícia, Amanda T. e Anelise em Julietário.
Fica mais um pouco, não vai ainda. Senta de volta aqui do meu lado no sofá, me ajuda a escolher um filme na Netflix, já que nos seriados a gente não se acerta. Mas escolhe um filme bem meia-boca, não vamos só ficar nas mãos dadas com todo esse edredom por cima de nós, tá sabendo tanto quanto eu que daqui a pouco essas mãos dadas vão mudar pra mãos bobas e tua camiseta já vai estar jogada no chão. A gente é assim, gasolina na brasa, não nos aguentamos bonitinhos tanto tempo. O meu corpo reconhece o seu como amante, só de te sentir perto, sentir tuas carícias, ele responde da melhor forma possível. Não sei como não saem faíscas quando nossos lábios se encaixam… É como se tivéssemos tido nossos destinos traçados em um só desde antes de nossas chegadas à Terra. Química igual a que nos envolve eu nunca vi igual. Eu nem preciso dizer o que quero, porque enquanto ainda estou pensando, você já está fazendo. Eu sempre sei suas prováveis respostas pra cada assunto nosso. E é assim, a gente se completa de um jeitinho todo único e especial. Contigo meu tempo costuma passar bem mais rápido, bem como vovô dizia “quando fazemos algo com gosto o tempo voa”, eu achava que se passou só vinte minutos e lá se foram duas horas. Fica mais ainda, divide comigo a minha cama de solteiro, me dá bom dia na manhã de sábado. Faz um café da manhã pra nós dois, e quando chegar o entardecer vamos lá fora admirar o pôr do sol e agradecer por termos um ao outro pra compartilhar esses momentos únicos, onde não sei qual parte é minha e qual é sua porque somos um emaranhado só. Gosto quando você me surpreende na porta do meu trabalho e diz que quer me levar pra jantar no restaurante do nosso primeiro encontro, ah meu amor assim você  me derruba e eu caio de amores por ti mais uma vez, tu tem um gosto de primeiro amor daqueles que revira meu estômago e mãos suadas e eu confesso que gosto desse encanto teu, desse sorriso teu, dessa gargalhada que solta quando conto qualquer piada boba. Ah, você me tira suspiros mil, ver o sorriso bobo que você sempre dá ao me ver acordando. Adoro cada segundo ao teu lado, e me pergunto como eu vivia esses anos todos sem te conhecer, e agora que nos conhecemos parece que nos conhecemos há muitas vidas atrás. Não sei como falar exatamente, mas eu te amo.
—  Escrito por Paula, Juliana, Amanda T. e Kellyn em Julietário.

Rasga, sangra, enche de saudade.
Paixões se esvaem, amizades se apagam, namoros acabam e depois ninguém mais nem se considera amigo. Pessoas vem e vão em nossas vidas, feito uma catraca de metrô. Cada um tem um jeito característico, só seu. Às vezes vamos lembrar daquela piada, daquele beijo, daquela pinta no canto do olho, aquela peculiaridade da pessoa que acaba dando uma saudadezinha. Nos tornamos memórias, simples assim, algumas marcam nossa história em segundos, outros demoram dias e por aí vai. Somos passageiros, você pode discordar, mas deve se lembrar de alguém que chegou de passagem e não demorou pra ir embora. É disso que a vida é feita, de lembranças que nos fazem ficar com ar saudoso, quando estivermos com uns 60 anos e bater aquela saudade de fulano que era o engraçado da turma, ou sicrano que tinha um estilo extravagante pra roupas ou beltrano que você gostava desde do primeiro ano do ensino médio. A saudade nunca tem fim, uns acham que não sentem mais e pensam que esqueceu, mas a verdade é que essa saudade fica guardadinha em um cantinho do seu coração. A saudade é infinita, todo mundo tem a sua. E então, repentinamente, nos reencontramos com aqueles velhos amigos, os velhos amores, as lembranças que se deixam ir pelo dia-a-dia retornam, aquelas lembranças que nunca foram embora, mas foram engolidas pela correria da rotina. Você relembra o quanto foi feliz naquela época, se pergunta se aquilo um dia voltará, mas já passou. Infelizmente, são apenas lembranças que ficaram, de momentos que nunca voltarão, mas que ficarão guardados para sempre em nosso coração.
Numa noite qualquer, de uma semana que não me vem na memória, pensei em como seria se o nosso romance fosse um filme, já te deixo sob aviso que a sinopse é bem meia boca e os atores meros amadores, mas tem um enredo emocionante e o ator principal tem as covinhas mais charmosas já existentes e promete conquistar o público. Já a atriz se considera uma coadjuvante no roteiro, contudo ela tem um brilho no olhar e um jeito de menina travessa que vai deixar o mocinho rendido. Esse filme seria repleto de emoções e aventuras. Seria uma mistura de romance, comédia e drama. Haveria momentos de imensa felicidade, mas também de tristeza, que, logo em seguida, seriam resolvidos. A minha cena favorita seria aquela em que o mocinho convence a mocinha a ir à roda gigante e, apesar do medo, ela aceita. Ele segura sua mão do início até o fim. E, lá no alto, entre risos e frios na barriga, eles se beijam. Um beijo doce e apaixonado, com a companhia das estrelas, um cenário perfeito. Nesse filme, haveria muitas brigas e ciúmes, mas as reconciliações sempre superariam e tudo acabaria de forma ardente, com uma noite quente de amor. Eles são muito mais que namorados. Eles são amigos, companheiros e se pertencem de uma forma inexplicável. Então vem e traz pipoca, porque a sessão vai começar e eu quero assistir agarradinha com você. Quero poder assistir cada detalhe do filme, e imaginar que somos nós dois, até porque, parece bastante com a gente, entre altos e baixos, entre risos e lágrimas, nós sempre estaremos aqui, juntos.
Agora, vem logo, antes que você perca a melhor parte, a qual eles se conhecem e bem ali, na troca de olhares, percebem que foram feitos um para o outro.
—  Escrito por Amanda T., Ane e Kellyn em Julieario.
Não nego que tento sempre buscar em minha vida detalhes de livros. Sou feita daqueles parágrafos, das escritas, roteiros que por vezes tento fazer base para a vida real. Já tentei me convencer de que existem mocinhos como nos romances do Sparks, da mesma forma que já quis alguém que me amasse como nos livros do John Green. Vou do céu ao inferno, como se fantasiasse de Gabito Nunes até Bukowski, mas sempre buscando ter lógica como Voltaire ou Platão. Por vezes me perco tanto naquelas histórias em páginas, que minha simples história de vida fica empoeirada, parece que o que vivo é tão sem emoção, às vezes. Parece que a vida real se torna monótona demais quando se acostuma com as peripécias dos livros. Tudo enfim se torna “sem sal” onde o tempero da vida e do amor não são tão bem adicionados. Aqui tudo é tão desequilibrado, o roteiro não segue como o planejado e vez ou outra o mocinho da “história” nos decepciona. Aqui o amor nem sempre é recebido de braços abertos por aquele alguém que tanto amamos. Aqui, os sentimentos vão se empoeirando simplesmente por não ter quem nos limpe e cuide por inteiro. E é por isso que eu gosto dos livros sabe, eles me fazem imaginar, sonhar com algo que não existe no mundo real, não como nos livros, mas talvez é assim que deve ser, altos e baixos, tristezas, onde ninguém está feliz por completo, nunca. Sempre falta algo, pois bem, qual a graça de tudo fosse perfeito o tempo todo? Sem lágrimas, sem sofrimento, sem joelhos no chão rezando para que tudo melhore, entende? Isso faz parte de quem nós somos, então agradeça, não importa o quão ruim o dia de hoje está, amanhã pode ser melhor, ou não. Tudo é uma grande improvisação nada tem ordem pré - estabelecida, o amor não marca hora pra aparecer e ele vem sem avisa e você que lide com as consequências, o seu cupido amoroso lança a flecha mas não olhar em quem acerta e a gente torce pra que dessa vez seja “ o cara certo”, mas isso não for fazemos o que?  desespero e desistência não fazem parte do dicionário, o jeito é continuar tentando. Porque nem tudo é uma tragédia como as de Shakespeare, muitas vezes nos fazem rir como em uma comédia barata, rir de si mesmo também é uma forma de encarar nossas frustações e trazer uma certa leveza pra nossas costas calejadas de bagagens
—  Escrito por Paula, Danielle, Letícia B. e Amanda T. em Julietário.
Rapaz, ela é cheia de surpresas. Quem olhasse ela naquele salto agulha, dançando na pista de dança cheia de luzes, com o teor alcoólico já nas nuvens, nem imaginaria que ela é fã de Van Gogh, ela pinta, canta, sabe tocar violão. Aquele olho borrado de tinta preta não mostrava nada dela. Nada da verdadeira ela. Ela come de pernas cruzadas e não se arrisca à sair para um lugar sem saber, tin-tin por tin-tin, o caminho e todos os pontos próximos. Apesar dela ser uma caixinha de surpresas, ela detesta até mesmo que façam a brincadeira de fechar os olhos dela por trás, ela quer ter o controle de tudo. Ah, rapaz, o que ela quer é alguém para ser o curto circuito nesse controle todo dela. Ela é incrível, sabe? Ela sabe como resolver as coisas, ela sabe como fazer tudo parecer fácil, ela é… ELA! E talvez você esteja com medo, sem coragem, eu entendo, não é fácil se aproximar de uma garota assim, destemida, corajosa, eu sei o quanto é difícil terminar uma frase sem desviar o olhar, porque o olhar dela é de amedrontar qualquer um, não é? Mas o problema é que ela vale a pena, ela faz valer o frio na barriga que dá quando se aproxima. Esse olhar penetrante que se perde nas baladas, mas que não perde um detalhe nas ruas, é o olhar que ninguém quer deixar pra trás, esquecer, largar mão. Se é pra se arriscar na paixão, rapaz, pode arriscar nela. Vai sem medo de errar, arriscar e cair no chão ou aos pés dela se acaso você se apaixone, aí, meu amigo, não tem pra onde ir, se ela corresponder corre pros braços dela, porque é neles que você vai querer morar.
—  Escrito por Paula, Letícia B., Isadora M. e Amanda T.  em Julietário.
Você é como um arco-íris, que chega logo após aquela madrugada chuvosa, que ainda deixa seus resquícios pela manhã como um lembrete de sua passagem. É uma pena, rapaz, você só chegar desse jeito, nem dá tempo de se apaixonar direito e em seguida parte. Tu vai, mas uma parte tua fica, isso é injusto, porque eu quero ser inteira contigo e não uma metade que não se encaixa em lugar nenhum, como em um quebra cabeça e que peça principal está incompleta. Nos caminhos ao longo desse arco-iris nem Dorothy consegue permanecer, porque é frio e sem sentido. Não encontrarei um leão, ou homem de lata, irá ser apenas eu e eu, num caminho até você, um caminho desnecessário de se fazer, porque tudo que envolve você corta eu. Quando você se vai, toda vez, meu pote de ouro não brilha, meu arco-iris deixa de ter a cor mais vibrante, e eu, uma Dorothy da vida, fica perdida. Sem norte, e inteiramente despedaçada, é como sua partida me deixa. Quando você se vai, eu, que sou pedra, me transformo em flor murcha. Chove dentro e fora de mim, todos os dias. Não sei se pretende retornar um dia. Mas, se caso acontecer, não demora, por favor. Não antes que eu decida partir e jogue a chave do meu coração fora. Tens um poder imenso sobre mim, então manipule corretamente os próximos atos para que não haja pequenos contratempos. Posso demonstrar fortaleza, mas não passa de uma maquiagem para ocultar minha vulnerabilidade.
—  Escrito por Amanda T., Letícia S., Anelise e Nathane em Julietário.