se casar comigo * *

Eu sou um cara comum que uma vez se ajoelhou e perguntou: “Quer se casar comigo?”Ela respondeu: “Não.” Peguei minhas coisas e fui procurar uma mulher que diga “sim”. Eu sou um cara comum que uma vez a namorada chegou em casa chorando. Segurei a mão dela, e disse: “Não chora. Estou aqui.” Ela respondeu: “Eu te trai.” Peguei minhas coisas e fui procurar uma mulher que não trai. Eu sou um cara normal que namorou por quatro anos e a namorada terminou por mensagem dizendo: “Vai dar errado.” Peguei minhas coisas e fui procurar uma mulher que dê certo. Eu sou um cara normal que uma vez se apaixonou pela melhor amiga. Se declarou. E escutou: “Você é especial, mas…” Peguei minhas coisas e fui procurar uma mulher que não tenha “mas.” E sim, uma mulher que queira mais. Eu sou um cara comum que chora em filme, propaganda e foto de família. Mas neste mundo homem sensível é “clichê” ou gay. Eu sou um cara comum que não quer ganhar no jogo. E muitas vezes perde no amor. Eu sou um cara comum que em 2001 teve uma doença de pele e perdeu os cabelos. Vários amigos disseram: “Careca? Nenhuma mulher vai querer você.” Peguei minhas coisas e fui procurar outros amigos que disseram: “Você sarou? Precisa de algo?” Eu sou um cara normal que uma vez quando criança, escutou um menino dizendo para uma menina: “Você é feia.” Ela saiu correndo chorando. Peguei uma folha e escrevi em todas as linhas. “Você é linda.” Deixei dentro da mochila dela. No outro dia, ela colou a folha na capa do caderno. Eu sou um cara comum que um dia, a namorada enviou uma mensagem: “Eu amo você.” Uma semana depois, terminou dizendo: “Não vou ficar com você por pena porque seu pai está doente.” Peguei minhas coisas e fui procurar uma mulher que não tenha pena de mim. Eu sou um cara comum quero ter uma casa, uma familia e um labrador. Um cara comum que o pai está doente. Não fala, não anda mas ainda sorri. E não vai desistir. Um homem com uma história que ninguém acredita. Que passa horas no banho para a água se misturar com as lágrimas. Que todas as noites tranca a porta do quarto para sua mãe não entrar e vê-lo chorar. Que escreveu na parede: “Mais coração, menos razão” Que desenhou no teto um céu cheio de estrelas. Para sonhar, rezar e pedir: “Deus, por favor, você poderia mandar alguém aqui para curar meu pai?” Eu sou um cara comum. Não importa o quanto isso me destrua. Eu não vou parar. Você pode não acreditar. Eu não me importo. Não vou desistir. Por que se eu desistir, eu seria outra pessoa pela qual não vale a pena lutar.
—  Faça amor, não faça jogo. Ique Carvalho.
Você acha um exagero a exigência de buscar a Deus de todo o coração? Mas não é não! Imagine a seguinte situação. O “homem perfeito” surge em sua vida e lhe promete dedicação e devoção. Diz tudo o que você esperava ouvir… “Eu amo você e lhe entrego todo o meu coração. Prometo devotar-me a você e somente a você 364 dias ao ano.” A seguir acrescenta: “Contudo um dia por ano quero ter a liberdade de sair com outras mulheres, para compensar minha dedicação. Não se preocupe. O resto do meu tempo é todinho seu. Quer se casar comigo?” Qual seria sua resposta? Você aceitaria uma devoção nesses termos? Seria egoísmo de sua parte negar-lhe apenas um dia para outras? Não! De jeito nenhum. Com certeza você iria querer amor e devoção integrais, 365 dias por ano. Similarmente, se nos entregamos a Cristo por completo, não estamos mais livres para dedicar-nos (de forma idolátrica) a outras coisas ou pessoas que surgirem em nossa vida. Não podemos entregar-nos aos relacionamentos que nos agradam nesse mundo e, ao mesmo tempo, buscar a Deus de todo o coração. Tampouco podemos manter parte do coração reservada para algo melhor que porventura venha a surgir no futuro. Devoção ao Senhor Jesus é tudo ou nada. Tem de ser um compromisso sério de submissão a ele. Cristo a ama e está completamente comprometido com você. Em troca, devote-se a ele em amor e de todo o coração durante os 365 dias do ano.
—  A Espera do Amado
Os paqueras pedindo a docete em casamento

Armin: Docete vc aceita casar comigo?  pfvr vc é o jogo mais real que eu tenho

Originally posted by ftgg-gifs-blog

Kentin: Docete eu esperei  por esse momento durante muito tempo… então vc quer casar comigo?

Originally posted by fightformore

Nathaniel: docete eu te amo e vc sabe disso… se vc se casar comigo eu serei o homem mais feliz do mundo… então vc quer casar comigo?

Originally posted by noivosdazueira

Castiel: Então garota, eu não sou muio de fzr isso então eu vou direto ao  ponto, vc quer casar cmg? 

Originally posted by lovablecouples

Lysandre: (antes de tudo lê um belo  poema  para a docete ) então docete… vc aceita casar cmg?

Originally posted by jinkooks

Pai, mãe… sou eu. Estou ligando do Seattle Grace Hospital onde a linda, talentosa e incrivelmente teimosa Dr. Isobel Stevens acaba de me dar um coração novinho e prometeu se casar comigo. Eu sei que tivemos nossas diferenças e sinto muito termos estado sem contato. Acredite ou não, eu estava tentando melhorar tudo. Sei que vocês estão zangados e espero que me perdoem. Acontece que, às vezes, precisa-se fazer a coisa errada. Às vezes, tem que se cometer o maior erro pra descobrir como acertar as coisas. Erros são dolorosos, mas são a única maneira pra você descobrir quem é. Eu sei quem sou agora. Sei o que quero. Eu conquistei o amor da minha vida, um coração novo e quero que vocês entrem no próximo avião pra cá e conheçam minha garota. Tudo vai ser diferente agora, prometo. A partir de agora, nada jamais será igual. Amo vocês. Tchau.
—  Grey’s Anatomy
Barack Obama disse: "Eu não seria o homem que sou hoje sem a mulher que concordou em se casar comigo 20 anos atrás. Michelle, nunca te amei tanto.". O homem mais poderoso do mundo sabe reconhecer o valor de uma mulher, enquanto isso tem um bando de mané por aí se achando.
O sujeito tinha verdadeira paixão por feijão, mas ele lhe provocava muitos gases, criando situações embaraçosas sempre que o comia. Um dia ele conheceu uma garota e se apaixonou. Mas pensou: "Ela nunca vai se casar comigo se eu continuar desse jeito." Então fez um sacrifício enorme e deixou de comer feijão. Pouco depois os dois se casaram. Passados alguns meses, quando ele voltava para casa, seu carro quebrou. Ele telefonou para a esposa e avisou que ia chegar mais tarde, pois voltaria a pé. No caminho de volta para casa, passou por um restaurante e o aroma maravilhoso do feijão lhe atingiu em cheio. Como ainda estava distante de casa, pensou que qualquer efeito negativo passaria antes de chegar. Então entrou e comeu três pratos fundos de feijão. Durante todo o caminho, foi para casa peidando, feliz da vida. E quando chegou já se sentia bem melhor. A esposa o encontrou na porta e parecia bastante excitada. Ela disse: "Querido, o jantar hoje é uma surpresa." Então ela lhe colocou uma venda nos olhos e o levou até a mesa, fazendo-o sentar-se à cabeceira. Nesse momento, aflito, ele pressentiu que havia um novo peido a caminho. Quando a esposa estava prestes a lhe remover a venda, o telefone tocou. Ela foi atender, mas antes o fez prometer que não tiraria a venda enquanto não voltasse. Ele, claro, aproveitou a oportunidade. E, assim que ficou sozinho, jogando seu peso para apenas uma perna, soltou um senhor peido. Não foi apenas alto, mas também longo e picotado. Parecia um ovo fritando. Com dificuldade para respirar, devido à venda apertada, ele tateou na mesa procurando um guardanapo e começou a abanar o ar em volta de si, para espantar o cheiro. Mas, logo em seguida, teve vontade de soltar outro. Levantou a perna e... RRRRRRROOOOOOOOOOUUUUUUUUUUMMMMMMM!!... Esse, então, soou como um motor a diesel pegando e cheirou ainda pior!... Esperando que o odor se dissipasse, ele voltou a sacudir os braços e o guardanapo, freneticamente, numa animada e ridícula coreografia. E quando pensou que tudo voltaria ao normal, lá veio a vontade outra vez. Como ouvia a mulher, lá dentro, continuando a falar no telefone, não teve dúvidas: jogou o peso sobre a outra perna e mandou ver. Desta vez merecia medalha de ouro na categoria. Enxofre puro. As janelas vibraram, a louça na mesa sacudiu, e em dez segundos as flores no vaso sobre a mesa estavam mortas. Ouvido atento à conversa da mulher no telefone, e mantendo a promessa de não tirar a venda, continuou peidando e abanando os braços por mais uns três minutos. Quando ouviu a mulher se despedir no telefone, já estava totalmente aliviado. Colocou o guardanapo suavemente no colo, cruzou as mãos sobre ele e chegou a sorrir vitorioso, estampando no rosto a inocência de um anjo. Então a esposa voltou à sala, pedindo desculpas por ter demorado tanto ao telefone, e lhe perguntou se ele havia tirado a venda e olhado a mesa de jantar. Quando teve a certeza de que isso não havia acontecido, ela própria lhe removeu a venda e gritou: -"SURPRESAAAA!" E ele, finalmente, deu de cara com os doze convidados sentados à mesa para comemorar seu aniversário.
Segunda Temporada – Capitulo 1

POV Vanessa

Eu não poderia estar mais feliz e radiante com o que estava acontecendo na minha vida, Clara havia aceitado se casar oficialmente comigo, Max estava melhor a cada dia que se passava, Jack e Thor tinham vindo morar com a gente, Thais estava cuidando de tudo na ONG que ia muito bem, obrigada, mas mesmo assim eu estava sentindo saudades de passar à tarde lá com todos aqueles bichinhos que eu tanto amo e necessitam de carinho e atenção, mas infelizmente estou aqui de molho sozinha e sem poder fazer quase nada, bom vocês devem estar se perguntando por que estou sozinha certo? Bom desde que pedi Clara em casamento oficialmente ela anda correndo com os preparativos ate porque iremos nos casar daqui uma semana e meia e ela esta contando com a ajuda de May e Thatha que estão super empolgadas, não que eu não estivesse pelo contrario porem estou me controlando ao máximo para não contar a ninguém o que estou planejando para nossa lua de mel, claro porque eu quero que seja perfeita.

Clara: Amor chegamos. – Ouvi sua voz no andar de baixo e fechei rapidamente o notebook que estava ao meu lado com alguns planejamentos da nossa viagem.

Max: Quede mama? – Perguntou animadinho e o ouvi correndo pela casa na minha procura. – Já sei. – Falou rindo e ouvi seus passinhos cada vez mais próximos. – Tchalam. – Falou sorrindo e abrindo os bracinhos assim que me viu deitada na espreguiçadeira ao lado da piscina.

Van: Você sempre me acha aqui né meu amor. – Falei sorrindo e ele veio correndo ate mim me abraçando. – Nossa que neném mais gostoso, vontade de morde você filho. – Confessei o enchendo de beijinhos e alguns apertões que o fazia rir.

Clara: Porque você não o viu hoje experimentando o terninho, ele estava o homenzinho mais lindo do mundo. – Falou escorada na porta com um sorriso bobo no rosto.

Van: Porque não tirou foto amor? – Perguntei fazendo bico.

Clara: Já falei mil vezes Vanessa será surpresa assim como você resolveu que será nossa lua de mel.

Van: Clara é diferente… – Tentei questionar e ela negou rindo com a cabeça.

Clara: Nem começa Van e amanha o Junior vai levar você e May na loja para que você possa provar o seu vestido. – Disse sentando ao meu lado me dando um selinho.

Van: Mas não era a Thais que iria? – Perguntei confusa e ela respirou fundo.

Clara: Era amor mais não deu, ela esta atolada na ONG e não vai ter tempo.

Van: Eu não sei pra que eu tenho que ficar em casa, já estou a cinco dias aqui de molho e me sinto ótima.

Clara: Nem vamos falar sobre isso de novo, o medico disse uma semana e querendo ou não vai ficar uma semana.

Van: Se eu posso sair para provar um vestido, qual o problema de eu ir trabalhar?

Clara: Sua pergunta não pode ser seria né? Tá comparando o vestido do seu casamento com seu trabalho?  – Falou começando a se irritar e se levantou. – Vamos tomar um banho e comer filho. – Disse segurando na mãozinha que Max que ficou me olhando. – Vamos bebe sua mãe precisa pensar um pouco.

Van: Não preciso pensar em nada Clara, só acho que já estão exagerando e não precisa se irritar com isso, tem ideia o quando é ruim se sentir incapaz de fazer as coisas?

Clara: Sim eu tenho ideia do que é isso. – Falou com os olhos cheios de lagrimas. – Me senti assim durante duas semanas ao te ver naquele estado e não poder fazer absolutamente nada. – Disse deixando uma lagrima correr pelo seu rosto e eu abaixei a cabeça. – Acha que é exagero? Ótimo, volte a trabalhar, pule de paraquedas, faça o que você quiser mais pensa um pouco no que eu, seu filho, sua mãe e todo mundo passou ao te ver daquele jeito e resolva como achar melhor se deve arriscar. – Disse limpando uma lagrima que corria teimosa em seu rosto e se virou para sair dali com Max.

Van: Desculpa amor. – Pedi ainda de cabeça baixa e ela parou de costas pra mim. – É só que estou ficando irritada por ficar tanto tempo presa dentro de casa, me perdoa. – Pedi indo ate ela.

Clara: Você não vai experimentar vestido nenhum amanha. – Falou se virando pra mim e quando eu ia falar alguma coisa ela me impediu sorrindo. – Você faz isso na sexta, amanha vamos passar à tarde na ONG pra você matar a saudade de tudo porem sem trabalhar, certo?

Van: Você esta falando serio? – Perguntei animada e ela assentiu sorrindo. – Meu amor eu te amo viu? – Falei sorrindo boba selando nossos lábios.

Clara: Agora você me ama né? – Falou brincando e eu neguei. – É serio precisamos tomar um banho estamos na rua desde cedo. – Disse me fazendo rir ao fazer cara de nojo. – May e Thatha ainda vão vim aqui pra gente resolver algumas coisas que ainda estão faltando para o grande dia e provavelmente vão ficar pra jantar.  

Van: Que tal a gente pedir comida italiana? Assim não teremos que ir para a cozinha e podemos aproveitar melhor esse tempo, eu to com saudades de vocês amor, passaram o dia todo fora. – Falei fazendo bico e ela riu me dando um selinho saindo dali com nosso pequeno. Peguei meu celular, liguei no restaurante e me joguei no sofá a espera de Clara e Max ou da comida e como eu espera acho que a comida chegou primeiro, pois o interfone tocou. – Oi. – Falei ao atender o interfone já esperando ser Gustavo.

Gustavo: Sra. Vanessa sua comida chegou posso autorizar a subida? – Perguntou como de costume.

Van: Por favor Gu. – Falei simpática e fui ate a bolsa pegar o dinheiro enquanto o entregador subia. – Boa noite. – Disse assim que abri a porta e o quando o rapaz ia me entregar à comida vi Junior correndo animado na minha direção.

Junior: Sabia que tinha sentido cheiro de comida. – Falou sorrindo. – Muito obrigada moço, pode pegar o dinheiro com ela mesmo. – Disse rindo pegando a comida da mão do rapaz e entrando para o apartamento.

Clara: Junior tem certeza que é meu irmão e não de Vanessa? – Perguntou rindo assim que viu Junior já servindo seu prato na cozinha e ele a olhou rindo. – Boa noite pra você também.  

Junior: Ah é verdade, boa noite gente. – Falou rindo se sentando a mesa. – Não querem jantar? Acabei de pedir. – Disse tentando não rir.

Van: Nossa que educado chamando as visitas para jantar. – Falou irônica pegando Max no colo.

Max: To fome mama. – Disse fofinho ao fazer biquinho.

Van: Ai meu Deus eu vou te morder. – Falei rindo apertando as bochechas dele enquanto ele ria. – Vamos comer pra você me contar como foi seu dia passeando com a mama Clara.

Nos sentamos à mesa para jantarmos e Clara contava animada sobre alguns preparativos do casamento, Max tentava contar sobre seu dia e Junior estava tentando contar sobre ter conseguido transferir parte do seu trabalho para sua casa, resumindo aquilo estava uma bagunça e para completar essa “festa” May e Thatha tocaram a campainha.

May: Acabamos de passar por uma loja linda e tivemos varias ideias sobre o que conversamos mais cedo. – Falou animada assim que entrou na cozinha. – Termina de jantar logo e vamos pro quarto quero te conta, tenho certeza que ira amar. – Disse empolgada olhando pra Clara.

Estava eu de boa voltando pra casa num ônibus lotado de universitários, e de repente uma guria diz em alto e bom tom "Gente, vocês estão vendo esse rapaz aqui? Eu o amo tanto vocês não tem noção. Eu te amo, e quero me casar com você. Você quer se casar comigo?" Por fim ele ficou vermelho de tanto chorar e disse sim e quase todos nos no ônibus choramos também, foi uma atitude linda, realmente amor existe.
"Eu nunca te pedi pra me engravidar, nem pra casar comigo e me dar presentes caros ou se declarar em um programa de TV, só te pedi pra não me magoar e foi a única coisa que você não foi capaz de fazer."