se casar comigo

Querida Vó.
As vezes olhando pra senhora, sinto uma parcela gigantesca de culpa. Porque a senhora é incrível e eu não sou. Venho atraves através desta, te dizer tudo o que eu queria, mas não tenho coragem. Primeiramente, a força da senhora é linda, vó. A minha mãe te magoa tanto, e não sabe a mãe incrível que ela tem. A sua coragem, o seu amor, seu sorriso, seu cuidado, são incríveis vó. A minha culpa vem a partir do momento que eu me tornei outra pessoa do que a senhora queria que eu fosse. Eu erro, vó. Todos os dias. As vezes, pra fugir dos problemas, eu saio pra beijar na boca, vó. Eu sei que pra senhora, isso é o fim, e que se soubesse, diria que não sou uma carne de açougue, pra ficar tão exposta. As vezes, te olhando eu queria te dizer tudo isso. Eu não sou virgem mais, vó. Cancela aquele plano de me entregar pro meu marido. Não sei nem se vão querer casar comigo, vó. Me perdoa, mas eu já tive vontade de beber, vó. Nunca bebi. Mas já pensei. Eu queria ficar louca, igual essas jovens, parece tão libertador. Me perdoa, vó. Me perdoa. Eu nunca fumei e também não pretendo, mas o outros erros que cometo, me fazem querer chorar. Porque não foi o que planejou pra mim. Não é o que imagina de mim. Eu queria te contar. Eu queria mesmo. Mas não consigo. Me perdoa. Eu converso com Deus vó, do jeitinho que me ensinou, eu confesso meus pecados, me arrependo, mas depois volta tudo de novo. Aquela vontade de firmar na igreja, eu tenho, vó. Queria ser como você. Dar exemplo e ser uma cristã voltada verdadeiramente pra Deus. Mas eu escuto música mundana, vó. Isso me afasta. O pecado me afasta de Deus. Eu já pedi a Ele, lá no céu, que me ajudasse a sair dessa lama de entulhos que me afoguei. Mas não sei muito se Ele ainda quer cuidar de mim. Eu erro demais. Aquela noite, que eu cheguei em casa, e você tinha procurado por todos os meus amigos, pra saber onde eu estava, e depois descobriu que: era com aquele menino. Me perdoa também. Ele nem vale a mentira que eu te contei, pra ir vê-lo. Morri de vergonha naquela noite e o meu pedido de desculpas, foram sinceros, é sério. Mas vó, eu quero ir naquele show da Marília Mendonça. Já estou imaginando sua cara de decepção quando eu te pedir. Acho que vamos brigar. Mas, eu queria fazer alguma coisa que sempre tive vontade, vó. Não me prenda mais, por favor. Eu já escapei pelos teus dedos. Me perdoa. Eu não queria. Queria ser criança ainda. Pra ser exatamente a sua neta dos sonhos. Inocente. Que saudade, vó. Se um dia ler essa carta, não me julga não. Por favor. Estou chorando. Confesso. Não consigo mais falar. Mas vou tentar. Obrigada por cuidar de mim e dos meus irmãos. Eu te amo e me perdoa por não alcançar todas as expectativas que a senhora depositou em mim. Me perdoa, vó. Com amor e um pouco de dor; Sua neta.
—  Anelise Cristine.
Você acha um exagero a exigência de buscar a Deus de todo o coração? Mas não é não! Imagine a seguinte situação. O “homem perfeito” surge em sua vida e lhe promete dedicação e devoção. Diz tudo o que você esperava ouvir… “Eu amo você e lhe entrego todo o meu coração. Prometo devotar-me a você e somente a você 364 dias ao ano.” A seguir acrescenta: “Contudo um dia por ano quero ter a liberdade de sair com outras mulheres, para compensar minha dedicação. Não se preocupe. O resto do meu tempo é todinho seu. Quer se casar comigo?” Qual seria sua resposta? Você aceitaria uma devoção nesses termos? Seria egoísmo de sua parte negar-lhe apenas um dia para outras? Não! De jeito nenhum. Com certeza você iria querer amor e devoção integrais, 365 dias por ano. Similarmente, se nos entregamos a Cristo por completo, não estamos mais livres para dedicar-nos (de forma idolátrica) a outras coisas ou pessoas que surgirem em nossa vida. Não podemos entregar-nos aos relacionamentos que nos agradam nesse mundo e, ao mesmo tempo, buscar a Deus de todo o coração. Tampouco podemos manter parte do coração reservada para algo melhor que porventura venha a surgir no futuro. Devoção ao Senhor Jesus é tudo ou nada. Tem de ser um compromisso sério de submissão a ele. Cristo a ama e está completamente comprometido com você. Em troca, devote-se a ele em amor e de todo o coração durante os 365 dias do ano.
—  A Espera do Amado
Marry me - Zayn Malik



Pedido: Faz um com o Zayn, em que eles vão em uma festa, e a sn encontra o Harry lá, e o Zayn apresenta ela para ele, ele fica dando em cima dela, e o Zayn fica morto de ciumes, abraçando a sn, beijando ela toda hora, e sempre cortando o Harry quando ele elogia a menina.

OBS: Amore, não sei se ficou como você queria, então me desculpe qualquer coisa. Pode me falar o que achou depois.


ZAYN P.O.V


Apertei fortemente as mãos de s/n enquanto saíamos do carro e éramos recebidos pelos gritos dos fãs e pelos flashs vindo dos milhares de fotógrafos.


Estávamos chegando em uma daquelas festas “pós premiação” e s/n, como sempre, estava me acompanhando.


Ela vestia um vestido longo e azul marinho, seus acessórios prata e sua maquiagem lhe deixava ainda mais perfeita. Eu poderia apostar tudo o que tenho, que ela era a mulher mais bonita dali (ou talvez, eu que estivesse totalmente apaixonado por aquela mulher).


Chegamos em meio ao tapete vermelho, meus braços estavam entrelaçados em sua cintura, e ela tinha os braços espalmados em meu peito enquanto sorria para os paparazzo.


“Você é a mulher mais linda que já vi.” Sussurrei em seu ouvido.


Ela olhou para mim com um sorriso imenso, e pude sentir meu coração vibrar com tamanho amor que sentia por aquela garota.


“Eu amo você.” Sussurrou de volta.


“Seu amor por mim é maior que seu amor pelo Oliver?” Perguntei se referindo ao gato que lhe dei em nosso aniversário de 1 ano de namoro, e que era seu companheiro quando eu não estava em casa.


S/n gargalhou ao ouvir minha pergunta, jogando sua cabeça para trás enquanto exibia um imenso sorriso, e eu tinha certeza que os fotógrafos haviam conseguido uma ótima foto.


Ao chegarmos na festa, s/n e eu tentamos ficar em algum local mais reservado. Vimos alguns amigos em uma mesa mais afastada de toda a ‘bagunça’ da festa, e fomos até lá.


Em meios a alguns amigos, estava Harry, um de meus melhores amigos e ex companheiro de banda. Nos cumprimentamos com um forte abraço, e eu lhe apresentei a s/n, que também era fã de seu trabalho.


Percebi que assim que a viu, Harry lhe deu uma olha de cima a baixo, nada discretamente. Apertei a mão de s/n um pouco mais forte que o necessário, e pude perceber seus olhar confuso sobre mim.


Eles se abraçaram, e trocaram algumas palavras até uma amiga de s/n lhe chamar do outro lado da mesa.


“Você deu muita sorte, cara.” Harry disse enquanto dava alguns tapinhas em minhas costas.


Eu sabia que eram apenas comentários comuns, que eu estava acostumado a escutar por s/n ser modelo e ter vários caras babando por ela, mas eu não podia evitar o ciúme que crescia em mim.


“Valeu, cara.” Respondi sem graça enquanto passava a mão pela nuca.


Tive me controlar praticamente toda a noite para não gritar na cara de Harry que s/n era minha.


Ela estava ao meu lado, mas passou todo o tempo focada em conversar com Harry e rir de suas histórias em shows.


Eu sabia que s/n não estava levando aquilo com segundas intenções, e que aquilo era apenas seu jeito simpático e carismático de ser. Mas, por mais que eu tentasse, a insegurança ainda me consumia.


“Então, você é do Brasil?” Harry perguntou assim que terminou mais um copo de bebida, e pude perceber que ele já estava um pouco alterado pelo efeito do álcool.


“Sim.” S/n respondeu sorrindo. “Pretende ir para lá?” Perguntou.


“Se lá houver outras garotas como você… É claro.” Respondeu antes de piscar em sua direção.


Cerrei os dentes enquanto apertava as mãos em punho, tentando o máximo me controlar para que não estragasse aquela noite.


“Você pode tentar, Harry. Mas eu fui o cara de sorte que conseguiu a melhor de todas.” Falei dando um selinho em s/n, que sorriu para mim.


Percebi que Harry havia ficado um pouco sem graça depois de minha resposta. Então sempre que havia algum elogio voltado a minha namorada, eu fazia questão em mostrar para ele com quem ela estava.


Depois de alguns minutos, s/n estava entretida em uma conversa com Harry, já que ele lhe explicava como era todo o esquema de seus shows e ela parecia realmente interessada.


“Amor, vou ao banheiro. Você fica bem?” Perguntei a s/n


“Claro. Está tudo bem?” Perguntou preocupada.


“Sim. Só preciso ir ao banheiro e tomar um ar.”


S/n sorriu fraco ainda me olhando um pouco desconfiada, e logo depois concordou com a cabeça.


Assim que sai do banheiro, fui até o lado de trás do local da festa, onde havia apenas uma piscina iluminada pela pouca luz que havia ali.


O clima estava frio, e uma leve garoa caía por ali. Sem meu preocupar com isso, retirei um cigarro e um esqueiro de meu paletó, e o acendi, me encostando no canto da parede.


Algum tempo depois, escutei barulhos de saltos se aproximando de onde eu estava, e logo após, escutei a voz de s/n.


“Suas fãs dizem que você fica sexy quando fuma… Acho que preciso concordar.” Falou sorrindo para mim.


Dei um fraco sorriso, enquanto ela se aproximava de mim mim e me abraçava pela cintura, encostando a cabeça em meu peito.


“Você estava com ciumes do Harry.” Afirmou ainda na mesma posição.


“O que? Eu não estava com ciu…” Tentei me explicar, mas fui interrompido.


“Você estava sim, Zayn.” Falou rindo fraco. “E nem conseguiu disfarçar.”


Suspirei alto, apertando minhas mãos em sua cintura e dando um beijo no topo de sua cabeça.


“Me desculpa por ser tão ciumento.” Falei dado um fraco sorriso. “Acho que tenho medo de te perder.”


“Você não precisa ter me…” Dessa vez, foi eu que a interrompi.


“Não, s/n. Me deixe falar antes que eu perca a coragem.” Falei em um fio de voz, e s/n apenas me olhou curiosa e concordou silenciosamente. “Eu me apaixonei por você desde que te vi com aquela bota vermelha e com uma blusa do Harry Potter naquele estúdio de fotos em Oxford. Eu me sentei de frente para você tentando descobrir várias maneiras para puxar um assunto sem parecer um psicopata que queria te sequestrar.” Ri fraco. “Eu amo o seu sorriso, e o modo que você diz coisas incoerentes enquanto dorme. Eu amo o jeito que você trata meus primos e irmãs, e isso só me dá mais vontade de ter um futuro ao seu lado.” Seus olhos já estavam cheios de lágrimas, e eu tinha que admitir que estava me esforçando para não ter a mesma reação. “Eu estava planejando um praia com um pôr do sol, e várias flores como você gosta, mas sinto que esse é o momento certo.” Falei me ajoelhando, pouco me importando se sujaria minha calça. “S/n/c, você aceita se casar comigo?”


S/n ficou um tempo sem reação, com lágrimas escorrendo pelo rosto e uma expressão indecifrável.


Por um momento, achei que ela recusaria minha proposta. Mas assim que senti seus lábios quentes em encontro aos meus, relaxei.


Ela também havia se ajoelhado, parecendo também não se importar com seu vestido.


“É claro que eu quero.” Disse em meio ao beijo. “Eu amo você.”


“Eu também amo você.” Falei. “Mas… O seu anel está em meu closet, preciso improvisar.” Falei olhando ao redor, tentando achar algo.


“Zayn, você não precisa…”


Antes que s/n pudesse completar, peguei uma grama do jardim em volta da piscina. E estendi minha mão para que ela se levantasse.


Peguei sua não direita, e enrolei a grama em seu dedo anelar, logo depois depositando um beijo.


S/n riu em meio às lágrimas, e logo depois me beijou.


Você é tudo para mim.” Sussurrou.



A glicose subiu aqui

XxXGaby

Imagine Harry Styles

Pedido de @mymyparadise: just a little bit of your heart

S/N P.O.V

Apesar de tudo. Apesar de saber que o cheiro de perfume na camisa dele após do trabalho não é meu, apesar de saber que ele se relaciona com outra mulher, apesar de tudo eu o amo, e sei que sou uma boba por isso.
Arrumei a mesa de jantar como nos outros dias, apesar de não ter fome. Eu sei que iriam se passar horas e horas, as vela iriam apagar, a comida esfriar e o vinho ficaria mais quente do que de costume. Ele chegaria a madrugada, esquentaria comida no microondas e me elogiaria do dia seguinte. Mas, jamais negaria que ela é melhor que eu.
Subo a escada devagar, tomo meu banho e após sair do chuveiro paro na frente do espelho. Observo meu corpo: Percebo que eu estou mais magra, pareço doente. Na verdade eu estou, emocionalmente, mas estou.
Sem me importar muito coloco meu pijama e me deito na cama. Não tenho sono então fico apenas vendo fotos antigas minhas e de Harry, a época em que éramos felizes, ou pelo menos acho que sim.
Ouso o motor de Harry e vou no banheiro, limpo minhas lágrimas e volto a deitar. Tempo o suficiente para que ele estivesse subindo os degraus. Logo ele entra no quarto sorrindo e vem até mim. Harry tenta me beijar, mas eu recuei e ele estranhou.
- O que foi, amor? - Harry perguntou e eu ri sarcástica.
- Amor? Você tem certeza que sou eu? Harold, nós estamos em 2017, seu amor não sou eu e você sabe que não sou. - Permaneci sentada na cama.
- Você vai começar com essa de novo? - Questionou.
- Eu nunca te pergunto onde você estava e eu não sinto que preciso saber com quem você estava. Nem consigo pensar direito, mas eu sei que agora há pouco, você estava com ela e eu ainda sou, sempre serei uma boba por você. Porque eu te amo, ou amava, sei lá.
- Eu estava trabalhando, você sabe. - Justificou. - Vem, vamos jantar. - Esticou a mão para que eu pegasse.
- Não tenho fome, mas você pode ir. As velas já se apagaram mesmo, não tem porque eu estar lá. - Harry suspirou.
- Você está muito magra, não come faz quanto tempo? - Ele perguntou se sentando a minha frente.
- Eu não sei, mas isso não importa né. Afinal, sua nova mulher deve ser atraente, então se importe com ela. Não precisa se importar comigo. Eu vou embora mesmo. - Harry arregalou os olhos.
- Para onde você vai? - Seus olhos estavam marejados.
- Isso não importa Styles, bom apetite. - Disse e ele saiu.
Suspirei e coloquei algumas roupas dentro de uma mochila. Desci, mandei um beijo de longe para Harry que deixava as lágrimas caírem.
- Só um pouquinho do seu coração é tudo o que quero. - Disse e sai.
Entrei em um táxi que me deixou no aeroporto e lá fiz check-in para o voo de Londres para o Brasil e segui em frente. Dormi o voo todo, eu estava precisando daquilo.
[…]
Eu voltei para meu antigo apartamento no centro de São Paulo e lá eu vivia minha nada agitada vida. Eu me sustentava com o salário de modelo de Londres que era o suficiente.
O porteiro anunciou em uma tarde do domingo que eu amigo estava querendo subir, ele não disse o nome e mesmo assim pedi para que subisse.
Abri a porta e de longe avistei Harry, seus olhos estavam marejamos mais uma vez. Sorri ao ver aquilo, ao ver ele.
- Volta por favor! - Ele implorou e eu dei espaço para que entrasse. - Eu já larguei ela, reformei nossa casa, coloco você para trabalhar comigo se quiser. Só por favor volta. Eu preciso de você, por isso eu vim até aqui. Você não precisa ter um pedaço do meu coração. Pode ter todo. Pode ter tudo o que quiser.
- Harry é complicado. Sabe, eu nunca te digo como realmente me sinto, pois não consigo achar as palavras para dizer a verdade e nada nunca é fácil, é isso que eles dizem. Eu sei que não sou sua única. Mas ainda serei uma boba, pois sou uma boba por você. - Harry me beijou.
- Volta, por favor?! - Ele se ajoelhou. - S/N S/S, você quer se casar comigo de novo? - Ele me mostrou uma caixinha de anéis e eu sorri.
- É, eu quero. Eu sempre quero você, Harry Styles. - Ele colocou o anel em meu dedo e me beijou.
- Eu te amo mais que nunca. - Sorri.

Imagine - Louis Tomlinson

Essa é a continuação desse pedido aqui:  (…) eles são melhores amigos e ela trabalha cm ele desde sempre até é amiga dos meninos mas ela é muito apaixonada por ele q não a vê assim, eles moram juntos e um dia eles tem uma briga bem feia onde ele chama ela de criança por não gostar de nenhuma garota q ele sai e por não arrumar um namorado pra faze ela menos rabugenta e ela diz q ama ele e sai chorando, ela some por uma semana e ele se arrepende, no fim eles ficam juntos.

A parte um está nesse link, pra quem não leu ou quiser relembrar…

Espero que gostem! Beijos.




Eu já estava maluco. Já fazia mais de uma semana que eu não tinha notícias da (S/N). Eu ligava mas ela não atendia, mandava mensagens e e-mails, mas ela não respondia. Eu já não sabia mais o que fazer.

O barulho do salto fino se chocando contra o piso fez meu coração disparar, e um frio percorreu minha espinha.  A porta foi aberta e fechada logo em seguida, e só então eu me virei pra ela.

- Eu posso saber onde você se meteu? – ela me olhou assustada, provavelmente não esperava me ver aqui.

- Eu tive que fazer uma viajem. Precisava acompanhar de perto alguns processos da empresa em Nova Iorque; e fui pra lá. Essa viagem iria acontecer mesmo, eu só antecipei.

- Eu fiquei preocupado. Você sumiu, não deu notícias, não avisou ninguém.

- Agradeço a preocupação, mas não precisava Louis. Eu não sumi; Niall e Ella sabiam onde eu estava. Eu precisava ficar um tempinho longe e precisava fazer essa viagem.

- Nós precisamos conversar, (S/A).

- Louis, não! Por favor… Nós já conversamos tudo que tínhamos pra conversar.

- Não! Você falou tudo que tinha pra falar, você despejou tudo aquilo em cima de mim naquele dia e sumiu. Desapareceu. Não deu notícia nenhuma, não atendeu nenhuma das minhas ligações, não respondeu meus e-mails e minhas mensagens. Você não me deixou falar. Então sim, nós precisamos conversar. – ela suspirou.

- Tudo bem, vamos conversar. – ela colocou sua bolsa no sofá. – O que tanto você quer me falar, Louis?

Sem dizer nada, nem uma palavra, acabei com a distância que tinha entre nós e a beijei. Eu não entendia, mas eu precisava disso. Meu corpo pedia por esse tipo de aproximação. Quando ela finalmente correspondeu o beijo, agarrei sua cintura e puxei se corpo para mais perto de mim. Meu coração estava acelerado e minha respiração fora de compasso.

- Não! – ela me empurrou pra longe dela. – Vamos deixar as coisas mais fáceis. Por favor, não faz isso comigo.

- Você tem noção de como eu fiquei desesperado e preocupado? Você sumiu, eu não sabia onde você estava e, ao menos, se você estava bem. Eu fiquei destruído, (S/N). – ela desviou seu olhar do meu. – Só ai eu percebi o quanto você é importante pra mim. Eu não conseguia dormir, eu só conseguia pensar em você. Eu fiquei louco tentando descobrir onde você estava.

- Desculpa, Louis. Essa não foi a minha intenção. Eu agradeço toda essa sua preocupação, mas eu precisava ficar longe, eu precisava colocar meus pensamentos em ordem. Pensa no meu lado também.

- Eu pensei, pensei muito. Pensei em tudo que você me disse naquele dia; pensei em cada palavra.

- Eu já te pedi pra esquecer aquilo, foi um erro. Eu nunca devia ter te contado. Eu não tenho o direito de interferir na sua vida, ainda mais na sua vida amorosa. Esquece isso, vai. – praticamente implorou.  

- Você não tem que se desculpar. Eu fui naquele maldito encontro na sexta, mas você não saia da minha cabeça. Eu só conseguia pensar em você, em como e onde você estava. Só ai eu percebi que eu não consigo mais ficar longe de você.

Me aproximei dela e segurei seu rosto com as minhas mãos.

- Foi ai que eu percebi que e que eu sinto por você não é só um carinho, um amor de amigo ou irmão.

- Do que você está falando, Louis?

- Eu correspondo sim os seus sentimentos! Eu não consigo mais me imaginar sem você do meu lado. Eu não sou nada sem você. Eu preciso falar com você todos os dias, ver você, te abraçar, sentir o seu cheio, ficar perto de você. Eu fico assim toda vez que te vejo! – coloquei sua mão no meu peito. – Meu coração fica acelerado, um sorriso bobo surge no meu rosto quando eu vejo você, eu fico com frio na barriga. Eu demorei pra perceber, mas eu estou apaixonado por você!

- Você? Você tá apaixonado por mim? – perguntou gaguejando. – Que brincadeira é essa?

- Não é brincadeira nenhuma! Eu tô falando sério, muito sério. Eu amo você, (S/N). Eu sei que eu fui um idiota, e falei coisas que não devia e que deve ter te magoado. Eu sei, também, que eu demorei pra perceber isso; mas nem eu entendia os meus sentimentos. Eu também me apaixonei pela minha melhor amiga, pela pessoa que sempre está do meu lado, em todos os momentos; pro que der e vier! – sorri junto com ela. – E eu estou disposto a tentar! Eu quero tentar, eu quero ficar com você!

- Agora quem não sabe o que dizer sou eu. – sorri e encostei minha testa na dela.

- Então não diz nada! – disse baixinho, me inclinando para beijar seus lábios novamente.

Meses depois

*

- Quem diria que estaríamos assim um dia, né?! – me sentei ao lado dela no sofá e a abracei.

- Quem diria! – disse sorrindo. – O mundo da voltas! – ri e beijei sua bochecha.

- Foi a melhor volta de todas! – ela me olhou com uma cara engraçada e eu ri. – Eu tô falando sério!

- Sei! – ela se ajeitou no sofá e eu fiquei de frente pra ela.

- Eu nunca imaginei que eu ia me apaixonar pela minha melhor amiga; mas isso foi a melhor coisa que já aconteceu comigo! – ela sorriu.

- Comigo também! – sorri e selei seus lábios.

- Naquele dia que eu disse que estava disposto a tentar e ficar com você, meses atrás, foi a decisão mais sensata que eu já tomei na minha vida. E eu agradeço por isso todos os dias. Você virou minha vida de cabeça para baixo, você mudou tudo dentro de mim. – ela riu. – Você me faz ser uma pessoa melhor a cada dia. Eu amo você, e a cada dia amo mais. Eu quero poder passar o resto da minha vida com você, ao seu lado. Porque você é a minha amiga, minha companheira, é o amor da minha vida, a mulher que eu quero pra mim. E por isso eu quero saber se você me daria a honra de dividir sua vida comigo, e se você aceita se casar comigo? – tirei uma caixinha do bolso e abri, mostrando um anel de noivado.

Vi seus olhos brilharem, lágrimas escorrer por seu rosto e um lindo sorriso se formar em seus lábios. E eu sorri junto.

- Louis, você tá maluco!

- Nunca estive tão sã em toda minha vida! – ela sorriu e me olhou. – Eu te amo, (S/A). E eu quero você pra mim, pra sempre! – acariciei seu rosto e selei seus lábios. – E então? Você aceita?!

- É claro que eu aceito! – sorri aliviado e coloquei o anel em seu dedo. – Eu te amo!

Eu amava quando escutava ela dizer isso, e me derretia todo. Eu amava essa mulher, mais que a mim mesmo, e sabia que era com ela que eu queria passar o resto da minha vida. 

A melhor coisa que já aconteceu na minha vida! 

Reação do BTS ao pedir você em casamento

J-Hope: Sabe, eu não pensava nessas coisas, não tinha esses planos. Mas as coisas mudaram desde quando me apaixonei por você. Agora eu não quero te deixar sozinha nem para ir para sua casa. Eu quero morar com você. Casa comigo?

Jimin: Eu quero dar um novo passo na minha vida. A felicidade que sinto hoje não é mais o suficiente. Quero mais. Vamos ser felizes juntos? Quer casar comigo?

Jin: Eu tenho pensado em muitas coisas ultimamente. Como em nosso noivado, nosso casamento, na gente morando juntos e nossos filhos me chamando de papai. Que tal começarmos isso agora? 

Jungkook: Eu to tentando não parecer nervoso mas você me conhece, é minha melhor amiga, sabe como eu sou. Eu to treinando como fazer isso faz dias mas minha mente está em branco nesse momento. *Pega em sua mão* Eu quero começar algo novo com você. *Te dá um caixinha com um anel de noivado dentro, enquanto olha seus olhos esperando sua resposta*

Rap Monster: Eu…ehhh. *Olha para o lado, os membros do BTS estão ameaçando ele caso Namjoon desista* Isso é algo difícil de se falar, então enquanto eu penso na melhor maneira de te falar isso, você pensa se aceita casar comigo. *Ele percebe o seu susto e olha dentro seus olhos* Casa comigo?

Suga: Escuta essa música. *Bota o fone em um de seus ouvidos* Ela conta a história de um garoto tímido que conhece uma garota incrível, ele tenta encontrar a melhor maneira de contar um segredo para ela, mas é tímido demais para ir direto ao ponto.

S\N: E qual é o segredo?

Suga: Que ele quer pedir ela em casamento. Minha garota incrível, quer casar comigo?

V: Não quero mais ser seu futuro marido. Quero ser seu marido agora. Me dá a honra de você ser minha mulher?

One Shot Liam Payne 

Semana LPayne 

Pedido por - @mymyparadise

O silêncio era um pouco constrangedor, mesmo que houvesse o barulho de conversa em volta, entre eles havia um silêncio que os permitiam pensar bem na situação atual. O que os dois têm em comum é a determinação de fazer o que acham melhor para suas respectivas famílias.

(Seu nome) brincava com seus dedos olhando para eles desejando que criar uma relação com o rapaz à sua frente fosse menos difícil do que estava parecendo, ela ou ele só precisava encontrar um assunto para conversar e deixar o silêncio bem longe deles. Liam olhava o seu café esfriando com a temperatura ambiente enquanto se forçava a encontrar um assunto que não deixasse a garota ainda mais acanhada, ela claramente não esteve em muitos encontros na vida, ele também não, mas deveriam fazer dar certo.

— Papai me disse que você é um bom garoto. — a voz de (seu nome) soou baixa e ela pôde sentir suas bochechas esquentarem — Ele nunca fala isso sobre garotos.

— Fico feliz que ele ache isso. — Liam sorriu — Se vamos ser uma família teremos todos que nos dar bem. — (seu nome) levantou a cabeça para olhar o garoto.

— Você não está chateado com tudo isso? Eu achei que não quisesse se casar comigo. — o olhar de (seu nome) se direcionou as suas mãos mais uma vez, ela não sabia qual resposta teria.

— Claro que não. — ele riu baixo — Acredito que nosso pais nos amam o suficiente para terem decidido o que seria melhor para cada um de nós. E você é bonita, fofa e eu sempre escuto coisas boas ao seu respeito. — Liam pegou a mão de (seu nome) com certa lentidão com receio de assustá-la, ela olhou suas mãos juntas e sorriu timida.

— Eu penso da mesma forma. — com os dedos entrelaçados um sorriu para o outro. Eles estavam tentando, a ideia de se casarem nunca soou estranha para nenhum dos dois.

— Eles nos deram escolha, eu escolhi me casar com você e acredito que você escolheu se casar comigo. Amor se constrói com o tempo. — o polegar de Liam deslizava lentamente sobre a mão de (seu nome) e ela assentiu.

Os dois estavam tão alheios ao resto das pessoas que se esqueceram do segurança na porta, ele os observava para passar todas as informações para suas famílias. A união do útil ao agradável foi perfeita, eles poderão ser muito felizes já que se permitiram tentar.

Os dois se conheceram quando o pai de (seu nome) deu um jantar na casa deles no propósito de dizer ao chefe da família Payne sobre seus pensamentos de unificar as famílias Payne e (seu sobrenome). A ideia agradou o senhor Payne, ele era é de grande influência na cidade e precisa de proteção. Os (seu sobrenome) são donos da maior corporação de seguranças altamente treinados e isso viria a calhar já que segurança é uma coisa que os Payne precisam.

Com a promessa de pensar melhor sobre o assunto, o senhor Payne ligou uma semana depois perguntando se (seu nome) havia aceitado porque nada seria feito contra a vontade dos dois e após o discurso do senhor (seu sobrenome), (seu nome) aceitou porque sabia que isso seria bom.

[…]

— Eu vos declaro marido e mulher. — o padre sentenciou fazendo o coração de (seu nome) acelerar — Pode beijar a noiva.

(Seu nome) sentia suas mãos suarem, ela sempre - pelo menos depois que o conheceu - quis saber como seria ter os lábios de Liam sobre os seus. Ela nunca havia beijado ninguém e isso a deixava muito nervosa somente em pensar.

Liam estava sorrindo, ele segurou as duas mãos da agora sua esposa e aproximou seus lábios dos dela fechando os olhos e apenas esperando o contato. Delicado. Essa seria a palavra que (seu nome) usaria para descrever a forma que foi beijada por Liam, ele encostou seus lábios demoradamente em um selinho bastante longo e só os separou quando os gritos animados dos amigos e familiares soou alto atrás deles.

Estava feito, eles estavam casados e caminhando em direção à uma vida a dois onde as coisas dariam certo se eles lutarem por isso. Aprender a amar as manias e defeitos, mas principalmente aprender a amar.

— Eu estou um pouco nervosa… — (seu nome) confidenciou olhando para sua mão junto a de Liam.

Antes do casamento sua mãe havia a dado algumas dicas em uma conversa desconfortável e vergonhosa sobre sexo e o que deve e o que não deve fazer na lua de mel. Ela absorveu todas as informações mesmo que quisesse abrir um buraco para se enterrar, mas não tinha certeza se conseguiria seguir o que lhe foi passado.

— O que está afligindo você? — Liam a olhou como se estivesse olhando uma rosa, de certa forma ele a enxergava como uma. Bela e delicada.

— Você sabe… Tudo que virá a seguir — ela já podia sentir as bochechas queimarem enquanto olhava para o chão do elevador que os levava à suíte do hotel que passariam a noite.

— Tudo a seguir que você se refere são as próximas horas ou a nossa vida daqui em diante?

— Acho que os dois, mas as horas que virão é o motivo da minha ansiedade de agora. — (seu nome) mordeu o interior de sua bochecha — A lua de mel… — a voz quase não saiu para falar a frase.

— Não se preocupe. — Liam levantou o queixo da esposa com o indicador e o polegar — Não faremos nada se você não quiser, não se sinta obrigada a fazer qualquer coisa. — ele sorriu doce para passar confiança e beijou a testa dela — Tudo tem o seu tempo, não precisamos apressar.

— Eu quero… — seus olhos buscaram outra direção para olhar que não fosse os de Liam — Mas não posso deixar de ficar nervosa, eu nunca estive sozinha em um quarto com um homem.

— Vai dar tudo certo. — o sorriso e a confiança de Liam fez (seu nome) sorrir e assentir.

O elevador se abriu e Liam pegou (seu nome) no colo olhando em seus olhos por alguns segundos antes de sair em direção a porta do único quarto naquele andar. Ele queria fazer tudo conforme o figurino, queria fazê-la se sentir bem e feliz com aquele dia que seria deles para sempre.

— Você não precisava fazer isso. — (seu nome) falou baixo ainda mais envergonhada.

— Claro que sim, é um dos melhores momentos do casamento. — Liam riu baixo passando o cartão para destrancar a porta e entrou fechando-a novamente e colocando (seu nome) no chão.

Os dois ficaram se olhando por alguns segundos, pareceram uma eternidade enquanto estavam mergulhados um nos olhos do outro, talvez não soubessem o que fazer e isso começou a preocupar (seu nome). Ela não sabia se ele estava esperando ela tirar a própria roupa, então resolveu agir.

— Você… Você pode me ajudar a tirar o vestido, por favor? — suas mãos suavam como nunca enquanto ela se colocava de costas para Liam.

Sem uma resposta audível, as mãos de Liam foram de encontro aos botões de pérolas e começou a abri-los lentamente logo depois abaixando uma das alças expondo a pele macia do ombro da esposa. Sem conseguir se conter, ele levou seus lábios ao local deixando um beijo delicado e demorado que logo se transformou em uma sessão de beijos fazendo (seu nome) se arrepiar e gemer baixinho.

Deslizando o vestido até o chão, Liam contornou o corpo de (seu nome) ficando de frente para ela que estava de olhos fechados, ele tocou seu rosto e levou seus lábios de encontro aos dela em um selinho, mas não demorou para que sua língua encontrasse espaço na boca de sua esposa em busca de intensidade. Para o primeiro beijo, (seu nome) se manteve bem acompanhando os movimentos lentos da língua de Liam em sua boca.

— Está tudo bem? — Liam sussurrou ao parar o beijo. Seus lábios ainda sobre os de (seu nome).

— Sim… — ela sussurrou se inclinando para frente e iniciando outro beijo gostoso como o que haviam acabado de dar.

As  mãos de Liam passeavam sobre o corpo de (seu nome) coberto apenas pela lingerie comprada especialmente para a ocasião, de maneira respeitosa para não assustá-la. Ele a levou até a cama e a deitou dando-a todas as preliminares possíveis para relaxá-la e fez sexo delicado e carinhoso se certificando a todo momento que estava sendo bom para os dois e não apenas para ele.  

Não pode ser rotulado como ‘fazendo amor’, o amor ainda não existe entre eles, mas estão trilhando o caminho certo, estão se permitindo.

— Você gostou? — Liam perguntou baixo depois que ficaram algum tempo em silêncio.

— Sim, mas acho que fui muito escandalosa. — as bochechas coraram apenas ao admitir.

— Claro que não. — Liam riu pegando a mão da esposa a beijando.

— Podemos fazer de novo? — os olhos de (seu nome) estavam mais uma vez focados em algo que não era Liam como todas as outras vezes que ela sentiu vergonha.

— Não precisa se envergonhar. — ele selou seus lábios — Nós podemos fazer sempre que você quiser.

(Seu nome) se impulsionou para frente ficando mais perto de Liam e iniciou mais um beijo lento, eles repetiram tudo novamente com o mesmo carinho e delicadeza.




Demorei um pouquinho para voltar e não me orgulho disso, mas as coisas estão corridas para mim.

Não se preocupem, Liam terá todos os 1s que tem direito com ele protagonizando.

Espero que tenham gostado, obrigada a todas as pessoas que deram o retorno no último 1s. Vocês me fizeram muito feliz :)

- Tay

Chance
  • Ele: Eu ainda gosto de você.
  • Ela: Porque você se foi então?
  • Ele: Eu fui idiota, eu sei.
  • Ela: Sim, muito.
  • Ele: Me perdoa? Eu quero consertar as coisas entre nós.
  • Ela: Eu te perdoo, mas, terá que mostrar que você realmente mudou.
  • Ele: Eu amadureci bastante nesse tempo que estive fora, e para compensar eu gostaria de lhe mostrar uma coisa.
  • Ela: O que?
  • Ele: Você aceita se casar comigo?
  • Ela: ...
  • Ele: Diga que sim, por favor, eu te amo muito e não sei viver sem você, pensei em você todas as noites da minha vida, seus olhos, sua boca, seu cabelo tão sedoso. Eu fui um tolo, sei disso. Me dê só essa chance para lhe provar que eu mudei.
  • Ela: Você tem sua chance, espero que saiba aproveita-la.
  • Ele: Obrigado. Não vai se arrepender. Eu garanto.
  • - Nem todos têm uma segunda chance, aproveite sua primeira e nunca precise de uma segunda.

Pedido de anna-luisa11: Vc pode fazer um do Louis em que ele namoram desde adolescentes e ele se torna um grande empresário e um monte de mulheres ficam dando em cima dele aí eles brigam mais depois ele perde ela em casamento?


Louis: Amor, pode me ajudar aqui? - disse tentando dar um nó em sua gravata 

S/N: 24 anos nas costas e não sabe dar um nó na própria gravata! - digo enquanto levanto da cama e vou até ele, que está perto do espelho.

Louis: É algo difícil de se fazer ok? - disse eu rio

S/N: Prontinho! - dou os últimos toques em sua gravata e ele se vira para o espelho e se olha. Fico o observando de cima pra baixo e sorriu.

Louis: Que foi? - ele ri, provavelmente pela cara que eu estava.

S/N: Estava te observando! 

Louis: Estou bonito? - ele se vira para mim e sorri

S/N: Como sempre! - envolvo meus braços em seu pescoço e trago ele pra perto de mim, lhe dando um beijo.

Louis: Queria tanto ficar com você.. - falou baixinho, enquato beijava meu pescoço.

S/N: Você tem uma reunião importante!

Louis: Hoje é sábado! - ele revirou os olhos.

S/N: Vamos Louis! Você vai se atrasar! 

Louis: Chata!- E assim ele se despediu de mim e foi para a reunião. Eu fiquei em casa e como não tinha nada para fazer, abri a gaveta da estante e peguei um álbum. Abri o mesmo e lá havia diversas fotos minha e do Louis, ao longo do nosso relacionamento. Enquanto via cada uma das fotos, uma lembrança vinha á cabeça. 

Flashback em: 

Lottie: Mais bordo !! 

Louis: Lottie, tira logo a foto! - Louis passou a mão pela minha cintura e ele começou a fazer cócegas em mim 

S / N: Para Bobao! 

Louis: Te amo sabia? - me deu um selinho 

Lottie: Anww, que fofos! - a irmã de Louis nos mostrou a foto e foi bem no momento que nos beijamos. 

S/N: Ficou ótima! 

Louis: Agora vamos, senão vamos nos atrasar pro baile!

Lottie: Divirtam-se! 

Louis: Nunca pensei que iria ter minha primeira casa com 19 anos! 

S/N: Nem eu.. Ainda mais em ter encontrado o amor da minha vida aos 19 anos! 

Louis: Você é a coisa mais maravilhosa deste mundo sabia? - colou nossos corpos e me deu um selinho demorado 

S/N: Agora tira uma foto minha na nossa casa! - ri e ele sorriu, pegando seu celular e tirando uma foto minha 

Louis: Tira uma minha também! - Louis pulou bem na hora que tirei a foto, ficando muito legal


Fiquei por muito tempo vendo todas as fotos. Nós éramos tão felizes! 

Louis me pediu em namoro quando tinhámos 15 anos. Namoramos escondido por mais ou menos 3 anos, quando finalmente apresentei ele aos meus pais.

Depois de todo esse tempo juntos, eu sonho com nosso casamento! Quase 10 anos de puro amor e idiotices! 

Tenho que admitir que de uns anos pra cá, todas as mulheres do planeta estão em cima do MEU namorado! 

Tá, isso é algo que eu não posso evitar, porque Louis é extremamente lindo e eu tenho muita de sorte de ter ele como noivo, mas depois que ele começou a exercer a profissão de empresário, parece que a beleza dele aumentou e isso vem dificultando a nossa relação. 

Eu não sou tão ciumenta, só um pouquinho e isso irrita um pouco o Lou, mas é meu dever cuidar do que é meu não é? 

Louis havia chego da reunião quase 21h e foi direto para cama.

Quando acordei, no dia seguinte, Louis logo me chamou para passarmos o dia fora. Adorei a ideia e fomos ao parque, almoçamos em um lugar super legal e á tarde fomos ao shopping. Neste período, muitas mulheres ficavam o encarando e ainda por cima, algumas davam em cima dele, como se eu não estivesse do lado dele. E sim, aquilo me chateou bastante, e quando estávamos indo para outro lugar, no carro, a situação veio a piorar.

Louis: Por que está quieta? 

S/N: Não tô queita

Louis: Eu te conheço! Por que está assim?

S/N: Não é nada! 

Louis: S/N! Não me diga que é por causa de..- o interrompi

S/N: É Louis! É por causa de ciúmes sim!! 

Louis: Ridículo da sua parte ficar “bravinha” por causa disso!

S/N: AHHH!! Você acha muito legal eu ficar observando mulheres dando em cima de você na minha frente não é? Você deve gostar disso! Ridículo é você, dando moral pra elas! 

Louis: Quando eu dei moral pra elas?? 

S/N: Eu já estou brava! Não piora a situação!

Louis: O dia estava perfeito, mas você tinha que estragar! 

S / N: Quem estragou foi você! Pra começar, eu nem deveria ter vindo, pra aguentar esse tipo de coisa! 

Louis: ÓTIMO! Então vamos pra casa! Tinha planejado algo pra nós dois, mas parece que você nem queria ter vindo! - ele falou em um tom totalmente agressivo e depois desta pequena discussão, fomos pra casa em completo silêncio. 

Assim que chegamos em casa, fui para o quarto, coloquei meu pijama e me deitei. Odeio ficar brigada com ele mas sempre quando isso acontece, sou eu quem vou pedir desculpas. Mas hoje vai ser diferente!

Dia seguinte..

Eu acordei e como havia imaginado, Louis dormiu na sala. pois ele não estava na cama. 

Quando me levanto, vejo um caminho de pétalas de rosas azuis. Sorri ao ver e sigo o caminho. Desço as esacadas e quando chego até á sala, ele está me esperando, sentando na poltrona. 

Louis: Gostou do caminho? - assenti- Que bom! - no mesmo instante, ele tira de trás dele um lindíssimo buquê de rosas azuis.

S/N: Que lindas!! - digo enquanto aprecioso as flores. 

Louis: São lindas como você! O jeito como aprecia elas, é o jeito de como eu aprecio a mulher mais linda do planeta! Você foi com certeza, um dos melhores presentes que eu já recebi! Lá no terceiro ano do ensino fundamental, já te achava a gorota mais linda do colégio, e quando começamos a namorar, vi que você seria a mulher da minha vida! Por isso..- ele se ajoelha e naqule instante eu já não consigo segurar a emoção - Quer se casar comigo? - Louis abre aquela famosa caixinha e meu sorriso estampado em minha face, juntamente com meus olhos marejados, representam o quanto estou feliz.

S/N: Com toda certeza! - ele se levanta e eu lhe dou um beijo com extrema paixão e logo depois dei um abraço bem apertado - Me perdoa por ontem! 

Louis: Já perdoei meu amor! Tá tudo bem! Eu só tenho olhos pra você, ainda mais agora que você é minha noiva! Não se preocupe, você é e vai ser a única na minha vida! 

S/N: Por essas e outras trilhões de razões que eu te amo! 


Ju

*.

Eu sou um cara comum que uma vez se ajoelhou e perguntou: “Quer se casar comigo?”Ela respondeu: “Não.” Peguei minhas coisas e fui procurar uma mulher que diga “sim”. Eu sou um cara comum que uma vez a namorada chegou em casa chorando. Segurei a mão dela, e disse: “Não chora. Estou aqui.” Ela respondeu: “Eu te trai.” Peguei minhas coisas e fui procurar uma mulher que não trai. Eu sou um cara normal que namorou por quatro anos e a namorada terminou por mensagem dizendo: “Vai dar errado.” Peguei minhas coisas e fui procurar uma mulher que dê certo. Eu sou um cara normal que uma vez se apaixonou pela melhor amiga. Se declarou. E escutou: “Você é especial, mas…” Peguei minhas coisas e fui procurar uma mulher que não tenha “mas.” E sim, uma mulher que queira mais. Eu sou um cara comum que chora em filme, propaganda e foto de família. Mas neste mundo homem sensível é “clichê” ou gay. Eu sou um cara comum que não quer ganhar no jogo. E muitas vezes perde no amor. Eu sou um cara comum que em 2001 teve uma doença de pele e perdeu os cabelos. Vários amigos disseram: “Careca? Nenhuma mulher vai querer você.” Peguei minhas coisas e fui procurar outros amigos que disseram: “Você sarou? Precisa de algo?” Eu sou um cara normal que uma vez quando criança, escutou um menino dizendo para uma menina: “Você é feia.” Ela saiu correndo chorando. Peguei uma folha e escrevi em todas as linhas. “Você é linda.” Deixei dentro da mochila dela. No outro dia, ela colou a folha na capa do caderno. Eu sou um cara comum que um dia, a namorada enviou uma mensagem: “Eu amo você.” Uma semana depois, terminou dizendo: “Não vou ficar com você por pena porque seu pai está doente.” Peguei minhas coisas e fui procurar uma mulher que não tenha pena de mim. Eu sou um cara comum quero ter uma casa, uma familia e um labrador. Um cara comum que o pai está doente. Não fala, não anda mas ainda sorri. E não vai desistir. Um homem com uma história que ninguém acredita. Que passa horas no banho para a água se misturar com as lágrimas. Que todas as noites tranca a porta do quarto para sua mãe não entrar e vê-lo chorar. Que escreveu na parede: “Mais coração, menos razão” Que desenhou no teto um céu cheio de estrelas. Para sonhar, rezar e pedir: “Deus, por favor, você poderia mandar alguém aqui para curar meu pai?” Eu sou um cara comum. Não importa o quanto isso me destrua. Eu não vou parar. Você pode não acreditar. Eu não me importo. Não vou desistir. Por que se eu desistir, eu seria outra pessoa pela qual não vale a pena lutar.
—  Faça amor, não faça jogo. Ique Carvalho.

NIALL HORAN


  • anna-luisa11 :Faz um do Niall em que a mãe dela não aprova ter filho antes do casamento mas ai ela descobre que tá grávida e se afasta do niall e da família dela mas no final ele pede ela em casamento e ela conta na festa que está grávida? Amo os seus imagines 💓💓💓 
  • Esse tá grande, espero muito que vocês gostem!
  • Boa leitura!



Minha mãe sempre foi aquelas mulheres religiosas, desde que eu era um bebê ela sempre me levava pra igreja, ela até me batizou e tudo mais e quando fiz meus 15 anos ela começou a me prender em casa com medo de eu encontrar um menino, ela sempre diz que sexo e filhos só depois do casamento, no meu  último ano do colégio eu conheci um menino, ele era 3 anos mais velho que eu, o que fez a gente namorar escondido , sempre tinha aqueles momentos que eram quentes entre nós e eu sempre me esquivava lembrando do que minha mãe dizia, é bobagem, mas se eu fizer sexo ou ficar grávida minha mãe me expulsa de casa, eu estou a sete meses com Niall e quando menos esperei aconteceu, nós tivemos nossa primeira vez e foi maravilhoso. O que eu não esperava era que junto com isso iria vim um bebê, eu descobri a uma semana que estou grávida e se minha mãe souber ela me mata, e claro eu não tive coragem de falar para Niall o que fez eu evita-lo por uma semana, ele já veio na minha casa, na minha escola e eu sempre fugia, talvez o certo era não falar mesmo, por mais que ele ficaria muito feliz, mas não quero estragar sua juventude assim como estou estragando a minha.

Tive que tomar uma decisão difícil, mas era necessário, peguei minhas mesadas na minha poupança e peguei uma mala e coloquei algumas roupas dentro, eu iria para casa do meu pai em Boston, sim meus pais são separados desde que eu tinha três anos. Depois de arrumar minha mala eu comprei uma passagem de ônibus para Boston que sairia aquela noite mesmo, eu saio pela janela, já que meu quarto não ficava em cima e sim embaixo. Meu pai nunca foi daquele muito religioso então eu tenho certeza que ele ficaria muito feliz. Cheguei na rodoviária e logo vi meu celular vibrar com um monte de mensagem do Niall do tipo:

“(seu nome)  cadê você? Estou chegando na sua casa”, não respondi apenas ignorei, assim que ele chegasse lá na minha janela eu já vou estar dentro de um ônibus indo para Boston.

Ligue pro meu pai e disse que estava chegando, e ele disse que iria me buscar, ele me perguntou o que aconteceu e eu disse que contaria só quando eu chegasse, assim que cheguei eu vi meu pai com uma das minha irmã mais nova e fui correndo abraça-lo.

­- Oi papai! – dou um sorriso

- Oi minha princesa, você está abatida o que houve?

- Em casa eu te conto, acho que aqui não é uma boa hora – digo e ele assentiu me levando até o carro.

O caminho até sua casa é silencioso e quando eu chego, entro naquela casa onde passei a metade da minha infância e que agora meu pai morava com minha irmã e minha madrasta que me amava. Meu pai me mostra a casa e o quarto de hospedes.

- Então (seu nome) pode começar falar o que aconteceu – ele senta na cama me puxando

- Bom pai, tenho certeza que só você vai me ajudar mesmo, eu conheci um menino e estamos namorando a seis meses e você sabe que a mamãe sempre foi daquelas que dizia que filhos antes do casamento e blá blá blá, e bom eu e Niall a gente vai ter um bebê.

- Mais que legal filha, mas a sua mãe sabe?

- Pai se ela soubesse você acha que eu estaria aqui?

- É verdade, e seu namorado sabe?

- Não  – digo e ele me olha surpreso

- Ele precisa saber (seu nome)

- Eu sei eu sei, mas estou com medo

- Está tudo bem (seu nome), vou respeitar sua decisão e pode ficar aqui o tempo que precisar – ele diz e me abraça

- Obrigado Pai – sorrio

- Jantar vai ser servido daqui a meia hora – ele sai

Passou uma semana desde que cheguei, Niall tem me ligado constantemente e eu apenas recusava, aquilo doía, mas eu não estava pronta ainda. Minha mãe também estava preocupada e eu apenas não atendia. Eu estava tentando achar um emprego mas era difícil aqui em Boston, meu pai disse que não era pra eu me preocupar então eu só ajudava minha madrasta e minha irmã com as tarefas.

[No andar de cima] 

narrador em 3° pessoa

O pai de (seu nome) estava em seu escritório com aquele papel na mão se perguntando se ligava ou não já que ele estava passando por cima da palavra da sua filha então, ele respirou fundo, tomou coragem e discou o numero com ddd de los angeles. Não demorou muito e logo atenderam.

- Alô? – a pessoa do outro lado da linha pergunta

- Alô, é o Niall?

- Sim ele mesmo, quem fala?

- Aqui é o pai da (seu nome) – ele diz

- (seu nome)? Meu Deus o que aconteceu? Ela esta ai? Me diga o que aconteceu com a minha menina – o pai da (seu nome) dá um risinho

- Calma garoto, ela está bem, quer dizer, só se você vim a Boston para conversar com ela, ela tem um assunto muito sério para falar com você.

- O que é?

- É melhor ela te falar, não quero estragar isso.

- Tudo bem, me manda o endereço que estou a caminho – Niall diz e o pai da menina desliga o telefone convicto de que fez a coisa certa.

Narrador em 3°pessoa off

No dia seguinte acordo, tomo meu café e fico um pouco no jardim lendo meu livro preferido, logo sinto uma ânsia de vomito e saio correndo pro banheiro vomitando tudo o que eu comi no café da manhã. Escovo meus dentes e escuto a campainha, abro e meu coração dispara, minhas pernas ficam bambas e eu não tenho reação nenhuma.

- (seu nome), graças a Deus. Porque fugiu de mim? – ele entra e me abraça e eu não consigo retribuir.

- Niall, o que faz aqui? Como sabe que estou aqui? – pergunto

- Seu pai me ligou, mas não fica brava com ele, ele só quer seu bem e estava preocupado – ele sorri e me abraça de novo, puxo ele pro sofá e sento – agora pode me dizer o que aconteceu

- Eu não sei se devo – abaixo a cabeça

- Eu não sai de Los Angeles em vão (seu nome)

- Tudo bem! Eu estou grávida, pronto falei – ele sorrio e fica boquiaberto

- Sério? Eu estou tão feliz meu amor – ele me abraça de novo e beija meu pescoço – Mas porque você escondeu isso de mim?

- Minha mãe na verdade, se ela souber ela vai me matar e matar você – digo

- Sua mãe vai ter que entender (seu nome), a gente se ama e ela não pode fazer nada com você – ele diz

- Eu estou com medo Niall

- Meu amor, eu estou com você e seu pai também que te apoiou todo esse tempo

- Ela vai nos obrigar a casar, e não sei se você vai querer – digo

- Ah, falando nisso – ele mexe no bolso da sua jaqueta e tira uma caixinha de veludo e se ajoelha a minha frente – Você quer se casar comigo?

- Sim meu amor, sim – sorrio e ele me pega no colo

- Agora vamos para Los Angeles e dizer tudo para sua mãe.

- Eu vou, só que não quero deixar meu pai – digo – ele me acolheu esse tempo e fazia muito tempo que não o via

- A gente vai voltar (seu nome), a gente vem visitar eles de vez em quando – sorrio

- Tudo bem, vou só arrumar minhas coisas.

Arrumei minhas malas, arrumei o quarto que fiquei e me despedi do meu pai, agradeci a ele por ter falado com Niall e que estava noiva, ele ficou muito feliz e disse que eu merecia ser feliz.

Chegando em Los Angeles fui para minha casa com Niall, e estava me preparando pra falar tudo pra ela. Quando cheguei e ela me viu, ela veio me abraçar e dizer que estava muito preocupada comigo e perguntou quem era o menino do meu lado, já que namorávamos escondido, expliquei tudo a ela e ela entendeu, eu só não disse da gravidez, eu não tive coragem ainda e decidi contar na festa de noivado que minha mãe insistiu em querer fazer.

Chegando no dia do noivado eu estava apreensiva, mas muito feliz, quando cheguei a festa vi meu pai e fui direto abraça-lo, mas logo chegou a hora do discurso e de eu dar meu anuncio. Subi ao palco segurando a barra do vestido e peguei o microfone.

- Bom, primeiro quero agradecer a todos por terem vindo nesse dia tão especial que é pra mim e pra Niall, e que estou muito feliz de ver minha família e a família do meu noivo aqui – respirei fundo – Bom, agora tenho um anuncio para todos….. Mãe, Pai, Maura e Bob, vocês vão ser vovôs e vovós – disse e logo vi Maura e Bob alegres e meu pai que já sabia piscando pra mim e sorrindo e minha mãe, claro, séria sem sorrir, ela saiu do seu lugar e veio andando até mim.

- (seu nome) – ela respira fundo – Parabéns meu amor – ela sobe e me abraça e depois abraça Niall

- Você não está brava?

- Claro que não, estou feliz que vou ser vovó e parabéns Niall e cuida da minha filha e do meu neto viu – ela diz abraçando meu noivo.

- Pode deixar que vou cuidar da minha menina e do meu menino – ele diz me abraçando por trás e logo veio todo mundo me dar parabéns e para Niall também.

A noite foi longa e foi maravilhosa, como fizemos nosso noivado em um sitio nossas familias estavam todas lá, quando todo mundo foi dormir eu fui para fora, me sentei na piscina e coloquei meus pés na água aquecida, logo sinto Niall sentando do meu lado e ele me abraça

- Eu estou muito feliz sabia? – ele diz

- Eu também meu amor, eu também – digo e lhe dou um selinho demorado.

- Obrigado por tudo (seu nome), por ser essa pessoa maravilhosa, pode deixar que vou cuidar muito bem de vocês – ele alisa minha barriga.

- Eu te amo – sorrio e encosto nossos lábios.

- Eu também – ele me abraça forte e ficamos ali até sentimos sono.

LEMBRE-SE: PLÁGIO É CRIME!

VOLTE NA ASK PARA DIZER O QUE ACHOU POR FAVOR!

“Pai, mãe… sou eu. Estou ligando do Seattle Grace Hospital onde a linda, talentosa e incrivelmente teimosa Dr. Isobel Stevens acaba de me dar um coração novinho e prometeu se casar comigo. Eu sei que tivemos nossas diferenças e sinto muito termos estado sem contato. Acredite ou não, eu estava tentando melhorar tudo. Sei que vocês estão zangados e espero que me perdoem. Acontece que, às vezes, precisa-se fazer a coisa errada. Às vezes, tem que se cometer o maior erro pra descobrir como acertar as coisas. Erros são dolorosos, mas são a única maneira pra você descobrir quem é. Eu sei quem sou agora. Sei o que quero. Eu conquistei o amor da minha vida, um coração novo e quero que vocês entrem no próximo avião pra cá e conheçam minha garota. Tudo vai ser diferente agora, prometo. A partir de agora, nada jamais será igual. Amo vocês.
Grey’s Anatomy 3.04

Eu queria poder te contar tudo o que tem se passado depois que você se foi. Queria contar também que de todas as saudades que já sentir na vida, essa foi a pior de todas elas, parece que todas as coisas perderam a graça e o sentido, queria poder contar que te esqueci por ai, em um canto desses qualquer, mas eu estaria mentindo. Eu gostava quando tinha o seu abraço para me aconchegar, eu me sentia segura do mundo, como se nada de ruim fosse me acontecer ali e o melhor era que realmente não acontecia. As vezes (sempre) me pego pensando no que fomos ou o que poderíamos ter sido e fico tentando entender o que deu  errado, o que poderia ter feito diferente, mas confesso que do jeito que foi, era perfeito aos meus olhos, queria poder descrever exatamente como era tudo aquilo, mas não existe uma palavra certa, talvez exista uma que chegue perto; maravilhoso. Já pensei em te ligar, pra contar coisas que só contaria pra você, mas eu sei não é a minha voz que você queria ouvir. Tudo dói, a alma, o coração, a mente, por isso te escrevo, pra expulsar esse vazio que estou sentindo, aparentemente alivia essa dor horrível também. Queria um sinal de que você ainda pensa em nós, de que sempre se lembra de mim, se lembra das vezes em que eu te fazia sorrir em momentos inesperados. Não queria que as coisas tivessem terminado assim dessa maneira, mas não temos controle da situação. A felicidade se encontra nos mínimos detalhes, eu encontrava a minha só de ver o teu sorriso, que ainda continua sendo o meu preferido. Era tão bonitinho você dizendo que um dia ainda iria se casar comigo, você dizia que eu era a menina mais bonita do mundo e eu achava graça disso, só que pela primeira vez em toda a minha vida, eu acreditei. Agora me diz, nossa história acabou ou nunca existiu? Talvez uma miragem? Uma ilusão que eu criei na minha mente? Por quê se foi isso, foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. O que mais dói, é o fato de eu ainda te querer ao meu lado, de querer poder entrelaçar meus dedos nos seus, de te sentir por perto novamente e saber que isso não acontecerá mais. Só não se esqueça de uma coisa; meu coração ainda bate por você.
—  O amor ficou, mas você se foi.
REACTION: Sendo pedido em casamento por você

Jin: Ele só se deu conta que era um pedido de casamento quando percebeu o jantar, as velas, e como você estava linda. Você abriu a caixinha revelando o anel brilhante, e sorriu para ele.
Ele abriu a boca, surpreso.
- Aceitar casar comigo, Kim Seokjin?
Ele levantou da mesa e foi até você, pegando suas mãos e olhando nos seus olhos. - É claro que eu aceito. Eu te amo, princesa. - Ele não conseguia parar de sorrir.

Rap Monster: Ele estava no estúdio compondo, até tarde como sempre. Você tinha tudo combinado com os meninos, eles deixaram a chave do estúdio e você entrou surpreendendo Namjoon.
- Amor, o que você tá’ fazendo aqui, a essa hora? - Ele levantou e beijou sua testa. Você podia ver que ele estava cansado.
- Uma surpresa. - Ele sorriu, olhando curioso. E você mostrou o buquê de rosas vermelhas que escondia, os meninos entraram cantando e a reação dele foi hilária.
- O que ta’ acontecendo?
Jin deixou um tapa na cabeça dele. - Presta atenção no que ela vai falar idiota.
- Estamos namorando há três anos e acho que você é um tanto lento para notar o quanto eu te amo. E quero fazer parte da sua vida para sempre. - Os meninos fizeram um “Own”.
Você mostrou o anel no meio das rosas e ele suspirou, surpreso. - Quer casar comigo? - Ele te puxou para um beijo e os meninos gritaram de alegria.
- É claro que quero!

Suga: Ele tinha o dia livre e você passou o dia todo pensando e ensaiando em como faria o pedido. No fim, decidiu ser direta, afinal era isso que Yoongi mais amava em você.
Ele estava na sala, vendo TV. Você veio por trás e colocou a caixinha na altura dos olhos dele. - Min Yoongi, aceitaria ser meu pelo resto de nossas vidas?
Ele virou a cabeça para te olhar e sorriu abertamente. - Se estiver brincando eu te processo por danos morais.
- Não estou. Aceita? - Você deu a volta no sofá e ele te puxou, te fazendo cair no colo dele. - Você sempre foi minha sua boba, então sempre fui seu também. - Ele te beijou.

Jhope: Você fez algo bem romântico, em público com balões coloridos, no meio da rua. Pediu ele em casamento, ele não conseguia dizer nada e você estava com medo de receber um não.
- Amor, diz que sim, todo mundo ta olhando…. - Você riu nervosa e ele também. Ele assentiu e você levantou, colocando o anel no dedo dele.
E todos que viram aplaudiram enquanto vocês dois sorriam de orelha a orelha.

Taehyung: Você escolheu um parque de diversões, e escolheu a Roda Gigante para o pedido tão especial. Era noite e podia ver as luzes da cidade lá de cima, entrelaçou os dedos dele com os seus e quando ela parou lá em cima, você tirou a caixinha preta do bolso.
- Tae…. - Ele olhou para você. - Nos conhecemos o suficiente para que eu queira passar o resto dos meus dias ao seu lado, te atormentando, - Você riu e ele estava com lágrimas nos olhos. - E reclamando da sua bagunça. E eu te amo tanto, que mal dá pra explicar. To quase tendo um troço, então, aceita se casar comigo?
Ele te abraçou, te apertando forte. - Aceito. - Ele sorriu quadrado e você colocou o anel no dedo dele.

Jimin: Você deixou bilhetes espalhados pelo dormitório, com a ajuda dos meninos. E tinha Jungkook cantando, quando Jimin chegou ao último bilhete, ao seu encontro.
- Acho que sabe o porquê disso tudo… - Você caminhou até ele e Jungkook cessou o canto. - Aceita se casar comigo, Park Jimin?
Ele ficou com as bochechas vermelhas, estava morrendo de vergonha. Mas não negaria, pois ele te amava mais do que qualquer coisa nesse mundo.
Ele sorriu e estendeu a mão. - Meu Deus, você é corajosa. - Ele riu. - Eu te amo, amor.

Jungkook: O show havia acabado, você estava no backstage, onde Jungkook estava sozinho estranhando a ausência dos outros membros. Até que você apareceu.
- Hey, tudo bem? - Ele te deu um selinho.
Você balançou a cabeça. E quando ele se virou estavam todos os meninos cada um com uma sílaba, num cartaz, que completava “Quer Casar Comigo?” Ele se voltou a você e sorriu.
- Não acredito… - Ele riu passando a mão no cabelo.
- Diz que sim logo!! - Gritou Taehyung.
- E-eu aceito… - Ele não conseguiu parar de sorrir por pelo menos duas semanas.

~~~
oi oi gente, espero que tenham gostado da reaction eu adorei escrever :)
~mochi

Imagine song - One/Ed Sheeran

Originally posted by eauderosee

Imagine Zayn Malik:

Eu namoro Dereck á cinco anos, nos conhecemos desde a adolescência e sempre fomos amigos, aqueles típicos namoros que começaram com uma amizade. Já Zayn eu conheço a seis meses, os seis meses mais confusos e embolados de toda a minha vida.

(Flash Back on)

Derek e eu estamos em um momento difícil da nossa relação, estamos naquele período em que o casal só discute por tudo o tempo todo, e tudo o que eu mais quero é paz.
Mas como paz é uma coisa difícil de se ter, eu preferi sair com amigas para beber um pouco, mas nunca imaginei que fosse acabar beijando lábios macios de um moreno que me fitou a noite toda com seus doces olhos cor de mel.

-Acho que devemos manter contato, essa noite está sendo uma das melhores da minha vida.
Zayn - cujo o nome eu descobri pelo barman que parecia muito familiarizado com o mesmo - falou ajeitando uma mecha de meus cabelos.

-Mal nos pegamos e já quer repetir?
Sorri maliciosa e ele retribuiu com um belo sorriso com a língua entre os dentes.

-Claro…com um corpo desses…
Falou analisando meu corpo de cima a baixo e apertando minha cintura levemente enquanto mordia o lábio.

-E uma boca dessas. Quem não gostaria?
Falou passando o polegar em meus lábios. “Quem não gostaria?” Droga, lembrei de Derek!

-Acho que está ficando tarde.
Olhei para o relógio em meu pulso e ele me encarou confuso.

-Peraí Cinderela, o que precisa fazer uma hora dessas que não pode aproveitar o resto da nossa noite?
Perguntou me envolvendo com seus braços. “Preciso ir para casa pois meu namorado não sabe que estou o traindo em uma boate!” Pensei.

-Eu preciso…cuidar das crianças.
Respondi rapidamente. Cuidar das crianças?! Sério que essa foi sua melhor desculpa S/n?!

-Crianças? São tipo…seus irmãos?
Perguntou confuso e eu estremci ao sentir meu celular vibrar em meu bolso.

-Sim! São meus irmãos mais novos, deixei eles com a babá mas preciso voltar para ver se está tudo bem e coloca-los na cama.
Menti novamente vendo-o franzir as sobrancelhas.

-Ok. Quer que eu te dê carona?
Perguntou já pegando as chaves de seu carro em seu bolso. Eu não poderia aceitar, seria muito arriscado, mas não posso ir para casa a pé e nem de táxi já que gastei todo o meu dinheiro em bebidas.

-Não se preocupe, não irei te sequestrar ou algo do tipo.
Falou rindo fraco ao perceber que eu demorava para responder.

-Tudo bem, só por favor, me diga que não bebeu?
Perguntei séria, eu realmente morria de medo de sofrer um acidente de carro.

-Não bebi.
Respondeu simples e nós começamos a caminhar para fora da boate. Assim que saímos, Zayn destravou seu Lange Rover e abriu a porta do passageiro para mim.

-Sabe…pensando agora, acho que bebi dois ou três copos, não me lembro.
Falou assim que me sentei, quando ia protestar, ele bateu a porta dando a volta no carro e se sentando no banco do passageiro. Bufei e cruzei os braços.

-Pelo amor de Deus, vá devagar e tome cuidado.
Falei séria enquanto colocava o sinto.

-Não se preocupe, está com Zayn Malik baby.
Piscou ligando o carro e dirigindo para longe da boate. Durante todo o percurso eu fui dando as coordenadas até que o mesmo estacionasse perto de minha casa.

-Hm…você poderia me passar seu número?
Perguntou. Hesitei um pouco mas logo peguei meu celular passando o número para ele e já anotando o do mesmo.

-Nos vemos algum dia então?
Perguntou e eu assenti.

-Sim, nos vemos algum dia.
Sorri e ele se aproximou deixando um selinho em meus lábios. Só o toque de seus lábios fez minha espinha se arrepiar e aquele famoso sentimento de culpa voltar rapidamente.

Após abrir a porta do carro e sair do mesmo, acenei para Zayn que retribuiu com um sorriso e um “me ligue” logo dando partida no carro. A noite estava fria mas mesmo assim eu não tive coragem de entrar em casa, então fiquei vendo o carro agora sumir na penumbra da noite.
Entrar em casa agora seria com toda a certeza do mundo, uma das piores coisas que teria que fazer.

-Amor! Já estava pensando em ligar para Candece e perguntar se estava tudo bem com você.
Derek falou deixando um beijo rápido - ao qual não tive coragem de corresponder - assim como Zayn fez a poucos minutos atrás.

-Nós tivemos que terminar tudo hoje pois o prazo que a faculdade deu foi de uma semana.
Menti pela terceira vez aquela noite. Não estou orgulhosa de mim mesma.

-Bom, pelo menos conseguiram terminar.
Sorriu e eu dei um sorriso fraco deixando minha bolsa no sofá.

-Sei que está cansada…mas eu preciso fazer uma pergunta.
Falou sério e eu tremi, ele havia descoberto?

Derek se ajoelhou no chão e tirou uma caixinha de veludo de seu bolso.

-S/n…somos o tipo de casal que dá certo até mesmo como melhores amigos quanto como namorados, nos conhecemos a tanto tempo que eu seria capaz de até mesmo adivinhar o que pensa, mesmo com todas as nossas discussões, que não foram poucas, continuamos juntos, porque um amor é assim, ele machuca e dói, mas nos mantém bem e se sentir amado é uma das melhores coisas do mundo. Eu te amei por todos os cinco anos em que estivemos juntos, e quero continuar te amando pelos próximos em que viveremos. Aceita se casar comigo?
Perguntou. Meus olhos começaram a arder e eu sentia aquele nó se formar em minha garganta. Porque coisas ruins acontecem de uma vez só?

Com as pernas bambas e o rosto já encharcado, vi Derek se levantar e me encarar com um sorriso leve e apaixonado.

-Não precisa chorar meu amor, sei que é algo que sempre sonhou.
Falou acariciando minha bochecha. A dor no meu peito era insuportável, como eu iria dizer que não o amo mais?

-Derek eu…
Encarei seus olhos castanhos e ele assentiu para que continuasse.

-Eu aceito.
Respondi. Aquelas palavras foram as mais difíceis em toda a minha vida, mas não poderia dizer outra coisa, era como se no meu dicionário interno a palavra “Não” simplesmente não existisse.

-Eu fico tão feliz com isso, eu te amo.
Falou e me abraçou. Como eu queria que fôssemos apenas amigos.

Depois de todo o momento em que eu só sabia chorar e Derek achava que era de emoção, subi para nosso quarto e me enterrei na banheira de água morna, deixando meu corpo relaxar. Logo, meu celular apitou e eu soube que era uma mensagem, mas me arrependi ao ver o nome “Zayn” brilhar na tela.

Zayn- Espero que não estava mentindo sobre o “Um dia nos veremos” pois estou esperando ansiosamente ; ) - 01:03

Zayn- Boa noite baby. - 01:03

Respirei fundo, mal sabia lidar comigo mesma e agora tenho que lidar com um futuro casamento, um noivo ao qual eu não amo, um possível “amante” e meus trabalhos da faculdade que eu não havia mentido sobre precisar fazê-los, mas não os fiz realmente.

(Flash Back off)

E foi assim que tudo aconteceu, a seis meses atrás onde eu conheci Zayn perdição Malik, me tornei noiva de Derek e arranjei mais problemas do que deveria.
Durante esse tempo que passou, Zayn manteve contato comigo e nós só saímos uma vez, a única vez em que consegui sair sozinha e ir para um lugar discreto, pois Derek anda mais colado em mim do que nunca.

-Como acha que deveria ser a decoração? É que sabe, eu odeio aquelas festas de casamento onde tudo é branco e mais parece que entramos em um hospício do que em uma festa.
Derek falava deitado com a cabeça em meu colo enquanto eu me concentrava em escrever uma mensagem coerente para Zayn e responder algo que fizesse sentido ao que Derek dizia.

Zayn- Quando vamos sair de novo? Estava pensando em ir na sua casa. - 16:36

Eu- Não sei, a faculdade anda exigindo muito de mim esses dias, tudo o que eu mais quero é descansar :’ ( - 16:36

Zayn- Você poderia descansar em meu peito enquanto eu faço cafuné no seu cabelo. Basta você colaborar ; ) - 16:37

Sorri com seu comentário e respirei fundo, como eu gostaria que isso acontecesse.

-S/n!
Derek me chamou a atenção e eu o olhei assustada.

-Vou tomar banho, prometo não demorar.
Falou deixando um beijo em minha testa e indo em direção ao banheiro.

Eu- Eu irei colaborar, mas não hoje, porque não deixamos para semana que vem? - 16:39

Zayn- Ok : ( - 16:39

| Uma semana depois…|

Pois é, Zayn havia levado aquele papo de “semana que vem” bem sério, pois estamos agora mesmo em uma cafeteria conversando.

-Sabe…eu estou muito feliz de ter encontrado você, eu estava começando a pensar que nunca amaria mais alguém na vida.
Comentou repentinamente e eu me engasguei com o café.

-Você está bem?
Perguntou batendo de leve em minhas costas.

-Sim, acho que bebi muito rápido.
Dei um sorriso fraco.

Mas assim, sem querer ser muito curiosa…porque você disse que nunca mais pensou amar alguém?
Perguntei vendo-o suspirar.

-Eu…acho que confio o bastante em você para contar esse tipo de coisa. Até porque, uma hora ou outra você iria precisar saber.
Falou se ajeitando na cadeira.

-A mais ou menos um ano atrás, eu estava noivo de uma mulher, mas eu já não a amava sabe? Eu não sentia aquele calor em vê-la ou ficava feliz por receber um beijo, eu comecei a perceber que não havia mais amor entre nós, era como se estivéssemos forçando algo. Daí apareceu outra, eu não me lembro muito bem o nome dela pois no passado eu fiz questão de esquecer. Mas ela era linda, eu fiquei bem interessado nela, assim que consegui falar com ela, me encantei ainda mais, seu jeito único e suas manias fofas me deixaram completamente apaixonado, mas eu sabia que de uma certa forma aquilo era errado. Então um dia, eu decidi que deveria acertar tudo e parar de dar falsas esperanças para um relacionamento que já não tinha mais jeito, conversei com minha noiva e nós resolvemos que nao precisaria continuar, já que não se tinha mais nada ali.
Ele contou e eu fiquei de boca aberta. Era o mesmo pelo qual eu estava passando, e ele era a “moça encantadora”.

-E antes que você pense que no fim eu terminei com a minha noiva e comecei a ter um relacionamento com a “moça” eu lhe digo que não foi bem assim que aconteceu. Após eu me sentir confortável para me relacionar com ela, ela simplesmente fugiu, me deixou sozinho após eu me declarar como um bobo. E foi por isso que eu nunca mais quis amar alguém, fiquei com medo de cometer o mesmo erro e acabar me machucando e machucando mais pessoas. Mas você apareceu e mudou tudo, como se algum feitiço fosse colocado em mim e eu me entreguei, sem medo de amar novamente.
Falou segurando minha mão por cima da mesa. Eu queria chorar e queria poder beijar Zayn e dizer que tudo aquilo foi passado e que se ele quiser nós nos casamos agora mesmo e eu cuidarei dele para o resto da minha vida. Mas havia alguém, alguém que estava em minha casa com um anel parecido ao meu em seu dedo anelar, aguardando pelo casamento em que eu só quero fugir.

(…)

Eu havia decidido, iria falar com Derek e seria hoje. Entrei em casa e o encontrei na cozinha segurando um buquê de flores. Na hora todo o meu corpo tencionou.

-Me trouxe flores?
Perguntei o vendo ficar confuso.

-Não. O porteiro me entregou pois disse que alguém havia passado aqui e te deixado elas.
Respondeu me entregando.

Assim que peguei as flores pude ver um cartão, e no mesmo haviam as letras Z.M e um coração.

-Tem idéia de quem pode ter sido?
Perguntou e eu logo escondi o cartão negando.

-Mas eu preciso te falar algo… já faz algum tempo e eu percebi que não te amo mais, não quero me casar com você Derek. Me desculpe.
Falei e por uns segundos o vi sério. Até que senti um tapa forte em meu rosto.

-Você tem outro?! É isso?! Você estava me traindo?!
Começou a berrar e eu me assustei.

-Derek…
Tentei o acalmar mas ele continuou.

-Sua vadia! Você estava me traindo esse tempo todo, foi ele quem te deu essas flores não foi?!
Berrou e eu só consegui chorar.

Assim que sua mão se levantou novamente, antes de ir de encontro ao meu rosto ela foi segurada por outra mão tatuada.
Zayn pegou Derek e logo vi o porteiro também na porta e os dois o levaram para fora. Sem entender o que estaca acontecendo eu apenas continuei encolhida agora no chão.

Zayn voltou e me abraçou forte.

-Ele não vai mais fazer aquilo. O levaram para a delegacia e provavelmente vai ser preso.
Zayn falou enquanto afagava meus cabelos.

-Zayn me desculpa…ele era meu…
Tentei falar entre soluços.

-Tudo bem eu sei. Não estou bravo nem nada, apenas preocupado com você.
Afagou meus cabelos e eu me encolhi em seu peito.

-Eu apenas quero que saiba que você é única, e eu nunca vou deixar nenhum babaca encostar a mão em você de novo.
Falou me apertando. E eu me permiti chorar em seus braços. Ele era tão perfeito que era até errado ele estar comigo.

***

Espero que tenham gostado.😘

Imagine Louis Tomlinson

Pedido: “Faz um do Louis que ele é traficante famoso e ela se sente mal por causa do filho deles, por ele não poder ter uma vida normal como toda criança”. - Anônimo.

******


- No que você tanto pensa? – Louis perguntou deixando um beijo no meu ombro.

- No que mais eu vou fazer de janta… – ele ri anasalado e me faz o olhar.

- Você não consegue mentir pra mim! – sorri fraco. – Tem alguma coisa que tá te incomodando. Conta pra mim! – ele sorriu doce.

Por mais que o mundo estivesse acabando, que tudo estivesse dando errado, que ele estivesse com mil problemas pra resolver e estressado com o mundo inteiro; ele é doce e calmo comigo. Essa foi uma das coisas que me encantou nele. Ele sempre me tratou com respeito e carinho.

- Não é nada demais! – disse deixando a faca de lado e pegando a colher para mexer a panela. – Coisa minha, coisa de mulher! – ele sorriu.

Eu não queria o incomodar com as minhas paranoias, viagem da minha cabeça.

- É só isso mesmo, ou é alguma coisa que você não quer me contar? – disse como quem não quer nada, pegando um morango que estava ali.

- Tô pensando em tudo, em nós, no Ítalo. – suspirei.

- O que tem o Ítalo? Aconteceu alguma coisa com ele?  - seu tom mudou drasticamente, demostrando sua preocupação.

- Não, não aconteceu nada! Mas eu me preocupo, sabe?! Me preocupo com o que pode acontecer com ele. – o olhei.

- Como assim? – ele franziu o cenho.

- Ah, Louis, me preocupo por ele nunca poder ser uma criança normal, fazer coisas que crianças da idade dele faz.  

- Claro que ele vai ser uma criança normal. Ele já faz tudo que uma criança de 3 anos faz.

- Não, Louis. Ele não faz coisas que uma criança normal faz. Nem à escola ele pode ir, Louis. Ele não pode ir ao parque, brincar na rua por muito tempo. Tem que estar sempre sobre a vigilância dos seguranças.

- Onde você quer chegar, (S/N)? – ele estava sério.

- Eu quero chegar onde isso me preocupa, Louis. Eu não quero que aconteça com ele as mesmas coisas que já aconteceu com a gente. Ainda mais pelos mesmos motivos.

- E você quer que eu faça o quê? – ele se exaltou. – Você sabia das consequências quando aceitou se casar comigo, quando aceitou assumir um compromisso. Você sabia o que eu fazia, e assumiu os riscos.

- Eu sei, Louis. Eu sei. – suspirei. – Mas as coisas mudaram, nós temos um filho agora. E essas coisas me preocupam.

- Eu não posso simplesmente largar tudo, jogar tudo pro alto. Não posso. E isso que ele não poderá ser uma criança normal é coisa da sua cabeça. – ele bufa alto e olha ao redor. – Eu vou sair, volto mais tarde.

Ele sai da cozinha e eu respiro fundo. Eu não queria ter brigado com ele, ainda mais por causa disso. Mas isso me preocupa, inconscientemente. Eu sou mãe, isso é natural. Mas talvez esse tenha razão; e isso é só coisa da minha cabeça…

***

* Louis Point Of View *

***

Eu odeio brigar com a (S/N). Mas hoje ela veio com uma história que nosso filho não será uma criança normal, que não pode fazer algumas coisas por causa das coisas que eu faço. É fato que o que eu faço, as pessoas com quem eu lido, a situação que vivemos são perigosas. Eu sou um dos maiores traficantes do país. Mas ela sempre soube disso, e aceitou isso. E agora ela está querendo que eu simplesmente largue tudo porque ele acha que nosso filho não pode crescer como qualquer outra criança?!

Resolvo não voltar pra casa, pois sei que iremos discutir de novo. E isso é a última coisa que eu quero.

No dia seguinte, voltando para casa, passo pela praça perto de casa. Paro o carro e dou uma volta. É um ambiente totalmente familiar; sempre tem crianças brincando ali, os casais andando juntos tranquilamente; tudo na mais perfeita harmonia e normal.

Eu nunca tive isso com a (S/N). Nós nunca pude sair por ai com ela, sem me preocupar com todos os afins. Nós sempre tivemos que nos esconder, tomar o máximo de cuidado e viver rodeados de seguranças. Ela nunca pareceu se importar. Mas, depois que nosso filho nasceu, as coisas mudaram.

Imediatamente eu penso no meu filho. Será que ele pode vir aqui com seus amiguinhos, pode brincar, correr, pular, comer pipoca ou tomar um sorvete como uma dessas crianças que estão aqui?

Volto para casa completamente frustrado e chateado.

- Você tinha razão. – ela me olha. – Ítalo nunca será uma criança normal, que faz coisas de criança. – olho em seus olhos. – Me desculpe. Eu não queria que fosse assim.

- Não tem que se desculpar. Você está certo, é só coisa da minha cabeça. – nego freneticamente.

- Não, não é. Eu passei pela praça hoje, e ai eu percebi que Ítalo nunca poderá estar lá, como as outras crianças. Ele só pode viver sob a vigilância de todos nós. – ela assente.

- É. – seus olhos marejam.

- Eu não queria que fosse assim, me desculpe. Me desculpe, também, pela forma como te tratei ontem. Eu sei que você se preocupa com ele, e isso é natural. Eu também me preocupo. E é por isso que eu vou tentar dar um jeito na nossa vida. Na minha, principalmente. – ela me olha surpresa.

- Tá falando sério? – sorrio e me aproximo dela.

- Tô! – ela sorri ainda mais. E eu acabo fazendo o mesmo. – Vou fazer o máximo para que o nosso filho possa fazer o que ele quiser, sem ter que se preocupar com nada, nem ninguém.

- Obrigada! – selo seus lábios. – Você é o melhor pai e marido do mundo! – ela ri e eu sorrio.

- Tudo pela nossa família!  


*

Imagine Liam Payne

Pedido: Oi xuxu, vou ficar tão feliz se vc atender meu pedido e fizer um imagine song com o Liam baseado em Jackie and Wilson do Hozier

LIAM P.O.V

Eu sei que minha relação com S/N nunca foi fácil perante os olhos de seus pais. Minha turnê com a banda finalmente acabou e eu com certeza teria mais tempo para ficar com ela. Seus pais achavam que eu tinha outra garota, o que com certeza é improvável. S/N e eu brigamos na noite passada por ideias de seus pais, como traição ou que nosso relacionamento à distância jamais daria certo, o que eu acho uma bobagem. Mas eu resolveria isso, de modo amigável, passando responsabilidade para seus pais.

Segui até a casa de seus pais e toquei a campainha. Segundos depois sua mãe apareceu, ela sorriu sem mostrar os dentes, já sabia que eu jantaria ali naquela noite.

- Boa noite, Senhora. – A cumprimentei com um beijo na bochecha.

- Liam, querido. Entre, o jantar já está servido. – Fui até a sala do jantar.

S/N estava linda, vestia um vestido rodado amarelo, tênis delicado e um relógio douradinho, eu sei que já disse, mas estava completamente maravilhosa.

- Oi, amor. – Eu disse e ela sorriu triste.

- Oi! – Me beijou e se sentou novamente.

- S/N, estou cansado de ver através da vermelhidão em meus olhos toda vez que venho aqui, por motivos miseráveis.

- Não poderia fingir ser uma versão melhor de mim hoje, eu amo você, mas apesar disso eu não posso fazer o que quero.

- Eu sei o quanto seus pais falam mal de mim para você, mas essa noite eu vou provar que tudo vai ser diferente. – A abracei pelo ombro.

Os pais de S/N se sentaram na mesa de jantar e serviram carne de porco, eu olhei para S/N que ria, lembrando de nosso primeiro encontro, foi um fracasso e então ali nos apaixonamos.

- Do que estão rindo? – Seu pai perguntou divertido.

- Nosso primeiro encontro, carne de porco e desastres. – Todos riram.

- Eu me lembro dessa história, se lembra marido? – O pai dela assentiu. – Como começaram a namorar?

- Não poderia querer ser outra versão de mim naquela noite e Senhor, ela me achou bem a tempo pois quando minha crise de meia-idade acabou, precisei sentir juventude, Deus sabe, nunca me senti jovem. – Ele gargalhou.

- Foi em uma reunião de negócios que eu estava apenas para conseguir um beijo dele.

- Conseguiu? – Questionou seu pai e ela assentiu. – Liam, continue, estava sendo extremamente interessante. – Assenti.

- Ela disse que iria me salvar, chamar de ‘amor’, passar a mão em meu cabelo até descobrir que sou louco. Me acalmar diariamente, bom, ela não se importaria. Disse que iriamos roubar seu carro, ser detetives. Dirigir por aí procurando pistas. Queria chamar nossos filhos de Jackie e Wilson e criá-los no Rhythm & Blues.

- S/N, sempre foi uma menina esperta, mas nunca a esse ponto.

- Vocês nunca roubaram nosso carro, não é? – Senhora Foley perguntou.

- Jamais, mamãe. – Rimos.

- Senhor, seria ótimo achar um lugar para nos esconder eu e minha S/N com a íris negra sob a luz do sol, todas as versões de mim enterradas no jardim. Sente-se e observe o mundo passar, feliz por me deitar e observar as coisas darem errado. Tentamos fazer dar certo, mas nossa, não era para nós.

- Eu percebi que estava errado durante todo esse tempo, eu sei que ama nossa filha, mas é sempre difícil perder uma filha para um namorado que viaja demais, eu me sinto ameaçado. Mas, você é um excelente garoto. – Sorri encarando minha namorada.

- Obrigado, eu fico extremamente honrado com essas palavras. Bom, eu ainda não acabei e quero terminar a história antes de terminar minha visita.

- Prossiga. – Disse a senhora Foley.

- Arrasado pelo sonho daquela noite, reinicie minha mente olhando através de um cigarro, ela já se foi, começo a cavar o jardim, à procura do que sobrou de mim e nossa pequena vinheta para qualquer pobre alma que venha a seguir.

- Você o deixou sozinho? – Senhora Foley questionou.

- Mamãe, eu não poderia ser tão fácil. – Rimos.

- Mas, agora eu retorno todas as noites. – Me beijou.

Me levantei, sendo seguido por todos eles, fomos até a sala de estar e eu permaneci em pé encarando seu pai.

- Bom, eu sei que não falei nada com você e pode parecer precoce, mas eu quero me casar com a filha de vocês, eu não sei se vão concordar, mas eu prometo se ela aceitar, dar o meu melhor para tê-la ao meu lado todos os dias até o fim dos tempos,

- Filha, é isso que você quer? – Senhor Foley perguntou sorrindo, me impressionou.

- Sim, eu amo o Liam. – Sorri.

- Então, S/N Foley, você aceita se casar comigo? – Ajoelhei a sua frente.

- Liam James Payne, eu quero me casar com você.

VALE A PENA LER "Sou homem. Quando nasci, meu avô parabenizou meu pai por ter tido um filho homem. E agradeceu à minha mãe por ter dado ao meu pai um filho homem. Recebi o nome do meu avô. Quando eu era criança, eu podia brincar de LEGO, porque "Lego é coisa de menino", e isso fez com que minha criatividade e capacidade de resolver problemas fossem estimuladas. Ganhei lava-jatos e postos de gasolina montáveis da HotWheels. Também ganhei uma caixa de ferramentas de plástico, para montar e desmontar carrinhos e caminhões. Isso também estimulava minha criatividade e desenvolvia meu raciocínio, o que é bom para toda criança. Na minha época de escola, as meninas usavam saias e meus amigos levantavam suas saias. Dava uma confusão! E então elas foram proibidas de usar saias. Mas eu nunca vi nenhum menino sendo realmente punido por fazer isso, afinal de contas "Homem é assim mesmo! Puxou o pai esse danadinho" - era o que eu ouvia. Em casa, com meus primos, eu gostava de brincar de casinha com uma priminha. Nós tínhamos por volta de 8 anos. Eu era o papai, ela era a mamãe e as bonecas eram nossas filhinhas. Na brincadeira, quando eu carregava a boneca no colo, minha mãe não deixava: "Larga a boneca, Juninho, é coisa de menina". E o pai da minha priminha, quando via que estávamos brincando juntos, de casinha, não deixava. Dizia que menino tem que brincar com menino e menina com menina, porque "menino é muito estúpido e, principalmente, pra frente". Eu não me achava estúpido e também não entendia o que ele queria dizer com "pra frente", mas obedecia. No natal, minha irmã ganhou uma Barbie e eu uma beyblade. Ela chorou um pouco porque o meu brinquedo era muito mais legal que o dela, mas mamãe todo ano repetia a gafe e comprava para ela uma boneca, um fogãozinho, uma geladeira cor-de-rosa, uma batedeira, um ferro de passar. Quando fiz 15 anos e comecei a namorar, meu pai me comprou algumas camisinhas. Na adolescência, ninguém me criticava quando eu ficava com várias meninas. Atualmente continua assim. Meu pai não briga comigo quando passo a noite fora. Não fica dizendo que tenho que ser um "rapaz de família". Ele nunca me deu um tapa na cara desconfiado de que passei a noite em um motel. Ninguém fica me dando sermão dizendo que eu tenho que ser reservado e me fazer de difícil. Ninguém me julga mal quando quero ficar com uma mulher e tomo a iniciativa. Ninguém fica regulando minhas roupas, dizendo que eu tenho que me cuidar. Ninguém fica repetindo que eu tenho que me cuidar porque "mulher só pensa em sexo". Ninguém acha que minhas namoradas só estavam comigo para conseguir sexo. Ninguém pensa que, ao transar, estou me submetendo à vontade da minha parceira. Ninguém demoniza meus orgasmos. Nunca fui julgado por carregar camisinha na mochila e na carteira. Nunca tive que esconder minhas camisinhas dos meus pais. Nunca me disseram para me casar virgem por ser homem. Nunca ficaram repetindo para mim que "Homem tem que se valorizar" ou "se dar ao respeito". Aparentemente, meu sexo já faz com que eu tenha respeito. Quando saio na rua ninguém me chama de "delícia". Nenhuma desconhecida enche a boca e me chama de “gostoso” de forma agressiva. Eu posso andar na rua tomando um sorvete tranquilamente, porque sei que não vou ouvir nada como “Larga esse sorvete e vem me chupar”. Eu posso até andar na rua comendo uma banana. Nunca tive que atravessar a rua, mesmo que lá estivesse batendo um sol infernal, para desviar de um grupo de mulheres num bar, que provavelmente vão me cantar quando eu passar, me deixando envergonhado. Nunca tive que fazer caminhada de moletom porque meu short deixa minhas pernas de fora e isso pode ser perigoso. Nunca ouvi alguém me chamando de “Desavergonhado” porque saí sem camisa. Ninguém tenta regular minhas roupas de malhar. Ninguém tenta regular minhas roupas. Eu nunca fui seguido por uma mulher em um carro enquanto voltava para casa a pé. Eu posso pegar o metrô lotado todos os dias com a certeza que nenhuma mulher vai ficar se esfregando em mim, para filmar e lançar depois em algum site de putaria. Nunca precisaram criar vagões exclusivamente para homens em nenhuma cidade que conheço. Nunca ouvi falar que alguém do meu sexo foi estuprado por uma multidão. Eu posso pegar ônibus sozinho de madrugada. Quando não estou carregando nada de valor, não continuo com medo pelo risco ser estuprado a qualquer momento, em qualquer esquina. Esse risco não existe na cabeça das pessoas do meu sexo. Quando saio à noite, posso usar a roupa que quiser. Se eu sofrer algum tipo de violência, ninguém me culpa porque eu estava bêbado ou por causa das minhas roupas. Se, algum dia, eu fosse estuprado, ninguém iria dizer que a culpa era minha, que eu estava em um lugar inadequado, que eu estava com a roupa indecente. Ninguém tentaria justificar o ato do estuprador com base no meu comportamento. Eu serei tratado como VÍTIMA e só. Ninguém me acha vulgar quando faz frio e meu “farol” fica “aceso”. Quando transo com uma mulher logo no primeiro encontro sou praticamente aplaudido de pé. Ninguém me chama de “vagabundo”, “fácil”, “puto” ou “vadio” por fazer sexo casual às vezes. 99% dos sites de pornografia são feitos para agradar a mim e aos homens em geral. Ninguém fica chocado quando eu digo que assisto pornôs. Ninguém nunca vai me julgar se eu disser que adoro sexo. Ninguém nunca vai me julgar se me ver lendo literatura erótica. Ninguém fica chocado se eu disser que me masturbo. Nenhuma sogra vai dizer para a filha não se casar comigo porque não sou virgem. Ninguém me critica por investir na minha vida profissional. Quando ocupo o mesmo cargo que uma mulher em uma empresa, meu salário nunca é menor que o dela. Se sou promovido, ninguém faz fofoca dizendo que dormi com minha chefe. As pessoas acreditam no meu mérito. Se tenho que viajar a trabalho e deixar meus filhos apenas com a mãe por alguns dias, ninguém me chama de irresponsável. Ninguém acha anormal se, aos 30 anos, eu ainda não tiver filhos. Ninguém palpita sobre minha orientação sexual por causa do tamanho do meu cabelo. Quando meus cabelos começarem a ficar grisalhos, vão achar sexy e ninguém vai me chamar de desleixado. A sociedade não encara minha virgindade como um troféu. 90% das vagas do serviço militar são destinadas às pessoas do meu sexo. Mesmo quando se trata de cargos de alto escalão, em que o oficial só mexe com papelada e gerência. Se eu sair com uma determinada roupa ninguém vai dizer “Esse aí tá pedindo”. Se eu estiver em um baile funk e uma mulher fizer sexo oral em mim, não sou eu quem sou ofendido. Ninguém me chama de "vagabundo" e nem diz "depois fica postando frases de amor no Facebook". Se vazar um vídeo em que eu esteja transando com uma mulher em público, ninguém vai me xingar, criticar, apedrejar. Não serei o piranha, o vadio, o sem valor, o vagabundo, o cachorro. Estarei apenas sendo homem. Cumprindo meu papel de macho alpha perante a sociedade. Se eu levar uma vida putona, mas depois me apaixonar por uma mulher só, as pessoas acham lindo. Ninguém me julga pelo meu passado. Ninguém diz que é falta de higiene se eu não me depilar. Ninguém me julgaria por ser pai solteiro. Pelo contrário, eu seria visto como um herói. Nunca serei proibido de ocupar um cargo alto na Igreja Católica por ser homem. Nunca apanhei por ser homem. Nunca fui obrigado a cuidar das tarefas da casa por ser homem. Nunca me obrigaram a aprender a cozinhar por ser homem. Ninguém diz que meu lugar é na cozinha por ser homem. Ninguém diz que não posso falar palavrão por ser homem. Ninguém diz que não posso beber por ser homem. Ninguém olha feio para o meu prato se eu colocar muita comida. Ninguém justifica meu mau humor falando dos meus hormônios. Nunca fizeram piadas que subjugam minha inteligência por ser homem. Quando cometo alguma gafe no trânsito ninguém diz “Tinha que ser homem mesmo!” Quando sou simpático com uma mulher, ela não deduz que “estou dando mole”. Se eu fizer uma tatuagem, ninguém vai dizer que sou um “puto”. Ninguém acha que meu corpo serve exclusivamente para dar prazer ao sexo oposto. Ninguém acha que terei de ser submisso a uma futura esposa. Nunca fui julgado por beber cerveja em uma roda onde eu era o único homem. Nunca me encaixo como público-alvo nas propagandas de produtos de limpeza. Sempre me encaixo como público-alvo nas propagandas de cerveja. Nunca me perguntaram se minha namorada me deixa cortar o cabelo. Eu corto quando quero e as pessoas entendem isso. Não há um trote na USP que promove minha humilhação e objetificação. A sociedade não separa as pessoas do meu sexo em “para casar” e “para putaria”. Quando eu digo “Não” ninguém acha que estou fazendo charme. Não é não. Não preciso regrar minhas roupas para evitar que uma mulher peque ou caia em tentação. As pessoas do meu sexo não foram estupradas a cada 40 minutos em SP no ano passado. As pessoas do meu sexo não são estupradas a cada 12 segundos no Brasil. As pessoas do meu sexo não são estupradas por uma multidão nas manifestações do Egito. Não sou homem. Mas, se você é, é fundamental admitir que a sociedade INTEIRA precisa do Feminismo. Não minimize uma dor que você não conhece." (Camila Oliveira Dias )
Pai, mãe… sou eu. Estou ligando do Seattle Grace Hospital onde a linda, talentosa e incrivelmente teimosa Dr. Isobel Stevens acaba de me dar um coração novinho e prometeu se casar comigo. Eu sei que tivemos nossas diferenças e sinto muito termos estado sem contato. Acredite ou não, eu estava tentando melhorar tudo. Sei que vocês estão zangados e espero que me perdoem. Acontece que, às vezes, precisa-se fazer a coisa errada. Às vezes, tem que se cometer o maior erro pra descobrir como acertar as coisas. Erros são dolorosos, mas são a única maneira pra você descobrir quem é. Eu sei quem sou agora. Sei o que quero. Eu conquistei o amor da minha vida, um coração novo e quero que vocês entrem no próximo avião pra cá e conheçam minha garota. Tudo vai ser diferente agora, prometo. A partir de agora, nada jamais será igual. Amo vocês. Tchau.
—  Grey’s Anatomy