saga sussurro

Patch sorriu.
— Estou aqui para inspecionar sua casa para o novo sistema de alarme.
— Achei que você tinha um emprego diferente - mamãe disse - Achei que você servia mesas no Borderline.
— Eu tenho um trabalho novo.- Patch fixou seus olhos nos meus e eu esquentei em muitos lugares. Na verdade, eu estava perigosamente perto de ferver.
— Aqui fora? - ele me perguntou.
Eu o segui até sua moto.
— Ainda temos muito que conversar - eu disse.
— Conversar? - Ele chacoalhou a cabeça, seus olhos cheios de desejo. Beijar, ele sussurrou nos meus pensamentos.
Não era uma pergunta, mas um aviso. Ele sorriu quando eu não protestei e abaixou sua boca até a minha. O primeiro toque foi apenas isso – um toque. Uma provocação, atraente suavidade. Lambi meus lábios e o sorriso do Patch se aprofundou.
— Mais? - ele perguntou.
Eu entrelacei minhas mãos em seus cabelos, trazendo-o para mais perto.
— Mais.
—  Sussurro.
2

Patch’s eyes were black orbs. Taking in everything and giving away nothing. Not that I wanted to know more about Patch. Since I hadn’t like what I’d seen on the surface, I doubted I’d like what was lurking deep inside. Only this wasn’t exactly true. I’d liked a lot of what I’d seen. Long, lean muscles down his arms, broad but relaxed shoulders, and a smile that was part playful, part seductive. I was in an uneasy alliance with myself, trying to ignore what had started to feel irresistible.