sacolinha

Ei, menina! Pára de se lamentar pelo que não deu certo, apenas seja forte e siga em frente. Sei que não é tão fácil assim. Sei que seu coração foi partido em pedacinhos minúsculos, e também sei que está sendo difícil catar todos os caquinhos pelo chão. Mas não vai fazer muita diferença você catar tudo pra tentar colar agora, pois vai estar faltando alguma parte. E tenho certeza de que a pessoa que partiu seu coração, foi justamente quem levou essa parte que está faltando quando optou por ir embora da sua vida. Ah! Não vai me dizer que você não sabia? Dentro do bolso, ele leva uma sacolinha que possui vários caquinhos dos corações que ele já partiu, e ele costuma guardar como souvenir. Sim, boba… Você não foi a única. Não adianta ficar chorando, nem adianta fazer drama esperando que ele vá voltar. Ele não vai voltar nunca mais! Se ele decidiu partir, foi porque talvez você não tenha sido o bastante pra ele. Um dia essa dor vai passar, então só tenta manter a calma. Um dia o seu coração vai parar de doer, e você vai parar de sentir essa angústia dentro do peito. Mas quero que você lembre que pra isso acontecer, você também precisa parar de se torturar. Comece isso apagando o número dele da agenda do seu celular, evita de ficar investigando a vida dele nas redes sociais. E o sentimento que você tem por ele vai acabar desaparecendo conforme o tempo for passando. Nem se preocupe muito, porque nenhuma dor é eterna. E saiba que você merece alguém que te dê flores, e não dores.
—  Suelen Bastos.
A Extinção da Sacola Plástica

Quem diria que esse dia chegaria? Nos últimos anos, as coisas mudaram tão drasticamente que chegou o momento em que as sacolas plásticas terão seu fim decretado. Tudo em nome do meio ambiente, que acaba sofrendo por conta da intervenção humana, onde alguns simplesmente não sabem que lugar de lixo é no lixo.


O homem precisou poluir tanto o ambiente, aquele mesmo que produz oxigênio para que ele possa respirar, para chegar aonde chegou. O meio ambiente precisou pedir socorro aos humanos conscientes, pois não agüentava mais ser sufocado na poluição que outros da mesma espécie causavam.


O mundo precisou berrar para pedir socorro para não morrer e conseguiu chamar a atenção da humanidade. Esta resolveu decretar o fim das sacolas plásticas, aquelas usadas em supermercados quando você compra alguma coisa, aquela mesma que surgiu na década de 70 e que sequer sabia que seria extinta alguns anos depois


Isso não é nada se formos comparar com o que podemos esperar do nosso futuro. Ou cuidamos do mundo onde vivemos, ou então ele cuida da gente. O que você escolhe?

One Shot com Zayn Malik

Acordei pela manhã não encontrando o meu marido ao meu lado, como sempre. As vezes penso se não sou uma boa esposa, Liam não me toca mais, não me beija, nem dormi na mesma cama que eu. ele sai pra trabalhar pela parte manhã e só volta 01:00 da madrugada e olhe lá. Tinha uma notícia para dar pra ele mas ele não para em casa, talvez quando ele ver minha barriga crescendo ele venha falar comigo, sim, estou grávida de três semanas, tenho medo da reação dele, mas eu estou muito feliz, sempre tive o sonho de ser mãe e agora estou o realizando.

Já era uns duas da tarde e eu estava assistindo TV quando a campainha tocou, achei estranho já que não estava esperando ninguém e o porteiro não avisou nada então fiquei um pouco receosa de abrir a porta mas eu abri e me deparei com uma mulher alta, loira, com grandes seios, ela segurava uma sacolinha e quando me viu me mediu de baixo a cima.

- Por acaso Liam Payne mora aqui? - disse mascando chiclete

- Sim, porque ? - quando terminei de falar ela deu uma risadinha

- Empregadinha, quando ele chegar fala para ele que a noite foi ótima - me entregou a sacolinha e saiu rebolando


Continuei parada na porta olhando para o nada, não sabia o que pensar nem o que fazer, quando me casei com o Liam pensei que ele era diferente mas vejo que estava enganada. Fecho a porta , joguei a sacolinha no sofá e subi as escadas tentando raciocinar o que acabou de acontecer. Liam sempre chegava em  casa tarde mas nunca pensei que ele chegaria a esse nível, irei parar em pensar em Liam, agora eu vou pensar em mim e o meu bebê.

Peguei um mala e coloquei algumas roupas, entre coisas coisas.Depois que fiz isso escondi ela a trás da porta, Liam não ia ver, ele nunca vê nada. Fui tomar um banho pra ver se conseguia digerir tudo isso, como eu o amava, faria qualquer coisa por ele, pra salvar nosso casamento, afinal venho fazendo isso a anos, quando eu e Liam nós casamos ele era um amor, todo carinhoso mas depois de um ano tudo mudou, esse comportamento de Liam não é de hoje já tem um tempo, mais eu nunca liguei,  estava cega de amor mais hoje eu vejo que não tem mais o que salvar algo que nem sequer começou. Assim que acabei vesti um vestido, afinal não posso fazer mal ao meu bebê né ?! Ah só de lembrar dele ou dela um sorrisinho bobo se abre em meus lábios. O tempo passou rápido já era umas seis da tarde quando vejo a porta do apartamento abrir revelando um Liam segurando sua maleta impecável, Liam sempre forá limpo organizado

Ele ia subir as escalas mais eu o chamei

- Liam precisamos conversa - disse calma ainda olhando para a TV.

- O que quer Amanda? - disse suspirando e se virou para mim

- O que eu quero Liam? Eu quero divórcio - disse e no mesmo instante vi Liam na minha frente.

- É o que? 

- Por acaso você está com algum problema de audição? Eu quero divórcio - disse me levantando ficando cara a cara com o homem que um dia já amei

- Você só pode estar louca, andou bebendo? - disse rindo

- Eu não sei a onde você está vendo graça Payne, eu estou falando sério, eu não sou obrigada a ficar presa a uma pessoa que nem quer saber de mim, eu não vou te dar esse gostinho Payne, eu sinto muito mais nosso casamento acabou a muito tempo - disse fria, não sentia vontade de chorar ou algo do tipo.

- O que aconteceu com você hein? - ele rapidamente olhou no sofá e lá tinha a sacolinha - O que é isso? - disse o pegando

- Veja você mesmo - ele pegou e de lá tirou sua cueca e uma calcinha - Quem te deu isso? - disse me olhando

- Não sei, talvez uma linda mulher loira, você tem muito bom gosto Payne, parabéns - disse em um deboche

- Amanda e-eu - não aguentei

- Você me acha com cara de idiota Liam? Se você não estava feliz com a porra do nosso casamento era tão difícil pedir divórcio? Sera que você não entende? É muita dor Liam , claro que você não entende, é um sem coração que só pensa em você, eu espero que você seja muito feliz com seu novo amor.- gritei mais logo parei lembrando do meu pequeno.
Ia sair daquele comodo mais senti meu braço sendo puxando com força.

- Você não pode me deixar , eu te amo e você me ama ,lembra? - Pela primeira vez na vida vi Liam chorando , já eu não podia dizer mais o mesmo

- Eu posso sim e eu já te amei um dia Liam, hoje não mais, passar bem.- fui atrás da porta , peguei a mala e a chave do carro em cima da banquinha , peguei nosso anel de casamento e o joguei nele que o deixou  cair

- Adeus Payne - e assim estava livre, agora sim, só eu e o meu bebê

[…]

- Mamãe, Mamãe, acorda - escutei uma voz fina me chamando e pulando na cama, abri meus olhos e vi Alice toda descabelada e afobada

- O que foi amor? - minha voz saiu um pouco rouca

- Hoje é o primeiro dia na escolinha, esqueceu? - disse em cima de mim e com os olhos arregalados

- Não amor, não esqueci , vem cá - puxei ela e a enrolei no Edredom e a apartei

Ela começou a passar a mão nos cabelos lisos de seu pai

- Você sabe que ele vai brigar né? - disse sussurrando pra ela

- Vou mesmo - Zayn disse e nos duas caímos na gargalhada

- Oi papai - ela disse e deu um beijo na sua bochecha

- Oi amor , porque ta acordada uma hora dessa? - disse Zayn olhando no relógio da parede beje

- Hoje é o primeiro dia de aula dela, esqueceu? - disse o encarando

- Na verdade nem sabia disso - disse puxando Alice e colocando em cima de sua barriga

Alice para uma menina de 4 anos até que era muito esperta, isso é sinônimo que a educados bem.

- Mamãe?- fez bico

- Oi - disse pegando em seu pé

- E se eu não quiser mais ir? - disse e deitou em cima de Zayn colocando sua cabeça na curva do pescoço do mesmo. Quando ela falou isso, meu marido soltou uma risada gostosa.

- Ué, não era você que estava doida pra ir pra escola? - disse me sentando na cama

- É, mais agora mudei de idéia sabe? - disse e Zayn continuava rindo

- Sei, Sei , vamos tomar banho, quer tomar banho com a mamãe? - disse e ela sorriu

- Quero - disse pulando em mim

- Eu também quero- seu pai protestou

- Acho que não fofo - beijei sua bochecha e levantei com Alice para tomar banho e nós arrumar.

Minutos depois estávamos todos tomando café e Alice ainda com a ideia de me fazer de não leva-la hoje, já que ia passar um novo episódio de O incrível mundo de Gumball e ela não queria perder

- Você vai sim e acabou- Zayn disse colocando a xícara na pia e em seguida veio até mim me deu um selinho e em Alice um beijo na bochecha

- Tchau amores da minha vida - disse pegando a chave do carro.

- Tchau- respondemos juntas

- Vamos amor - disse a limpando e pegando ela no colo no mesmo instante ela colocou seus bracinhos em volta do meu pescoço e sua cabeça em meu ombro.

Demoramos uns doze minutos para chegar na escola, estacionei e virei pra ela que olhava lá pra dentro

- Quer que eu vá com você? - disse e ela sorriu

- Sim mamãe - Sai do carro dando meia volta a apegando no colo

- Não Fica com medo ta bem? - sussurrei pra ela

- Uhum - e não disse mais nada

Fui em direção a uma mulher que estava com uma prancheta na mão informando as pessoas

- É, por favor , gostaria de saber qual é  a sala de Alice Malik- Disse educada

- Alice, Alice .. Aqui 8B - disse

- Obrigada - disse e voltei a caminhar

Foi difícil ter que deixa ela lá eu ir, até chorou.

- Amor, a mamãe tem que trabalhar mais no final do dia mamãe vem te buscar ta bom? - disse passando a mão em seus cabelos castanhos

- Ta bom - disse e me soltou

- desculpe pelo problema - disse a professora

- Tudo bem, por aqui -  acompanhou até a porta mais antes de sair olhei Alice que conversava animada com uma amiguinha, sorri e fui embora.

[…]

Sai do trabalho correndo para ir busca minha filha, ela vai me matar. Chegando lá vi ela sentada no banco com um homem no lado dela, meu coração gelou , será que eu nunca a ensinei a não conversa com estranhos? Meu coração gelou ainda mais quando vi quem era. Que merda Liam estava fazendo ali?

- Mamãe - ela veio correndo em minha direção e pulando no meu colo

- Oi amor, desculpa a mamãe? - disse fazendo bico

- Tudo bem, eu tava conversado com o Tio Lia né? - ela virou pra ele que concordou com a cabeça

- Vamos embora? - disse a ela

- O tio lia pode ir com a gente? - disse me olhando

- Amor vai andando até o carro,tá? - disse a colocando no chão

- Uhum-  pegou uma mochila e foi

- Escuta aqui Liam, eu não quero que você chegue mais perto dela ta ouvindo? Nem dela nem da minha família, ta entendendo?

- Desde quando você se tornou tão grossa? - Disse se aproximando de mim

- Desde quando parei de ser trouxa Payne- ia virar mais ele pegou em meu braço - Não encoste em mim e me largue - Disse puxando meu braço

- Você ainda é minha Amanda - disse sorrindo

- Qual a parte solta ela será que você não entendeu? - virei e vi Zayn, Sorri

- Quem seria você? - disse me soltando

- O marido dela - disse passando seu braço tatuado em volta da minha cintura

- Quer dizer que a vadia já esta dando pra outro? - disse rindo

- Olhe o jeito que você fala com ela - Zayn disse partindo pra cima dele mais eu o segurei

- Calma amor, não vale a pena, vamos embora, por favor- disse o puxando.

Eles ainda se encaravam mais Zayn  logo cedeu.

- Vamos - disse fomos para o carro onde estava Alice

- VOCÊ AINDA É MINHA AMANDA, MINHA - gritou Liam, Zayn fez menção de voltar mais eu o impedi

- vamos zayn- sussurrei pra ele

Entramos no dentro do carro e Alice perguntou

- Mamãe quem é aquele moço? - ela me perguntou

- Ninguém amor, ninguém - disse passando a mão em seus cabelos

Sabia que o Zayn estava irritado pois não parava de morde os lábios, mais eu não disse nada

Quando chegamos em casa fui logo dar banho em Alice pra ela assistir seu desenho irritante, depois a vesti e ela desceu as escadas correndo dizendo que eu demorei demais, deixei isso pra lá fui pro meu quarto

Assim que passei pela porta vi Zayn cantarolando no banho, tirei minha roupa e fui em direção ao banheiro encontrando Zayn de costas levando seus cabelos cheios de shampoo. Como era indo e era só meu.

Abri o box sentindo uns pingos d'Água caindo em mim, me aproximei de seu corpo o abraçando. Parei minhas mãos perto de seu membro e ele fez no mesmo instante colocou as suas em cima das minhas

- Desculpa pelo incidente mais cedo? - disse descendo minha mão até chegar ao seu membro que já estava dando sinal de vida

Ele não me respondeu nada, apenas gemeu baixinho quando comecei a fazer um fraco movimento nele

- desculpa amor? - disse ainda mais de vagar

-  desculpo, desculpo, e amor, o que você acha de termos mais um filho?- Disse se virando pra mim

- acho digno - sorri e ele me beijou


~ três semanas depois ~

Estávamos nós três jantando quando Zayn pergunta a Alice

- Baby, o que você acha de ter um irmão? - disse pegando em sua mão, ela olhou pra mim e olhou pro Zayn

- Sabe, eu sempre quis, era o meu sonho- disse fazendo bico

- então amor seu sonho vai se realizar - vi um grande sorrindo surgir nos lábios de Alice. Ela levantou e me abraçou sussurrando ’ obrigada mamãe’ ’ amo vocês ’

- Nós também te amamos , Baby - disse beijando seu rosto


One Shot enviado por: meu-beijo-tem-gosto-de-pizza

Quer enviar o seu?

Mande por Submit!

Trançando a autoestima

Na infância quando brincávamos de casinha eu usava sacolinhas de supermercado e toalhas de banho na cabeça fingindo ter cabelos longos.
Minha crise capilar começou bem cedo, quando passei a frequentar a escolinha e todos os meninos usavam o corte tigelinha, no entanto o meu corte era sempre na máquina dois, nem muito baixo para não receber o apelido de febem e nem muito alto para não chamarem de bombril. Quando aos 15 anos eu decidi deixar o cabelo crescer pela primeira vez para enfim sentir a textura dos meus fios, recebi na escola os mais diversos apelidos, como se não bastasse os que eu já tinha, todos relacionados a minha sexualidade e/ou largura da boca ou nariz. Cotonete, couve-flor, carapinha, cabelo ruim e afins era como se dirigiam a mim. A falta de representatividade foi certamente o motivo maior pelo qual eu resolvi raspar mais uma vez a cabeça.
Poucos anos mais tarde, conversando sobre estética com uma amiga, ouvi pela primeira vez: você é negro!
Os dias que seguiram foram conflituosos, afinal como eu poderia ser negro se aprendemos desde sempre que bom mesmo é ser branco? Como eu aceitaria meu cabelo, se é o liso que é socialmente aceito? Como eu poderia me amar e me aceitar se não sou representado positivamente em lugar algum?


Por sorte caí em boas mãos, e as amigas que entraram na minha vida neste momento, vieram pra mostrar que ser negro é lindo! E que eu não preciso de nenhuma intervenção cirúrgica ou alisamento.
Neste processo de resgate da autoestima, pesquisei muitas vezes no Google imagens de homens com cabelo crespo, e o resultado sempre deixou a desejar. 
Fotos legais… bacana esses cachos perfeitos… mas o meu cabelo é crespo! E não se parece em nada com estes da foto!
Acredito que toda a minha ânsia nos meses que seguiram por mudar de cabelo como quem muda de roupa, veio também dessa busca por algum referencial. 

Conforme fui ficando intimo do meu cabelo, fui experimentando cortes e penteados diferentes (ter uma máquina de cortar cabelo em casa nessa época foi o maior deleite). 
Depois de experimentar várias formas de usar o meu cabelo, decidi raspar para deixar o black crescer por inteiro, visto que a lateral estava toda raspada. 
 No momento que foi possível trançar o cabelo, corri para a casa da trançadeira Yaisa que me recebeu da melhor forma possível, e não só trançou meu cabelo, como cuidou dele também e juntos proseamos bastante durante noite adentro.
No fim, me levantei da cadeira e me olhei no espelho, pude sentir todos os cacos da minha autoestima que foram destruídos com o passar dos anos se juntarem como num passe de mágica. 
 Toda a autoestima e autoconfiança que floresceram no meu ser, vieram da raiz, vieram das tranças, vieram das mãos da Yaisa. 
Me senti forte, meu ascendente em Leão rugiu, os olhares e risadinhas não me amedrontaram. 
A estética pela estética, é só mais um reflexo no espelho ou selfie no Instagram, mas a estética como política liberta e empodera.
Assumir essas formas de ser e estar além de enaltecer nossa ancestralidade também é posicionamento político. Ame-se! 


À todas as bichas Nagô força na caminhada.