rota de fuga

     faz
         do
            meu
                 corpo
                         a
                           tua
                                rota
                                      de
                                          fuga
                                                 do
                                                    mundo.

Eu queria ser aquele cara que você gosta, aquele que você pensa quando ouve a palavra amor, aquele que te faz sonhar e ser o seu primeiro pensamento do dia. Eu gostaria de ser aquele que pode te fazer sorrir todos os dias, que consegue preencher seus pensamentos e te livrar dos males que te cercam. Eu queria ser o teu refúgio, sua rota de fuga, seu destino, seu caminho, sua metade da laranja ou tampa da panela. Eu gostaria de ser aquele que te abraça e te cobre em um dia frio, que te protege e te faz bem. Eu gostaria de ser pra você tudo o que você é pra mim, pra poder te mostrar o quão lindo é o dia quando sei que vou te ver.
—  O Pequeno Bob. 

escuta aí baixinho:
um dia eu volto.

se o mundo queima às 6h de uma segunda-feira
e eu sinto a tua falta
mas respiro fundo
porque eu preciso me encontrar
e contigo eu só sabia esquecer de mim.

se Plutão não é mais considerado planeta
e eu sou que nem Plutão
sendo anulada em você.

se parecia tão pesado pertencer
e eu só sei fugir
como os refugiados da Síria.

se a Síria não tem paz e nem eu
 e o mundo engole a gente e depois cospe
e nesse engole-cospe
a gente se desprendeu.

se ir ao céu contigo foi bonito
mas desacelerar e voltar
também tinha de ser.

se eu não acredito em outras vidas
mas nem que seja em uma delas
eu sei que eu volto.

se azul é a cor que eu mais gosto
e eu te expliquei que é porque remete algo grande
e que eu sou feita de tons de azul
quando talvez o azul que trago em mim
seja o blue bird do Bukowski.

se tu me falou que a vida é muito longa pra dar adeus
e que um dia a gente se reencontra
e eu quis tanto acreditar que sim.

se o cometa Halley demora
mas sempre volta
e eu te digo que eu volto também.

se o mundo é cheio de rotas de fugas
e numa delas eu caio em você.

se eu gostar da queda
e ficar até ter que ir outra vez
como o Halley.

se eu te canto Rubel
e tu repete pra mim que
we’ll float around and hang out on
clouds then we’ll come down

e eu rio porque sei que isso pode ser um ciclo vicioso.

se aqui não chove
e naquele vilarejo do noroeste da Índia
o céu não para de chorar
e talvez as lágrimas que eu não derramei
estejam perdidas por lá.

se a gente ainda não foi à Itália
e não bebemos vinho numa gôndola.

se em outra dimensão eu não precisei ir
mas ainda assim em outra tu nem chegou
então eu prefiro essa.

se eu sinto que não acabamos por aqui
porque há ligações que quebram o esquecimento contínuo.

se assim como na minha música favorita
tô encontrando em minha vida um canto só pra você.

se eu procuro por paz
mas tudo que eu quero é me armar e ir à guerra com você.

se a nossa colisão foi forte e assustadora
e eu te digo que esse tempo longe pode ser só o nosso big bang
formando algo bonito pra nós.

se i do keep a date with you
um dia eu volto
só não sei quando
mas eu volto.

Escrever me acalma, me estabiliza. É o que faço quando preciso colocar os sentimentos em ordem. É uma atividade que exige bem pouco de mim, é só seguir meus sentimentos e, no final, terei um autorretrato perfeito no papel. É como magia, consigo tornar sentimentos, bons ou ruins, em palavras de forma tão natural. E assim é possível desentalar facilmente tudo aquilo que está preso na garganta e que é tão difícil de falar em voz alta. Para mim, escrever é uma salvação, uma rota de fuga que me permite enxergar aquilo que estou sentindo por um outro ponto de vista. Escrever nada mais é do que uma forma de tentar compartilhar com o mundo o turbilhão de sentimentos que toma conta de mim.
—  Escrever é o melhor remédio.
Um gole de tempo

Ainda dá tempo de escrever naquela página que ficou em branco
Ainda dá pra preencher de momentos
A caneta em uma das mãos,
Na outra aperto um pingente
Fecho os olhos e começo a te escrever
Na alma primeiro, te desenho multicolorido
O tempo pode parar agora

Eu poderia congelar nesse momento
Quando encontro seu corpo num abraço
Quando sinto seu calor me preenchendo por dentro.
Eu poderia congelar o seu sorriso despretensioso
De quem oferece calma para a paz
De quem sabe como aproveitar
As horas e segundos, os dias e os minutos

E se o tempo me permitisse mais uma dança
Colocaria meu pés sobre os teus
Deixaria teus passos nos guiarem
Você sempre foi tão bom com planos
Sempre desenhou em meu corpo tua constelação
Na minha barriga tua rota de fuga
Se o tempo pudesse retroceder
Voltaria naquele dia e não lhe deixaria partir

Eu moraria naquela taça de vinho
Eu invadiria seu coração com alegria
Tempo, é só o que eu pediria
Para te observar por horas
Sem pressa, para me deliciar de sua vista
Para ouvir seu coração com minha cabeça encostada em seu peito nu
Para sentir você dentro de mim
Por toda a eternidade.

Abro os meus olhos e as lágrimas molham a página em branco
Ainda da tempo de escrever?
Ainda dá tempo de viver?
Pois tempo com você
É só o que eu quero ter


_Ife & Jazon

21 graus e eu também sinto frio

tenho vontade de te escrever um livro inteiro, ou apenas bater na tua porta em uma noite fria. eu te deixaria me fazer feliz. sem rotas de fuga, sem planos b. eu te deixaria me fazer feliz.

você não é o primeiro cara que eu amo, nem o último, mas eu contei os teus 35 sinais enquanto você dormia, e o sol já tinha até nascido.

o mundo continua o caos de sempre, as virgens em extinção, os amores nascidos com filtros de instagram, contas e cartelas de dorflex espalhadas na mesa. mas hoje eu dormiria com você (só precisava não pedir).

sofia

eu quis te fazer de escapatória,
saída de emergência,
luz no fim do túnel,
rota de fuga do abismo de ser quem eu sou
mas tu não pôde me salvar.
e por isso nós não demos certo, baby.
desculpa.

Eu sei, eu não sou o tipo de garota normal, que você talvez fizesse questão, que morasse na rua da frente só pra distrair teus olhos nos meus mais vezes. Fico criando umas rotas de fuga, caso eu não consiga simplesmente encarar os teus olhos, enquanto tu me devora em música e eu quero só sair correndo.  Eu sei lá que porra eu quero contigo, sei que quero tá aqui, mesmo quando tu bate a porta e jura baixinho que não é isso que tu quer. Sério! Não me importo de ficar sozinha, faz bem pro meu ego, estabelecer essa conexão entre o meu eu cotidiano e os monstros que eu guardo habitualmente no armário, inclusive, eu só guardo porque o mundo não merece vê-los, eles costumam ser sentimentais demais, mas a gente tem um bom diálogo. Na real mesmo, eu quero sair correndo daqui, esquecer que cê passou por mim e desconectar essa merda de desvio afetivo que eu sinto toda vez que tu ri. Fui ferida pelo cutelo do amo, e a ferida que abriu fez-se rio por onde minhas lágrimas, as últimas que restaram saíram, afugentaram-se em mim só! Elas me deixaram. Será que nem elas me amaram ? Não, minhas lágrimas vertidas não me enganaram, foram atrás do meu amor, mas não encontraram. Como ele não retornou, elas também não voltaram.
—  Virei a página, mas a próxima estava em branco.
Tenho andado distraída, com o pensamento nas nuvens – para não dizer que é em você que eu penso. Os passos são lentos e não há saída. De nada adianta correr ou me esconder porque você sempre me acha e me invade, sem pedir licença. Faz dias que você me persegue, me domina e me prende. Há dias em que tento me desvencilhar, correr para outro lugar, te despistar, mas é inútil. Você sempre vence e no final me ganha. E tudo o que eu faço, tentando te esquecer e pôr um fim nessa história, não adianta. Você está no meu pensamento e no meu coração. Mas sei que esse amor não passa de pura ilusão. Eu tento me convencer que nunca daremos certo, que preciso te esquecer. E até que esse dia não chegue, ando devagar, buscando outros caminhos que não me levem a você. Tem que haver um caminho, uma saída, uma rota de fuga. Até lá, vou fingindo que você não está em mim nem nos meus pensamentos. Que no fundo eu não ando devagar, para que você me alcance e me leve com você.
—  Nessa Cross
Diz que ficarei bem, que nada vai acontecer comigo, que você ira me proteger. Diga que você vai me amar, que tudo será perfeito, que irá contar as estrelas comigo, que vai me fazer cafuné até dormir, diga… eu só preciso ouvir isso de você, preciso acreditar que em algum momento da minha vida tudo vai ficar bem. Preciso acreditar que você é minha rota de fuga, preciso que você seja meu porto seguro. Já não tenho mais forças para lutar, preciso que alguém me segure.
—  Jotace.

Eu nunca pensei em viver sem você, eu sabia que o mundo da voltas, mas eu pensava que o nosso amor era forte e poderia vencer tudo. Eu não imaginava um caminho longe do teu, eu só tenho traçado rotas de fuga, mas tudo me leva a você, as lembranças tuas. Não há como fugir.

já escrevi tanto poema sobre os teus olhos
e ainda não descobri o que me inquieta tanto
eu que nunca permiti ser olhada por tempo demais
te deixo me apreciar profundamente
com suas órbitas que declamam versos
e me poetizam em cores que eu ainda não conheço
eu que nunca mais quis um romance
já penso numa fazenda escondida no fim da estrada
as noites em cima daquela caminhonete velha
vestida com a sua camisa xadrez
te descrevendo entre as canções que o violão dedilha
tentando não me apaixonar pelo céu azul marinho estrelado
eu que sempre tive medo de sentir
porque tudo sempre me consome
e eu nunca sei o que fazer com tantas colisões
escancaro meu peito e deixo você fazer o estrago que quiser
porque quando seu olhar me alcança
eu não consigo traçar nenhuma rota de fuga
e eu que mal consigo me ouvir no meio de tantas vozes
escolhi teu som como minha trilha sonora favorita

e te canto até nas canções que eu ainda não escrevi

Talvez antipatia tenha virado meu sobrenome e a solidão, minha segunda casa. Não é algo que eu optei ser ou um estilo de vida que aderi. É mais questão de sobrevivência mesmo, sabe? Não quero engasgar? Não como. Não quero tropeçar, não ando. Não quero morrer? Não vivo. É um jeito radical de ver as coisas, sem dúvidas, mas é rota de fuga, é desespero, é a última saída. Meu corpo cansa de levar bala perdida, então vira escudo, vira bicho, vira do avesso e começa do zero. Do zero, vira bala e sai matando a vida.  Cortando inimigos, cortando com um feixe de luz o escuro que habita minha alma. Cansa ser a última opção o tempo todo, o bonzinho, o ombro de todos e não ter apoio. Quero ser errado sem perder pessoas por isso, quero gritar sem me sentir culpado, quero alguém que volte depois de uma discussão e que, mesmo certo, peça desculpa. Quero ser a saudade de alguém, a falta, a necessidade. Não quero ser apenas abrigo em tempestade, quero ser moradia. Quero motivos para dar vida a minha vida.
—  Jadson Lemos. 
Me sinto mal, ou destruída e isso tudo é resultado das malditas expectativas. Sempre tentei ser firme e manter os pés no chão, nunca fui dessas meninas que vivem de conto de fadas. Príncipe encantado? Que nada, minha queda é no vilão, e é por conta disso que eu me apaixonei por ele. Pelas suas características de vilão, seu jeito despojado, suas manias irritantes e até seus defeitos que por fim se tornaram toleráveis. Sempre preferi os piores vilões, não sei, eles me atraem tanto e no fim acabo destruída. Acabo sofrendo mais do que eu imaginava e isso por ter largado o “príncipe encantado” e ter ido atrás do vilão. Corri atrás de um cara que só pisa em mim, mas parece que cada vez que pisava, mais eu o amava… O amava mais do que a mim mesma. Eu cheguei em um ponto que não imaginaria que chegaria. Eu coloquei tudo o que eu tinha naquele cara, e nós seguimos até certo ponto achando que essa aventura daria certo, mas não. O que começa errado, termina errado. E eu achava que poderia corrigir ele; quem sabe foi por essa fagulha de esperança que eu me apeguei ao fato de gostar tanto dele, que eu acreditava que por trás desse vilão, desse cara mal encarado com uma barba mal feita, teria alguém que só precisava de um abraço, mas me enganei, acabou mesmo por dar errado. Realmente não é um príncipe por trás de uma pose, é o centro dessa pose, é o centro do seu mundinho cheio de hipocrisia e idiotices. É como na música, é mesmo um animal, mas o que posso fazer se sou até capaz de um crime passional? Mas também, de que me adianta tentar procurar algo em nele, algo de bom, onde já sei que não existe nada, onde já se provou ser muito do capaz de arrancar meu coração e deixar aberto e exposto um buraco enorme no meu peito. Eu deveria mudar minha rota, ter um plano de fuga, me encantar por um certinho, um queridinho, um daqueles que ligam de madrugada só pra dizer que está com saudades; mas não é assim, eu me apaixono pelo que não presta, pelo que grita, pelo que xinga, pelo que quase bate, mas as palavras que joga são ainda de mais dor. Eu mesma não devo merecer um amor, me entrego facilmente ao mais exageradamente incorreto possível, eu sou uma filha da mãe mesmo, essa minha sina de mocinha de novela das nove, mas pra toda mocinha se tem um mocinho né, então vou aguardar, quem sabe dê errado mais algumas vezes, como de costume, mas um dia eu faço sua máscara cair, um dia eu arrebento a boca do balão e o faço homem para precisar rastejar até mim, pois mais errado que já está não dá.
—  By: Ana Beatriz, Paloma, Flávia and Paula written in imperfeita-s
No momento eu acho que não há ninguém que eu queira mais do que minha solidão. Sei que parece triste e realmente é bastante triste ficar dia após dia após dia trancada dentro de minha própria mente sem uma rota de fuga, mas eu olho para todos a minha volta e não vejo nada que me cative. Falta algo, sempre esta faltando algo e sempre faltará algo dentro de mim, algo sem nome, sem cor, sem cheiro e eu tento colocar qualquer coisa nesse espaço, mas nada se encaixa, nada parece certo. Desisti, desisti porque não há outra alternativa. Não quero esperar pela eternidade por algo que nunca vai aparecer, não quero copias, não quero algo similar, não quero algo pela metade. Eu quero tudo ou nada, escolhi o nada. Por mais que me doa largar tudo ao vento, ter raiva do mundo, ter raiva de tudo por não ser igual a nada, por mais que eu esteja meio amarga e quebrada sei que um dia me recupero, me reergo e sigo sozinha mesmo, sem me importar mais afinal de contas o inicio é sempre a parte mais difícil.
—  Nathalia Goulart,goteira.

Me sinto deveras triste, eu ouço a nossa música e quase te sinto aqui. A tua ausência me dói, é um peso insuportável. Eu me derramo em lágrimas enquanto todos dormem, enquanto as pessoas vivem suas vidas livremente, sem o peso de um amor impossível. Eu não sei traçar rotas de fugas, sempre me embaraço nas nossas lembranças. Tua voz ecoa na mente esquizofrenicamente. Eu amo você, eu sonho contigo quase sempre, não sei ser de mais ninguém. O tempo passa e eu continuo querendo voltar para você, o amor é infinito dizem, e eu acredito.