represa

Os versos estão dançando

As lágrimas finalmente romperam as represas do meu coração, o silêncio já não pode mais ocultar as marcas deixadas pela indiferença, uma nova jornada irá começar.
Não serão dias tranquilos, inúmeras tempestades irão marcar estes momentos de transição, mas estou convicto, não pretendo retornar para os nefastos pesadelos.
Aos poucos, estou transpondo as páginas em branco, pois os versos estão dançando no ritmo das histórias compartilhadas.
Os primeiros sorrisos brotaram, em breve eles irão desabrochar, trazendo de volta a doçura do sonhar.

Jundiba

8:35

voy a crear una playlist en spotify con todas mis canciones de separación
y va a tener cien mil seguidores
de rímel corrido
con ojeras de 3 am
100 mil que no dicen buen día
al chofer del bondi
que no sacan a pasear al perro
ni se lavan los dientes
porque están cansados
de mentir y ahora
se culpan por amar demasiado por
abrir las compuertas de una represa
por no haberse guardado nada
que les permita
aguantar el invierno.

2

Tuira Kayapo es una madre y guerrera indígena que mostró al mundo lo que sucede cuando las mujeres toman las riendas de su destino. El mundo la conoció en 1989 en el encuentro Altamira de Brasil contra la construcción de represas en el río Xingu (amazonas brasilero). Apareció en la sala con sus pinturas de guerra, desnuda y con un gran machete. Se acercó al presidente de la compañía eléctrica de Brasil, Petrobras, y puso el filo del machete en su mejilla, y proclamó que su pueblo y toda la Amazonía lo considerarían como un acto terrorista y de guerra.

A continuación indicó: “Usted es un mentiroso. Nosotros no necesitamos la electricidad. La electricidad no nos va a proporcionar nuestra comida. Necesitamos que nuestros ríos fluyan libremente, pues nuestro futuro y el de toda la humanidad depende de ello. Necesitamos nuestras selvas intactas para poder recolectar nuestro alimento. No necesitamos su represa!”.

Se despidió diciendo:
Mi apellido: ofendida
Mi nombre: humillada
Mi estado: rebelde
Mi edad: la edad de piedra

Pachamama, Arbolito

Si el agua que tomo
se pudre, se pudre
me pudro por dentro también
si el aire que respiro
se pudre , se pudre
se pudre mi forma de ser..
agoniza montaña vacia
de su mineral
de su corazón,
la represa que linda energia
se muere otro rio
se muere la vida…

Pachamama Madre Tierra
madre de todos los colores
Pachamama Madre Tierra
madre de todos los sabores…

Hay bosques que daban
oxigeno y sombra
y ahora ya ni se ven,
La Tierra se retuerce por dentro
y hay tantas flores que ya no crecen…

Pachamama Madre Tierra
madre de todos los colores
Pachamama Madre Tierra
madre de todos los sabores…

Algunos te pedimos perdon!!

Eu cheguei no meu limite. Minha represa terminou de rachar e saiu meio que destruindo tudo. Cansei de ter que segurar a barra dos outros e quando eu estou precisando de reparos, ninguém se importa ou tenta me ajudar a consertar. Não sou uma pessoa ruim, eu acho. Sou presente, tento me redimir quando sei que estou errado, faço o máximo, me esforço o máximo para ajudar e tentar estar ali. Mas para algumas pessoas, o meu máximo nunca é o suficiente. Exigem que eu seja bom naquilo que eu odeio e ai de mim se eu reclamar. Exigem atenção, mas quando eu precisei, me deixaram de lado. Eu queria assim, um pouco mais de atenção, um pouco mais de carinho, um pouco mais de cuidado. Cansei de colocar pessoas em pedestais altos demais e elas nem me tirarem do chão. Cansei de tratar pessoas como iPhone 6s e elas me tratarem como Nokia lanterna. Não sei o que fazer, não sei o que pensar. Eu aguento as coisas calado demais, quieto demais, e esse é uns dos meus maiores defeitos. Ninguém nunca se importa pelo o simples fato de eu não conseguir demonstrar que eu não estou bem, que eu preciso de ¼ de carinho. Se é feio homens quererem carinho? Foda-se. Só sei que ser sozinho demais as vezes cansa. Ser vazio demais as vezes te tritura.
—  André Vinícius | Aparatizador
Sei que o amor e as represas são iguais: se você deixa uma brecha por onde um fio de água possa se meter, aos poucos ele vai arrebentando as paredes - e chega um momento em que ninguém consegue mais controlar a força da correnteza. 
Se as paredes desmoronam, o amor toma conta de tudo; já não interessa o que é possível ou impossível, não interessa se podemos ou não manter a pessoa amada ao nosso lado - amar é perder o controle.
Não, não posso dar uma brecha. Por menor que seja.
—  Paulo Coelho.
Sei que o amor e as represas são iguais: se você deixa uma brecha por onde um fio de água possa se meter, aos poucos ele vai arrebentando as paredes - e chega um momento em que ninguém consegue mais controlar a força da correnteza. Se as paredes desmoronam, o amor toma conta de tudo; já não interessa o que é possível ou impossível, não interessa se podemos ou não manter a pessoa amada ao nosso lado - amar é perder o controle.
—  Paulo Coelho