repete

Jumping on the "Humans are space orcs" train

So I read a bunch of these posts but one thing I didn’t see covered was those little repetive actions you sometimes do for no reason. Like, tapping your fingers, or shaking your leg, or repeating an action cause it didn’t feel right the first time. Stuff like that. Just like,

Alien A: Human-Sharon, what are you doing???

Sharon: huh? What do you mean?

Alien A: why do you keep running your fingers along the side of the control board?

Sharon: oh, that. I dunno.

Alien A: what?

Sharon: *shrugs* I guess cause I like it? It’s calming, I guess.

Alien A: are you in distress??

Sharon: no.

Alien A: then why …?

Sharon: Like I said, not sure why I do it. Just kinda do.

The alien walks away confused and decides that they’ll have to look into this more.

Eu não sou insensível. Só aprendi a controlar meus sentimentos da pior forma. Se pareço não me importar, se deixo transparecer que nada me afeta, você pode ter certeza que eu cheguei ao meu limite. Depois de tantas decepções, o nosso coração se cansa ao ponto de não conseguir mais aguentar tanta dor. Eu já amei alguém e fiz de tudo por ele, com a certeza de que no final mesmo que não ficássemos juntos, teria valido a pena. Mas nem sempre é assim. A gente se entrega achando que é a pessoa certa e em um certo dia, ela vai embora sem se importar com seus sentimentos e você percebe que amava por dois. E dói, como dói. Ainda mais quando o amor dela é qualquer outra pessoa, exceto você. E aí você chora, chora até não aguentar mais. E quando acha que está superando, você escuta aquela música ou vê aquele filme que te lembra aquela pessoa. E as lágrimas chegam mais rápido que da última vez. E isso se repete, tantas vezes que você acha que não vai ter fim. Até que um certo dia, você sorri quando escuta aquela mesma música que te fez chorar tantas vezes e agora não te afeta mais. Assiste aquele filme e não derrama uma lágrima sequer. E quando você vê, as noites em claro, agora são acompanhadas de sorrisos e não de lágrimas. Os seus pensamentos são leves porque aquela pessoa que te magoou não está mais na sua mente. Por isso não me ache uma pessoa insensível e nem àquelas que amam as pessoas erradas. É muito bom amar outra pessoa, mas melhor ainda é alcançar o amor próprio e ser capaz de ser feliz sem machucar o próximo e a si mesmo.
—  Milena Borges.

por quanto tempo você ainda vai carregar o peso de antigas relações e colocar a culpa no amor?
até quando as tuas memórias bonitas vão ser rasuradas por não voltarem mais?
quando o amor vai parar de ser visto como um vilão?
amor não é sobre dor, raiva e mágoa.

repete comigo: agora é a hora
de sentir paz.

você cai
e chora porque caiu
não entende as razões
se questiona e depois
deseja ser outra pessoa
isso se repete
muitas e muitas vezes
mas um dia qualquer
você percebe
que todas as suas quedas
só serviram para que hoje
você fosse exatamente quem é.
suportam.

Every Chat Fic on getting Otayuri Together
  • Group Chat: We all know Otayuri love eachother so Yuri admit your feels for him!!!
  • Yuri: No!
  • Group Chat: Okay let's to the thing!
  • *Group Chat kicked Otabek*
  • Group Chat: Yuri admit your feels for Otabek!
  • Yuri: Fine! I like him but he doesn't like me back!
  • Group Chat: We'll see about that!!!
  • *Group Chat added Otabek back to the Group Chat*
  • Group Chat: Scroll up!
  • Yuri: Don't scroll up!
  • Otabek: *scrolls up*
  • *Yuri leaves the Group Chat*
  • *Otayuri chat privately and admit their feels*
  • *Otayuri return to Group Chat*
  • Yuri: We are together!!!
  • Otabek: *virtual thumbs up*
  • Group Chat: Yeeeeey!
  • Yuri: But I will kill you (insert name of person who kicked Otabek and made Yuri confess his feels it was probably Phichit or Viktuuri)!!!

anonymous asked:

Concept: we all stop saying concept + random things that we should keep to ourselves

Concept: this is a shitposting blog and all types of shitposting are welcome here, even if they make me lose 10 years of my life

after this episode i’m 100% sure dany is going to get pregnant of jon, the amount of foreshadowing is unbelievable, after boatsex and multiples sex encounters (we’re talking about a 30 days voyage, they’re not going to do it just one time lmao) she’s probably going to carry a targaryen baby in her belly, that baby is going to be THEIR HEIR and to be honest i can’t wait to see both reactions. In my mind it’s something like this:

“Dany enters the room with her hands touching gently her belly, she finds herself watching Jon with teary eyes, she’s shaking but she doesn’t seems to notice; Jon does notice, he takes one step towards her, he thinks something bad happens but then a nervous but beautiful smile is crossing her lips and the worry dissappear from his face.

“Jon… I’m pregnant” She mumbles, looking  down at her hands and proceeds to look at his face, waiting for his reaction.

Jon doesn’t understand at first, he’s just watching her with no emotion in his face but after repeting her words in his mind over and over again he just can’t help but smile in the most sweet and surprised way and with no doubt he goes to her, lifting her up from the ground and hugging her so tight, he doesn’t have to ask her if she’s sure, he has an unwavering trust in her, he believes her without a second thought; both of them are closing their eyes, avoiding to shed tears, thing that is impossible because they can’t believe what’s happening, there are so many emotions overflowing in their hearts… they’re going to have a child… they’re going to have a child”

FUCK ME UP, THIS OTP RUINED MY LIFE AND I COULDN’T BE MORE GRATEFUL.


Originally posted by fraddit

Célio era novo em Ribeirão Preto.  Recém-chegado do Rio de Janeiro, tudo na cidade era novidade, até mesmo a maneira como as pessoas ser portavam. Em seu segundo dia, ele decide conhecer um bar, não era lá grande coisa, parecia mais um boteco qualquer, frequentado por bêbados sem limite e garotas em busca de um dinheiro extra.
- Uma cerveja, por favor. – pede Célio, meio perdido.
Apesar de frequentar muitos bares no Rio, aquele tipo de bar e pessoas era novo para ele, o que estranhamente o fez querer beber ainda mais. Na quinta cerveja entra uma mulher, aos olhos de Célio escultural. Já meio alegre e descontraído, ele pergunta ao garçom:
- Nossa, amigo! Que mulher é essa? Vem sempre aqui?
- Olha, campeão, vem sim. Mas posso dar um conselho? O pessoal daqui não arrisca sair com ela, devido um “problema” da cintura para baixo.
               Célio fica intrigado com isso, ele imaginava o que era, mas não teve a cara de perguntar, recém-chegado no bar, não queria parecer inocente. Isso ficou na cabeça do rapaz o restante da noite.  Cerveja vai, cerveja vem, a troca de olhares entre Célio e a bela moça é constante, ele decide ir embora, afinal não estava afim de descobrir a tal surpresa que imaginava. Não ainda.
               No outro dia ele só pensava na bela moça e se o tal “problema” é o que ele realmente imaginava. Enfim, se fosse, o que que tem? “Estou em uma cidade nova, conhecendo sensações  e pessoas. Que mal há em experimentar?” Era o pensamento constante em sua cabeça. O que, às vezes, parecia errado para si mesmo.
               Outro dia no bar, Célio chega e pede ao garçom uma dose de vodka, o garçom serve e essa cena se repete pelo menos 10 vezes. A essa altura ele já está completamente bêbado e falando abobrinhas. É nesse exato momento que a moça chega e ele paralisa, acredite, a mão ficou até tremula, o efeito dessa mulher é inacreditável.
               Cerca de 40 minutos se passaram, a troca de olhares é tão intensa que não há mais escapatória, ele se levanta e vai até a moça:
- Boa noite! – fala em tom galanteador.
- Boa noite! – responde a moça, dando abertura.
- Qual seu nome?
- Bruna, é o seu?
- Prazer, Célio. Mas, deixa te perguntar: o que traz uma mulher tão incrível a um boteco como esse?
               Ela ri. Ponto positivo.
- Não sei, talvez seja o ambiente ou os rapazes, mas gosto daqui.
- E eu gostei de você. – responde Célio, quase atropelando a frase da moça.
               Ela ri novamente. Mais um ponto.
               Os assuntos variam entre viagens, bebidas, filmes e séries, nada muito particular, Célio não tinha coragem de fazer perguntas tão íntimas, apesar de ter certeza que Bruna estava afim. Ela levanta, despedindo-se.
- Amei conhecer você, mas preciso ir. Amanhã acordo cedo.
- Tudo bem! Pode me passar seu número? – pergunta ele, já ansioso pela resposta.
- Acho melhor nos encontrarmos aqui. Gosto desses encontros à moda antiga.
- Ok. Tudo bem. – responde, desanimado.
               Ela se levanta e vai embora. Todos a volta de Célio o encaram, não acreditam no que acabaram de ver. Ele fica constrangido, paga o que bebeu e vai para casa. Sua cabeça parece girar, tanto pelo álcool como por essa mulher. “O que é isso? Nunca estive tão interessado por uma mulher, ou quase mulher, não sei mais. Mal sei o que eu gosto” pensa, confuso.
               O dia segue comum e Célio está ansioso pela noite. Será que Bruna estaria no bar?  Seu maior desejo era que sim. Ok. 20 horas de uma quinta-feira, hora de ir e esperar por ela. Chegando no bar ele não tem coragem de perguntar ao garçom, ou para qualquer pessoa, por ela, então decide apenas sentar e esperar. 22 horas e nada. É quando o garçom, irônico, pergunta a Célio:
- Percebeu que ela, a Bruna, só vem de calça né?
               Célio ri sem graça.
- E percebeu também que ela nunca usa salto alto?
- Cara, onde você quer chegar? Que perguntas mais bestas.
- Nada cara. Esquece. Só repare na maneira como ela anda.
               Célio dá de ombros, suas suspeitas estão confirmadas e isso o deixa ainda mais excitado e empolgado com a situação. O que, até mesmo para Célio, é uma novidade e confessa para si mesmo não estar sabendo lidar com isso, apesar de estar gostando. “Talvez ela não venha, melhor ir para casa.” pensa aflito.
               Quando, de repente, ela entra no bar e vai direto à sua mesa, como se estivesse predestinada a isso.
- Boa noite! – Fala Bruna, com a voz meio mole.
- Boa noite, tudo bem? – responde Célio, assustado.
- Não, nada bem na verdade. Vamos para casa? Preciso conversar com alguém.
               Foi exatamente nesse momento que Célio sentiu seu coração saindo pela boca, as pernas bambas e a língua travada. Em um movimento súbito só conseguiu responder:
- Claro, vamos. No meu carro?
- Sim, no seu. Vim de táxi.
“Veio de táxi? Então já sabia que me encontraria aqui e veio com um propósito.” pensa Célio. Saindo do bar ele percebe os olhares cruzados de todos. Não havia um no bar que não o olhavam, a situação era desconfortável e excitante ao mesmo tempo.
               No carro, Célio percebe algo estranho em Bruna. Ela está falando umas frases sem sentidos, mal respondendo suas perguntas. “Só pode estar bêbada, ou bêbado? Ahhhh, não sei. Mas é a minha chance.” pensa Célio.
- Pronto, chegamos. Minha casa é aquela ali, a azul bebê, número 112.
               Célio estaciona o carro, a tensão sexual pode ser sentida a metros dali. Ao entrar na casa Bruna em um movimento tão rápido que Célio mal pode acompanhar, o agarra e joga na parede. Ele não responde, só continua o que a moça começou.
- Vem, vamos para a minha cama. Melhor lá. – fala Bruna, claramente excitada.
               Ambos vão para cama, chegou a hora tão esperada para Célio. Bruna, da maneira mais sexy que qualquer homem possa imaginar, começa a tirar a camisa e o sutiã. “Nossa, parecem reais. Que maravilha.” pensa Célio ao ver os peitos de Bruna.
               Bruna começa a tirar sua calça meio sem graça. Célio, com o olhar safado, fala:
- Não precisa ter vergonha, meu doce. Eu já sabia.
               Bruna aliviada tira a calça, Célio quase cai de costas. O susto foi maior do que ele poderia imaginar. Bruna desencaixa sua perna mecânica.
- HOOOOOLY SHIT. – solta Célio.
—  Pedro Peixoto.
Câteva lucruri (pe care nu le realizezi) de știut când ești adolescent

1. Totul e trecător și nimic nu ține pentru o veșnicie.
2. Ești la vârsta în care te formezi, nu-ți bate joc de tine.
3. Prietenii o să te dezamăgească în repetate rânduri.
4. Oricât de prieten îți spune că îți este, nu da tot ”afară din casă”. O să îți pară rău că ai avut încredere.
5. Nu tot ce zboară se mănâncă.
6. Oamenii vin și pleacă din viața ta. Nu e un capăt de lume că ai pierdut un prieten. E ceva NORMAL.
7. Da, oamenii se schimbă. Da, unele persoane se schimbă în bine, altele în rău. Nu mai acuzați prietenii că se schimbă. Recitește punctul 2, 3 și 6.
8. Ține alături de tine oameni care au o influență pozitivă. Recitește punctul 2.
9. Nu te schimba pentru niciun anturaj doar ca să nu te simți singur. Dacă instinctul îți spune că nu e bine, cel mai sigur așa e. Recitește punctul 2, 10. Nu lăsa internetul să îți ocupe majoritatea timpului. Da, internetul tâmpește. Recitește punctul 2.
11. Orice ar fi, nu e un capăt de lume.
12. Nu există ”prietenia perfectă”. Recitește punctul 3, 5, 6, 7 și 11.
13. Să nu ai niciodată așteptări de la oameni, ca să nu te dezamăgească. Recitește punctul 3, 5, 7.
14. Nu, iubirea (și nu numai) în adolescență nu ține ”pentru totdeauna”. Evită să folosești ”pentru totdeauna” ca să nu fii dezamăgit.
15. Nu-ți mai pune toată baza/ încrederea/ fericirea în palmele unei singure persoane. Recitește punctul 5, 6, 7.
16. Da, e normal să ți se schimbe starea de la un minut la altul. Ești în perioada în care te dezvolți (fizic și nu numai). Nu, nu ai bipolaritate.
17. Citește.
18. Gura lumii nu o acoperă nici pământul. De multe ori oamenii o să-ți spună lucruri răutăcioase. Nu te schimba pentru nimeni. Mai târziu, aceste vorbe nu o să conteze. Stay true to yourself!!!!
19. Singura persoană care o să rămână alături de tine tot timpul ești TU. Recitește punctul 2.
20. De fiecare dată când te simți neîndreptățit de părinți, pune-te în situația lor și gândește la rece dacă ai face același lucru cu copilul tău. (exceptând abuzurile)
21. Fii sincer cu tine.
22. Dacă-ți spune că te iubește din primele săptămâni, probabil nu o face. Nu îți pune sufletul în palmele unei persoane pe care, practic, nu o cunoști.
23. Nu. N-ai să cunoști pe nimeni îndeajuns de bine încât să susții că ”o cunoști”. La fel e și cu ceilalți despre tine.
24. Păstrează o doză mică de egoism și pune-te pe tine în pe primul loc.
25. Pune preț mai mult pe FAPTE nu pe VORBE.
26. Naivitatea se plătește.

copyright: Verde @ Confesiuni Anonime

escuta aí baixinho:
um dia eu volto.

se o mundo queima às 6h de uma segunda-feira
e eu sinto a tua falta
mas respiro fundo
porque eu preciso me encontrar
e contigo eu só sabia esquecer de mim.

se Plutão não é mais considerado planeta
e eu sou que nem Plutão
sendo anulada em você.

se parecia tão pesado pertencer
e eu só sei fugir
como os refugiados da Síria.

se a Síria não tem paz e nem eu
 e o mundo engole a gente e depois cospe
e nesse engole-cospe
a gente se desprendeu.

se ir ao céu contigo foi bonito
mas desacelerar e voltar
também tinha de ser.

se eu não acredito em outras vidas
mas nem que seja em uma delas
eu sei que eu volto.

se azul é a cor que eu mais gosto
e eu te expliquei que é porque remete algo grande
e que eu sou feita de tons de azul
quando talvez o azul que trago em mim
seja o blue bird do Bukowski.

se tu me falou que a vida é muito longa pra dar adeus
e que um dia a gente se reencontra
e eu quis tanto acreditar que sim.

se o cometa Halley demora
mas sempre volta
e eu te digo que eu volto também.

se o mundo é cheio de rotas de fugas
e numa delas eu caio em você.

se eu gostar da queda
e ficar até ter que ir outra vez
como o Halley.

se eu te canto Rubel
e tu repete pra mim que
we’ll float around and hang out on
clouds then we’ll come down

e eu rio porque sei que isso pode ser um ciclo vicioso.

se aqui não chove
e naquele vilarejo do noroeste da Índia
o céu não para de chorar
e talvez as lágrimas que eu não derramei
estejam perdidas por lá.

se a gente ainda não foi à Itália
e não bebemos vinho numa gôndola.

se em outra dimensão eu não precisei ir
mas ainda assim em outra tu nem chegou
então eu prefiro essa.

se eu sinto que não acabamos por aqui
porque há ligações que quebram o esquecimento contínuo.

se assim como na minha música favorita
tô encontrando em minha vida um canto só pra você.

se eu procuro por paz
mas tudo que eu quero é me armar e ir à guerra com você.

se a nossa colisão foi forte e assustadora
e eu te digo que esse tempo longe pode ser só o nosso big bang
formando algo bonito pra nós.

se i do keep a date with you
um dia eu volto
só não sei quando
mas eu volto.

A paixão testa, o amor prova. A paixão acelera, o amor retarda. A paixão repete o corpo, o amor cria o corpo. A paixão incrimina, o amor perdoa. A paixão convence, o amor dissuade. A paixão é desejo da vaidade, o amor é a vaidade do desejo. A paixão não pensa, o amor pesa. A paixão vasculha o que o amor descobre. A paixão não aceita testemunhas, o amor é testemunha. A paixão facilita o encontro, o amor dificulta. A paixão não se prepara, o amor demora para falar. A paixão começa rápido, o amor não termina.
—  Fabrício Carpinejar.
Déjà vu

Toco o meu corpo
E cada parte dele dói
Corpo cansado
Mente barulhenta
Tudo gira nesse momento
Vai e vem
Sinto meu coração bater acelerado
Em um ritmo descompassado
Estou quase entregando os pontos
E uma voz lá no fundo, diz:
“Mais uma vez?”
É quase um déjà vu
Velha história
Que se repete outra vez.

Nessa Cross

De todas as coisas que ela poderia ser, ela escolheu ser aquela que é lembrada pelo sorriso que abre quando chega, pelas ações simples que tem, e pelas palavras carinhosas que despeja. Ela tem as flores da Frida na alma, e o colorido do rosto do David Bowie no coração. Se todos no mundo tivessem a oportunidade de conhecê-la, seriam mais felizes. Porque onde quer que ela vá, ela leva alegria e leveza na alma, que transparece apenas no olhar, e no abraço que dá. Mas não se engane, ela também tem os seus dias “ruins”, e ainda assim consegue ser uma pessoa doce, que prefere dizer que está tudo bem para não incomodar ninguém, até quando a sua vontade é de desabafar, ela costuma se isolar. Às vezes ela tem uma pose de durona, mas não dura nem dez minutos, pois ela gosta de tratar bem quem quer que seja, e principalmente, mostrar que não é igual aos demais. Ela gosta de gentileza, de dar “bom dia” para estranhos, e para o Sol. Ela gosta da sensação de estar cercada por animais, e de estar em contato com a natureza para ter seus minutos de paz. É daquelas que faz o que for para cuidar de quem ama, que tiraria a própria felicidade para dar para quem não está feliz. Desde muito nova ela sonha alto demais, e muitas vezes acordada. Repete para si mesma que irá realizá-los todos esses sonhos, até quando se encontrava descrente disso. Amores rasos não a comoviam, ela gostava de mergulhar em pessoas profundas, e mesmo com medo de nadar, ela ia. O coração dela sempre foi imenso, e cheio de esperança. Ela possuía uma infinidade de coisas boas para derramar a quem estiver ao seu redor. Já diziam por aí que quem tinha ela na vida, eram pessoas de muita sorte. Só de estar na presença dela, o dia se tornava de algum modo, melhor. Ela é aquele anjo da guarda sem asas, aquela mulher maravilha sem poder, aquela filha/mãe/irmã/amiga que todo mundo quer ter.
—  Nathalia Velozo
E,

você odeia multidões,
dorme regularmente todos os dias
e fica feliz com coisas pequenininhas.
você repete seu seriado favorito
mas se diz cansar rápido do habitual.
você tem voz grave
e é confuso e inconstante
assim como os dias são para a terra
e eu te aceito sendo de sol ou tempestade.
você não fala muito,
prefere escutar
e eu que quase nunca quero abandonar o meu silêncio,
escutaria você e todos os seus porquês,
porque se os outros repertórios são ruins,
o seu eu quero gravar pra poder ouvir repetidamente.
você é desorganizado
e perde as coisas bem debaixo do seu nariz.
você é irritante e às vezes até insuportável
mas na minha lista de prós e contras até isso vira um pró.
você ama cafuné
e tem o cabelo bagunçadinho,
o que é quase um convite pra bagunçar ainda mais.
você lê poesia mesmo sendo o poema não escrito que me encanta.
você é cheio de alergias,
ama sorvete de flocos
e odeia bolo com frutas cristalizadas.
você ouve Nirvana
e queria ser um super herói.
você tem um sorriso que emana paz
e um nervosismo bonitinho de não saber explicar as coisas.
você que existe
e tua existência que me afeta de uma maneira linda.
obrigada.


“você não é de onde vem,
você é pra onde vai
e eu gostaria de ir junto.”