relaciono

Querida Paulina:
Han pasado nueve meses. Otros tantos días con calles sin asfalto, jardines sin flores y un altar roto justo al lado de tu retrato. Nueve meses sin verte, nueve oportunidades perdidas, nueve que definen el número de escalones hacia la imposibilidad de olvidarte. En dónde has estado todo este tiempo, no he dejado de preguntarme. La tristeza para mí es directamente proporcional a la distancia que hay entre nosotros; así, sin saber dónde te encuentras, sé que estás muy lejos y que poco a poco te conviertes en inalcanzable. Qué puedo decirte. Intentar escribirte, justo desde este lugar donde las rimas no caben, es otra manera de ganarme el desprecio de mi rostro mirando el paisaje que dejaste tras la ventana, desprovisto de formas, abarrotado de inquietudes; esperando como si alguna vez fueras a volver.
Te recuerdo feliz, sublime. Te recuerdo hecha deseo, y más justo a tu lado de la cama, donde dormían las sábanas acariciando tus caderas y el porvenir lejano de mis sueños. Despertaba y estabas ahí, ingrávida, hecha a la medida de la libertad en un día donde no hace falta madrugar. No debe gustarte este sitio, entonces. Yo me he mudado a una ciudad sin más compañía que los recuerdos y sin más equipaje que mis heridas. No voy a negarte que lo he intentado, Paulina. Te lo juro. Pero te he memorizado tan bien, que cuando voy por la calle todavía tengo la sensación de estar dirigiéndome a tu encuentro. Fueron cuatro mujeres. Una tenía tus ojos, otra me llamaba como tú y las dos restantes no sabían traer tu calor de vuelta. Nueve meses no son suficientes para olvidarte; tres mujeres menos, dos habitaciones tampoco y una nostalgia que te llama siempre lo hace imposible. Por las noches miro aquel barranco, y allá, donde el sol se pone a lo lejos, imagino que nos espera otra vida, de esas que nunca tuvimos más que en libros.
Hay incógnitas, pero suelo olvidarlas todas. Ojalá tuviera tan mala memoria para ti como la tengo para el resto. También tuve alas y las he perdido. Antes de que te fueras estuve condenado a dos opciones: perderte ganando alas o ganarte perdiendo el cielo. Y aunque nunca fui capaz de decidirme, te adelantaste escribiendo un desenlace para esta historia que apenas estaba comenzando a cobrar forma. Querida Paulina, te recuerdo incluso antes de dormir, cuando me surge el deseo de que arrincones tu orgullo lejos de la daga que amenaza mi cuello, que tu silencio no sea tan pesado y que al menos contestaras las cartas que te envío. La señora Lucía me dice que te las ha entregado todas, así que no te molestes en poner pretextos. Tampoco ha querido decirme dónde estás, así que si algún día llego a descubrirlo, que sepas que el mérito será todo mío. Allá donde te encuentres no espero que seas feliz, pero sí que me recuerdes y que también me eches de menos. Que no hayas aprendido a reemplazar mis manos por otras caricias, mis palabras por otra voz y mis ojos por otra mirada. Que el vacío que nos separa te queme. Que no sepas domar los recuerdos. Que te atraviesen los relámpagos el pecho, pero que nunca encuentres el camino a la salida. Te quise y te quiero, no voy a negarlo. Pero mi olvido tiene un precio. Y ese precio es el remordimiento.
Yo sigo escribiéndote, por si acaso. Redactar mis penas con el sabor de un café caliente se ha tornado una rutina en mi vida. El doctor me dice que el exceso siempre hace daño, y esa es una evidencia de que no le he hablado de ti. Te guardo como si lo merecieras, como si el valor de tu cuerpo tuviera un secreto reservado a nosotros. No te equivoques. Mis amigos tampoco te olvidan, ni la almohada, ni las flores en sus macetas, ni la sala de estar, donde hacíamos fiesta cada vez que la soledad perdía y le sumábamos puntos al amor, asesinando los desperfectos. Ahora las fotos me miran desde lejos, como si no nos lo perdonaran. Las canciones hablan de ti, o seré yo, que todo lo relaciono contigo. Me queda un álbum lleno y tres intentos fallidos. No me gusta, pero tampoco esperaba otra cosa si se trataba de tu ausencia.
Querida, han sido nueve meses en los que he intentado dibujarme otra cima y redireccionar mi camino hacia un norte distinto. Pero ahí adonde voy te encuentras tú, aunque no te llame y aunque no llegues. No creo en el destino, pero —y esto es peor— sí en que el destino ya no cree en nosotros. Nueve meses y hemos dado a luz a un futuro que se quedó huérfano. Hoy me quedan libretas llenas de tachones, páginas arrancadas de golpe y marcas en las paredes que dejo cuando mi puño se estrella contra mi conciencia. He guardado silencio de lo que hemos vivido; sin embargo, cuando tenga que hablarle a alguien de ti, jamás podré decir que no lo he intentado. Que te quise y te quiero. Y que eres inolvidable.


Querido Heber:
Han pasado nueve meses, ¿los has sentido? Supongo que lo has hecho, que la despedida que tuvo lugar en nuestros corazones también hizo un poco de mella en tus manos, que a veces volteas a verlas y visualizas las mías enlazadas con tus dedos, guardando el secreto entre ellas, ese que no supimos guardar y que ahora nos traiciona por la espalda con recuerdos que insisten en quedarse como gotas de lluvia, caen poco a poco como lo hacen en la época de primavera, pero eso no quiere decir que ya se fueron, sino que esperan que la tormenta tome su fuerza para arrasar con todo.
Te recuerdo conmigo, pleno. Te recuerdo hecho un lío cuando estabas a punto de dormir y no dejabas de decir que no dormirías hasta que yo lo hiciera, menuda mentira, siempre eras el primero en hacerlo, pero cuando te observaba, pedía a las estrellas que me dejaran vivir en tus pestañas, remover las mariposas que entre nosotros existían y poder recitarte todos los poemas que entre voces nos dedicábamos. Me he ido con mi abuela, sabes el cariño que le tengo y lo feliz que me la paso a su lado, lo único que me llevé fue la pulsera que me regalaste y un par de mensajes sin envío, ni remitente, aquí los tengo por si un día vienes a por ellos. Un hombre, solo uno en estos nueve meses y aún no logra que saque de las uñas todos los reencuentros que prometimos realizar por si un día nos desviábamos del camino, ahora me pregunto: ¿Qué camino?
Hay preguntas, pero no suelo encontrarle respuesta a todas. Tus amigos me han dicho que me has olvidado, que fueron cuatro mujeres; una de ellas tenía mis ojos, la otra mi risa, y dos de ellas no sabían lo que querían en la vida, supongo que ellas también se perdieron en el misterio que escondes cuando lloras, cuando te rompes y destruyes todo a tu paso. Mi hermana ha salido con una historia bizarra que consiste en un simple: “Buena suerte, mala suerte, ¿Quién sabe?” y me ha callado con un “Cuando suceda, lo entenderás” Quiero creer que lo entiendo, que a veces el destino nos tenía preparados un futuro precioso, pero la vida nos demuestra con un puñetazo en el estómago que somos unos malditos imbéciles y que nunca seremos felices si antes no sufrimos en el proceso. Querido Heber, la zozobra me está matando, no entiendo el porqué de tu partida, el porqué de dejarlo todo a medias sin una solución, sin una salida de emergencia por la cual acceder cuando todo se prendía en llamas, como ahora lo haces tú en un lugar donde ya no te alcanzo.
La señora Lucía ha dicho que no te has parado ni una vez por mi casa, le dije que me avisara en cuanto supiera de ti, eso es lo mucho que llegué a importarte: poco más que nada. Es por eso que me guardo en la garganta todas las cartas que me gustarían mandarte y decirte que parece que las lágrimas no tienen fecha de caducidad cuando de desamor se trata, y que sé que no me extrañas y cómo quisiera que lo hicieras, aunque sea un poco. Allá donde te encuentres espero que seas feliz, que no me recuerdes por lo ocupado que te encuentras con tus nuevos amores. Que has aprendido a reemplazar mis manos con otras caricias, mi boca por otra lengua y mi canción por otra melodía. Que exista tempestad en toda tu calma. Que no halles la chica indicada porque la has perdido. Que te arda la garganta cuando quieras pronunciar mi nombre. Que me recuerdes sin querer hacerlo. Te amé y te amo, pero nunca entendiste la diferencia entre el querer y el amar. Intenté explicártelo y ahora sufro con ello.
Siempre quise me escribieras algo, aunque fuera un pequeño verso porque sabía que la poesía corría en tus venas, que borboteaba a chorros cuando me mirabas y decías que si fueras poeta, tu musa del martirio sería yo, te respondía que yo no necesitaba ninguna musa, que conmigo misma me bastaba. Nueve, el nueve siempre había sido mi número favorito hasta ahora, hasta que hoy el silencio me ha dicho que se queda para ver cómo nos destrozamos a la distancia, que sé que has probado más camas y que te aseguro que ni mi rostro lo recuerdas, que el retrato que tenías de mi sombra lo has tirado como lo hiciste con toda la tristeza que te grite que sentirías cuando vieras mi espalda en otra calle, en otra casa, en otra vida. Ahora lo único que hago para calmar los besos que llaman en mis libros de poesía es mirar a la ventana, como si fueras a volver un día de estos para poder dejar de maldecirte.
Cariño, si me lo permites, quiero intentar olvidarte, que me has demostrado lo mucho que echas de menos lo nuestro sin una carta, sin un mensaje, sin una señal de humo, sin algo que lanzarme. Así que por favor, por mi bien, dame la autorización de hacerlo, has cambiado de libro más de una vez, solo deja que yo cambie de página, déjame saltar al vacío para ver si alguien me atrapa antes de la muerte, quiero ser valiente antes de que llegues con una señal de que todo lo hiciste demasiado tarde. Mi cielo, sabes que a nuestro inesperado encuentro siempre lo llamé casualidad, que quisimos ser dos almas que no deseaban gritar que tenían amor para dar por si algún envidioso rayaba en las paredes que el cariño se acaba demasiado rápido y se queda demasiado poco. Sabes dónde estoy y si no has querido venir a buscarme es porque no se te ha pegado la gana, así que déjate de reproches y de tontas excusas. Heber, aún me duele escribir tu nombre, lo taché más de mil veces antes de ponerlo por aquí, y que si alguien te menciona, no puedo ocultar una gran sonrisa y una lágrima en el corazón. Que te quise y te quiero. Que te amé y te amo. Y que espero que algún día alguien pueda enseñarte la diferencia.

—  Paulina Mora, colaboración con Heber Snc Nur, “El precio del remordimiento”.

Sou homem, mas…. Ao contrário do que muita gente pensa não sou igual a nenhum outro, sou diferente e tenho pleno conhecimento do meu valor em Cristo! Me recuso a ouvir que todo homem é igual, e provo com atitudes que sou ao contrário, eu não fico com as meninas pois não sou descartável, eu oro e se for da vontade de Deus me relaciono, se não eu nem insisto! Consigo dar flores e escrever cartas onde a era digital praticamente extinguiu, eu sei tratar uma garota como princesa a final gosto quando ela me chama de príncipe, sou o homem que assume o relacionamento diante dos país e peço autorização, não sou homem de causar desconfiança no relacionamento e muito menos de incitar brigas, pelo contrário, sempre procuro um meio de achar uma solução! Eu sou o homem que Deus me ensinou a ser no decorrer dos anos por isso não perderei minha essência por amizades influenciadoras ou por modinha. Sou homem, mas… Não qualquer um, sou seu homem.

@princesinhaanonima

👗 STATUS: VARIADOS 👗

Não deixe a porta do seu coração aberta pra quem sempre vem só de visita. 🔐❤

Aos que me lançam espinhos, devolvo flores. Não tenho espinhos para lhes devolver.

Mas no fundo eu sabia que era um amor perigoso e mesmo assim te queria. 🎧

Inimigos não coleciono, não me relaciono, não me emociono, por eles não sinto nada. ❎

Tanta positividade, tua maldade aqui não cabe! 💋

Tudo se baseia na fé que você tem. 🙏

Quem nasceu pra ser oceano não se contenta com aquários.

Deixa a chuva te avisar que o sol vai brilhar pra você. 🙌

Eu só quero saber de ser feliz, tô bem assim. ❤

Foca mas não sufoca. 😰

Seu corpo causa engarrafamento, mudança de vento, faz fila de espera. 🌌

Ignore o que te faz sofrer e abrace o que te faz feliz. 🍀

Deixe que o mundo me encante, deixe que eu viva um instante.. 🙌🏻🌀

Sem neurose, sem caô. Ela só quer mais uma dose de amor.

Às vezes são as escolhas erradas que nos levam para o caminho certo. 👣

Ser livre como o vento. ❣

O bonito me encanta, mas o que é sincero me fascina.

Acalma esse coração menina, o que for pra ser seu vai vim e nunca vai embora. 🌙

Aparência frágil pra enganar o comando. 🎧

Que a positividade reine em nossas vidas.🍀

Entre o bem e o mal, eu fico com a paz. ☮🌼

Ela quer bandiar, quer se aventurar onde não é o seu lugar. Quer correr o risco sem medo de apaixonar. 🎧💥

Que coisas boas se multipliquem e que o amor prevaleça. 💙

Eu sou uma mistura de boas intenções e más decisões.

Eu fui capaz de muita coisa, menos de perder você. 🎵💑

O bom da vida é viver! 😍

Pode brigar, mas não vai embora. Fica perto. ❤

Seja forte o suficiente para abrir mão do que não serve mais e paciente o suficiente para esperar por aquilo que você merece. 🌸

Minha paz não deseja mal a ninguém.

Ela não tem frescura caso o seu batom borrar. 🎧💄

É que o coração não pensa… 🌌

Ela é profunda como o mar e seu coração não se contenta com amores rasos. 🌊

Minha fé vai me levar aonde os fracos nunca irão pisar. 🌼💛

Ela perde o juízo mas o copo tá na mão. 🙋

te voy a extrañar de lejos
esperando que no veas como escribo tus iniciales en vidrios empañados
como relaciono todo lo que veo y escucho en lo mucho que me gustaria hablarlo con vos
te voy a extrañar pero no te vas a enterar
y eso esta bien

Desde que me rendi às mãos do Oleiro, tenho recebido o amor curador de Deus, que flui do relacionamento e não da religião. Graciosamente, o Senhor tem, dia após dia, conduzido a maneira como me relaciono com Ele, comigo mesma e com os outros. Os sinais claros dessa liberdade, se manifestam na leveza que sinto pra ser eu mesma, sem ter a obrigação de ser elogiada ou reconhecida por todos ao meu redor. Ninguém é unanimidade e a gente tem que aprender que nossa vida tem um propósito divino que vai atingir a alguns e não a todos.

Eu acredito em grandes amores. Mas falo e me relaciono com as pessoas como se não acreditasse. Eu não tenho expectativas fúteis para o romance. Eu não estou à espera de sentir aquela sensação estranha de estar flutuando. Eu sou um daqueles indivíduos raros, talvez um pouco cansados, que realmente gosta desta cultura atual de conexão entre as pessoas e é feliz por viver numa época em que a monogamia não é necessariamente a norma. Mas eu acredito em grandes amores, porque já tive um.Eu tive esse amor intenso, que tudo consome. O amor do tipo “eu não posso acreditar que isso existe no mundo real, no mundo físico.” O tipo de amor que irrompe como um incêndio incontrolável e então se torna brasa que queima em silêncio, confortavelmente, durante anos. O tipo de amor sobre o qual se escrevem romances e sinfonias. O tipo de amor que ensina mais do que a gente alguma vez pensou que poderia aprender, e que te devolve infinitamente mais do que tira de você. É amor do tipo “amor da tua vida”. E eu acredito que funciona assim: Se você tiver sorte, você conhecerá o amor da sua vida. Você terá a chance de estar com ele, aprender com ele, entregar-se inteiramente a ele e permitirá que a sua influência te mude em medidas insondáveis. É uma experiência como nenhuma outra. Mas aqui está o que os contos de fadas não te vão dizer – às vezes nós encontramos os amores das nossas vidas, mas não conseguimos mantê-los. Nós não chegamos a nos casar com eles, nem passamos anos ao lado deles, nem seguraremos as suas mãos nos seus leitos de morte depois de uma vida bem vivida juntos. Nós nem sempre conseguimos ficar com os amores da nossa vida, porque no mundo real, o amor não conquista tudo. Ele não resolve as diferenças irreparáveis, não triunfa sobre a doença, ele não preenche fendas religiosas e nem nos salva de nós mesmos quando estamos perdidos. Nós nem sempre chegamos a ficar com os amores das nossas vidas, porque às vezes o amor não é tudo o que existe. Às vezes você quer uma casa num pequeno país com três filhos e ele quer uma carreira movimentada na cidade. Às vezes você tem um mundo inteiro para explorar e ele tem medo de se aventurar fora do seu quintal. Às vezes você tem sonhos maiores do que os do outro. Às vezes, a maior atitude de amor que você pode ter é simplesmente deixar o outro ir. Outras vezes, você não tem escolha. Mas aqui está outra coisa que não te vão contar sobre encontrar o amor da tua vida: não viver toda a tua vida ao lado dele não desqualifica o seu significado. Algumas pessoas podem te amar mais em um ano do que outras poderiam te amar em cinquenta anos. Algumas pessoas podem ensinar-te mais em um único dia do que outras durante toda a sua vida. Algumas pessoas entram nas nossas vidas apenas por um determinado período de tempo, mas causam um impacto que mais ninguém pode igualar ou substituir. E quem somos nós para chamar essas pessoas de algo que não seja “amores das nossas vidas”? Quem somos nós para minimizar a sua importância, para reescrever as suas memórias, para alterar as formas em que nos mudaram para melhor, simplesmente porque os nossos caminhos divergiram? Quem somos nós para decidir que precisamos desesperadamente substituí-los – encontrar um amor maior, melhor, mais forte, mais apaixonado que pode durar por toda a vida? Talvez nós devêssemos simplesmente ser gratos por termos encontrado essas pessoas. Por termos chegado a amá-las. Por termos aprendido com elas. Pelas nossas vidas se terem expandido e florescido como resultado de tê-las conhecido. Encontrar e deixar o amor da tua vida não tem que ser a tragédia da tua vida. Pode até ser a tua maior bênção. Afinal, algumas pessoas nunca chegam sequer a encontrá-lo.

¿Qué significa tu signo lunar? (Parte 1/2 Aries a Virgo)

¿Alguna ves has conocido a un Aries tímido, a un Cáncer poco romántico, a un Virgo despreocupado o a un Sagitario demasiado serio? ¿Te has preguntado porque?

En astrología es muy común saber cual es nuestro signo solar que es el mismo que tiene que ver con el signo que tocaba durante el día que naciste. Por ejemplo yo al decir que “Soy Virgo” esto diciendo que mi signos solar es Virgo ya que yo nací un 23 de Agosto, justamente el día que comienza la temporada del signo Virgo.

Sin embargo, aunque comparto muchas cosas con mi signo solar, también hay partes de mi personalidad que no encajan del todo con Virgo, por ejemplo que soy bastante más sentimental y pasional de lo que se describe a Virgo, como también tengo ciertos intereses un tanto “góticos” y “oscuros” como el vampirismo, el espiritismo, el terror y por supuesto la astrología. 

Eso lo relaciono mucho con mi luna, la cual está en el signo de Escorpio y es una parte muy importante dentro de mi personalidad astrológica. Por lo tanto, la luna es una parte muy importante dentro de la astrología, ya que describe tu forma de ser emocionalmente, como también algunos intereses y cosas que llaman tu atención de forma muy intuitiva.

Por lo tanto ¿Qué significa la luna en cada signo?

Luna en Aries: Es una luna enérgica, de emociones fuertes pero positivas. Muchas veces se relaciona la luna en Aries con un temperamento un tanto fuerte y agresivo (enojones XD) pero también brinda iniciativa y valentía a la persona que la posee. Puede provocar también que la persona tenga cierto interés por actividades como los deportes o la vida militar que son cosas muy relacionadas con Aries.

Luna en Tauro: La luna encuentra en Tauro una de sus mejores posiciones, ya que brinda a la persona un temperamento tranquilo, calmo y hogareño, aunque también un tanto terco y con tendencia al resentimiento. Puede hacer que la persona que la posee siente un interés innato por cuestiones relacionadas con la naturaleza como la jardinería o que se sienta muy revitalizada al pasar tiempo al aire libre.

Luna en Géminis: Es una luna sociable, extrovertida y de emociones cambiantes y volátiles. Puede llegar a dar personas muy alegres pero también un tanto inestables emocionalmente debido a la naturaleza de Géminis. Estas lunas pueden sentirse mejor conviviendo con los demás y es una de las que tiene mayor facilidad para comunicar los sentimientos.

Luna en Cáncer: Una de las lunas más sensibles, profundas y sentimentales debido a que es el signo que este planeta rige. La luna en Cáncer es romántica y de sentimientos profundos pero como defecto tiene que puede llegar a ser muy hipersensible. Suelen sentirse revitalizadas cuando realizan actividades que aman o pasan tiempo con las personas que más quieren.

Luna en Leo: Es una luna que da seguridad, extroversión y mucha facilidad para expresar los sentimientos al exterior aunque por defecto tiene que es una luna que puede llevar al nativo a pecar de exceso de seguridad o a convertirse en todo un “drama queen”. Se sienten mejor cuando realizan actividades que les gustan y los hacen sentir importantes por lo que no es raro que muchas personalidades famosas tengan la luna en este signo. 

Luna en Virgo: La luna en Virgo se convierte en modesta y calmada aunque un tanto tímida, asustadiza e insegura. Las personas con esta luna necesitan tener todas las partes de su vida en orden para poder sentirse bien emocionalmente porque si no es así pueden perder su tranquilidad y convertirse en personas muy nerviosas. Es probable que desarrollen interés por el servicio a los demás y por los temas de salud y bienestar 

Por el momento les traigo las descripciones de Aries a Virgo. En la siguiente entrega abordaré las lunas de Libra a Piscis

Uno de los problemas más frecuentes es la baja autoestima.

La baja autoestima conlleva una percepción negativa sobre uno mismo, y es un factor que nos puede limitar mucho en nuestra vida diaria. Lo cierto es que, en muchas ocasiones, los pacientes no saben identificar que sufren una autoestima baja. ¿Por qué?

Porque la baja autoestima conlleva a otro tipo de problemas que son la supuesta causa por la que acuden al psicólogo, problemas como síntomas de ansiedad, de depresión, problemas de conducta, estrés, adicciones, etc. y aquí van unos aspectos para saber identificar qué es lo que nos están pasando y cómo podemos solucionarlo. Es fácil aumentar la autoestima, solo hay que ponerle un poco de empeño.

¿Qué es la autoestima?

La autoestima es el conjunto de creencias, percepciones, evaluaciones y pensamientos que tenemos acerca de nosotros mismos, la valoración que realizamos basándonos en nuestras experiencias.

¿Qué síntomas me pueden avisar de que tengo la autoestima baja?

Algunos de los síntomas principales que nos pueden advertir de que nuestra autoestima no está en el mejor momento son los siguientes:

-No tengo seguridad en mí mismo
-No expreso mis gustos u opiniones por miedo a ser rechazado o por pensar que mis opiniones no tienen el mismo valor que las opiniones de los demás
-No me siento merecedor de las cosas buenas de la vida
-No me esfuerzo por conseguir lo que quiero ya que de antemano creo que no lo voy a lograr
-No me relaciono con los demás como me gustaría ya que pienso que no voy a hacerlo bien y me van a dejar de lado
-Necesito la aprobación de los demás con mucha frecuencia
-Me dejo pisar con facilidad ya que no me atrevo a imponerme cuando es necesario
-Veo al resto de personas como superiores a mí y me gustaría ser como ellos
-Temo decir lo que siento ya que tal vez no les guste a los demás lo que digo
-Suelo atribuir a causas externas mis logros y a causas internas mis fracasos
-Casi nunca estoy contento con lo que hago ya que creo que podría estar mejor
-No me siento feliz
-Me cuesta acabar lo que empiezo ya que me desmotivo con mucha facilidad
-La toma de decisiones se convierte en algo muy difícil ya que creo que decida lo que decida va a ser la opción incorrecta así que me dejo llevar por lo que decidan los demás, aunque sea de mi propia vida
-Pienso en mis debilidades y casi nunca me paro a pensar en mis fortalezas
-Me siento nervioso la mayor parte del día
-Me es casi imposible tomar la iniciativa
-Me siento evaluado casi constantemente en situaciones sociales
-Me siento culpable
-Me siento poco atractivo
-Envidio la vida de los otros
-Siento que no tengo nada que aportar

Si te has sentido así en varias ocasiones, puede que el resto de tus problemas vengan a raíz de tener una baja autoestima. Intentemos ponerle solución con unos ejercicios para que empieces a valorarte y a creer en ti. Podrías llegar a sorprenderte mucho de tus capacidades si te esfuerzas en mejorar tu autoestima.

¿Cómo puedo aumentar mi autoestima?

Muchas personas se preguntan si hay alguna manera de mejorar su propia autoestima. Obviamente no existe ninguna poción mágica, sino que debemos tomar conciencia de que solo cada persona puede mejorar en este sentido a base de constancia y siguiendo algunos pasos:

1. Deja de machacarte
Tenemos que ser realistas tanto con nuestras virtudes como con nuestros defectos. No somos perfectos, pero la intención no es serlo. El objetivo es ser feliz. Así que para lograrlo debemos aceptar las cosas que no hacemos tan bien y aprender de ello. Y por supuesto, no restarle importancia a las cosas que sabemos hacer bien, sino valorarlas como se merecen. Vamos a observar y ser conscientes de lo bueno que tenemos, de lo bueno que somos, de lo bueno que hacemos. ¿Por qué seguir pensando que soy un desastre? ¿A dónde me ha llevado este tipo de razonamiento?

2. Empieza a pensar en positivo
Cambia tus pensamientos. El ”no puedo” por “voy a intentarlo”, “voy a tener éxito” “me va a ir bien”. Parece un tópico pero forzarse un poco a mirar las cosas buenas de la vida nos puede ayudar a salir de la dinámica negativa.

3. Ponte metas realistas
Y que puedas cumplir. Metas a las cuales sea relativamente fácil llegar. Poco a poco las podemos aumentar, y veremos que paso a paso estamos consiguiendo lo que nos proponemos. Si fracasamos, aprendamos de ello sin culparnos de nuestros errores, ya que fallar es una manera de saber cómo hacerlo de manera distinta la siguiente vez. Atrévete a afrontar retos.

4. No te compares
Cada persona es un mundo y tú eres el dueño del tuyo. Céntrate en ti. En tu vida. Envidiando e idealizando la vida del resto lo único que conseguiremos es sentirnos desgraciados

5. Acéptate y perdónate
Escribe una carta en la que describas todo aquello que no te gusta de ti, y todo aquello de lo que te sientes culpable. No te dejes nada. Léela con atención y valora lo que puedes mejorar. Despídete de esa carta y pártela en mil pedazos. A partir de ese momento empieza de cero, con todo lo que has aprendido pero dejando atrás la culpabilidad. Aún estás a tiempo de hacer borrón y cuenta nueva.

6. Haz críticas constructivas acerca de ti mismo
Que todo lo que te digas sirva para mejorar, no para estancarse y culpabilizarte. Asimismo, aprende a encajar las críticas de forma que no te afecten.

7. Trátate con cariño y respeto, siempre
Eres lo mejor que te ha pasado, así que demuéstratelo. Tienes derecho a ser feliz.

8. Regálate tiempo
Haz actividades que te hagan feliz. Es la mejor manera de encontrarse con uno mismo y desarrollar tus habilidades.

9. Supera tus lastres
Hay personas que viven arrastrando mochilas llenas de peso: trabajos que no les satisfacen, relaciones que no les aportan nada, hábitos que no les gustan… Para superar todos estos lastres, es preciso tomar cierto control sobre la situación, pensar en positivo y tratar de cambiarlas.

10. Cada noche antes de acostarte…
…Piensa en las cosas buenas que te ha traído el día, los retos superados, los errores que hemos cometido y cómo podemos mejorar.

Intenta, durante 30 días, poner en práctica éstas sugerencias. Ya verás que cuando finalice el mes te sentirás mejor y muchos de los síntomas que sentías desaparecen. Y recuerda, hay una única persona capaz de cambiar tu vida, y esa persona, ¡eres tú!

Me assumindo

Eu enviei esse texto por email à minha família:

Oi, família! (ou parte dela)

Por onde se começa a escrever esse tipo de coisa? Eu achei que essa fosse ser mais uma das cartas que vocês nunca leriam - sim, eu escrevo cartas a vocês desde os 13 anos de idade, destruo-as logo após escrever e não estou acreditando que estou contando isso a vocês, mas isso é só o começo.

Poxa, eu realmente não sei por onde começar. Achei que fosse fácil fazer isso. Para começo de história: essa é a milésima tentativa de escrever uma carta decente. Venho tentando fazer isso há cerca de duas semanas. Agora, com um pouquinho mais de coragem, estou tentando outra vez, mesmo que haja um choro entalado na minha garganta, secando a minha boca e fazendo meu coração saltar para fora de mim. É, estou muito nervosa a respeito disso. Estou em agonia. (é com isso que a pré-liberdade se parece?)

Há alguns dias, inspirada por um amigo e encorajada por muitos outros, tomei uma decisão muito impactante na minha vida, e uma vez que eu vá fundo com ela, não há como voltar atrás. Mas, sinceramente, não quero voltar atrás, e nem acho que vá mudar de ideia no meio do caminho, ou daqui pra frente. E essa decisão é bastante simples: me assumir pra vocês.

Quando eu era pequena e as meninas conversavam sobre os meninos, sempre chegávamos ao assunto do “de quem você gosta” e tal. Até aí tudo bem, eu gostava de muitos garotos e até obrigava eles a sentar comigo – namoro de 1ª série, vai entender. Ok, tudo normal. A coisa ficou estranha quando eu cresci um pouquinho mais e percebi que sentia a mesma coisa em relação às meninas. Acho que foi mais ou menos na entrada da adolescência que eu me dei conta de que eu não sou como as meninas que gostam de meninos e sim como as meninas que gostam de meninos e meninas!

Pois bem, eu fui crescendo, mantendo isso em segredo e me relacionando com o menor número de garotas possível para não correr o risco de… Enfim, isso sempre ficava na minha cabeça. No fundo, eu sempre soube que sou bissexual. O que ocorre comigo é que eu gosto e me relaciono com quem me faz bem, não me importa o que há entre as pernas da pessoa. Mas eu não tinha maturidade suficiente pra ME aceitar, e ficava omitindo pra mim mesmo quem/como eu realmente sou.

Era ruim não poder conversar sobre isso com ninguém. Não foi fácil eu aceitar que sou assim e, a bem da verdade, se eu pudesse escolher, seria heterossexual para não ter que passar por essa angústia toda de entender que não é apenas uma fase, que eu não sou uma aberração, que eu posso morrer sem ter que ir para o inferno só porque eu posso gostar de qualquer pessoa, que eu sou livre, que meu coração é livre e que eu posso me aceitar e me respeitar sendo como sou. Eu me sentia meio perdida e sozinha nesse sentido, tive muito medo e muita vergonha de contar para alguém, até que, há mais ou menos um ano atrás, eu vim, aos pouquinhos, me assumindo para amigos próximos a mim (tenho algumas historias bem engraçadas quanto a isso, mas elas vão ficar pra outro momento), pessoas a quem eu devo agradecer muito por me incentivarem a acabar com essa pequena tortura particular que é/era o medo de contar a vocês por não saber qual será a reação.

Ainda não sei se temo ou não a reação de vocês. Por um lado eu penso que vocês já deviam ter suspeitado porque durante toda a minha vida eu nunca fui uma garota padrão, vocês sabem, mas também penso que vocês talvez não tenham deixado as suspeitas atingirem o aspecto sexualidade (isso me lembrou do dia em que minha mãe perguntou sobre minha opção sexual. Tive medo de responder que sou bi. Agora não mais!). Vocês podem simplesmente não reagir, essa carta pode não significar nada para vocês (embora signifique um mundo inteiro para mim).

Eu também penso em mim. Eu que também não sei como estou reagindo a tudo isso. Eu, que tenho tantas coisas que eu quis ser e não fui, que eu quis fazer e não fiz… Tudo por puro medo da reação de vocês. Não os culpo e nunca os culparei por isso, eu sei muito bem que posso fazer o que quiser, mas sei também que tenho muito medo de desapontá-los. É engraçado porque eu acho que tudo o que eu faço é desapontar. Deve ser por culpa da busca incessante pela “perfeição” que eu sou cheia de falhas. Passei tanto tempo tentando construir uma imagem vendável para vocês que me esqueci de ser eu mesma. Tem sido assim há tanto tempo que eu me perdi tentando descobrir que tipo de garota eu realmente sou. É, eu queria ser uma filha, neta, irmã, prima, sobrinha, garota perfeita, mas eu me encontrei nesse caminho louco e descobri que eu sou eu e ponto final. E quer saber? Eu posso ficar bem sendo assim!

Mas eu quero acabar com esse medo de ser julgada, por isso decidi dar esse grande passo de dizer-lhes sobre o que eu gosto, o que eu quero, o que eu sinto. Não quero nunca mais sentir medo de não ser boa o suficiente. Não vou pedir que me aceitem ou me respeitem, isso fica a critério de vocês. Podem até me julgar se quiserem, tudo bem, vocês só estão sendo humanos.

Talvez estejam se perguntando por que eu resolvi fazer isso do nada. Primeiro, vamos estabelecer que eu me assumir não vai mudar em nada o meu modo de pensar sobre as coisas, não vou começar a cantar meninas na rua, me relacionar com três pessoas ao mesmo tempo, não significa que eu seja uma falsa gay, ou sei lá o que mais costumam pensar que bissexuais fazem. Segundo, ocorreu um caso muito próximo a mim em que um amigo se viu obrigado a se assumir bissexual porque o pai descobriu que ele estava ficando com um rapaz. Eu me coloquei no lugar dele e definitivamente não quero passar pelo enorme constrangimento de ter que me assumir obrigatoriamente ou por pressão. Só para você saberem: não, eu não estou me relacionando com absolutamente ninguém no presente momento e não há ninguém em vista. Estou fazendo isso por mim, porque preciso ser livre em relação a isso, porque eu confio em vocês o suficiente e porque temos que colocar em perspectiva que, dadas as circunstancias, há a possibilidade real de eu me relacionar seriamente com uma garota no futuro e todos os lados envolvidos nesse fato, inclusive a minha pessoa, terão de se adaptar a isso. Logo, estou criando espaço e tirando um peso gigantesco do meu coração (porque nas costas é fichinha, a parada aqui é barra pesada).

No fim, ser bissexual não define meu caráter, não me faz melhor ou pior do que ninguém, não me torna especial, e não me dá direitos que as outras pessoas não têm. Ser bi não é motivo pra ser tratado diferente, assim como não é motivo pra tratar os outros como não gostaria que fosse tratado. Ser bi é, por definição, sentir atração por pessoas do mesmo gênero e gêneros diferentes, apenas. Continuo sendo a mesma Luiza maluca, lerda e esquisita de sempre, só que agora vocês sabem mais uma verdade sobre mim. Espero que continuem gostando de mim, porque eu vou continuar gostando de todos vocês.

Eu amo vocês mais do que tudo nesse mundo. Eu sei que eu não demonstro muito bem isso, que mais parece que eu nem sinto nada, mas eu sinto sim e sinto um amor enorme por vocês!

                Ah, e me desculpem o transtorno. Estou em reforma.

Com carinho e muito, muito, muuuuito alívio,

Ana Luiza.

P.S: se puderem, leiam esta carta aos membros da família que não tem e-mail ou contem-lhes sobre como eu fui corajosa hoje à noite :)

Tú y yo, estamos en peligro
Yo no me enamoro de esta forma
Y el amor de un extraño
En verdad no hace mi día.
— 

Lucky Guy - The Muffs

Venus en Aries, Tauro, Géminis, Virgo, Escorpio, Sagitario, Acuario.

Originally posted by waildsweetchild-blog

Nací en Argentina tierra del tango y del fútbol, lo primero no me gusta, lo segundo me encanta aunque no soporte a Maradona.
Crecí viendo, sintiendo y sufriendo como una discapacidad me hacía diferente. El dolor físico se convirtió en un enemigo íntimo. El Principito mentía, lo esencial no es invisible a los ojos para la mayoría de las personas. Supe sentirme muchas veces esa pieza que no puede encajar.
He tenido miles de días que no me sentí viva y minutos hermosos que valen por años, dejé ir amores porque no les convenía, tuve amigos que quise como hermanos y hasta me tatué sus iniciales queriendo eternizar un “para siempre” destinado a caducar.
Amo los libros de Murakami aunque a veces no los entiendo, me frustro y me da ganas de no volver a leerlo jamás. Una metáfora perfecta de lo que me ocurre con la vida.
Conocí cantantes, actores y escritores. No era su fama lo que me importaba, sino la oportunidad de decirles gracias, me ayudan a soportar la vida aunque para ellos soy sólo una más.
Me encanta el sonido de la lluvia y del mar, odié mi segundo nombre hasta que un gran amigo empezó a llamarme por él y su carga negativa se diluyó, ahora hasta le tengo cariño porque lo relaciono con nuestras conversaciones.
Estudié y trabajé pero los logros académicos no son lo importante para esta biografía poco convencional.
Creo en Dios, jamás creeré en mí. Amo a mi madre más que a nadie aunque nos cueste comprendernos. No soy muy sociable pero irónicamente odio sentirme sola.
¿Quieres una mentira? Quiero seguir viva.
— 

Desafío 30 días de escribirme - Día 2; Escribe tu biografía y miente en algo

Alma de Colibrí

👗 STATUS: VARIADOS 👗

Não deixe a porta do seu coração aberta pra quem sempre vem só de visita. 🔐❤

Aos que me lançam espinhos, devolvo flores. Não tenho espinhos para lhes devolver.

Mas no fundo eu sabia que era um amor perigoso e mesmo assim te queria. 🎧

Inimigos não coleciono, não me relaciono, não me emociono, por eles não sinto nada. ❎

Tanta positividade, tua maldade aqui não cabe! 💋

Tudo se baseia na fé que você tem. 🙏

Quem nasceu pra ser oceano não se contenta com aquários.

Deixa a chuva te avisar que o sol vai brilhar pra você. 🙌

Eu só quero saber de ser feliz, tô bem assim. ❤

Foca mas não sufoca. 😰

Seu corpo causa engarrafamento, mudança de vento, faz fila de espera. 🌌

Ignore o que te faz sofrer e abrace o que te faz feliz. 🍀

Deixe que o mundo me encante, deixe que eu viva um instante.. 🙌🏻🌀

Sem neurose, sem caô. Ela só quer mais uma dose de amor.

Às vezes são as escolhas erradas que nos levam para o caminho certo. 👣

Ser livre como o vento. ❣

O bonito me encanta, mas o que é sincero me fascina.

Acalma esse coração menina, o que for pra ser seu vai vim e nunca vai embora. 🌙

Aparência frágil pra enganar o comando. 🎧

Que a positividade reine em nossas vidas.🍀

Entre o bem e o mal, eu fico com a paz. ☮🌼

Ela quer bandiar, quer se aventurar onde não é o seu lugar. Quer correr o risco sem medo de apaixonar. 🎧💥

Que coisas boas se multipliquem e que o amor prevaleça. 💙

Eu sou uma mistura de boas intenções e más decisões.

Eu fui capaz de muita coisa, menos de perder você. 🎵💑

O bom da vida é viver! 😍

Pode brigar, mas não vai embora. Fica perto. ❤

Seja forte o suficiente para abrir mão do que não serve mais e paciente o suficiente para esperar por aquilo que você merece. 🌸

Minha paz não deseja mal a ninguém.

Ela não tem frescura caso o seu batom borrar. 🎧💄

É que o coração não pensa… 🌌

Ela é profunda como o mar e seu coração não se contenta com amores rasos. 🌊

Minha fé vai me levar aonde os fracos nunca irão pisar. 🌼💛

Ela perde o juízo mas o copo tá na mão. 🙋

É meio estranho, eu sei…
Eu tenho medo de me tornar aquele tipo de pessoa que sempre me machucou.
Costumo dizer que eu coleciono decepções, as pessoas com quem eu me relaciono normalmente ficam por um tempo e depois se partem, vão embora. Será que o erro está em mim? Que nunca deixa ninguém permanecer…
Mas não é isso que eu queria, poxa se eu pudesse evitar tantas decepções teria ficado com meu primeiro amor… Lá quando eu tinha meus quinze anos. Sabe eu mudei muito de lá pra cá, hoje eu não sinto mais como antes, minhas decepções costumam durar dois ou três dias. A graça que eu via nas pessoas acaba rápido. E assim vai sucessivamente, um amor atrás do outro, promessas e pessoas que estão ficando para trás.

solunades  asked:

Hydra mató a alguien? Q.Q sus gotitas las relaciono con sangre o algo que se derramó xDD

Si fuera solo por matar a alguien, incluso Perseo estaria en prision~ kbsibsnosz

Esses dias, parei pra pensar: O que eu tenho de errado, a ponto de ninguém querer algo sério comigo ? Eu me faço essa pergunta sempre, sempre que me relaciono com alguém e o lance não vai para frente. Pensando muito nessa pergunta, resolvi fazer um texto com a resposta. A resposta é a seguinte: eu, não tenho absolutamente NADA de errado, tenho até tudo certo demais, e  vejo que quem é o errado nessa relação, são os rapazes com quem eu tentei me relacionar, e com a graça de Deus, não deu certo! Eu chorava dia e noite, tentava mudar atitudes, costumes para agradar a eles. E um dia eu vi que era em vão, que eu era certa até demais para eles, e resolvi largar de mão. E aprendi também, que temos que se amar em primeiro lugar, segundo e terceiro. Se ache linda, bonita, gostosa, maravilhosa, por que é isso tudo que você é; não ouse mudar por rapazes que não dão a minima para você. Mude para o seu próprio bem, se ame, seja você mesma, isso sim é a coisa mais certa a se fazer.
Mi primera vez con un hetero

Buenas chicos lamento llevar más de un mes sin hacer nada, pero cree el blog justo cuando entre a la universalidad, creí que tendría algo de tiempo, peroe absorbe mucho 😥
Espero les guste este primer relato es mio 100% real.
Actualmente tengo 21 años, estudio la universidad, soy declarado “gay” desde los 19 años, pero comencé desde los 14, esto pasó cuando tenía 17 años.

Fue un sábado cualquiera, por el tipo de zona en el que vivo me relaciono con personas un poco más jovenes que yo, eran las 8 de la noche, yo trabaja en un McDonald’s, mis amigos llegaron se sentaron en la mesa de siempre y esperan a que saliera de trabajar, ellos tenían entre 14 y 16 años, termino mi turno, salimos y comenzaron a alardear sobre que beberiamos, terminamos en casa de uno, por alguna extraña razón mis padres jamás me dijeron algo por quedarme en casa ajena, comenzamos a beber, jugábamos xbox y platicamos sobre Naruto, como éramos muy jóvenes no sentíamos el alcohol, solo nos importaba beber y seguir bebiendo, dieron aproxadamente las 3 de la mañana, algunos comenzaban a caer y otros seguíamos en la lucha, éramos exactamente 7, la habitación tenía 2 camas y entonces quedamos de a 3 o 4 por cama, apesar de que ellos saben que soy “gay” jamas hubo problemas por ello, soy medio varonil, nada afeminado. Me toco dormir junto a Javier y Toño.
Eran como las 6 de la mañana estabamos muy ebrios y semi dormidos, tengo la costumbre de abrazar gente y la suerte o desgracia fue de Javier de apenas 15 años, un chico alto, delgado, de ojos color miel. Pasado un rato sentí que tomo mi mano, y la puso sobre su abdomen, me seguía haciendo el dormido pues tengo el sueño muy ligero y cualquier cosa me despierta.
Unos momentos después comencé a bajar mi mano hasta el borde del pantalón, la dejé unos momentos y no pasó nada, me quedé quieto mis latidos eran muy rápidos y estaba temblando, jamás había pasado por algo así, y menos con un amigo supuestamente heterosexual, pasaron minutos y no me decía nada ni hacía nada, fue cuando decidí meter mi mano en su pantalón y ¡vaya! su pene estaba flácido, la iba a sacar y fue cuando note que se comenzaba a poner dura, lo comece a masturbar con miedo de que Toño o los demás despertarán, se desabrochó el pantalon y me dijo al oído “chupamela”, mi corazón latió muy fuerte y rápido, no sabía si era el morbo, la excitación, adrenalina o el miedo, tomo mi cabeza y bajo hasta su pene de unos 16 cm, un poco ancho, comencé a mamarlo, apesar de haber hecho anteriormente orales este era delicioso, tener a 5 heterosexuales en un cuarto, uno alado y todos dormidos pudiendo descubrirnos me éxito demasisdo, segui mamando por un rato, hasta que sonó una alarma, ya eran las 8 de la mañana…
Ya comenzabamos a irnos cuando revise mi celular, tenía un mensaje de Javier a las 8:12 que decía “No te vayas a ir” inventé una excusa para quedarme, seguíamos recostados, ya no había nadie, lo voltee a ver, nos miramos y me dijo “sigue mamando” me acerque a su cara lo bese y comenzamos a desnudarnos, baje solo estaba en boxer y comence a bajar hasta su boxer, lo lo lamia en donde se marcaba su pene, y lo quité con los dientes, segui mamando, veía su cara de goce, me excitaba más, subió mi cara, me besó y me dijo “quiero mamartelo” yo esperaba que hablara del culo, pero comenzo a mamar mi pene, vi que sobre la mesa había unos condones y aunque no era mi primera vez lo pense mucho, vio que veia la mesita y dijo pásame uno, se lo di temblando y lo tomo, lo abrió y lo coloco en mi pene, me quedé pasmado, creí que yo sería el pasivo, escupió sobre el y se sentó, sus movimientos eran torpes, pero lo intentaba, lo cambie de posición y seguí dándole, justo iba a terminar cuando me dijo pásame ahora uno a mi, me excito mucho la idea que intente no venirme con sus palabras, se lo puse con la boca y me deje llevar por el, se veía que no era experto le costó mucho metermela pero lo estaba disfrutando, duro unos escasos 10 minutos y se vino a litros, mientras él se venía dentro yo me venía en mi abdomen, se quitó el condon y lo volteo sobre mi abdomen, los batió por mi pecho y me besó…..
Tiempo después me contó que fui su primera vez en el sexo, no lo hizo tan mal, ahora es un perro con las mujeres, tiene 20 años y lo frecuento mucho, esperando poder repetir lo de aquel día.


Espero les haya gustado, es la primera vez que hablo de mis vivencias sexuales, trataré de mejorar mi redacción y hacerlos más puercos, si quieren mandar su relato será anonimo, el correo es mirayzed.relatos@gmail.com .

diários noturnos #(?)

as ondas batem na bunda quando a gente senta perto do mar - tipo o chuá molhadinho da bosta - mas a referência foi desnecessária, né? eu sei. eu sou desnecessário. não da forma mais sintética possível, eu gosto, na verdade, do contrário: sou a negatividade dialética por contra-opção. sabe quem eu sou na turma da mônica?

durmo tarde. eu terminei um relatório final e um parcial de iniciação científica, fiquei meio obcecado com o tensionamento (que só eu vejo) entre utopia e distopia. isso porque minha criação na leitura se deu por conta da ficção. eu amo ficção, já disse isso? não pela mentira que ela representa: mas o lefebvre foi genial, trata-se da constituição de uma virtualidade a partir (e sobre ela) da materialidade, uma abstração possível, observável. eu amei a ideia de poder, literalmente, inventar o futuro: é o que faço no papel há tanto tempo… poesia… crônicas…. sabe, o diários de morte, meu livro-em-gaveta, ou o inferno astral, porra… tenho tantas histórias para contar…

Mas é culpa minha. eu me relaciono de forma intensa porque a intensidade do meu toque é incompreensível - não quero dizer que não te olho de volta, mas.. eu não sei falar em códigos. só em metáforas. vamos voltar às ondas batendo na bunda. o que acontece quando - literalmente desnecessário - a sua bosta, isto é, o seu troço, é um grande meteoro? é.. aquela sensação de que fez merda grande, dificílima de limpar.. que mata.. dinossauros.. sabe?

pessoas morrem, maremotos, terraços em chamas, tsunamis..

para. olha bem aí em volta. eu tô ouvindo “guilty” do All Bowlly tem alguns momentos - desde meia noite e cinquenta. já disse que vicio em trilhas sonoras momentâneas? fixação.. eu preciso capturar o sentimento para metamorfoseá-lo em metáfora, capturá-lo num contexto incognoscível, que não fique tão na cara, que não seja muito pala, porque minha sobrevivência literária se dá pelos meus posts.. as pessoas vão sacar, eu fico me lamentando, as pessoas sempre sacam.. isso vai me foder hora ou outra..

mas elas não me entendem. é da natureza da minha intensidade. “eu sei o que você está pensando”, “você acha isso ou aquilo”, “não sente minha falta”, “esse olhar…”, é tudo balela. ninguém nunca saca. não sei se meus poemas são tão aleatórios e bizarros, ou pouco compreensíveis, ou um lixo mesmo - questã que passa com frequência - a ponto de vocês nunca realmente sacarem o que vibra ali. mas é normal, do ponto de vista prático, o poeta ardiloso vive no exercício traíra da tradução: sentimentos em palavras, sentimentos em palavras, a sensação de culpa…

eu sou silencioso, apesar de tudo. Shut up. não quero mostrar que estou felizão porque, no fim das contas, não estou felizão - e não é uma necessidade orgânica. ação e teoria, aqui dentro vem a teoria e depois a ação. Acreditar primeiro e depois sendo, vir-a-sendo, quase-sendo, não são máscaras inquietas que me fazem crer.. mas isso me torna, ah, um ser ainda mais individualista. a emancipação coletiva me pega como um tiro pela tangente. eu assumo, não estou pronto para viver no pós-revolução, mas talvez eu esteja pronto para o conflito armado… ora ora… que rapaz pragmático eu sou, não?

não, é claro. a merda cai na água e mata muitos dinossauros e mamíferos evoluem por, veja só, EXCLUSÃO, é quase um dialetismo natural, veja bem, nada monocromático: podia ser qualquer coisa, nosso amor, nossa vida, meu dente siso.. qualquer coisa. Maybe I’m wrong. Dreaming of you. Dreaming the lonely night through. If it’s a crime, then I’m guilty. Guilty of dreaming of you.

A culpa, invariavelmente, queira eu ou não que o meteoro-merda chafurde no belo oceano, é minha. porque meus dedos sorrateiros tocam sentimentos aí no fundo - mas também aqui - eu fiquei mexido com tudo isso. desde que a água começou a bater na bunda eu fiquei mexido. quem não ficaria? é egoísmo pensar que, num diarinho de merda (literalmente - já fiz essa piada? droga, repetitivo), com algumas estrofes/poestrofes NEM UM POUCO sinceras e irônicas, eu conseguiria acalentar meu cerebrinho chateadinho? esse cuti-cuti pensadorzinho inconveniente? esse abestalhadozinho? ah.. se sentimentos fossem só essas reações químicas. eu não ouviria tanto All Bowlly. Eu nem sentiria nada ouvindo “georgia on my mind” do grande Rei.

foi fácil e difícil terminar o relatório. não levei muito tempo. eu tatuei uma coruja no braço esquerdo porque, eu sinto por aí, que me conectar com algum aspecto xamã presente nesse meu corpitcho federal estadual e bonito seria um jeito de alcançar a animalidade do selvagem que, eventualmente, nos acompanha em momentos lascivos ou colerosos. coisa de louco né? são dois universos - a razão e a magia - se debatendo incansavelmente no meu subcontente (ou subconsciente) e se não bastasse eu andei lendo o camus… porra, cara, essa coruja não vai me salvar de nada. a dor da tatuagem não ajuda em nada. eu vi o seu olhar quando o criolo subiu no palco, eu só não olhei de volta porque me dói.. me corrói a alma largar o meteoro por aí, em qualquer cratera, em qualquer lugar que minimamente vai ser apagado em milhões de anos..

o tempo geológico é uma merda. eu adoro os nanossegundos, vislumbres, imediatismos.. adoro romper com a ilusão de passado e futuro. a morte é inevitável, assim como o presente descabido e a água batendo na bunda. é uma arte viver sob pressão. aliás, vocês deviam assistir deuses americanos, a forma como eu balanceio os constructos intelectuais - seja em sigilos mágicos ou conceitos - se aproxima da materialização da crença praticamente desenhada pelo Gaiman. como a porra da utopia concreta que a luciana genro falava nos debates e eu (e todos vocês) achavam uma porcaria. até o miltão santos falou disso no “por uma outra globalização”, o possível é uma dimensão, ora, POSSÍVEL. caralho.. é por isso que fiquei obcecado pelo tal tensionamento..

Desculpe pelo fluxo de consciência. Eu sei que irrita. É que eu ando meio.. conscientemente chateado.

(não corrigirei - aceite os erros. a vida é feita de erros. aceita, porra.)

☮ STATUS: VARIADOS ☮

Entre o bem e o mal, eu fico com a paz. ☮🌼

Não deixe a porta do seu coração aberta pra quem sempre vem só de visita. 🔐❤

Aos que me lançam espinhos, devolvo flores. Não tenho espinhos para lhes devolver.

Mas no fundo eu sabia que era um amor perigoso e mesmo assim te queria. 🎧

Inimigos não coleciono, não me relaciono, não me emociono, por eles não sinto nada. ❎

Tanta positividade, tua maldade aqui não cabe! 💋

Tudo se baseia na fé que você tem. 🙏

Quem nasceu pra ser oceano não se contenta com aquários.

Deixa a chuva te avisar que o sol vai brilhar pra você. 🙌

Eu só quero saber de ser feliz, tô bem assim. ❤

Foca mas não sufoca. 😰

Seu corpo causa engarrafamento, mudança de vento, faz fila de espera. 🌌

Ignore o que te faz sofrer e abrace o que te faz feliz. 🍀

Deixe que o mundo me encante, deixe que eu viva um instante.. 🙌🏻🌀

Sem neurose, sem caô. Ela só quer mais uma dose de amor.

Às vezes são as escolhas erradas que nos levam para o caminho certo. 👣

Ser livre como o vento. ❣

O bonito me encanta, mas o que é sincero me fascina.

Acalma esse coração menina, o que for pra ser seu vai vim e nunca vai embora. 🌙

Aparência frágil pra enganar o comando. 🎧

Que a positividade reine em nossas vidas.🍀

9

{ SEND ‘🔺’ + A COLOR FOR A COLOR BOARD OF OUR MUSES . }
                                                      ✗. Elphaba &. Glinda.

@amugfilledwithhope