racione

Querido Alguém,
Às vezes me assusto com o tempo. Com sua velocidade e a agilidade que os fatos acontecem. É impressionante como os anos voam e as horas tendem a se arrastar. É engraçado como algumas lembranças parecem tão próximas, mesmo tão distantes. É isso que assusta, o quanto o passado consegue correr contra o tempo, ou mais rápido que ele, e nos alcançar no presente. É bonito olhar para erros e acertos que nos trazem para onde estamos. Você foi meu erro que me levou mais longe. Uma prova de que você foi um dos meus únicos acertos camuflado de erro. Às vezes queria começar de novo, mas sei que seria impossível esquecer o que passou. Todavia, o passado está no passado por um motivo. Talvez uma frustrada tentativa de nos dizer “siga, não olhe para mim, fiquei antissocial”. O passado, de um jeito ou de outro, corre para nos assombrar, nos lembrar de quem fomos, somos ou no transformamos. De alguma forma eu sei que o passado tenta criar uma ponte entre nossos erros e o conserto para eles. Se você foi meu erro, foi um erro bem errado para persistir tanto nesse conserto. Sinto às vezes saudades sua, Alguém. Por mais que não te nomeie, sei o nome de todos que caberiam certinho no lugar desse “Alguém”. Perdemos chances, não suprimos vontades. Digo, às vezes, que fui empurrando algumas coisas com a barriga. Que força que tive! O passado vinha sobre mim e eu fingia assoviar e cantarolar, sabe, aquela coisa bem besta pra tentar não ouvir o que se tem a dizer. Mas sempre ouvia! Não gosto de perder histórias. Essa passado tão “antissocial” insistia tanto em mim. E em você, Alguém. Lembranças, esse passado só me falava de lembranças e memórias. Não sabia o que ele queria! Parecia querer fazer com que eu sofresse. Por isso, depois de tanto assistir a filminhos da minha vida antes de dormir, ou até mesmo em meus sonhos, passei a desligar a minha mente para o tal passado. O passado queria me chamar, mas eu tentei enterrá-lo na maior profundeza do meu corpo: meu coração. Aquele maldito órgão que bate feito trouxa por Alguém. Que vibra e canta por um Alguém. Mas que é orgulhoso. Não! Não! Ele não sabe ser orgulhoso. Só chora e lamenta-se, ama e luta freneticamente. A mente acalma-o. A mente controla o corpo, por mais que a mente dependa do coração. A mente é calculista. Tantos cálculos matemáticos e físicos dentro dela que ela não tem tempo para guardar passado, guardar lembranças, guardar amores. AH! Que amores. A mente é orgulhosa e intelectual de mais para isso. Ela protege esse coração sensível. A mente diz para esse coração calar a boca quando vem com seus sentimentos em versos. Mas o corpo segue vazio. Quando a mente domina, tudo parece um buraco enorme de escuridão. Tudo perde o sentido. Perde as cores. Os olhos vêem preto e branco e os sorrisos saem como “bons dias” em péssimos dias. Um dia, porém, sem aviso, sem demora, o passado consegue escapar das profundezas do coração e vem à tona. Devolve a cor aos olhos e o brilho aos sorrisos. Enche aquele buraco de borboletas. Esse passado, Alguém, por mais que me doa vê-lo, é o que me faz amar. É o que me traz esperanças todo dia. É aquele com tom ilusório, mas que dá um friozinho na barriga só de saber que a vida não pode ser calculada, não pode ser prevista ou analisada. Esse passado traz consigo memórias de uma época boa e a esperança de uma época melhor. O tempo pode ter passado Alguém, coisas podem ter ido e vindo. Eu posso ter mudado, você também. Mas uma coisa que não nego, é que suas lembranças, nossas lembranças, Alguém, nunca serão esquecidas, mesmo que, por um tempo, abafadas dentro de um coração urgente, e ignoradas por uma mente, o passado sempre da um jeito de voltar até nós. Agora não sei do que estou mesmo falando! Estou dizendo mesmo do passado ou estou falando do amor? Ah, Alguém! Algum dia, espero descobrir. Juntos, eu digo. Se o passado está tão certo, acho que é isso que ele tanto sussurra em meus ouvidos: que ele não quer ser só passado, está tentando virar presente - e futuro!
—  Obrigada por ser minha melhor lembrança, obrigada por não me deixar na escuridão. (Ana Aires)
Cada día, cada minuto que pasa es una gota más de ansiedad y desespero por no tener tus labios en los míos. Por no tener tu mirada sobre la mía, por no tener tu risa en mis oídos.
Quiero ese beso acordado como en aquella noche de madrugada. Quiero esos labios sobre los míos como aquella vez. Los quiero ya, y tu estas tan lejos, y yo estoy tan ausente.
—  Entre lo límbico y lo racional. ( noche-gelida )
5

UFC 184 WALKOUT SONGS

Ronda Rousey: Joan Jett & The Blackhearts “Bad Reputation”
Cat Zingano: Puscifer “The Mission (M is Milla Mix)”
Holly Holm: Blair Douglas “The Landlord’s Walk”
Raquel Pennington: Mark Ronson feat. Bruno Mars “Uptown Funk”
Jake Ellenberger: Jorge Quintero “300 Violin Orchestra”
Josh Koscheck: Red Hot Chili Peppers “Higher Ground”
Alan Jouban: Coolio “Gangsta’s Paradise”
Richard Walsh: Dire Straits “Money for Nothing”
Tony Ferguson: Freestyle “The Party Has Just Begun”
Gleison Tibau: Black Sabbath Iron Man
Roan Carneiro: Racionals MCs “Capitullo 4 Versiculo 3″
Mark Munoz: E-40 “Tell Me When To Go”
Roman Salazar: Marc Anthony “Vivir Mi Vida”
Norifumi Yamamoto: Stylo G feat. Sister Nancy “Badd”
Tim Means: Rob Zombie “Dragula”
Dhiego Lima: Outkast “ATLiens”
Derrick Lewis: Big Tymers “Number One Stunna”
Ruan Potts: Roy Jones Jr. “Can’t Be Touched”
James Krause: Nelly “Heart of a Champion”
Masio Fullen: Canserbero “Es Epico”


What would your walkout song be?

Amor não acaba. Filmes acabam, balas acabam, dias acabam, beijos acabam, noites acabam, chocolate acaba, o assunto acaba, a paciência acaba, a vontade acaba - desejo diminui. Mas o amor não. Ele entra em coma, fica fraco, doente e, se for o caso, morre. Amor não é um sentimento, um fato, um objeto. Amor é uma vida, é algo que sai da compreensão humana, científica, racional. Amor não começa e acaba. Amor nasce e depois morre.

LOS ASPECTOS DE LA MENTE   -PARTE I-

LA MENTE SUPERIOR

El ascenso a la Mente Superior supone la entrada en un conocimiento que participa de la claridad del Espíritu y de su sentido unitario de la realidad.

"Su carácter especial, la actividad de su conciencia, están dominados por el Pensamiento; se trata de una mente pensante luminosa, una mente de conocimiento conceptual nacido del Espíritu"

A diferencia del conocimiento puramente racional, la mente superior no se basa en un tanteo dubitativo, no depende de procesos argumentativos para la búsqueda del saber; antes bien procede de un Conocimiento que se expresa a través de ella de manera característica como “una ideación masiva, un sistema o totalidad de visión verdadera, en una visión única”.

Las relaciones lógicas no han de ser buscadas por la mente, sino que se muestran preexistentes y emergen de modo espontáneo. “Este pensamiento es una auto-revelación de la Sabiduría eterna, no un conocimiento adquirido”.

Pero la presencia de la mente superior aporta mucho más que un nuevo tipo de conocimiento; se trata también de una nueva fuerza que desciende a toda nuestra personalidad, a modo de ráfagas de una voluntad superior, que hace que los conceptos sean verdaderas “ideas-fuerza” que penetran en el corazón y la vida entera de quien accede a ella, produciendo una luminosa transformación de todo nuestro ser.


SRI AUROBINDO

Si bien una gota de tinta negra saltando de tus labios, aterrizando en el papel rosa pálido que busca ser violado por lo oscuro de tus gélidos suspiros.
—  De la frontera entre lo límbico y lo racional ( noche-gelida )