queria todas :(

Tive os melhores dias desde que você entrou na minha vida, tirando tudo do lugar, brigando comigo quando eu te zoava por algo. Em minha defesa, digo que não pude evitar, você fica ainda mais linda brava. Mas por incrível que pareça eu não fiquei perdido porque tudo o que eu queria com todas aquelas piadas fora de hora, ou aquela cantoria em que eu fazia questão de errar a letra ou desafinar de propósito,  meu único objetivo era te tirar um sorriso. Então o esforço  valia a pena. Era realmente um sorriso lindo.
—  Doses de desabafos - Manuscrite.
Eu nunca quis me apaixonar por você. Eu juro que não queria… Tentei de todas as formas evitar que isso acontecesse. Fugi, corri milhas e milhas… até te afastei de mim - coisa que eu sempre faço… eu afasto as pessoas. Já estava na metade do caminho - pra rodovia dentro de mim, quando de repente você resolve me acompanhar e caminhar ao meu lado com aquele sorriso que diz “aonde quer que você vá, eu estarei contigo.” Pronto, foi ali que percebi que quando a felicidade bate à sua porta, ela sempre dá um jeitinho de permanecer. E você ficou.
—  Foi uma conversa apenas.
você me salva

eu só queria dizer que você tem sido minha fortaleza em meio a essa correnteza de insanidade fragmentada em trocentos mil pedaços que me alcançou como uma avalanche. queria te agradecer por todas as vezes que eu entrei em colapso e tudo que tu fez foi me acolher nos teus braços aquecidos e dizer me abraça forte eu tô aqui. e por não ter perdido a paciência quando eu comecei a chorar no meio do shopping e você não sabia o motivo mas disse que se eu quisesse a gente podia ir pra casa mesmo já tendo comprado o bilhete do cinema. e por ter me dito que eu era a pessoa mais forte que você já conheceu e a sua melhor amiga. e eu só fiquei quieta porque a verdade é que eu sou tão fraca que a qualquer momento posso desmanchar entre seus dedos e virar poeira estelar que você vai soprar pra bem longe. queria te dizer que eu quis colidir com a tua alma em todas vezes que você me disse que eu podia chorar e que eu era tão linda e inteligente e esperta e a mulher da sua vida e que aquela cantora pop era nada perto de mim e quando tu cantava pra me acalmar e sua voz docemente aveludada só me dava mais vontade de ser engolida por um buraco negro. me sinto um pouco menos morta todo dia em que o sol raia e eu lembro que se por acaso o relógio bater bem na hora de um ataque de pânico, eu posso correr pra você e sugar todas as suas forças porque você é tão surreal que consegue me salvar e ainda ter uma energia-extra guardada em casos de emergência. eu só guardei esse comecinho de noite pra te dizer que eu nem sei se te mereço porque tu é exatamente tudo que eu sempre quis e quando você franze o nariz quando sorri eu penso meu deus ele merece muito mais que qualquer ser mortal pode oferecer. e eu sei que essa minha fase ruim talvez não passe nunca ou talvez passe amanhã mas tu surpreendentemente me mostrou que nunca foi brincadeira quando tu dizia que eu podia contar contigo em todos os momentos da minha vida. e agora que eu sei eu só consigo te amar muito mais a ponto de doer bem nos átomos de cada canto desse corpo remendado.

que é todo teu.

Queria ter sido feita de aço. Queria poder não me importar e deixar com que as coisas fluíssem como deveriam fluir sem nenhum tipo de ressentimento. Eu queria poder esquecer todas às vezes que senti raiva de algumas pessoas, das atitudes babacas que elas cometeram e ainda me puseram como a errada da história. Eu queria ter a coragem necessária pra mandar tudo isso que me aflige lá pra onde o tal de Judas perdeu as botas, mas tudo fica preso aqui dentro de mim. Esse é o problema, falta coragem pra mim. Sinceramente, falta coragem para todos nós. Se arrancássemos do peito todas as mágoas, todas as tristezas e todas as decepções que obtivemos durante a vida, nós não precisaríamos passar dias escrevendo textos e mais textos nos lamentando pelo passado.
—  Isabela Queiroz.
Engoli o choro, fui até o banheiro e lavei o rosto. Depois me olhei no espelho e soltei alguns sorrisos falsos, pra trazer de volta um pouco da expressão facial que estava antes em meu rosto. Pronto, ninguém percebeu que eu havia chorado, e ninguém desvendou meu choro interno. E assim eu consegui enganar quem me olhava diretamente ou de canto, como quem não queria nada. Espero que toda essa máscara sirva como impulso pra trazer mais rápido os meus sorrisos sinceros.
—  Yalen Raquel.

Gabriel ligou e disse pra eu ir com “aquela sainha” curta que ele gosta, com um calcinha bonita e uma blusinha.

- Vamos sair com uns amigos hoje.
- Amigos?
- Sim. Iremos para um bar. Quero que você os conheça.
- Tá bem.

Eu desliguei o telefone já molhada imaginando como seria minha noite.
A calcinha era pequena, de renda e mal fazia seu papel. A saia também. Se me abaixasse, eu estaria descoberta.
A blusa que eu escolhi era leve e pela falta de sutiã, era possível ver meus mamilos e meu piercing.

Eu cheguei no bar e ele já estava bebendo, sentado com outros três caras. Ele bebia uma cerveja e puxou uma cadeira pra perto dele. Após ser apresentada a todos, ele me serviu um copo. Eu sabia como seria a brincadeira daquele dia.

Segurei sua coxa enquanto ele discutia com os amigos sobre o carro que queria comprar. Meus dedos chegaram até perto do seu pau, o que fez ele me olhar sorrindo.
Em uma distração dos outros amigos, eu encostei a boca no seu ouvido.
Mordi levemente seu pescoço, enquanto eu alcançava finalmente seu pau que já estava endurecendo.

- Eu posso brincar com você? - eu sussurrei.

Ele me olhou assustado e respondeu sussurrando.

- Eu te queria assim toda safada pra mim. Aqui vão ver o que você está fazendo.
- E qual é problema?

Ele não me respondeu, só sorriu.
Eu apertava levemente seu pau e não demorou muito para que ele estivesse completamente duro. E que o amigo sentado na sua frente notasse a brincadeira.

Eu estava molhada. O amigo dele acompanhava os movimentos da minha mão e Gabriel tentava agir como se nada disse estivesse acontecendo.
Eu puxei sua mão pra minha coxa e ele sorriu.
Ele apertava minha coxa com força, seus dedos estavam ficando marcados nela.

Eu me levantei da mesa e fui ao banheiro. Tirei a calcinha e voltei a mesma com ela na mão e sorrateiramente coloquei em seu bolso.
Ele me olhou assustado.
Eu encostei a cadeira ainda mais perto dele e puxei sua mão pra minha coxa novamente.
Seus dedos subiram devagarinho pela minha perna e finalmente chegou na minha buceta encharcada.
Seus dedos entraram em mim com força e eu escondi o rosto em seu ombro.

Sem mais delongas, ele tirou os dedos de mim e os colocou na boca. Ele sorria pra mim e me beijou, fazendo com que eu pudesse sentir meu gosto em sua boca.

Antes que eu pudesse reagir, a namorada de um dos amigos dele chegou no lugar. Não havia nenhuma cadeira e eu vi a oportunidade perfeita de continuar a brincar.

- Sente aqui. Gabriel tem espaço de sobra no colo dele pra mim, não é?

Eu me sentei no seu colo e eu podia sentir seu pau duro apertando contra minha bucetinha.
Eu rebolei devagar e Gabriel segurou com força minha cintura para que eu parasse.

- Eu não vou parar.

Ele riu baixo e segurou então meu cabelo, puxando devagar. Eu rebolava com mais força e eu com certeza não estava mais disfarçando.

- Vai pro banheiro masculino agora.

Eu obedeci na hora e ele me seguiu. Ele me empurrou pra dentro da cabine e me beijou com força. Ele subiu minha saia e já colocou seus dedos dentro de mim.

- Você vai me pagar por isso, você sabe né safada?
- Me fode por favor, Gabriel!
- Não, agora não. Você me provocou e agora você vai só chupar meu pau bem gostoso. Ajoelha agora.

Eu me ajoelhei no chão do banheiro e abri sua calça e coloquei seu pau na minha boca. Eu massageava suas bolas e colocava seu pau inteiro na minha boca. Eu deixava ele babado, bem molhado. Eu engasgava em seu pau e ele olhava no meus olhos, gemendo baixo, me deixando cada vez mais molhada.

Ele segurava meu rosto com força e deu um tapa com força na minha cara.
Eu chupava cada vez mais rápido e suas mãos puxavam meu cabelo. Eu estava com seu pau inteiro em minha boca quando ele gozou.

Eu engoli toda sua porra e limpei todo seu pau.
Ele riu baixo e me puxou pelo cabelo.

- Isso não é nem o começo do que você vai ter que fazer hoje.

Eu voltei pra mesa com a cara vermelha, com cara de quem havia chupava maravilhosamente aquele pau gostoso mas sem comentar com ninguém.

Caquinhos

Só queria depois de toda essa tempestade te abraçar, juntar todos os seus caquinhos e te fazer um bem danado. Queria te acolher não somente com palavras, faria de tudo pra ver seu mais belo sorriso, seus olhos brilhando de felicidade. Segurar em sua mão e lhe dizer: de hoje em diante que todos os seus dias sejam felizes, daqui pra frente tudo vai ser diferente, eu vou cuidar de suas feridas, vou cuidar desse pobre coração que foi quebrado. com a sementinha do amor farei o possível e o impossível.

Cafajeste. Eu sempre achei esse termo que é muito usado em filmes e novelas um clichê. Mas é isso que você é, entre muitas outras coisas. Você me conta das meninas, você é solto, você tem várias delas atrás de você. Todas querendo validar as últimas vinte e quatro horas com o mínimo de carinho e reparo seu. E eu, pela primeira vez sorrio com isso, porque pela primeira vez também, eu não sou uma dessas mulheres. Você é um desses homens agradáveis que faz graça e sabe manter uma conversa. Você se mostrava ser do tipo que eu gosto, safado e bom moço, até que eu descobri outros detalhes entre uma coisa e outra que fazem total diferença. Eu até te conto de alguns casos sem importância de uns caras que atravessam meu caminho vez ou outra, você é do tipo que tem um charme quase que irresistível e usa isso a seu favor. Você é o tipo de cara que é bom na cama, na cozinha, no sofá assistindo um filme e até mesmo num telefonema. Do tipo que me desliga por alguns segundos da realidade e eu me desespero porque não quero de jeito nenhum ser uma dessas mulheres mendigando um pouquinho da atenção que você não da. E eu já fui, mas não deixo você perceber, até porque você não precisa e é agradável e de um alívio absurdo saber, sentir e dizer que eu não sou mais uma dessas mulheres. Eu nunca entendi porque você era o único desses homens que me faziam sentir tão boba e a vontade ao mesmo tempo. Mas você era desses que me queriam apenas pra curar a carência talvez, você fez promessas sem base ou qualquer tipo de sentimento e me prendeu a você. Disse palavras lindas, palavras sujas e isso me encantou, não sabia que meus olhos, atenção e amor eram só seus. Você queria todas as outras e não me enxergava ali. E eu só deixei de ser uma dessas mulheres porque você era um desses homens.
—  Tai Celestina.