protestei

Unicórnios, hoje no meu colégio, foi aplicada a primeira prova do “Avalie Ensino Médio 2012”, onde tinham as questões para a gente responder, e depois um espaço para fazer uma redação. Agora vejam, aqui onde moro (Salvador-Ba) os professores fizeram greve, e passaram 130 dias parados, ou seja, perdemos 130 dias de aula. Estamos quase no final do mês de janeiro e ainda vamos finalizar a 4° unidade que por sinal durou 2 semanas. Chego hoje ao colégio, fico sabendo que haveria essa prova, eu e outros colegas de sala resolvemos então fazer dessa prova uma oportunidade de protesto, cada um desenhou o que quis, e em baixo, criei a frase que todos colocaram, e para finalizar, como titulo da redação, uma outra colega nossa sugeriu e aderimos a “ Honestidade é falar a verdade”. Quem poder reblogar para que o máximo de pessoas que sofrerem com essa greve assim como eu também possa ver, agradeceria. 

Sem pretensões, meu corpo desabou, em todos os sentidos imagináveis. Meu cerne ruiu. A cabeça rodopiou. Minhas ideologias difundiram em incertezas, as minhas constâncias, verdades e afins, perderam-se no massacre contínuo que tive de enfrentar. Não haveria de ser célebre uma derrota tão grande. Teria sido fácil, se tivesse sido apenas você a me abandonar. Teria. Mas acontece que, aos poucos, eu também fui me deixando. Deixando de lado tudo aquilo que outrora me fizera completo. Então chorei. Pra lavar a alma, jorrar a sujeira interna. Gritei e praguejei o universo, a vida, o destino; e qualquer outro tipo de ente que me oferecesse escapatória de culpa. Me afoguei em detrimento da sua fuga. Chorei. Por não haver outra maneira de suplantar o que deveria e merecia ser liberado. Chorei por não existir mais um Nós. Chorei por não existir mais um ego. Não existir Eu, ou você, ou algo que nos conjunte em um. Assim como antes. Esperneei; protestei; esbravejei; entreguei os pontos. Não havia o que fazer, havia me perdido, te perdido. Não por desistir. Mas por não haver outra maneira de insistir. Nos perdemos, e nunca fui de correr atrás daquilo que me deixou. Esperei mesmo que você voltasse, e seu arrependimento fosse minha glória. Esperei com orgulho pois a certeza de que voltaria me enchia. Mas acontece que não houve um ruído sequer naquele escuro vazio. Me encontrei sozinho, e como antes eu chorei. Chorei de dor. Chorei pela tua partida. Chorei por falta do teu amor. Chorei por não conseguir sequer me amar. Fiquei sozinho. Sem eu. Sem você. Sem nós.
—  Vivi B. & Éden Victor.