preste atenção

Sabe, hoje em dia estão lidando com a morte como uma palavra qualquer, estão se suicidando por besteiras, outrora qualquer arranhãozinho no dedo pensa “meu Deus como minha vida é uma bosta, quero morrer e irei cortar meus pulsos”. A sociedade está mudando seu jeito de pensar e isso não está sendo as mil maravilhas, pergunte a uma viúva que muito amava seu marido o que ela fez pra continuar viva, pergunte a criança que viu sua mãe morrer na sua frente como ela conseguiu seguir em frente, pergunte aos pais de uma menina que morreu em um acidente de trânsito ou por um assassino como eles ainda estão de pé. Não sou telepata e muito menos vidente mas creio que algumas dessas pessoas falarão que nunca esqueceram de tal ente querido, porém meu caro ou minha cara, eles fizeram uma coisa que as pessoas de hoje estão esquecendo o significado: Eles superaram, aguentaram a dor e seguiram em frente. E não pense que as lembranças são falhas por não ter superado direito, as lembranças na verdade são como uma homenagem, uma homenagem para dizer que aquela pessoa foi importante. Então, gostaria que as pessoas voltassem a parar pra pensar: a morte não é uma brincadeira. O suicídio é uma forma de mostrar o quão incapaz você foi de aguentar firme e seguir em frente, sei bem que as pessoas literalmente “se matam” não só por perder alguém, sei que existem outros motivos, entretanto, não existe esse motivo que não possa ser superado. Erga a cabeça, siga em frente e supere o que corrói sua mente, seja um herói ou uma heroína da sua própria história, talvez assim você entenda melhor o significado e o valor da vida.
—  Edson Júnior
E eu queria que fosse tudo novo. De novo. Só mais essa vez. Que fosse seis de junho, quatro de setembro, doze de novembro ou vinte dois de janeiro. Eu queria aquela falta de ar de novo, aquela sensação de saciedade mesmo ás três da tarde, aquela coisa de acordar cedo feliz, mesmo ter ido dormir ás quatro manhã. Eu queria que valesse a pena de novo, sabe. Eu queria apostar todas as minhas fichas, mais uma vez, só pra poder ir ter ver sábado pela manhã e te encontrar no domingo á tarde. Quando aconteceu, foi tão bonito, valia toda a minha poesia barata e rima feia, valia eu ficar acordada até as seis da manhã conversando asneira. Foi tão de verdade, pelo menos pra mim. Eu gostei. E sei que você também.
—  October, 1944