premeditar

Six.

Há seis meses eu estava nesse mesmo cômodo, nesse mesmo móvel, mas diferentemente de agora você não dormia ao meu lado, estávamos uma agarrada à outra enquanto trocávamos declarações e falávamos sobre o quanto estávamos felizes juntas. Era tudo muito tímido, muito calculado, ambas com aquela sensação de medo de “falar demais” e acabar demonstrado sentimentos demais, e foi quando eu te pedi em namoro, assim, do nada, sem premeditar, sem ensaiar, apenas falei o que estava entalado em mim desde aquela tarde que virou noite quando você saiu mais cedo do trabalho e que passamos o tempo todo juntas, olhando uma pra outra e apenas nos amando.
Eu já te disse milhões de vezes mas nunca dei nada pra gente, achava que não ia dar em nada e nunca imaginei que seria voce o amor da minha vida, e mesmo quando há seis meses eu te disse aquilo que estava guardado em mim e que tanto martelava na minha cabeça eu não fazia ideia do quanto isso mudaria a minha vida.
Você é a melhor coisa que já me aconteceu, e posso dizer com sinceridade que eu descobri o que é felicidade depois que te encontrei, sou grata demais pelo “sim” que você me deu há seis meses, e mal posso esperar pra que esse “sim” se repita e se torne o início do resto das nossas vidas.
Muito obrigada por ter aceitado o meu pedido, muito obrigada por estar aqui, por ter aceitado sair comigo naquele fim de maio e por ter escolhido ficar ao meu lado ao invés de ir embora.
Há seis meses tudo era muito novo e diferente, hoje parece que estamos juntas há anos e ao mesmo tempo sinto que a magia só cresce e as sensações são sempre inovadoras.
Há seis meses eu inconscientemente decidi o resto da minha vida e se tem uma coisa da qual eu me orgulho é essa!
Que sejam os primeiros seis meses, de toda uma eternidade ao seu lado.
Eu te amo, Thamires Maciel, minha mozi, minha mulher, minha amiga, minha namorada, minha vida.
Obrigada por tudo.
Que os dias 24 sejam pra sempre nossos 💙


Sua,
Thayná (mozi).

"Não sabia direito se devia, se era certo. Mas em nenhuma biografia romântica é possível premeditar acertos ou equívocos, não existem registros ou algo para comparar na mesma existência. A gente faz e vê depois. Não existe pessoa certa ou vida errada. Simplesmente nos impulsionamos em direção ao primeiro sinal de amor compartilhado, alguma fagulha ou sensação que utopicamente nos distancie da morte, rejuvenesça, preste algum significado ao ato natural de trocar o ar dos pulmões."

– Gabito Nunes