poupes

Sou apaixonado por abraços. Não resisto a segurança de abraços fortes, sinceros que me envolvem e sinto como se um choque de esperança me fizesse ver as coisas de outra maneira. Então, poupe-se de procurar palavras pra me agradar, de algo que me faça sorrir e me sentir melhor… Apenas me abrace, e me segure bem forte.
—  Caio Fernando de Abreu
Aquieta o coração, guria. Afinal, o que exatamente você estava pensando? Que era única e especial? Me poupe, criança. Aliás, você já não é mais criança. Já está bem grandinha para se deixar enganar por certas coisas. Cresce, meu amor. Eu só quero o teu bem. Confia em mim, até porque eu sou você. Sei que fazemos besteira às vezes, mas você passa dos limites. Deixa de ser tão manteiga derretida. Endurece, meu bem, o coração. Vai ser melhor assim. Não se deixe levar. Não se deixe apaixonar. E faça o favor de descobrir o que está acontecendo com você, gostar das pessoas como você gosta não é normal e eu sei do que estou falando. Quando descobrir me conta, assim eu posso te ajudar. Se cuida, minha menina mulher. A gente ainda tem um longo caminho pela frente.
—  Com amor, a outra eu
Certezas? Quem tem certezas? Amigo, você não sabe nem quantos litros de sangue correm agora entre suas veias. Você não faz ideia de quantas palavras já disse hoje. Nem lembra quantas vezes falou que amava alguém e na verdade nunca amou. Você tem certeza que você é realmente inteligente ou burro? Não, meu caro, nada é certeza. Essa é a palavra mais profana de qualquer língua, pois ela não existe. Os mais sábios nunca contaram com ela e você com toda a sua ingenuidade vem me falar disso? Poupe-me, a dúvida me engole e é com ela que eu morrerei.
—  Antares.