pouco amor

Não te culpo por não me amar, te culpo por nunca ter nem ao menos lido os textos que escrevi pra você, por não me responder os bom dias que eu te mandava, pelas vezes em que você me pedia para te esperar na praça e você não aparecia, por aquelas noites em que eu passei acordada curando teu tédio, porque todos os outros que te interessavam mais que eu estavam fazendo outras coisas. É a indiferença que mata o amor aos poucos.
—  Ingrid Drumond.
Preciso ser mais individualista, ser mais egoísta, ter um pouco mais de amor próprio, me auto valorizar. Esse negócio de se importar e se preocupar com os outros, é só pra quebrar a cara e o coração.
—  Escriturias.
Ainda sou a mesma de um ano atrás, cheia de sonhos e medos. Rio a toa, gosto de ficar na cama sem fazer nada e amo comer besteiras. Troco barzinho por filme e cobertor, uma romântica incurável.. ainda que disfarçada. Vivi novas experiências, conheci novas pessoas. O tempo passou, muita coisa mudou, mas a essência permaneceu. A diferença é que hoje acordo com o sorriso um pouco mais largo, um amor maior por mim mesma, a alma leve e uma gratidão imensa a Deus.
—  Morena
É tão difícil e aos mesmo tempo tão necessário alinhar todos os momentos que vivemos durante todo esse tempo. Momentos tristes, felizes, decisivos, que são comuns a todos casais e, sobretudo, constituem a essência de um relacionamento. Aprendemos desde o início -aos poucos é verdade- que amor não apenas se sente, mas também se constrói, resiste, reconstrói, quantas vezes for preciso, porquê a vida sempre terá um ritmo imprevisível. Compreendemos que ter um ao outro não é tomar posse, e sim nos apossarmos exclusivamente do nosso amor, o mantendo vivo diariamente.
Me apaixono fácil, me entrego sem pensar duas vezes e é isso que acaba comigo. Não sei dizer não aos olhos, ao coração e nem ao desapego. Uma semana, uma simples conversa, qualquer gesto de carinho e pronto, me apeguei, já penso em meses, anos ao lado da pessoa. Esse é o problema de ser intenso demais, sensível ao extremo. Porém isso não é o “x” da questão, o ponto chave é que existem aquelas pessoas que se aproveitam disso, como se fôssemos criancinhas abandonadas e indefesas que caem em qualquer conversa quando quer algo, e até que é verdade, quando estamos no ápice da carência é bem isso mesmo. E depois? Quando o dia se vai, aquele alguém some, todos desaparecem, o que resta? O vazio. A madrugada chega, a cabeça não consegue processar tantos pensamentos, decepções… Talvez eu esteja desesperado, ou tenha medo de viver sozinho nessa procura intensa por felicidade, mas cara, um pouco de reciprocidade, amor, gostar, não mata ninguém, e faz tão bem ao coração. Quem sabe eu esteja procurando o certo em lugares errados ou só deva deixar a pressa, impaciência e esperar? Não sei. Só sei que amanhã é outro dia, e depois de amanha também e assim como existe o dia de plantar e colher, levando em conta que o dia de chorar passou, uma hora ou outra chegará o dia de sorrir, espero.
—  Jhonata Riscovisk.
A lua nunca mais foi a mesma depois de você

Porque você ama a lua e agora toda vez que eu a observo ela me encara de volta e eu penso em você e em como eu queria ser um pouco lua pra poder ter um pouco do teu amor.

Anna Maia.

Abril, 2017

Todo mundo já teve uma pessoa dessa. Aquela pessoa que você começou conversar, que você saiu, que te cativou um sentimento bom, que vocês trocaram palavras de afeto durante dias, pareciam longos, mas se contar todos não somaram dois meses. Com aquela pessoa você ia do céu ao inferno em questão de segundos. Com essa pessoa apesar dos termos que te mantinham opostos você se sentia abrigado. Essa mesma pessoa não te fez criar somatorios futuros porque sabia que além da intensidade você queria mais que alguém pra fazer alguns planos e manter uma conversa atoa antes de dormir. E então você se ver diante de uma situação mais comum que qualquer outra. É um eterno ciclo. As coisas são cíclicas. Conhecer alguém, compartilhar do seu melhor com ela, transar em algum lugar que der na telha, trocar algumas mensagens durante o dia, brigar por coisa aleatoriamente simples, fazer as pazes, e começar o trajeto outra vez. Mas a pessoa não fica, ela até pode te querer, querer ficar, só que a vida é um inconstante “aquela pessoa”. Ninguém é obrigado a ficar. Mas só fazer bagunça no ciclo inconstante de alguém é sacanagem.

Ouvi uma frase que não saiu da minha mente. Era isso “Eu sempre vou te amar e nunca vou saber porque”. Venho tentando quebrar os espelhos onde dizem que o amor é eterno. Não aguento isso, esse termo de que, quem ama, deixa ir. Mas, na verdade, quem ama não precisa ir embora. E, aí é que entra a maldita frase, porque eu te amo mesmo não te vendo, mesmo não falando mais com você, mesmo com toda essa distancia de tantos tempos. Mesmo esquecendo de você as vezes, te amo mesmo precisando de você sempre. Te amo porque foi a única parte boa da vida. Porque através dos seus olhos, eu pudi ver um pouco de amor nesse mundo.
—  Máh Soares.
Ontem alguém me pediu pra falar um pouco de você. Meu amor, como eu poderia me limitar a falar “um pouco” da única coisa que me envolve tão intensamente? Como eu poderia definir o infinito em poucas palavras? Eu tentei então, meu bem, explicar que não existe “pouco” quando se trata de você e eu.
—  Descriar.
Só queria saber o que se passa em sua cabeça. Queria ter o poder de ler sua mente, ou pelo menos tentar compreender o que você quer da vida. Às vezes me pergunto porque você tem que ser tão confuso, não saber o que quer, ou ter medo de querer algo. Não dá pra entender o que você tem de errado. Sempre ouvi que as pessoas gostam de coisas recíprocas, e você tem isso, mas não dá o mínimo valor. Você parece que tem medo que alguém te ame ou cuide de você. Medo de se entregar para um amor e no final sair machucado por ele. É complicado, mas todos temos nossos fardos de relacionamentos frustrados, e é a partir deles que temos que nos fortalecer, reinventar e partir pra outra. E olha, não dá para viver com esse medo de amar, de querer algo sério, porque isso é o mesmo que sucumbir. Eu sei que não é fácil se recuperar de uma desilusão amorosa, principalmente daquelas que lhe deixam cicatrizes tão profundas. Mas eu estou aqui, com marcas pela pele, traumas e tristezas no coração, mas continuo aqui. Pois eu encontrei forças para abraçar este amor por nós dois. Só não sei por quanto tempo conseguirei segurar essa barra sozinha, já que a cada dia que passa este fardo vem ficando maior. Sei que em breve não vou mais me sentir satisfeita só por amar, vou desejar ser amada também, receber um pouco do amor que venho depositando em ti. Se está sendo difícil para você, imagine para mim, esperar cansa, eu tô amando por dois, estou carregando tudo isto o máximo que posso, por favor não deixe eu desistir. Por favor, olhe dentro dos meus olhos, deixe eu te resgatar, deixa o amor trabalhar? Estou pedindo com todo meu coração, olhe para mim! Me diz o que está acontecendo, me diz de uma vez, deixa eu cuidar de você.
—  Escrito por Andreza, Nicácia, Fran e Aline em Julietário.
Por favor, não se perca por quem não te reencontra, não se diminua por quem não te soma, por favor não se desgaste por tão pouco. Não dê amor para quem se quer sabe o que fazer com ele.
—  Nanda Marques