porque to afim

esse texto não é sobre ti, e sim sobre mim.

pensar em te ter alimenta esperanças que eu nem deveria criar. eu acho que nunca poderiamos ter nos apaixonado, levando em conta que tu vives na Terra e eu no mundo da Lua. nós nunca poderiamos ter nos apaixonado sem nunca termos nos visto. mas há quem diz que o amor é cego e eu concordo.

eu acho que nunca te conheci de verdade e tudo que eu sempre vi era uma ilusão tua feita de palavras bonitas e carinhos falsos. já não sei se tudo o que aconteceu entre a gente foi só tempo jogado fora ou se realmente valeu a pena.

nem sei por que ainda me pego pensando nisso, sendo que tu deves ter tua cabeça estocada com outras coisas agora. coisas mais importantes e com maior valor do que eu. coisas mais bonitas e polidas. coisas que se igualem à ti.

o real problema de eu não ter conseguido me recuperar de tudo, tem a ver comigo. a culpa é minha, só minha e nunca te pertenceu. porque tu estavas afim de ir embora e tu apenas foi e eu ainda tô aqui esperando tu voltar (mesmo sabendo que tu não vai).

e eu penso que talvez eu não tenha sido suficiente (porque eu nunca sou). mesmo eu tendo dado tudo de mim e me esforçado. e tentado ser tudo pra ti.

eu apenas não era.

quando tu sumiu eu deixei tu levar um pedaço meu junto e deixar muito de ti aqui comigo. e a culpa disso é minha. e o pior de tudo é que eu ainda guardo tudinho que tu deixou.

a culpa permanece comigo.

eu comecei a ouvir tudo o que tu ouvias, eu comecei a falar tudo o que tu falavas, eu comecei a escrever tudo que tu escrevias e eu não me dei conta, agora eu não consigo me livrar disso (desses pequenos fragmentos teus). e a culpa é minha.

me pego de novo escrevendo sobre tudo isso, e me pergunto por que? me pergunto se tu sabes a resposta.
[…] mesmo sabendo que tu nunca sabes de nada.
[…] e que tu nunca entendeu nada.
[…] e até agora não entende.

mas pelo menos, eu entendi
que a culpa é minha.
e tudo isso, meu amor,
deixou de ser sobre você
à tempos.

Bárbara Xavier

Não entendi direito. Ela disse que não queria mais continuar se relacionando comigo porque simplesmente não estava mais afim. Agora se contorce toda para chamar a minha atenção, enquanto finjo não notá-la. Olha, cara, não sei o que diabos ela quer da vida. Fiz essa pergunta umas trezentas vezes olhando nos olhos dela. Aí entra aquele papo de “Eu só queria mais carinho’’ e eu fico quieto, sempre com o estômago fraco para esse tipo de coisa e o coração duro demais para amolecer nessas horas. Eu até daria carinho a ela, se eu ainda soubesse o que é isso.
—  Junior Lima.

costumava me permitir sangrar por você. cutucar minhas feridas como quem sofre de transtorno obsessivo compulsivo. ter prazer em sentir aquela dorzinha nostálgica parecida com a do seus beijos ferozes quando teu corpo sobre o meu sucumbia em poesias. mas relaxa. nada se perde. tudo se transforma. e agora sou sussurros de um grande amor outrora gritado aos quatro cantos da terra.

pontos por virgulas porque não estou afim de dar meu melhor hoje.

Entre Esquadros e Melodias.

Min Yoongi
História: Entre Esquadros e Melodias.

❛❛Min Yoongi era como um prédio de estrutura complexa, destroçado, e você era phd em restauração. Você traçou a topografia do corpo dele com a ponta de seus dedos, e ele te recompensou com um esboço da própria alma. E se algum dia te perguntassem qual o seu projeto preferido, você diria o nome dele sem hesitar. (…) E quando você o beijou pela primeira vez, isso fez com que ele quisesse ser melhor. O gosto da sua boca fez com que as toxinas dos lábios dele se transformarem em mel, e ele quis substituir a nicotina de seus pulmões pela doçura do seus beijos.❜❜

Deixa eu falar agora sobre responsabilidade afetiva. Você sabe o que significa? Você tem? Veja só: se você conhece alguém, independente da sua intenção, deixe claro desde o início o que você pode e o que você não pode oferecer. Responsabilidade afetiva é sobre tratar os sentimentos da forma que eles devem ser tratados: com seriedade, respeito e empatia. Você sabe o que é empatia? Empatia é se colocar no lugar do outro, é sentir a dor do outro antes mesmo que ela chegue até você. Bom, voltando sobre a responsabilidade afetiva, posso dar milhares de exemplos, mas é mais fácil colocar você na linha de fogo (as pessoas só entendem quando acontecem com elas). Você conhece uma mulher/homem, ela não corresponde suas expectativas mas você decide ficar assim mesmo, às vezes porque é bonita, ou porque você está carente, ou porque você simplesmente quis continuar ficando pra ver até onde vai esse lance. Não interessa o porquê de você dar continuidade, mas é sua responsabilidade ser transparente desde o início, sem cultivar expectativas na outra pessoa, sem fazer promessas que não irá ou não poderá cumprir, sem levar a pessoa no céu por uma noite e depois joga-la num inferno de mensagens ignoradas só porque você não "tá afim." Esteja afim sim! Mas afim de ser inteiro! O mundo já está cheio de metades, então seja inteiro, seja responsável, seja dono de seus atos e assuma o sentimento que você cativou em outra pessoa. É só uma transa? Deixe que claro que é só uma transa. Tá rolando sentimento? Deixe claro quais sentimentos estão rolando. Não foi legal? Deixe claro que não vai rolar de novo. Ter vários contatinhos esperando seu ego querer ser massageado não é legal, não é bonito, não é humano de sua parte. Na verdade, você pode ter 100 contatinhos, desde que cada um deles saibam exatamente o que devem ou não esperar de você, desde que você não use da carência do outro para satisfazer seu sexo, seu ego ou seu narcisismo. Responsabilidade afetiva é cuidar dos próprios sentimentos e dos sentimentos de quem chegou na sua vida. E se você não é capaz de cuidar nem mesmo de você, não abra as portas para que alguém chegue querendo fazer morada onde não tem sequer um sofá de canto para descansar. Você entendeu o que eu quis dizer? Seja responsável! Seja responsável com o sentimento que você cativa no coração do seu semelhante Corações não foram feitos para serem quebrados, pessoas não são descartáveis, beleza não supre carência afetiva, e sexo casual só é bom quando os dois querem. Não finja ser um romântico apaixonado só porque quer transar, seja claro sobre suas intenções e vontades. Responsabilidade afetiva não é namorar e casar com o primeiro que se apaixona por você, responsabilidade afetiva é ser totalmente claro e transparente sempre, sem ilusões, sem promessas, sem expectativas, sem deixar nas entrelinhas, sem fazer joguinhos de conquista. Você consegue ser responsável? Não é tão difícil assim. -Helena Ferreira

Deixa eu falar agora sobre responsabilidade afetiva.

Você sabe o que significa? Você tem?

Veja só: se você conhece alguém, independente da sua intenção, deixe claro desde o início o que você pode e o que você não pode oferecer.

Responsabilidade afetiva é sobre tratar os sentimentos da forma que eles devem ser tratados: com seriedade, respeito e empatia.

Você sabe o que é empatia? Empatia é se colocar no lugar do outro, é sentir a dor do outro antes mesmo que ela chegue até você.

Bom, voltando sobre a responsabilidade afetiva, posso dar milhares de exemplos, mas é mais fácil colocar você na linha de fogo (as pessoas só entendem quando acontecem com elas).

Você conhece uma mulher/homem, ela não corresponde suas expectativas mas você decide ficar assim mesmo, às vezes porque é bonita, ou porque você está carente, ou porque você simplesmente quis continuar ficando pra ver até onde vai esse lance. Não interessa o porquê de você dar continuidade, mas é sua responsabilidade ser transparente desde o início, sem cultivar expectativas na outra pessoa, sem fazer promessas que não irá ou não poderá cumprir, sem levar a pessoa no céu por uma noite e depois joga-la num inferno de mensagens ignoradas só porque você não “tá afim.”

Esteja afim sim! Mas afim de ser inteiro! O mundo já está cheio de metades, então seja inteiro, seja responsável, seja dono de seus atos e assuma o sentimento que você cativou em outra pessoa.

É só uma transa? Deixe que claro que é só uma transa.

Tá rolando sentimento? Deixe claro quais sentimentos estão rolando.

Não foi legal? Deixe claro que não vai rolar de novo.

Ter vários contatinhos esperando seu ego querer ser massageado não é legal, não é bonito, não é humano de sua parte.

Na verdade, você pode ter 100 contatinhos, desde que cada um deles saibam exatamente o que devem ou não esperar de você, desde que você não use da carência do outro para satisfazer seu sexo, seu ego ou seu narcisismo.

Responsabilidade afetiva é cuidar dos próprios sentimentos e dos sentimentos de quem chegou na sua vida. E se você não é capaz de cuidar nem mesmo de você, não abra as portas para que alguém chegue querendo fazer morada onde não tem sequer um sofá de canto para descansar.

Você entendeu o que eu quis dizer? Seja responsável! Seja responsável com o sentimento que você cativa no coração do seu semelhante

Corações não foram feitos para serem quebrados, pessoas não são descartáveis, beleza não supre carência afetiva, e sexo casual só é bom quando os dois querem. Não finja ser um romântico apaixonado só porque quer transar, seja claro sobre suas intenções e vontades.

Responsabilidade afetiva não é namorar e casar com o primeiro que se apaixona por você, responsabilidade afetiva é ser totalmente claro e transparente sempre, sem ilusões, sem promessas, sem expectativas, sem deixar nas entrelinhas, sem fazer joguinhos de conquista.

Você consegue ser responsável? Não é tão difícil assim.

Helena Ferreira

Pensamento Feminista

Numa sociedade que lucra com a nossa insegurança, gostar de si mesma é um ato de rebeldia.

Lugar de mulher é onde ela quiser. 

Existem mulheres fortes. E existem mulheres que ainda não descobriram sua força

Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.

Seja a mulher da sua vida. 

Machista calado é um poeta.

Não sou livre enquanto outra mulher for prisioneira, mesmo que as correntes dela sejam diferentes das minhas. 

Mesmo soFrida, jamais me Kahlo

Não quero as suas cantadas, quero o seu respeito. 

Eu não vim da sua costela, você que veio do meu útero

Eu não me dou o respeito porque ele já é meu por direito. 

Moça, o feminismo não veio para impor o que você deve fazer. Ele veio trazer, sem julgamentos e com muito empoderamento, o seu direito de escolher como quer viver.

Eu, dona de mim, se fiz é porque tava afim

Que nada nos limite. Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância.

Entenda uma coisa:
Não existe mulher que “dá” no primeiro encontro
Existe mulher que faz sexo quando está com vontade.
Ela não te “deu”
Ela nunca te pertenceu
Então não venha com essa de “ela deu pra mim”
Porque na verdade, ela não foi sua.
Ela não conta primeiro, segundo ou terceiro encontro
Ela valoriza os momentos
Ela valoriza as conversas
Os sorrisos
Os olhares
Ela valoriza aquilo que desperta vontade
Aquilo que desperta tesão em viver.
Se ela fez SEXO com você
É porque ela quis.
Não pense que ela faz sexo com todos
Ou pense se quiser
Até porque isso não é da sua conta.
Você não “comeu” ela
Ela ainda está inteira
Ainda ri de coisas bobas na TV
Ainda lê um livro antes de dormir
Ainda sai com suas amigas no sábado a noite
E almoça na casa dos pais no domingo.
Você não “comeu” ela
Porque gente não se come
Se sente.
Ela não saiu por aí gritando para todos
O quanto a transa de vocês foi ruim
Ou o quanto você foi grosso com ela
Ela não precisa dividir isso com ninguém
Então porque você precisa?
Pra se sentir mais “macho” ?
Pra se sentir mais “homem”?
Não cara
Ela não é metade do que você pensa
Ela é tão extraordinária
Que nem cabe dentro dos seus pensamentos.
Ela não te ligou
E ela não estava esperando você ligar
Ela não precisa da sua aprovação
Ela não precisa saber se foi bom pra você
Porque se tiver sido bom para ela
Ela vai fazer acontecer de novo.
Não, ela não estava bêbada
Nem drogada
Ela fez porque quis
Porque tava afim.
Quando ela se arrumou naquela noite
Ela já sabia que seria pra enlouquecer
Ou enlouquecer alguém
E pode ter certeza que você não a enlouqueceu.
Você não ganhou ela na sua conversa fiada
Ela foi porque tava afim
Porque ela te escolheu.
Não saia por aí dizendo que você a ganhou
E que você ganha a hora que quiser.
Ela não te viu como um pedaço de carne
Ela não enxerga ninguém assim
Ela gosta de conexões
Nem que seja só por uma noite
Ela gosta de se sentir ligada a alma de alguém
De sentir o calor
De olhar nos olhos
De sentir prazer físico e emocional
E se ela tiver te achado vazio demais
Não vai rolar de novo.
Você pode rezar
Implorar
Mandar flores
Ela é decidida
Tem personalidade forte.
E no dia em que ela se casar
Vai ser com um cara de muita sorte
Porque de todas as conexões
Aquela terá sido a mais forte
Ele terá sido a alma que ela escolheu
E os dois serão eternamente enlouquecidos
Um pelo outro.
E você?
Ah cara,
Você vai continuar perdendo tempo
Falando por aí das mulheres que você acha que comeu
Vai continuar perdendo tempo achando que ganhou alguém
Você vai acabar sozinho.
—  Valmir Reis
Responsabilidade afetiva.

Deixa eu falar agora sobre responsabilidade afetiva.
Você sabe o que significa? Você tem?
Veja só: se você conhece alguém, independente da sua intenção, deixe claro desde o início o que você pode e o que você não pode oferecer.
Responsabilidade afetiva é sobre tratar os sentimentos da forma que eles devem ser tratados: com seriedade, respeito e empatia.
Você sabe o que é empatia? Empatia é se colocar no lugar do outro, é sentir a dor do outro antes mesmo que ela chegue até você.
Bom, voltando sobre a responsabilidade afetiva, posso dar milhares de exemplos, mas é mais fácil colocar você na linha de fogo (as pessoas só entendem quando acontecem com elas).
Você conhece uma mulher/homem, ela não corresponde suas expectativas mas você decide ficar assim mesmo, às vezes porque é bonita, ou porque você está carente, ou porque você simplesmente quis continuar ficando pra ver até onde vai esse lance. Não interessa o porquê de você dar continuidade, mas é sua responsabilidade ser transparente desde o início, sem cultivar expectativas na outra pessoa, sem fazer promessas que não irá ou não poderá cumprir, sem levar a pessoa no céu por uma noite e depois joga-la num inferno de mensagens ignoradas só porque você não “tá afim.”
Esteja afim sim! Mas afim de ser inteiro! O mundo já está cheio de metades, então seja inteiro, seja responsável, seja dono de seus atos e assuma o sentimento que você cativou em outra pessoa.
É só uma transa? Deixe que claro que é só uma transa.
Tá rolando sentimento? Deixe claro quais sentimentos estão rolando.
Não foi legal? Deixe claro que não vai rolar de novo.
Ter vários contatinhos esperando seu ego querer ser massageado não é legal, não é bonito, não é humano de sua parte.
Na verdade, você pode ter 100 contatinhos, desde que cada um deles saibam exatamente o que devem ou não esperar de você, desde que você não use da carência do outro para satisfazer seu sexo, seu ego ou seu narcisismo.
Responsabilidade afetiva é cuidar dos próprios sentimentos e dos sentimentos de quem chegou na sua vida. E se você não é capaz de cuidar nem mesmo de você, não abra as portas para que alguém chegue querendo fazer morada onde não tem sequer um sofá de canto para descansar.
Você entendeu o que eu quis dizer? Seja responsável! Seja responsável com o sentimento que você cativa no coração do seu semelhante
Corações não foram feitos para serem quebrados, pessoas não são descartáveis, beleza não supre carência afetiva, e sexo casual só é bom quando os dois querem. Não finja ser um romântico apaixonado só porque quer transar, seja claro sobre suas intenções e vontades.
Responsabilidade afetiva não é namorar e casar com o primeiro que se apaixona por você, responsabilidade afetiva é ser totalmente claro e transparente sempre, sem ilusões, sem promessas, sem expectativas, sem deixar nas entrelinhas, sem fazer joguinhos de conquista.
Você consegue ser responsável? Não é tão difícil assim.

-Helena Ferreira

Bios aleatórias para Instagram

- A(mar) sem fim 🐚


- Se você não correr atrás de seus sonhos, ninguém vai correr por você


- Quero dar razão ao sentimento, mostrar que é lindo o que eu sinto por dentro 👫❤


- Não vou me despedir porque dói, não vou brigar pra ficar


- Não sou rosa, não sou pura, não sou dele, não sou sua 🌷✨


- Se te faz sorrir, fica.


- Se olhe no espelho, se ache legal 😁


- Aceite-se 🌸


- Eu, dona de mim, se fiz foi porque tava afim 😉


- Amores vêm e vão, mas nunca vêm em vão 🍁


- Se ame mais, você merece todo o amor que pode doar ❣


- Fica do meu lado que não falta amor

Não dá mais para romantizar, tudo que eu tento dá um toque de magia se despedaça. Nossos olhos não se encontraram, foi a nossa realidade que se encontrou, e depois sim, as nossas vozes, o timbre da sua voz fez companhia para mim, e como uma criança que ganha um presente novo e não desgruda dele nem pra dormir, eu não desgrudava de você. No fundo eu entendo tudo, exatamente cada vírgula e reticências em você. Mas eu as vezes acredito que você custa me entender. O que eu quis desde o inicio não mudou, nem quando eu queria muito mudar, a gente não muda o que sente so porque tá afim de não se machucar de novo, a gente não melhora o outro so porque ta afim, a gente não faz nada só porque ta afim, nem se a gente quiser muito. Por isso se preocupe se eu parar de falar, se eu ficar em silencio, se eu realmente começar a dá o espaço que você atuava pedindo, porque nunca foi real. Eu não tenho duvidas de que você jamais me pediria para desistir ou te deixar em paz olhando nos meus olhos, nem se você estivesse decidida a me fazer acreditar, seus olhos te entregam desde que cruzaram com o meu. Não vou me decepcionar ou perder o meu tempo te esperando, porque não é uma opção, é o que eu quero, quero você. Talvez você um dia deixe de querer o mesmo, e aí vai ser a minha hora de te deixar seguir em frente, mas enquanto os seus olhos vacilarem e a sua voz se alterar, eu não vou deixar pra lá. Eu aprendi desde cedo de que nada é tão difícil que a gente não possa melhorar, e por isso você vai me ver muito ainda repetindo a mesma coisa, aquela coisa de “come direito” “toma cuidado” ‘ja comeu?“ “alonga as costas” “tenta dormir sem travesseiro” “não desiste, logo tudo acaba” “eu to aqui” “eu acredito em você” “pode ir comer agora”, e claro, a sua frase menos conhecida “eu amo você”, que as vezes nem precisa ser correspondida, eu so quero ver o seu sorriso, e tem a nossa classica “você é linda”, e você realmente é, não importa o que pessoas de fora ja tenham dito, você tem um sorriso lindo, e uma gargalhada contagiante, e dormindo você nem parece a tempestade que é acordada, parece tão tranquila, e quer saber um segredo? Você realmente é tranquila, so quem atravessa esse caos no inicio de tudo que você tem como realidade e lembranças descobre, você é cais, e as vezes uma forte tempestade, mas eu sempre achei fascinante as tempestades, tinha algo que prendia os meus olhos naquele amaranhado de luzes, nos estrondos, e no agitar do mar, você é a junção de tudo isso, e não faz mal, ninguém aguenta ser garoa a vida toda, mas eu aguentaria viver no meio dessas estações.
—  Para alguém que nem se quer vai ler.

Opa esqueci a terceira

3, não posto fotos pra ter atenção de macho, como um coleguinha babaca acabou de dizer… Posto porque me sinto bem comigo mesma, não quero atenção de ninguém e nem ganhar nudes, pelo amor, faço isso porque gosto. Não tô afim de macho atrás de mim, principalmente se não sabe levar um não sem fazer birra!

Entenda uma coisa:
Não existe mulher que “dá” no primeiro encontro
Existe mulher que faz sexo quando está com vontade.
Ela não te “deu”
Ela nunca te pertenceu
Então não venha com essa de “ela deu pra mim”
Porque na verdade, ela não foi sua.
Ela não conta primeiro, segundo ou terceiro encontro
Ela valoriza os momentos
Ela valoriza as conversas
Os sorrisos
Os olhares
Ela valoriza aquilo que desperta vontade
Aquilo que desperta tesão em viver.
Se ela fez SEXO com você
É porque ela quis.
Não pense que ela faz sexo com todos
Ou pense se quiser
Até porque isso não é da sua conta.
Você não “comeu” ela
Ela ainda está inteira
Ainda ri de coisas bobas na TV
Ainda lê um livro antes de dormir
Ainda sai com suas amigas no sábado a noite
E almoça na casa dos pais no domingo.
Você não “comeu” ela
Porque gente não se come
Se sente.
Ela não saiu por aí gritando para todos
O quanto a transa de vocês foi ruim
Ou o quanto você foi grosso com ela
Ela não precisa dividir isso com ninguém
Então porque você precisa?
Pra se sentir mais “macho” ?
Pra se sentir mais “homem”?
Não cara
Ela não é metade do que você pensa
Ela é tão extraordinária
Que nem cabe dentro dos seus pensamentos.
Ela não te ligou
E ela não estava esperando você ligar
Ela não precisa da sua aprovação
Ela não precisa saber se foi bom pra você
Porque se tiver sido bom para ela
Ela vai fazer acontecer de novo.
Não, ela não estava bêbada
Nem drogada
Ela fez porque quis
Porque tava afim.
Quando ela se arrumou naquela noite
Ela já sabia que seria pra enlouquecer
Ou enlouquecer alguém
E pode ter certeza que você não a enlouqueceu.
Você não ganhou ela na sua conversa fiada
Ela foi porque tava afim
Porque ela te escolheu.
Não saia por aí dizendo que você a ganhou
E que você ganha a hora que quiser.
Ela não te viu como um pedaço de carne
Ela não enxerga ninguém assim
Ela gosta de conexões
Nem que seja só por uma noite
Ela gosta de se sentir ligada a alma de alguém
De sentir o calor
De olhar nos olhos
De sentir prazer físico e emocional
E se ela tiver te achado vazio demais
Não vai rolar de novo.
Você pode rezar
Implorar
Mandar flores
Ela é decidida
Tem personalidade forte.
E no dia em que ela se casar
Vai ser com um cara de muita sorte
Porque de todas as conexões
Aquela terá sido a mais forte
Ele terá sido a alma que ela escolheu
E os dois serão eternamente enlouquecidos
Um pelo outro.
E você?
Ah cara,
Você vai continuar perdendo tempo
Falando por aí das mulheres que você acha que comeu
Vai continuar perdendo tempo achando que ganhou alguém
Você vai acabar sozinho
Porque nunca soube se conectar
Nunca soube sentir a alma de alguém.
—  Helena Ferreira.

“Entenda uma coisa:
Não existe mulher que "dá” no primeiro encontro
Existe mulher que faz sexo quando está com vontade.
Ela não te “deu”
Ela nunca te pertenceu
Então não venha com essa de “ela deu pra mim”
Porque na verdade, ela não foi sua.
Ela não conta primeiro, segundo ou terceiro encontro
Ela valoriza os momentos
Ela valoriza as conversas
Os sorrisos
Os olhares
Ela valoriza aquilo que desperta vontade
Aquilo que desperta tesão em viver.
Se ela fez SEXO com você
É porque ela quis.
Não pense que ela faz sexo com todos
Ou pense se quiser
Até porque isso não é da sua conta.
Você não “comeu” ela
Ela ainda está inteira
Ainda ri de coisas bobas na TV
Ainda lê um livro antes de dormir
Ainda sai com suas amigas no sábado a noite
E almoça na casa dos pais no domingo.
Você não “comeu” ela
Porque gente não se come
Se sente.
Ela não saiu por aí gritando para todos
O quanto a transa de vocês foi ruim
Ou o quanto você foi grosso com ela
Ela não precisa dividir isso com ninguém
Então porque você precisa?
Pra se sentir mais “macho” ?
Pra se sentir mais “homem”?
Não cara
Ela não é metade do que você pensa
Ela é tão extraordinária
Que nem cabe dentro dos seus pensamentos.
Ela não te ligou
E ela não estava esperando você ligar
Ela não precisa da sua aprovação
Ela não precisa saber se foi bom pra você
Porque se tiver sido bom para ela
Ela vai fazer acontecer de novo.
Não, ela não estava bêbada
Nem drogada
Ela fez porque quis
Porque tava afim.
Quando ela se arrumou naquela noite
Ela já sabia que seria pra enlouquecer
Ou enlouquecer alguém
E pode ter certeza que você não a enlouqueceu.
Você não ganhou ela na sua conversa fiada
Ela foi porque tava afim
Porque ela te escolheu.
Não saia por aí dizendo que você a ganhou
E que você ganha a hora que quiser.
Ela não te viu como um pedaço de carne
Ela não enxerga ninguém assim
Ela gosta de conexões
Nem que seja só por uma noite
Ela gosta de se sentir ligada a alma de alguém
De sentir o calor
De olhar nos olhos
De sentir prazer físico e emocional
E se ela tiver te achado vazio demais
Não vai rolar de novo.
Você pode rezar
Implorar
Mandar flores
Ela é decidida
Tem personalidade forte.
E no dia em que ela se casar
Vai ser com um cara de muita sorte
Porque de todas as conexões
Aquela terá sido a mais forte
Ele terá sido a alma que ela escolheu
E os dois serão eternamente enlouquecidos
Um pelo outro.
E você?
Ah cara,
Você vai continuar perdendo tempo
Falando por aí das mulheres que você acha que comeu
Vai continuar perdendo tempo achando que ganhou alguém
Você vai acabar sozinho
Porque nunca soube se conectar
Nunca soube sentir a alma de alguém.“
Apenas meu desabafo, e oque eu penso.

Erica Oliveira

The Nerd Guy

Não sei dizer se é possível gostar tanto de alguém, mesmo sabendo que esse alguém ser seu é uma possibilidade quase nula. Mesmo que esse alguém sequer saiba da sua existência. Eu não subestimaria os feitos que o amor pode ter, ele é contagioso, se espalha de forma rápida pelo corpo, aparentemente não há uma cura, pode ser terrível, algo capaz de desarmar até o mais insensível dos homens. Pode ser o motivo de risos ou muitas vezes de lágrimas. Uma inconstância infinita. Pode ser o responsável pelo “felizes para sempre” ou até que a morte nos separe. Não digo isso como algum tipo de referência a matrimônios, é bem óbvio que pode-se sim se encaixar, entretanto, me refiro ao motivo do amor não recíproco, que pode levar alguns à beira da loucura ou abismo, se preferir. Da mesma forma que ele pode curar, ele machuca e mata. Não tenho a certeza se algum dia irei querer experimentar dessa aparente droga. Ter um vício assim não é lá muito convidativo. Mas se pode haver exceções, não? Absorto em meus pensamentos, formulando inúmeras teorias sobre o que de fato é o amor, quase a perco de vista. Meu coração que até instantes atrás estava calmo, acelerava de forma descompassada a cada passo que ela dava. Estava linda, como sempre fora. Em seu uniforme de líder de torcida, sorria para uns e outros mostrando seu sorriso incompreensivelmente cheio de dentes brancos e perfeitamente alinhados. Enquanto passava pelo corredor, outras garotas a olhavam com um ódio que poderia ser mortal e a julgar suas expressões faciais, poderia facilmente chegar a conclusão de que estavam a chamando das piores palavras de baixo calão em suas mentes. Poderia dizer que o motivo real de toda essa inveja seria porquê ela é perfeita, mas estaria mentindo. A prova real disso é seu namorado, Harry Styles, o capitão do time de futebol do colégio. Mais clichê que isso impossível. Não me incomodaria de forma alguma ser seu companheiro, mas sou inteligente o bastante para saber que ela não teria nada com alguém como eu, mas isso não significa que ela não possa namorar alguém que a trate com seu devido valor. Styles certamente não é essa pessoa.

Alguns caras também a olhavam dos pés a cabeça, assim como eu, não posso negar. Mas diferente deles, não se passava coisas sujas em minha mente. Meu estomago já embrulha só de olhar a cara maliciosa de alguns. Será que não podiam controlar seus hormônios?! Suspiro quando ela passa por mim e sinto seu perfume doce e suave adentrar meus poros e me fazer relaxar. Parado, encostado na porta do meu armário, observo pelo canto do olho ela mexer no seu, até seu namorado se aproximar com os amigos. Fechei meus olhos e respirei fundo ao ter que presenciar a cena ridícula que Styles fazia questão de repetir todos os dias. Um beijo de tirar o fôlego. Olhei em volta e obviamente não era só eu quem tinha presenciado a cena do casal. Meninas encaravam ela com inveja, certamente por quererem estar no lugar de (S/n), beijando o cara popular. Confesso que também olhei aquilo com certa inveja, inveja por não ser eu a beijá-la. Mas principalmente, por não ser um cara namorável. Pois se fosse, jamais a trataria dessa forma, não como Styles a trata, ela merece mais que isso. Mas ela nunca olharia para alguém como eu, o nerd da turma, o cara esquisito sem amigos. Dei mais um suspirando, balançando minha cabeça e afastando meus pensamentos irracionais. Termino de pegar meu material de física e sigo para o laboratório, dando início a mais um dia rotineiro nessa escola, também conhecida como inferno.

(…)

A hora do intervalo era difícil, porém não impossível. Já se fazem exatamente dois anos desde minha transferência para cá, ao longo desse tempo tive que aprender algumas várias coisas, caso quisesse estar vivo ao final do dia. Entro na fila da cantina  e pego minha bandeja, sempre dando passos conforme a fila andava. Podia ouvir risinhos atrás de mim, estavam fazendo piadas e sabia que o motivo era eu. Sempre era a diversão, mas não iria dar importância a esses ignorantes. Até o mais irracional dos seres pré-históricos deveria ter mais respeito ao próximo do que os integrantes do time de futebol. Só porque são o que são se sentem no direito de menosprezar, ridicularizar e humilhar seja lá quem for, simplesmente porque estão “afim”. Perdi a conta de quantas vezes fui o alvo, quantas vezes me jogaram comida, rasgaram meu material, me jogaram no cesto de lixo nos fundos da escola ou na piscina da quadra. Sei que deve estar se perguntando, “Mas por quê você não avisa ao diretor ou seus pais?”, não digo isso aos meus pais porque certamente irão querer me transferir de colégio e isso me prejudicaria de certa forma, já que falta só alguns meses para a conclusão do ensino médio. E não digo ao diretor George Hill porque qualquer um que tenha dinheiro suficiente para alimentar seus vícios terá sua proteção. Suborno não é uma prática que eu ou meus pais gostamos muito.

- Olha só isso! Quem é que se veste assim? - Não precisei olhar pra trás para reconhecer a voz de Louis Tomlinson, o zagueiro queridinho de todos. - Deve ter perdido a noção do tempo e acha que no século passado. - Disse arrancando risadas de quem estava em volta. Quem ele achava que era? Um estilista? Me poupe. Sua frase ridícula me faz revirar os olhos em desgosto.

Olho para baixo disfarçadamente, encarando meus sapatos pretos, minha calça de linho marrom e meu suéter xadrez, o que há de errado em se vestir assim? Dou de ombros, ajeito meu óculos e caminho mais um pouco. Peguo meu lanche e me sento. Sozinho, é claro. Sentei na mesa mais distante, que estava desocupada, não porque estava sobrando lugar mas sim porque estava com restantes de embalagens de quem tinha sentado ali antes e não teve a coragem de retirar seu lixo, e obviamente ninguém ira tirar, já que esse não era o serviço deles, não é mesmo?

- Olha lá, coitadinho, como ele é excluído! Não quer se juntar a nós, quatro olhos? - Gritou outro, e mais uma vez eram só risos. Não precisava dizer nada para faze-los rir, somente o fato de eu respirar já era motivo de chacota. Afastei um latinha de refrigerante vazia e um pacote de plastico, podendo assim colocar melhor minha bandeja sobre a mesa e me ajeitei na ponta do banco. Não daria importância, como havia mencionado antes, tive que me acostumar com isso. Não é nem um pouco reconfortante, mas também não iria fazer esse o sentido da minha vida, não mais. Estudarei, trabalharei e me tornarei alguém importante e reconhecido por meus feitos. Poderia ser gentil e pensar na possibilidade de contratá-los como funcionários. Sonhar não paga imposto, então poderia usufruir disso tranquilamente. Posso ter sido um pouco malvado com meus últimos pensamentos, mas não mais do que eles foram durante muito tempo comigo.

Minha refeição era calma, tranquila enquanto vagava por meus pensamentos. Era, até vozes altas lotar o refeitório.

- Eu ‘estava brincando amor, volta aqui (S/n)! - Ah, era Harry. Com certeza tinha feito alguma burrada de novo e deve ter recebido um gelo. Ri sozinho. - Aonde você pensa que vai? Volte já aqui. - Ordenou.

- Volte já aqui? Volte já aqui? Quem você pensa que é para falar assim comigo? - (S/n) gritou em resposta. Olhei na direção dela, assim como todo o refeitório fazia. O silêncio da parte dos demais tinha reinado, justamente para que todos pudessem ouvir o que se passava. Perplexos demais por ver (S/n) responder Styles daquela forma, coisa inédita. Ela segurava sua bandeja e se afastava cada vez mais da mesa dos populares. Parei de mastigar meu sanduíche assim que percebi que cada vez mais ela se aproximava.

- Vai sentar aonde? Com o nerdzinho? - Acho que ia me engasgar.

- Eu sento com quem eu quiser e isso não te diz respeito. - Nossa. Acho que estava de boca aberta por vê-la falar assim com ele, na verdade, todos estavam. Abri minha boca mais ainda quando a vi parada na minha frente. - Oi, posso sentar com você? - Me perguntou, usando um tom de voz muito mais calmo. Acho que o oxigênio do meu cérebro tinha acabado, estava delirando, só podia ser isso. Até parece que (S/n) (S/s), essa garota linda, iria querer sentar perto de um cara que nem eu. Será?

Não podia ser real.

- Hein? - Pisquei algumas vezes despertando-me do meu transe momentâneo.

- Hã? - Foi a unica coisa que saiu da merda da minha boca e instantaneamente me senti um idiota. Ela deu um suspiro e olhou para os lados.

- Eu posso me sentar aqui ou não? - Não tinha sido delírio meu, era real.

- A-ah, sim, claro. Pode se sentar sim. Eu já estava terminando meu lanche mesmo, já vou sair e voltar para - Voltar pra onde? Sair por quê? - Ela me cortou.

- Você quer se sentar e é bem óbvio que não vai querer se sentar perto de alguém como eu. - Abaixei minha cabeça, envergonhado.

- E porquê não? Você é algum tipo de serial killer? - Brincou e ri brevemente, além de linda, era engraçada. Neguei com a cabeça. - Então não vejo porque ter receio de você! - Dito isso se sentou de frente para mim.

- Mas não te incomoda sentar perto do garoto que é a piada do colégio? - Não incomodava?

- Claro que não. Da onde você tirou isso? - Respondeu com um ponto de interrogação no meio da testa.

- Bem, é que os jogadores do time de futebol não gostam muito de mim, o que é bem óbvio para muita gente, apenas achei que por você andar com eles, ser popular e essa coisa toda, se importaria, nem sabia que você sabia da minha existência. - Acho que terminei de dizer aquilo mais para mim mesmo, mas ela parecia prestar bastante atenção no que eu dizia.

- Eu posso realmente nunca ter conversado com você, mas tudo tem sua primeira vez, certo? - Concordei. - Então, aqui estou. Meu nome é (S/n), mas modéstia a parte, isso você parece já saber. Me diga, como você se chama?

- M-marcel. - Não acredito que vou ficar gaguejando justamente enquanto estou conversando com ela. Respira fundo, isso. Acho que devo melhorar, ou não.

- Nome legal. Você é da turma B de química, não é? Acho que já vi você por lá. - Ela estava tentando puxar assunto e eu mal conseguia formar uma frase. - Você não vai comer mesmo? Estou começando a me sentir culpada por ter atrapalhado seu lanche.

- N-não, não se sinta. Tenho que confessar que é informação demais pra mim. - Ri seco. - Só estou tendo uma certa cautela, para ter a certeza de que eu não estou a te atrapalhar.

- Para de paranoia, garoto. - Riu. - Você é sempre assim?

- Assim como?

- Teimoso. - Senti minhas bochechas formigarem.

-Hm, não sei. Acho que sim, desculpe.

- Pare de se desculpar, parece até que sou sua mãe. - Rimos. Ela era divertida. Muito divertida. Sempre que podia soltava uma piadinha. Algumas um pouco bobas, mas uma graça. Conversávamos vez ou outra, enquanto comíamos. O refeitório inteiro já não encarava mais a gente, vez ou outra olhava de relance para os lados e via que uma pessoa ou outra nos olhava. Mas uma que parecia ter seus olhos cravados aqui era Harry.

- Não dê importância, ele acha que sou algum tipo de propriedade dele. - Virei meu rosto imediatamente para ela, surpreso por ter sido pego no flagra.

- Ele é seu namorado, deve estar com ciúmes de ver sua namorada sentada com outro garoto que não seja ele. Não que eu possa causar ciumes em alguém, isso é impossível. Até parece, um cara como eu ser digno da atenção de alguém. - Ri, mas ela não me acompanhou.

- Não concordo. Primeiro, ele não é meu namorado, e o que ele sente não é ciúmes, é medo de ser deixado. É diferente. Segundo, não diga isso de si mesmo, você é uma graça, deveria saber disso.  - Sorriu dando uma piscadela. Aquilo me paralisou, ela percebeu meu estado de choque e deu uma gargalhada. O sinal tocou, anunciando o fim da pausa e ela se levantou. - Não precisa ficar em estado de choque, Marcel. Não estou brincando ao dizer que você é charmoso, porque você é! De verdade. Bem, parece que um gato comeu a sua língua e não dá para esperar você despertar do seu transe, porque tenho treinamento e se eu me atrasar a treinadora que irá comer meus rins. - Riu. - A gente se vê por aí, foi bom te conhecer! - Se despediu e saiu. Eu não sabia o que fazer, nem sabia como estava respirando. Estou falando sério, digo isso porque não sei como minha asma não deu crise justamente agora, já que ela sempre é inconveniente e acha de dar as caras em momentos como estes deixando a situação mais embaraçosa. Eu estava fascinado. Que garota, que garota. Acho que levaria um ano luz para poder absorver tudo que havia acabado de acontecer. Ela falou comigo, sentou na mesma mesa que eu, perto de mim, conversamos o resto do intervalo inteiro, rimos juntos. Era muita informação. Mas de uma coisa eu sei, as borboletas no meu estômago estavam mais nervosas do que nunca. “A gente se vê por aí…” poderia facilmente ficar pensando nisso.

aviso: não sou legal, não vou ser legal quando não tiver afim de ser, não vou ser legal porque você é legal, não farei nada pra te agradar se não estiver afim porque não sou obrigada, obrigada.