pormimmesmo

Queria eu conseguir explicar tudo o que eu tô sentindo por você. Queria saber o peso de tudo isso que tá passando pela minha cabeça, o mais do mesmo que toda pessoa que gosta extremamente de outra pensa. Chego a te odiar em alguns momentos. Mas não te preocupa, a maré de raiva baixa no momento em que você me dirige a palavra, a sua doce voz que os meus ouvidos tanto anseiam em ouvir. Frases mal elaboradas saem da minha boca aos tropeços, e você ri de mim e diz que eu sou a pessoa mais engraçada do mundo. Não diria isso se visse como eu fico quando você sai de perto e vai conversar com outras pessoas. Você ri junto delas e eu me afogo no meu ciúmes. Já até fiquei amigo desse sentimento ignorado por você quando se trata de mim. E eu acho que isso deve ser o que eu mais odeio nesses nós que você deu em mim. Se eu pudesse extinguir uma coisa da minha vida seria essa minha ideia de que você me pertence e que não deve conversar com mais ninguém, apenas comigo. E, aliás, se você souber um chá que possa me curar disso, me avisa! E lá vem você de novo, diz que esqueceu de me contar uma coisa e eu já me sinto muito melhor, recupero o fôlego e sinto meu corpo pesar e estremecer. Era bobagem, como todas as outras coisas que você me conta e pelas quais eu me apaixono. A solidão se torna minha melhor amiga quando você não me responde, ou quando não quer papo com ninguém. E eu sei o que acontecerá amanhã se eu não tiver coragem de te dizer tudo isso que aqui escrevo: acontecerá tudo de novo, o mesmo ciúmes, os mesmos sorrisos, a mesma solidão e o mesmo peso sobre a minha cabeça antes de dormir. Me diga, esse peso que sinto é normal? O amor pesa tanto assim?
—  Só mais do mesmo sobre você, outroladodemim