ponto cego

Tem gente bonita, ainda. Tem gente que fala muito, mas sempre acha que ainda falta mais. Tem gente que faz falta e não faz. Tem gente que luta por amor. Tem gente que é poesia, mas se faz de verso. Tem gente que nasce sã, mas adquire o inverso. Tem gente que sonha, mas não corre. Tem gente que vive sem lutar. Tem gente que só sabe arriscar. Tem dias que duram anos. Tem gente que é tanto faz. Tem gente que é um ponto morto, ponto fraco, ponto cego. Tem gente que sente muito por não sentir nada. Tem dias que só dizem “não”. Tem nuvem com formato de coração, mas que só chora dor. Tem liberdade presa. Tem direção incerta. Tem lágrima com gosto de alegria. Tem sonho que parece mais utopia. Tem conto que parece comigo. Tem lucidez equilibrada. Tem remédio que não cura nada. Tem flor com cheiro de amor. Tem o amor que cura, que jura, que dura. E tem o céu.
—  Giulia Lara, Manuscrituras