poeta abalada

Eu gosto de você, você é a unica pessoa que me faz rir quando estou triste, gosto das suas fotos e uma delas está como papel de parede no meu celular, pra sempre que pegar meu celular te olhar, eu espero sempre uma mensagem sua de “bom dia” e quando é de outra pessoa, nem me preocupo em responder, mas quando é mensagem sua, dou até um sorriso bobo. Lembro de você ao ouvir a maioria das musicas, você me anima quando estou triste, ninguém me chama de amor ou meu amor além de você e eu gosto quando me chama assim, as vezes você me faz ficar com ciúmes, mas ninguém me tem tanto, quanto você me tem. Gosto de você amor.
—  Aquela mensagem…
Talvez você não leia isso, mas quero falar de coração, que tudo que passamos juntos eu vou guardar e sempre que me lembrar irei sorrir. Eu sei que muitas vezes você só queria um pouco de atenção e eu te neguei isso, muitas vezes você só queria carinho e eu neguei, as vezes eu acho que nunca te mereci, mas eu tenho certeza de que se eu não te merecesse você já saberia disso e não se aproximaria de mim. Se eu tivesse mais uma chance com você, eu te daria o mundo, roubaria todas as estrelas pra você, na verdade eu te daria tudo que você sempre quis e eu neguei, eu te daria meu amor. Eu sei que você ainda vai ser muito feliz, ainda vai sorrir muito e espalhar seu sorriso lindo por ai, porque você merece ser feliz, muito feliz. Mas espero que sorria comigo, ao meu lado. Depois que eu te perdi, eu vi que a vida sem você não faz sentido algum, a vida sem você é uma merda, sério é uma bosta! Parece um pouco clichê, mas é isso mesmo. O que eu queria agora, era um abraço seu e você me dizendo que vai ficar tudo bem, que a tempestade já passou e agora é só apreciar o arco-iris… O que eu mais gosto em você, é esse seu jeito de pensar, você me acalma, me faz tão bem e eu amo isso, eu amo você… Quero que me perdoe por todas as vezes que te fiz mal, que te magoei, que te ignorei, que te tratei mal, que não te dei carinho, nem atenção, e perdoe por não dar o melhor de mim. Sempre fui egoísta, sempre quis você só pra mim, sempre quis seu amor todo pra mim e sempre vou querer. Por mais que eu seja idiota, eu te amo, eu te amo muito. Sabe aquele amor que consome com a gente? É esse amor que sinto por você, e espero que ele consuma totalmente comigo, porque é um amor gostoso, é um amor bom, não é desses que fazem a gente ficar chorando por lembrar, é que, se foi algo bom, porquê chorar? Eu sinto sua falta, sinto falta de quando você me ligava, sinto falta do seu jeito de falar, sinto falta dessa sua risada gostosa de ouvir e as vezes sinto até falta das brigas. Eu tenho tanta coisa pra te dizer, mas a mais importante é que, eu te amo, e quero você só pra mim, quero você de volta.
—  Se você voltar pra mim, eu te prometo amor e o mundo todo só pra você! Poeta-abalada.
Ele sorri gostoso.
— Como foi seu dia? — Perguntei.
— Foi normal e o seu? — Ele perguntou desanimado.
— Foi normal também, quero um sorriso. — Falei olhando nos olhos dele.
— Hoje não tem sorriso baixinha. — Ele disse e me olhou nos olhos.
— Para de me chamar de baixinha, eu odeio isso. — Fiquei brava por ele me chamar de baixinha.
— Baixinha, baixinha, baixinha. — Ele falou e sorriu.
— Que gostoso. — Eu disse e sorri pra ele.
— Gostoso? Eu? Claro baixinha. — Ele disse e sorriu.
— Como você é convencido. — Afirmei.
— Eu? Que nada baixinha, só falei verdade. — Ele continuou. — Ou vai dizer que não sou gostoso?
— Ah, para. Eu não provei você ainda. — Eu disse e fiz cara de brava.
— Ainda? Então você quer provar. — Ele falou em um tom de safadeza.
— Eu não disse isso. — Falei.
— Mas pensou baixinha, pensou. — Ele disse no mesmo tom de safadeza.
— Eu não pensei. — Falei brava.
— Nossa baixinha, você não precisa ficar assim. — Ele disse calmo.
— Olha, você é um chato convencido. — Falei ainda brava.
— Eu só falo a verdade amor… Ops, baixinha. — Ele falou e ficou vermelho de vergonha.
— Hum, amor é? — Eu sorri e olhei nos olhos dele.
— Me desculpa, eu não devia ter dito. — Ele disse e abaixou a cabeça.
— Fica quieto e me beija logo. — Eu disse.
Ele se aproximou, olhou nos meus olhos e me beijou.
— Baixinha. — Ele disse e sorriu.
— Que gostoso isso. — Falei sorrindo.
— O que? — Ele perguntou.
— Seu sorriso. — Eu disse.
— Então meu sorriso é gostoso? — Ele perguntou rindo.
— Sim, você sorri gostoso. — Eu disse e sorri pra ele.
—  Você não pode saber que vou te pedir em namoro. Poeta-abalada