Bir insan bir insanı bir şey görür, bu hayattır.
Bir insan bir insanı birçok şey görür, bu sevgidir.
Bir insan bir insanı her şey görür, bu aşktır.
Bir insan bir insanı hiçbir şey görür, bu doğu'dur.
Bir insan bir insanı görmez, bu ölümdür.

Özdemir Asaf

Görsel :  Stefano Ciancia -  The love of a grandfather

Quando eu acordo recordando, uma pedra de gelo aperta meu coração. E não posso ser feliz lembrando o ontem e não sendo mais eu. Penso em escrever todos os clichés que são na verdade apenas o que sinto. Não consigo. E o gelo vai tomando conta de mim e me sinto fria e distante. Não há alguém a quem possa ser sincera sem medo e esse é um caminho solitário demais para alguém como eu. Eu que não sou a única assim, eu que não suporto saber que não sou a única assim. Ainda no escuro, ainda deitada, tento me esquentar com meu próprio calor e derreter aos poucos o gelo dentro de mim. Meu-passaroazul

vou partir, mas
meu partido é o peito.
o coração.
e parto daqui
com ele partido.
para dar coerência
a vida que me deixa.
e aqui eu deixo
amigos, lembranças,
lugares, sorrisos,
o amor que um dia
chamei de meu,
desejos, planos, sonhos.
aqui deixo eu mesmo.
tudo que fui aqui fica.
não levo nada.
que é para ficar
claro a percepção
do meu desdobramento
no processo de
desinstalação.
a possibilidade
de existir
um eu que ficou,
e outro que foi,
pra poder,
enfim,
como na ciência,
ter a distância
necessária
do objeto
para se poder
observá-lo.
tendo a chance
de reparar os erros,
de tentar de novo.
eu parti
meu próprio
coração.
o coração onde estava
depositado
o maior
amor do mundo.
tudo é despedida,
porque tudo é partida.
partido: o peito,
a vida, o eu,
o amor…
partidos,
na ânsia de um dia
poder ser
novamente inteiro.
—  Domar Calabrez
Corazón negro, corazón Monsanto®

Mi querida campesina, se que esa fértil maleza no te deja verme. Se que todos quieren comprar tu producto, porque es el que dicen ser el mejor. Pero, tu no eres así tu antes tenías espigas y espinas, antes se te caían las hojas para que te nacieran flores, pero hoy sólo eres su fruto. 

Monsanto®  debió ser quien te dio las semillas para que te crecieran esos vientos negros. Mi querida campesina, que yo no vengo a decirte como arar tu campo, bien lo sabes tú que yo no pretendo tu transgénico cariño, que yo te quiero armada con tu hoz, que nos busquemos en esta jungla como antropomórficos jaguares que creyeron en el Popol Vuh. 

@pajaritas-para-muertos

Pajaritas para muertos (Youtube | facebook | twitter  | pinterest)

Sem título II

Como a existência é surreal!…
O homem, escória dos animais,
Mal sabe numa sociedade moral
Viver! São suas idéias tão irreais

Que enganam a falácias a pobre
Criança nascida hoje, pois descobre
Uma mente nova para estragar!
Que imoral destino a tragar

Sobra para todos os rastejantes
Seres que não tem mais nada a esperar
Desta cruel vivência! Preponderantes

Seres incumbidos desde o início a viver!
Pois nenhum escolheu amargurar
A vida, pois nenhum escolheu nascer!…

- Vigilius Pluto

Llegó de forma natural,
destruyendo los muros de mi mente,
interpuso su sonrisa como huracán.
y construyó poesía en mi muerte.

Su mirar era más que un secreto,
no hay fuego que haga arder su tormenta
y por más versos que tenga su silencio…
ella era vida, ella era siniestra.

Compuso laberintos de rimas,
acabé encontrándome con sus demonios,
y me perdí entre su beso y su risa;
incitándome a perderme cada vez más un poco.

Escribió de forma amorosa el adiós,
pero la amo con toda mi alma
y aunque suenen las grietas del corazón.
la sigo amando con toda mi palabra.

—  Perlas del Mar, Eduardo Saporiti
youtube

O corvo de Edgar Alan Poe. Na tradução agora de Fernando Pessoa.

  • Locução arranjos e edição Guto Russel.