poders

Miren HARTA me tienen con el bardo. Que pesados son

PERO QUE COJONES HACEIS TWITEANDO #WIGETTANOSMIENTE. Es que yo flipo de verdad.

A ver vamos a poner las cosas claras a los nuevxs (y no tan nuevos pero un poco tontixs) del fandom:

1. Wigetta fue creado por nosotrxs mismxs. USANDO SUS NOMBRES.
2. El libro de ellos tiene por nombre la combinación de SUS DOS NOMBRES.
3. Willy y Vegetta no tienen NINGÚN canal en conjunto.
4. Sus canales son de gameplays, con algún que otro vlog. NO son canales de vlogs diarios/semanles/mensuales.

Qué quiero decir con todo esto? Bueno, que Wigetta tiene años! Un INVENTO de lo que a nosotrxs nos HABRÍA gustado que fueran (para aquellos tiempos sólo era una mínima idea de que fuesen pareja).

Se quejan de que Wigetta lo han hecho comercial y que blablabla; que derecho creen que tienen para poder decir en que lo pueden utilizar o no?! Están consciente de que son SUS PUTOS NOMBRES combinados? Flipo.

Y por último, por qué coño tendrían que explicar sus vidas amorosas/personales si ellos NO tienen un canal en conjunto y mucho menos son bloggers; ellos no documentan su vida personal, no tenemos ningún derecho en pedir explicaciones de NADA. Y así tuviesen canales de vlogs tampoco tenemos derecho, somos solos subs. Nada más.

¿Y EN QUE VÍDEO DICEN QUE WIGETTA ES REAL? Porque vamos, si dicen que Wigetta nos mintió es porque primero confirmaron algo. COSA QUE NO HAN HECHO.

Si tienen novia, genial. Si están juntos, genial. Eso no nos afecta a nosotrxs.

Ojalá todxs los que dicen que se van, se vayan de verdad.

Y agradezco a Cristina si ha ayudado a Willy a vestirse mejor, porqué vamos, está para comérselo todito.
(Que sigo shippeando Wigetta pero no seré pesada y negar cosas que existen)

A garota de cabelo azuis adorava festas, era um ótimo modo de aproveitar a vida e, de certa forma, aproveitar romances que poderia acontecer. Como Inanna nunca teve muito fôlego para dançar, preferia ficar conversando e bebendo um pouco de álcool para sentir a tontura gostosa que não era causada pela sua saúde. Infelizmente ainda era o início da festa, e todas as mesas de bebidas estavam com um supervisor. Inanna aparentava ser nova, então nem mesmo enganar as pessoas considerava possível, então apenas procurou uma pessoa próxima da mesa para tentar. Aproximou-se e delicadamente tocou o ombro da pessoa que aparentava ser mais velha. Com um sorriso no rosto, pôs se a perguntar: — Você pode ser gentil e pegar uma bebida para mim? — Apontou para a mesa de bebidas alcoólicas atrás de não dar de cara com uma pessoa se enganando com bebidas comuns. 

Às vezes eu só preciso contar pra alguém dos alfinetes imaginários que me desconfortam. São pensamentos que só existem na minha dimensão. As pontas amoladas adentrando minhas vísceras, meus ombros, meu cérebro - não necessariamente nessa ordem. Às vezes eu só preciso dizer: Lucas, eu não to bem. Porque as pessoas que se sentem almofadas de alfinetes sempre têm esse medo intrínseco de serem levadas pro conserto por tempo indeterminado. Eu só quero viver normalmente sem sentir que tem um buraco aberto no meu pulmão, uma hemorragia no meu crânio - tudo isso apenas em ideias. Então quando alguém responde: letícia, você precisa ouvir seus próprios conselhos - isso nem me dói tanto. Na verdade é o último alfinete que vem buscar todos os anteriores. É o alfinete que me espeta e me liberta. Porque eu não quero e nunca quis que alguém tentasse catar meus alfinetes. Não é sobre isso - essa pessoa onipotente que pode me salvar. É sobre eu poder me salvar da minha própria mente insegura. Você precisa ouvir os seus próprios conselhos. Você precisa se salvar de si.
Eu sei. E sou grata por ter alguém que me lembre disso.

space-nerd-artist  asked:

Dioh, desde hace "años" que no hablamos, lo siento! óAò He tenido demasiado trabajo en la escuela y en general, espero pronto poder entablar conversación contigo, y espero que estés bien. Ten una linda tarde/día/semana/mes/año/vIDA-

Ten una linda tarde/día/semana/mes/año/vida igualmente(?)

Analiso suas olheiras enquanto vejo meu mundo virar a esquina se escorando no seu, em câmera lenta. Meu medo assobia: “Quem somos nós além do choro que escapa?”. Você sorri um sorriso triste e mesmo assim a dor nos meus ombros se ameniza.

Te olho pela luz visível que cai em cascatas sobre todas as suas fraquezas e quase choro outra vez. Eu queria poder curar em mim todos os meus silêncios que te machucaram, e te tocar como se o sol evaporasse em todas as suas cicatrizes. Queria poder salvar todos os seus dogmas ou crenças de que existe sim um lugar mais bonito e mais feliz, onde a paz pode sem qualquer obstáculo ser alcançada nas pontas dos dedos, mesmo nas nossas mãos frias cansaço e medo. Porque por Deus, eu queria que todos os nossos pesadelos se destruíssem no próprio eco do esquecimento daquilo que não se concretiza mas mesmo assim assusta. Eu queria que a pausa entre um susto e outro simplesmente fosse substituída por susto nenhum. Quando eu sei que você é tão mais. Tão mais. .

Sabe, eu queria saber te amar em tons de azul, porque sim, você não merece menos do que isso. E Viver nas tuas guerras ainda seria tão bonito como viver em mares tranquilos.

Te observo piscar, e desejo poder estar entre todas as imagens que formam na sua mente. Chego mais perto e me aconchego nas suas incertezas sem pensar no depois. Não, não quero mais o amanhã se travando com um gingante de areia por entre os nossos descontroles.

Suspiro e acabo te tirando do devaneio. Você me encara como se eu fosse uma aparição do universo soprada na sua frente, sem antecedente ou formas de registro. E vejo, ali nas cores do que te sustenta, uma veneração que é diferente nos seus olhos e diz muito mais sobre poemas do que todas as cartas de amor já escritas.

“Eu dançaria com você pela casa todos os dias se você fosse minha”, você diz
Sorrio. 

“Se você fosse meu eu andaria por aí dizendo a estranhos sobre como é amar alguém que veste o céu dentro de si”, revido.

“Se você fosse minha eu apostaria corrida com você dentro de um museu em nome de todos os santos pregadores do amor”.

“Se você fosse meu eu declamaria poemas a crianças perdidas e depois rezaria em silêncio por todos os corações quebrados”.

“Se você fosse minha eu publicaria um livros cheio de gravuras só pra que todos entendessem o que eu sinto por você”.

“Se você fosse meu eu te escreveria cada um dos meus textos e te leria em voz alta na fila de um banco”.

“Se você fosse minha eu faria aulas de arte só pra que pudesse desenhar todos os seus sorrisos”.

“Se você fosse meu eu choraria por você sempre que o mundo pesasse demais”.

“Se você fosse minha eu autografaria a saudade em outro planeta só pra nunca ter que sentir a sua falta”.

“Se você fosse meu eu cantaria aos anjos sempre que possível”.

“Você sabe, eu queria poder te amar assim por essa vida e por todas as outras”, você diz.

E tudo mais se cala. Porque amor, amor é isso que se estala quando os nossos mundos se esbarram, sempre como se fosse por uma primeira ou última vez. 

c.

Re-começar

Esse texto é sobre a dor de romper com alguém. É sobre a saudade brutal que vai te assombrar por inúmeras noites até que tudo fique no passado e você esteja finalmente em paz com o que passou. É sobre a tristeza que vai te abraçar antes que tudo possa estar bem novamente. É sobre o choro que virá após ouvir uma música que te lembre essa pessoa. É sobre sentir como se o seu coração estivesse partido em pedaços por não poder conviver da mesma forma que antes com esse alguém. É sobre renovar seus costumes. Sobre entender que apesar de tudo ter acabado, as boas lembranças ficam guardadas, pois elas costumam ofuscar as más. Por que essas lembranças valeram a pena e te fizeram amadurecer apesar da angústia. Ei, onde você está agora? Está ancorado no seu passado, ou preso no seu futuro?  A verdade é que nem todos estão preparados para colocar um ponto final. Às vezes, vírgulas são menos assustadoras do que pontos finais. E tudo bem, por que somos diferentes. Lidamos com as diversas emoções de formas diferentes, e isso não é um problema. Sentir a perda é apenas parte do processo de cura. O percurso é imprevisível, e muito maior do que você imagina. 

anonymous asked:

Bueno, dejando lo triste y desgarrador de lado, recuerdas el vampire end de Laito o de otro chico???

Pues… la verdad es que no. Yo nada más miro los finales malos, los buenos no me gustan(?
Me he mirado todos los finales malos menos los buenos, ya que me gustan las cosas sad, mi final favorito es cuando Carla mata a Ayato, y después como Yui queda loca Carla se transforma en Ayato para poder coge- digo para procrear!

Por qué me gusta ese final cuando Ayato es mi favorito? No sé :v

anonymous asked:

Hay brujas y otro tipo de hechiceros en ese mundo? La unica magia q hay es de sombras o hay más?

hay hechiceros y todo eso, los poderes de Nicolás y James abarcan una pequeña parte de ese mundo mágico ;)